A volta da pareidolia ou “Corram da Coca-cola Satanista!”

IgNobel de 2010 premia pesquisa relacionada com palavrões
Grandes Nomes da Ciência: Carl Sagan

diabolegal.jpgNa verdade, não achei um título adequado para a estupidez extrema que eu sou obrigado a presenciar em certos casos. Não, sério! Tem hora que eu penso que estou vivendo num imenso Voz dos Alienados em 3D, Kinoplex e injeção eletrônica nos freios radiais e tanque de combustível disco (ou algo parecido). A burrice nata de muitas pessoas, aliadas a uma pareidolia auto-impingida, proporciona situações em que não se consegue externar um facepalm na língua dos homens, dos elfos ou da tia que mora no apartamento em frente. Foi o caso da Coca-cola Satanista.

Esta é sua diabólica SEXTA INSANA!

E vinha Deus Imperador Romano Senhor de Todos os Exércitos eu pelos corredores do Lugar de Agonia Hades Inferno Poço da Aflição do meu lugar de trabalho, e adentro o refeitório para o meu sacrossanto almoço (horrível, por sinal. Peixe é bom, eu deveria comer peixe, mas odeio peixe). Pego a meu… bleargh, almoço e sento-me. Nisso ouço uma das funcionárias dizer que ela não beberia coca-cola nunca mais. O motivo? A coca-cola tem pacto com Satã, o Execrável, senhor pleno das desventuras da Terra. Outra funcionária diz que não é possível, enquanto a primeira retruca que era verdade, que no verso da embalagem há uma clara adoração ao Diabo — MUAAAAAHAHAHAHAHAHAHA! — e, por isso, é que a coca-cola era líder de mercado.Eu pensei cá comigo que as religiões também fazem muito sucesso e que isso deveria ser indício de algo. Ao invés disso, o idiota aqui cai na besteira de perguntar se era verdade mesmo, se ela vira isso.

A garota jura de pés juntos, mãos postas e terço na mão (ok, é exagero) que sim, que ela pôde ver com os próprio olhos a veneração ao Tinhoso. Nisso eu me neguei a acreditar, claro. Ela saiu com atitude do tipo: pois você vai ver. Enquanto isso, o peixe estava criando uma revolta digestória e eu preferi comer só a salada, pensando em sair pra comer algo saudável como um x-bacon. A garota volta e me mostra um rótulo de coca de 2 litros. Ok, so what. Ela disse: você não vê? Está escrito “Alô Diabo!”. Eu: Onde, criatura? Daí ela me vira o rótulo e mostra o sétimo selo, as trompas do Apocalipse soam, zumbis saem do chão e o Guz aparece com seu lança-chamas caseiro. Então, eu vejo a verdade:

cocacolasatan1.jpg

Conseguem ver? Não, claro que não. Suas mentes estão embotadas pelo espírito do Maligno. Eu vos mostro o que querem esconder:

cocacolasatan2.jpg

Agora sim! Podemos ver nesta imagem a frase “Alô, Diabo”, só que eu “desci” a parte escrita em verde para o fundo branco. E aqui começa o embate entre o numenoriano e a humana enganada pelos orcs, onde meus argumentos podem ser sintetizados abaixo:

Perceba que você pensa que está escrito “alô”, quando não está. Por mais que eu force a escrita da letra A, ela está ao contrário, o que impede que ela SEJA letra A. “Alo” pode ser outra coisa, posto que não tem acentuação. Ademais, o D de “Diabo” não possui a barra vertical, logo não é um D. É o mesmo que eu ver um A e ao virar de cabeça pra baixo disser que ele equivale a um V. “A” continua sendo “A”. O que é o pior é que o B não possui também a barra vertical. Se o C maiúsculo equivale à letra D, então o C minúsculo deveria se relacionar com o D minúsculo. Logo, teríamos “Diado”. A bem da verdade, com aquelas voltinhas no C maiúsculo, eu poderia dizer que equivale a um V maiúsculo, o que daria “Alô Viado”. É uma conspiração para todos nos tornarmos homossexuais?

Como toda criatura que prefere a crença no lugar da razão, ÓBVIO que não adiantou de nada. Quando eu falei que aquilo era pareidolia, que simplesmente ela via algo que disseram para ela que estava ali, a resposta foi mais do que esperada: Claro que sim, caso contrário eu não teria visto e meus olhos não se abririam para a realidade.

Perguntei que realidade. “Que o Diabo Governa”. Eu respondi apenas: “Mas veja só, meu nome é André. O inverso é erdnA, cujo R poderia ser ignorado, ficando Edna. Eu sou o quê? Transformista, minha filha? Porra, para pra pensar, criatura. Pensar não dói. Você apenas viu algo que quis ver, e sequer está ali.”

Daí ficou naquele mas… mas…

Conclusão da história: eu comi um peixe horrível, as funcionárias de onde trabalho são idiotas e o mundo continua querendo permanecer idiota. Agora, vocês entendem besteiras como matar mulheres acusadas de bruxaria, porque elas eram mais leves que um ganso (com o contra-peso devidamente “aferido”) ou atirar pessoas de precipícios para saber se elas voariam (se não voassem, morreriam e seriam recebidas no reino de Deus). Jesus ama vocês, irmãos!

IgNobel de 2010 premia pesquisa relacionada com palavrões
Grandes Nomes da Ciência: Carl Sagan

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας