Modelos computacionais ajudam a diminuir caos causado por semáforos

Sim, cigarro eletrônico também ferra com seu coração
Defeito em células tumorais ajuda pesquisadores a dar cabo dessas desgraçadas

Às 9 horas e trinta minutos desta quinta-feira (1º de fevereiro), São Paulo teve um hiper-ultra-megablaster engarrafamento entre as avenidas Faria Lima e Juscelino Kubitschek, por causa de uma falha no semáforo que zuou com todo o trânsito de uma cidade com o trânsito mais que zoado.

Um simples semáforo não é para tanto, né? Sim, é. Por isso que eles obedecem a critérios bem definidos de mudança de estado (aberto/fechado), com rigor matemático (bem, aqui no Brasil deveria). Isso já é estudado por modelos matemáticos há mais de 60 anos e, à medida que as cidades crescem, mais necessário é que haja estudos aprofundados sobre isso.

Normalmente, os modelos matemáticos levam mais em conta tráfego unidirecional (mão simples), e não que haja mão-dupla. Isso acaba dando problemas e eu nem vou tocar no assunto dos retardados que ficam na bosta do cruzamento sem dar chance de alguém passar para que o nó desate, já que todo mundo é dono da Lua, digo, rua (sobe, Cebolinha! Sobe que este corpo não te pertence!)

Praticamente, os modelos levam em conta o menor percurso a ser feito por vários veículos, fazendo uma previsão estatística de como os carros seguirão um trajeto e dimensionando o tempo que eles devem ficar parados o mínimo possível. Assim, de uma forma bem tosca, podemos ver que em ruas dimensionadas para uma velocidade de 50 km/h, os semáforos estariam sincronizados de forma que os carros que trafeguem nessa velocidade sempre encontrem o sinal verde.

É um resumo porco, eu sei. Mas suficiente para lembrar que na hora de um cruzamento, algum acéfalo pode vir um pouco mais rápido e ficar preso no meio da interseção, sem poder seguir em frente nem recuar, pois há veículos atrás dele, e assim começa o nó, e num efeito cascata azeda todo o pudim.

A drª Simone Göttlich é pesquisadora do Departamento de Ciência da Computação da Universidade Mannheim, na Alemanha. Ela e seus colaboradores abordaram o problema utilizando modelos computacionais aplicando leis de conservação de fluxo de tráfego em redes, de forma semelhante como trabalhariam com sistemas fluídicos

MAS HEIN?

Um sistema fluídico é um sistema com fluidos (d’Oh) que se movem num determinado espaço. Isso segue modelos caóticos, em que é impossível prever exatamente como esse fluído se moverá. A mesma coisa é o trânsito, em que variáveis caóticas acontecem a toda hora, por elas não serem previstas. Como no caso do semáforo pifar e dar aquela zona no trânsito.

No caso dos semáforos, a otimização dos sistemas aberto/fechados levam em conta inúmeras variáveis, como um ônibus bater numa moto e ferrar com o trânsito de uma cidade de 7 milhões de habitantes, dando reflexo a cidades vizinhas. Sim, isso aconteceu; aqui no Rio. E por que deu pau no trânsito? Porque nenhum sistema inteligente o suficiente seria capaz de vencer a burrice de um agente de trânsito que não moveu o corpo e a incompetência da Perícia que demorou 2 horas para chegar lá.

A pesquisa da drª Göttlich e seu pessoal é um primeiro passo no desenvolvimento de algoritmos de ordem prática, e não apenas masturbação intelectual, fingindo que vai resolver algo só de esfregar uma fórmula na sua cara. Eles realmente querem transformar em sistemas automatizados de forma que analisem as perspectivas do que poderia acontecer, o que está acontecendo e imediatamente atuar para que a bagaça não desande de vez.

A pesquisa foi publicada no periódico Journal on Scientific Computing. Sim PDF liberado, mas não tão liberado quanto SuaMãe™ no Carnaval

Sim, cigarro eletrônico também ferra com seu coração
Defeito em células tumorais ajuda pesquisadores a dar cabo dessas desgraçadas

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • SuaMãe™ é tão alegórica que fez o trânsito engarrafar, achando que era um semáforo zoado.