Os mapas que mapeiam nossas andanças

Por onde caminha a humanidade? A rigor, não há um único lugar no planeta Terra que não tenha um vestígio da passagem de seres humanos, nem que seja um avião passando. Mas, de um modo geral, seres humanos ainda não pisaram em muitos lugares, ou até pisa, mas não com uma presença, digamos, “marcante”.

Diferentes pesquisas estudando o impacto humano no mundo acarretou a feitura de quatro modelos desenvolvidos de forma independente. Esses modelos determinam onde a humanidade deixa suas impressões digitais, cada uma usando diferentes indicadores de atividade. Com isso, ficamos sabendo de lugares que tem muito humano enxerido dando uns rolês, enquanto em outros lugares é na base do “até tem uns, mas nem é lá essas coisas”.

Continuar lendo “Os mapas que mapeiam nossas andanças”

Presente de Grego: Caveira humana é o fóssil de Homo sapiens mais antigo fora da África

Neandertais se mostram muitas vezes mais interessantes que Homo sapiens. O fato de eles terem perdido na corrida evolutiva não tira a curiosidade sobre um dos últimos hominídeos a conviverem diretamente com seres humanos. Em 1978, em uma caverna chamada Apidima, no extremo sul da Grécia, um grupo de antropólogos encontrou um par de crânios parecidos com humanos. Um tinha um rosto, mas estava muito distorcido; o outro era apenas a metade esquerda de uma caixa craniana. Os pesquisadores acharam que eram neandertais, ou algum outro hominídeo perambulando por lá. Estavam quase certos!

O caveirão conhecido Apidima 2, o do crânio completo, era um neandertal de 170 mil anos. Você pensa que só porque ele estava inteiro (ou quase) ele era mais importante, certo? Errou, miserárver! O importante era o outro. Sempre foi. Aquele conhecido como Apidima 1, sabe-se agora, era um ser humano moderno de 210.000 anos. É o fóssil mais antigo de um Homo sapiens encontrado fora da África.

Continuar lendo “Presente de Grego: Caveira humana é o fóssil de Homo sapiens mais antigo fora da África”

O que levou nossos antepassados a se aventurarem pelo Pacífico?

Nossos tatatatataravós, diferente de você, seu sedentário preguiçoso, eram aventureiros. Ou, como diria meu avô: “a barriga comanda as pernas”. eles saíram da África em busca de uma vida melhor e para escapar da fome. Infelizmente, eles não tinham bolsa-família, então tinham que ralar peito do local onde estavam o mais rápido possível, porque os bacuris estavam com fome. nessa empreitada, eles cruzaram  o Mar Vermelho, foram parar na Ásia, e de lá rumaram para o mar, indo parar na Polinésia, enfrentando o Pacífico e seus temporais e tufões de vez em quando.

A colonização pré-histórica do Pacífico sempre foi alvo de discussões. A bem da verdade, ninguém sabe com certeza o que aconteceu nem como se deu. Temos, no máximo, explicações. Algumas muito boas, algumas na base de “are you fucking kidding me?”. Mas como a ciência não pára, pesquisadores resolveram abordar por outro ângulo: como teria sido as migrações pelo Pacifico levando em conta as condições climáticas da região?

Continuar lendo “O que levou nossos antepassados a se aventurarem pelo Pacífico?”

Quando o fogo ajudou a espalhar tuberculose. Ou mais ou menos isso

Tuberculose sempre foi um problema sério e responsável pela morte de milhões de pessoas. Contraiu tuberculose, podia encomendar o caixão. Era um destino inexorável, definitivo, usado em várias obras literárias para determinar que aquele personagem ia morrer de qualquer jeito, e a história teria que se dar naquele ponto até seu fim último. Desde Floradas na Serra até o filme do Moulin Rouge (que nada mais é que uma versão da Dama das Camélias).

Tuberculose não é nada recente, pelo contrário, mas como esse ser do Inferno conseguiu sua letalidade? De acordo com alguns pesquisadores, o grande responsável pelo alastramento desse ser do mal é por causa dele, o fogo.

