Cristãos de verdade mostram seu incrível amor ao próximo espancando uma menina

Mimetismo de ovelhas ajuda no pastoreio
Borobudur: Um passeio pelo centro do Universo budista

Tudo bem, já sabemos que não são cristãos de verdade, não foi um espancamento de verdade, a menina não era de verdade, nada era de verdade, pois cristãos são o exemplo de seguidores de uma religião pura e mansa de coração, como ensinou Jesus, o cara que mandou odiar os pais. Torquemada não me deixa mentir.

Eu sei que já está mais que provado que vivemos um país tão religioso quanto o Estado Islâmico, o que muda é o deus. Se bem que é o mesmo deus, mas não é o mesmo deus, pois o profeta que veneram, apesar de ser o mesmo , não é "O" profeta, apesar dos anjos serem os mesmos e… Ah, você entendeu. Claro, temos o problema das outras religiões, que não são religiões de verdade, restando seus seguidores acabarem no Inferno, mas com um compacto dos melhores momentos dados pelos seguidores do Príncipe da Paz, como foi o caso de uma menina que entrou na porrada por causa de uma foto.

Uma aluna de um colégio estadual de Curitiba, a versão brasileira da Detroit do Robocop, achou que vivia num país de gente normal, mas ela não deve ser boa em Geografia, pois a Suíça é pra outras bandas. Como ela, a mãe e uma amiga são seguidoras do Candomblé, ela teve uma amostra de como religião é algo legal. Numa foto em que ela foi marcada, as "amiguinhas" viram nos seus perfis do Facebook, a rede social que existe para juntar pessoas e estabelecer laços mimizentos de ódio ao próximo.

A menina foi chutada e jogada contra a parede. A escola, no seu papel psicometodológicodidáticopaulofreireano fez o que qualquer pedagogo faria: porra nenhuma. A mãe da menina registrou queixa na polícia e sabem o que vai dar? em nada, claro. A agressora é menor. E é bem capaz de defenderem-na, pois a outra é "da macumba e macumba se chuta". Com nossos grandes representantes na Bancada Religiosa definindo o que é família e o que não é, bem capaz de dizerem que a "macumbeirinha’ (eu sei!) é que foi a culpada por ofender a fé alheia. Resultado, a menina está com medo de sair de casa. Quem pode culpá-la.

Não adianta tampar o Sol com a peneira. O Brasil virou uma ditadura teocrática, em que religosos podem fazer qualquer coisa, principalmente se forem cristãos, já que os outros n]ao são religiosos de verdade. A menina entrou na porrada, ficará com a porrada e os traumas psicológicos, e algum defensor de Paulo Freire dirá que as criancinhas não sabiam o que faziam. Parabéns, pais. Vocês queriam que seus filhos seguissem seus passos. Conseguiram. Espero que estejam orgulhosos. A escola não tomou nenhuma atitude, claro. Tomaria se algum professor dissesse a essas alunas que isso foi errado. Daí o indiciariam por preconceito religioso. E religião, como sabemos, temos que respeitar.

Obrigado, Pedagogia!


Fonte: Extra

Mimetismo de ovelhas ajuda no pastoreio
Borobudur: Um passeio pelo centro do Universo budista

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας