Linguagem inclusiva – inclusiva de verdade ou “Por que usar @ e X no final das palavras é idiotice”

Olá amiguinhos e amiguinhas! Quanto tempo!

Então, vocês devem lembrar que muito tempo atrás numa galáxia muito distante eu escrevi alguns textos sobre fala e escrita. Hoje eu queria retomar esse tema pra explicar o que é linguagem inclusiva e porque enfiar x/@/e em tudo NÃO é a solução.

Antes de tudo, vamos lembrar de uns fatos básicos que eu venho ressaltando nessa série de textos:

Continuar lendo “Linguagem inclusiva – inclusiva de verdade ou “Por que usar @ e X no final das palavras é idiotice””

Enem, Platão e a falta de leitura

ENEM 2016. Fora o show de horrores que foi a galerinha atrasada, o que mais reclamaram é que, como sempre, as provas estavam difíceis; dentre elas, a prova de Química, que mencionou um texto de Platão sobre os estados físicos da água.

Boa parte não entendeu, alguns ficaram confusos, mas em última análise, a pergunta se resumia em “o que acontece quando o gelo derrete”. O problema, mais uma vez, está na Língua Portuguesa.

Continuar lendo “Enem, Platão e a falta de leitura”

Pragmática: usando a linguagem no mundo real

Amiguinhos e amiguinhas!

Seguindo a nossa introdução aos estudos linguísticos, hoje vou falar de algo MUITO importante, mas que muito pouca gente leva a sério… O uso da língua.

Conhecer uma língua não é só conhecer as palavras (léxico), como pronunciá-las (fonética/fonologia), como combiná-las em frases (sintaxe). Você também precisa conhecer o uso da língua, no dia-a-dia. Essa é a parte mais difícil de se adquirir ou aprender uma língua (há diferenças, um dia eu explico).

Conhecer o uso de uma língua significa: saber usar as coisas no contexto certo, saber identificar contextos, saber usar expressões idiomáticas, gírias, arcaísmos, memes, tecnicismos… Ou seja, coisas que a gente não aprende nem na escola nem no dicionário nem na gramática, mas no dia-a-dia mesmo da interação social.

Continuar lendo “Pragmática: usando a linguagem no mundo real”

R.I.P. Educação Brasileira e seu politicamente correto

O mundo está mudando. Eu posso sentir no ar, eu posso sentir na água; e quando o Sinistro Inimigo do Mundo se ergue da fortaleza de Barad-Dhûr, o chão treme. Os elfos estremecem, os homens mortais, fadados ao eterno sono, sentem um vento pesado e pútrido. Os anões resolvem se embrenhar nas profundezas da terra e orcs proliferam, montados em wargs. Os Homens do Oeste não estão sendo páreo para o alastre de trolls à toa. Alguns deles estão saindo até à luz do dia. Os ishtari mandaram uma mensagem para Manwë, na terra de Arda, mas ele está choroso. Eru, o único – que na língua dos eldar é Ilúvatar –, mostra sua ira e decreta que já está na hora de desfazer tudo o que Melkor aprontou.

E tudo isso porque a droga de um "prefessor" resolveu ser babaca e assassinou a Língua Portuguesa. SHAME ON YOU!!!!

Continuar lendo “R.I.P. Educação Brasileira e seu politicamente correto”

O que é sotaque?

Olá amiguinhos(as)!

A gente já viu muito sobre a fala e sua complexidade, mas ainda há muitas dúvidas sobre isso. E outro dia me deixaram encasquetada no twitter falando sobre sotaques. Então… Você sabe o que é sotaque?

Eu já disse que a primeira coisa que a gente aprende quando aprende a falar é a variante diatópica de lugar onde aprendemos a falar, ou seja, o dialeto. Isso inclui aprender as palavras e construções típicas dessa região, além da fonologia específica (por exemplo, se vai usar o "chiado" [o termo técnico é africada, em oposição às oclusivas, sem "chiado"] ao falar |tia|dia|). Mas o que mais faz diferença mesmo entre os dialetos e que mais "marca" a fala das pessoas é o sotaque.

Continuar lendo “O que é sotaque?”

O complexo fenômeno linguístico

Eu já disse nos textos anteriores que a língua é um fenômeno supercomplexo. Já disse que há, pelo menos, dois jeitos diferentes de se expressar linguisticamente – pela fala e pela escrita. Também já disse que há níveis de formalidade na fala e na escrita, salientando a questão da adequação. Vou falar mais sobre isso agora.

Na linguística, costumamos falar que a língua é um diassistema: um sistema de sistemas. Como assim, tia Bárbara? Eu explico. Cada "nível" linguístico de variação é um sistema em si, e todos juntos formam o fenômeno da linguagem.

Continuar lendo “O complexo fenômeno linguístico”

Decreta-se a língua portuguesa como fora-da-lei!

Sim, pois é só isso o que falta!

Estamos num caminho sem volta, rumo à ignorância. Estamos sem salvação frente à massa ignorante, apedeuta, débil mental, analfabeta e estúpida. Um povo que se recusa a aprender qualquer coisa. Um povo cuja maior ostentação foi ter um analfabeto na Câmara dos Deputados e um ignorante se sentir orgulhoso por ser ignorante e ter chegado à Presidência.

É o pais dos atoleimados, dos vis, dos pulhas, dos biltres, dos descompassados, dos torpes, dos pusilânimes, dos desclassificados, daqueles que me dão vergonha de possuírem características de Homo sapiens, mas deveriam ser enquadrados como Homo idiotens.

Continuar lendo “Decreta-se a língua portuguesa como fora-da-lei!”

O que é gramática? (Segunda parte)

Continuando a nossa série de textos sobre estudos da linguagem, hoje vou falar um pouquinho sobre os estudos "tradicionais", ou seja, aqueles relacionados à primeira definição de gramática que eu dei no texto anterior (e se você não leu os textos anteriores, PARE AGORA! e só volte quando ler tudo. É importante seguir o raciocínio.)

Para falar dos estudos tradicionais, vou usar um texto do linguista britânico David Crystal, mais especificamente o segundo capítulo do livro A Linguística. Infelizmente não consegui uma versão digital do livro para linkar aqui (eu tenho um xerox desse texto que usei numa matéria na faculdade, traduzido para o português, aparentemente uma edição portuguesa.).

Continuar lendo “O que é gramática? (Segunda parte)”

Policarpo Quaresma revisitado ou “Deputado mané quer acabar com estrangeirismos”

Sabe o que me irrita muito? É quando algum idiota fala um monte de bobagens e, por mero acaso, a criatura tem o mesmo nome que eu. Não que me incomode ter um homônimo, mas sim ter um homônimo que age feito um imbecil, ainda mais quando é deputado e, além de tudo, daqueles deputados que redigem leis totalmente descabidas.

A preclaríssimo senhor deputado André Moura, do PSC de Sergipe, propôs um Projeto de Lei que pretende resguardar a soberania linguística nacional da terra de Pindorama, praticamente impedindo de se usar quaisquer estrangeirismos.

Sentindo um sabor amargo na língua-pátria, esta é a sua SEXTA INSANA!

Continuar lendo “Policarpo Quaresma revisitado ou “Deputado mané quer acabar com estrangeirismos””