Continuar lendo “Quando o fogo ajudou a espalhar tuberculose. Ou mais ou menos isso”

Achada antiga ferramenta que ajudava no fabrico de cordas

Eu rio muito quando o pessoal fala que “adora tecnologia”, só porque comprou um celular novo. Nós já tínhamos tecnologia quando quebramos um pedaço de pedra para servir de arma ou utensílio para esmagar grãos (e a cabeça dos adversários). Por isso eu gosto muito do canal Primitive Technology, em que o cara monta abrigo (inclusive de tijolos e telhas), armas, panelas etc, só com o que encontra pelo que tem ao seu redor. Ele tem até um vídeo ensinando a fazer corda, mas nossos ancestrais eram mais espertos; como pode provar a descoberta feita por cientistas alemães. Trata-se de uma ferramenta, um dispositivo tecnológico que ajuda a fazer cordas.

Porque fazer totalmente na mão é coisa de silvícolas atrasados.

Continuar lendo “Achada antiga ferramenta que ajudava no fabrico de cordas”

O que nos fez humanos pode estar no nosso DNA

Uma das principais perguntas sobre nós mesmos é "o que nos fez humanos?". Há muitas respostas, até mesmo partindo das pseudociências da Sociologia e Psicologia. Também tem o pessoal da Filosofia, mas, coitados, eles precisam se sentir úteis uma vez na vida. A resposta pode estar mais dentro de nós do que havíamos imaginado. Nossas habilidade, nossa capacidade de criar escrita, intelecto, cultura e a potencialidade de criar uma bomba nuclear pode estar muito bem mais enraizado do que imaginávamos. O segredo pode estar bem dentro de nossos genes, comandados pelo DNA.

Mas como chegar a essa conclusão?

Continuar lendo “O que nos fez humanos pode estar no nosso DNA”

Quando o milho foi dominado, tudo dominado?

Vida de caçador-coletor era uma desgraça. Além de não ter mercadão para fazer compras, os humanos corriam o risco de serem o jantar de alguém. Quando aprendemos q semear e a colher, nós mudamos a História. não só nossa, mas do mundo inteiro, pois foram as primeiras pegadas humanas que se deixou no meio-ambiente, já no Pleistoceno. Agora, cientistas estudam o impacto que ocorreu quando o começaram as culturas de milho.

Continuar lendo “Quando o milho foi dominado, tudo dominado?”

Shhh, hora de fazer silêncio…

Levante de madrugada. Ande descalço pela sala e fique em pé, de olhos fechados. Você está envolto ao silêncio, certo? Errado! Preste atenção. Se não for o tic-tac do seu relógio, será o som da sua geladeira. Num prédio? Sempre tem um vizinho batendo a porta. Casa? O som da rua, onde alguém está chegando de carro.

Se quisermos mesmo estar em silêncio, nem mesmo aqueles fones que agem como supressor de ruído são 100% eficientes. É necessário sair de casa. Mas existe realmente um lugar sem nenhum tipo de ruído criado por seres humanos?

Continuar lendo “Shhh, hora de fazer silêncio…”

Quando os gatos se tornaram nossos amigos?

Há muitos artigos sobre cães e sua relação com o Homem, como este e este. Mas e os gatos? Tidos como arrogantes, preguiçosos e pouco afeitos aos humanos, gatos chegaram a ser considerados animais demoníacos e, por isso, foram quase totalmente aniquilados na Idade Média. Ok, disso resultou numa enorme proliferação de ratos e, de reboque, a peste negra. Parabéns, pessoal.

Uma nova pesquisa visa datar melhor a data quando gatos e homens começaram a co-existir e se você está com pressa, adianto: foi há cerca de 5300 anos. Mas você vai querer saber mais, não é?

Continuar lendo “Quando os gatos se tornaram nossos amigos?”

Quando e onde os cães se tornaram cães?

A origem dos cães domésticos ainda é incerta.. Sabemos, através de marcadores genéticos, que a separação entre cães e lobos modernos se deu no final do Pleistoceno. Acreditava-se que os primeiros cães viram a luz do dia há cerca de 14 mil anos, na Europa e no Oriente Médio, mas os cães do sudeste asiático só surgiram há cerca de 7.000 anos (ver Agricultura ajudou a fazer cães serem cães), mas isso ainda está sendo debatido, pois não existe verdade suprema em Ciência. Ela sempre está revendo seus conceitos.

Agora, novas pesquisas mostram que a origem dos cães pode não só não ser nesses lugares, como muito tempo antes do que se imaginava.

Continuar lendo “Quando e onde os cães se tornaram cães?”