Vizinho processa igreja por causa de barulho

STF e a Lei de Biossegurança: fim do embate
Argélia: mudança de religião causa condenação

Volta e meia aparece um Zé Ruela aqui reclamando de nossas postagens e do seu “dereitcho” de crença. Muito lindo, não é mesmo? Mas, e quando os toscos religiosos não respeitam os outros? Vale a regra: “pregação no ouvido dos outros é refresco”. Só que nem todo mundo tem saco para agüentar o desrespeito brutal dos crentes pelo sossego alheio.

Bem, o servidor público Wellington dos Santos Dutra ficou puto da vida com uma igrejinha mequetrefe, ridícula, pregando um culto estúpido e resolveu acionar a Justiça. Digam: vocês conseguem imaginar qual igrejinha é? Ganha um doce quem descobrir… Ela mesma! A Igreja Universal do Reino do Roubo Deus.

Incomodado com o barulho dos cultos evangélicos da quadrilha IURD de Cordovil, Wellington meteu a crentalhada no pau… quer dizer, ele moveu uma ação na 1ª Vara Cível para estabelecer limites de horários para os cultos religiosos e para o volume do som. Segundo ele, não há tratamento acústico no local. Afinal, Gay-zuis é o Senhor e temos que converter todo mundo e foda-se se eles têm suas próprias crenças.

Wellington diz não querer indenização da igreja, apenas que resolvam o problema, ou seja, que calem a droga da boca!

“Outras pessoas temem reclamar”, disse o servidor. O que mostra como a linda igrejinha do Jóquei de Jegue se importa com as pessoas. Se falou algo que desagrade os capangas anjos do retardado do pastor, digo, de Deus fará a bela justiça divina – tão conhecida dos amorosos versículos do 31º do livro de Números – entrar em ação. Em suma: rezou pra alguém diferente: BANG!

Wellington contou que começou a viver o problema logo depois que se mudou para Cordovil, em julho de 2005. As paredes da casa do servidor são coladas às do templo. Segundo ele, foram feitas inúmeras tentativas amistosas para que o volume fosse reduzido, principalmente nos fins de semana. Mas, o pastor deu de ombros e continuou a berraria.

Wellington solicitou uma inspeção da Secretaria municipal de Meio Ambiente, que enviou fiscais para fazer vistorias na casa de Wellington e na igreja. Técnicos constataram que o nível de ruído na residência do servidor e no templo estava acima dos índices máximos estabelecidos por uma lei municipal, o que não me surpreende em nada. A igreja foi advertida para se adequar aos limites sonoros permitidos por lei.

Wellington também procurou a internet para desabafar e colocou sua reclamação na comunidade virtual Deus não é surdo. Toda esta palhaçada crental é um desrespeito sem precendentes. Não que eu espere crente respeitar alguém. Seu proselitismo estúpido, seus conhecimentos nulos a respeito de sua própria religião e seu ato criminoso de incomodar as pessoas dão asco a qualquer criatura minimamente civilizada. Agora, basta falar que o deusinho vagabundo deles não existe que gritam (mais ainda), esbravejam e ameaçam com o artigo quinto da Constituição, esquecendo que os outros têm direito a não acreditar no deus deles ou qualquer outro deus. Mas, deve-se levar em conta que liberdade e religião são dois conceitos antagônicos.

Em suma, só se pode dizer: VAI GRITAR NA TUA CASA, PASTOR!!


Fonte: O Globo

STF e a Lei de Biossegurança: fim do embate
Argélia: mudança de religião causa condenação

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!