Quando o milho foi dominado, tudo dominado?

Vida de caçador-coletor era uma desgraça. Além de não ter mercadão para fazer compras, os humanos corriam o risco de serem o jantar de alguém. Quando aprendemos q semear e a colher, nós mudamos a História. não só nossa, mas do mundo inteiro, pois foram as primeiras pegadas humanas que se deixou no meio-ambiente, já no Pleistoceno. Agora, cientistas estudam o impacto que ocorreu quando o começaram as culturas de milho.

O milho é uma das principais lavouras de subsistência. Ele serve desde para se obter farinha até ração pra gado, já que seu grande valor nutritivo o transformou no alimento preferido dos campeões.

NO início era o teosinto, e os caçadores-coletores vagavam de lá pra cá. Um dia, começaram a perceber que as sementes atiradas no chão brotavam e davam origem a outra planta. por que não sentar a bunda num só local e cultivar seu próprio alimento? Daí para mandar o Homem à Lua foi um pulo (de cerca de 9 mil anos!). O teosinto é uma plantinha feliz, pertencente ao gênero Zea, e são os tataravós do nosso atual milho.

Por ue eu deveria saber algo sobre a origem do milho? Não sei, mas creio que o fato de ter um percentual da ordem de 21% de toda a produção de grãos no mundo serem exatamente o milho deve ter algo a ver com isso.

Mas o teosinto não entregou seus segredos de bandeja e ainda hoje estudamos como melhorar a safra de milho, num mundo que já vai pra 8 bilhões de pessoas. Produzir comida não é um luxo, e sim uma necessidade para tentar contornar o problema da fome mundial, enquanto Malthus está lá, como quem não quer nada.

A drª Dolores Piperno pode falar algo sobre isso, já que ela não é muita coisa, além de ser arqueobotânica e curadora do Departamento de Arqueologia Sul-americana e Arqueobotânica do Museu Smithsonian. Ela estuda como o milho entrou nas nossas vidas e como nós produzimos o mllho, afinal, você não acha que ele apareceu na natureza já pronto para virar pipoca, não é?

O teosinto não era o que temos hoje. Suas estruturas vegetativas e floração eram muito diferentes do teosinto modernos e muito mais diferentes dos do milho. Isso já é motivo para botânicos se perguntarem: Será mesmo que o teosinto é parente direto do milho? Bem, o teosinto do Holoceno já era diferente do teosinto do Pleistoceno. Você sabe, né? Aquele negócio chamado Evolução. O que se especula é que com o tempo e inúmeras seleções artificiais, chegamos até o milho que temos hoje. Para fins de comparação, vemos o teosinto lado-q-lado com o milho.

Para a drª Piperno, o teosinto que nossos tatatatataravós cutivavam já estava mais perto do milho do que o teosinto original, oque ajudou bastante no nosso desenvolvimento. Sobre o papel do meio-ambiente sobre essa mudança, os dados são incertos O trabalho foi publicado no periódico Quaternary International.

O milho, antes conhecido pelos nativos da América, escreveu sua história nas cortes europeias. Ele vem lutando a vários bilhões de anos, com a seleção natural tentando mandá-lo pro saco, mas ele é resistente. Entender a História do Milho, é entender a nós mesmos, pois foram um dos grandes impactos que o Homem causou no ambiente. Depois da Revolução industrial começar o hábito de jogar na atmosfera toneladas e mais toneladas de gás carbônico, os teosintos guardaram essa informação dentro de si. A pesquisa de Piperno é uma viagem no tempo, pois pretende ler a história que foi escrita e gravada dentro do milho, comparando as diferentes espécies em diferentes ocasiões, de forma que possamos ter um panorama do que aconteceu e o que pode acontecer.

Pense isso durante a sua pipoquinha da noite.

4 comentários em “Quando o milho foi dominado, tudo dominado?

  1. No Peru também existem algumas espécies de milho que não tem no Brasil. Uma delas tem o grão do tamanho de um dente frontal de cavalo.

  2. Do milho eu aceito uma dose de bourbon, mais nada, obrigado. É impressionante pensar que 5% da produção mundial é destinada ao consumo humano, o restinho vira ração animal e combustível.

  3. O milho moderno é tão antinatural que não sobrevive mais na natureza sem a ajuda do homem.

    Se uma espiga cai no chão serão tantas sementes na disputa pela vida que todas acabam morrendo, ou se sobreviver entrarão em novo processo seletivo.

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s