Como saber em quem confiar. Dica: não leve seu cérebro em consideração

Nós somos animais sociais. Aprendemos, quando nem humanos éramos, a confiar no bando. Nós ajudávamos a proteger o bando, o bando cuidava da gente. Aprendemos a reconhecer rostos, formas e a interagir com eles. Isso é importante na hora de nos protegermos. Mas, como é que o cérebro trabalha com isso hoje? Como sabermos em quem confiar?

É tudo uma questão neurológica, uma característica escondida no órgão com mais gambiarra que a instalação elétrica da sua casa.

A verdade é que nossos cérebros julgam se podem confiar em alguém, só olhando de relance para a cara do sujeito, mesmo antes de percebermos as linhas do rosto do distinto. E ainda dizem que nosso cérebro é uma máquina perfeita. Eu vivo dando esporro na minha filha para ela não sair confiando nos outros assim, sem mais nem menos. André >>>> Cérebro alheio

O dr. John Cacioppo, além de nome de alguma variedade daquele café hipster vendido no Starbucks, é diretor do Centro de Neurociência Social e Cognitiva da Universidade de Chicago. O dr. Capuccino, digo, Cacioppo estuda  estruturas emergentes que evoluíram lado-a-lado com como mecanismos neural, hormonal, celular e genéticos, já que os consequentes comportamentos sociais ajudaram os seres humanos a sobrevivem e se reproduzem, com efeitos sobre a cognição, emoção, comportamento e saúde.

Tá no site do cara. Isso significa dizer que o que nos faz humanos é a maneira como se desenvolveu nosso cérebro. E nosso cérebro se desenvolvem mediante o acompanhamento de uma sociedade em grupo, que foi criada mediante o desenvolvimento de estruturas neurológicas. Em resumo: paradoxo Tostines cerebral.

A pesquisa do dr. Cacioppo revela os sistemas de confiabilidade iluminam parte das amígdalas (as amígdalas cerebrosas e não as da sua garganta), mesmo quando os rostos são mascarados (não percebido conscientemente). Isso sugere que as características faciais associadas à confiabilidade são processados ??muito rapidamente; e como tudo que é extremamente rápido, acaba sendo imperfeito, lhe arrumando mil e uma confusões, sem necessariamente você estar participando de um filme de Sessão da Tarde.

A amígdala é uma região do cérebro que processa os comportamentos sociais e emocionais, e agora ganhou mais um trabalhinho: responder pela confiabilidade aparente de um rosto de um rosto, porque, afinal, amígdalas não têm coisas mais importantes para se preocupar.

A pesquisa foi publicada no periódico Journal of Neuroscience, e isso mostra como tanto nosso cérebro é zuado que acaba confiando em quem não deve, para depois você se perguntar "onde diabos estava com a cabeça para dar ouvidos àquele vendedor de carros?"

As próximas questões a ser desvendadas é se a aprendizagem social pode alterar essas respostas da amígdala. Mas, tipo, é psicologia, né? Sempre vai ter alguma coisa obscura na cabeça das pessoas.

10 comentários em “Como saber em quem confiar. Dica: não leve seu cérebro em consideração

  1. TESTEMUNHO:
    Um dia eu estava viajando para Guaxupé, de ônibus, quando derrepente uma aguda vontade de construir monólitos de barro tomou meu corpo todo. Saí esbaforido, sem pedir licença a ninguém, tranquei-me no micro-banheiro daquela nave. Foi um silencioso peido, apenas um peido e nada mais. Voltei feliz da vida para minha poltrona (cara de Mr.Bean). Depois de 5 minutos, nova vontade….”de peidar” – pensei eu – fiquei tranquilo e virei-me levemente, de costas, para a janela e libeirei meus sentimentos. Foi um horror, me caguei todo!

    Aí o André vai trucidar-me, com olhar de Malafaia, perguntando:

    “O QUE ISTO TEM A VER COM A PORRA DO ARTIGO?”

    Eu humildimente já respondo:

    Tudo, pois, se você não pode CONFIAR, nem no próprio c*, imagina confiar nas pessoas.

    (Adaptando Luiz Fernando Veríssimo).

  2. Nosso cérebro até pode ser zuado quando se fala em “confiança a primeira vista” ou confiar em quem não se deve, mas, felizmente ele também possue aquela distinta capacidade de aprendizado. Eu , por exemplo, com as experiências de vida, e, o tempo, aprendi que não se deve confiar nem em si mesmo, pois não rara vezes fazemos coisas que outrora duvidaríamos, e muito menos no ser humano alheio.

  3. O cara pede comida chinesa, em 5 minutos o entregador já bate na porta. A única coisa lúcida a se fazer é recusar o pedido:
    – Eu não vou comer isso daí! Você simplesmente não teve tempo hábil suficiente pra preparar da maneira correta!!!

    1. Eu fui dar uma aula particular uma vez. Apertei o número do apartamento no porteiro eletrônico. A voz do outro lado disse “Quem é?”. Eu falei “sou o professor André. Vim dar a aula pro [nome do moleque que não me lembro agora]”. A pessoa me deixou subir. Era o apartamento errado e o filho da criatura sequer tinha o mesmo nome.

      1. @André, Do jeito que tá a educação, não é de se admirar que a criatura deixou você subir: “É professor particular? Entra aí, entra aí!! Aceita uma xícara de café??”

      2. @André, Você disse “professor”. Apesar de muitos não nos lembrarmos, professores sempre foram muito respeitados num passado não muito distante. A eles era entregue e educação de nossos filhos! Se a maioria soubesse o que isso quer dizer, teriam mais respeito com professores ainda hoje e mandariam crianças já educadas para a escola!

  4. Que impactante!
    Pensamos ter controle das coisas e agir de maneira racional nas tomadas de decisão, quando na realidade a maioria se passa inconsciente.
    Post perfeitoo!!

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s