No futuro, asas de aeronaves irão bater. Condores riem.

Sejamos sinceros, a Evolução teve mais de 4 bilhões de anos para testar protótipos. Tudo o que você puder imaginar em termos de mecânica, a Natureza provavelmente já experimentou e descartou 99% delas (não que a Natureza não faça as suas gambiarras). Agora, uma empresa alemã resolveu reinventar o voo, criando um protótipo que voa batendo asas.

Isso até parece interessante, já que um curió bate asas, um pardal bate asas e algumas borboletas batem asas, enquanto outras saem purpurinadas em algum bloco de rua (mas juram de pés juntos que isso é só por causa do Carnaval). Agora, a empresa alemã Festo aprontou um protótipo voador que muito se parece com um pássaro. É o SmartBird. Eles pegaram o que de melhor tinha no conceito de voo e aplicaram no pequeno protótipo, o qual você poderá ver abaixo:


Só eu quem ficou esperando a Esquadrilha Abutre aparecer?

Muito delicado e voa, realmente, como um passarinho. Muito fantástico e inovador, não é mesmo? Quem jamais criaria uma máquina que simulasse o bater de asas? Bem, tem estes loucos e suas máquinas voadoras daqui debaixo:


Tá rindo do quê? Pode fazer melhor com os materiais e ferramentas que eles usaram?

Mas eles não chegaram a voa mesmo. São toscos, jamais levantaram efetivamente do chão.

Bem, você não está errado (muito). Acontece que o protótipo da Festo tem as dimensões de um pássaro, mesmo. Quero ver ele fazer um 747 fazer isso. As Leis da Física não se importam muito com o seu grau de inovação, sabe? Aliás, vamos perguntar a quem realmente entende de voar a opinião sobre a geringonça batendo asas.

Águias e condores não precisam ficar batendo asas. Isso deve fazer alguma diferença na classificação entre presas e predadores (na verdade, para águias só existem duas criaturas que voam: águias e almoços). Logo, este protótipo é uma merda, certo? Errado. É uma pesquisa interessante que procura entender o movimento dos pássaros e procura reproduzir a otimização de seus voos. Não interessa que um condor não voa batendo asas, eles usam correntes ascendentes de ar, mas se soltar o bicho em outro lugar, longe de seu habitat, as condições serão outras e seu modo de voar não será o mais indicado. Eu vejo este SmartBird, principalmente, como sistema de reconhecimento. a própria DARPA financia um projeto parecido: o Nano Hummingbird.

Ver o SmartBird voando é um deleite. É uma poesia volitando pela atmosfera com sua graciosidade.


Fonte: Discovery Magazine.

Um comentário em “No futuro, asas de aeronaves irão bater. Condores riem.

Deixe uma resposta para Mema Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s