Por causa de indústrias malvadas, casos de lepra caem mais de 16% no Marrocos

Feliz Natal, mesmo pros insuportáveis de plantão
Descobertas evidências mais antigas do uso de animais de tração

Eu sou feliz num mundo melhor. Todos os dias, centenas, milhares, milhões de sociólogos, filósofos e especialistas em estudos de gênero têm ajudado a curar doenças e erradicar problemas que a insaciável por lucros Big Pharma promove, pouco se importando com a saúde das pessoas. Vejam o caso do Marrocos: desde 2012, o Marrocos apresentou uma redução de 16% dos casos de hanseníase (lepra para os íntimos). Ficou demonstrado que as dezenas e centenas de jirombas com as quais o Tedson se banqueteou teve um excelente propósito. Todas aquelas orgias gays que o Victor foi deram resultado. Muito obrigado, pessoal! Vocês realmente ajudaram muito!

Bem, vamos parar de frescura, pois, se dependesse desses inúteis ainda estaríamos comendo carne crua e com expectativa de vida de 20 anos, sendo que aos 15 já estaríamos pedindo pra morrer. O que ajudou mesmo foi a Ciência que pessoal tanto detesta, por meio de um medicamento criado por gente que tanto odeiam.

A drª Ibtissam Khoudri é pesquisadora do Ministério da Saúde do Marrocos. Não, não tem página pessoal institucional, só a página do Ministério que é um lixo, mesmo pros padrões da década de 90. De qualquer forma, Khoudri e seus colaboradores analisaram os casos de hanseníase detectados no Marrocos entre os anos de 2000 e 2017, tabulados anualmente. Foram levados em conta dados sobre pacientes com hanseníase como idade, sexo, origem, região e grau de incapacidade, isto é, o quão debilitante foi a hanseníase para essas pessoas.

Entre 2000 e 2012, a redução anual dos casos de hanseníase foi de 4,68%. Em 2012, o Marrocos introduziu um programa para administrar quimioprofilaxia com dose única de rifampicina para deter a disseminação da lepra entre os contatos domiciliares.

A rifampicina é um antibacteriano casca grossa que bate forte nas bactérias fortonas como as da hanseníase. Ele é tão forte que precisa de receita e não, não dá pra comprar numa ultrafarma da vida. Claro, ele é produto da odiosa Big Pharma e só ricaços que possuem menos de 17 reais na carteira podem pagar por ele aqui no Brasil. Depois da implementação deste medicamento no Marrocos entre 2012 e 2017, houve uma queda de 16,83% nas ocorrências anuais de hanseníase. Analisando os dados, só em 2012, a queda foi absurda, comprovando que o medicamento, sim, fez uma enorme diferença.

Pois é, como a Ciência é ruim. Melhor mesmo são as religiões. O problema é que elas não podem resolver nada por causa do livre arbítrio dos seres vivos. As entidades mágicas devem respeitar o livre arbítrio das bactérias também, pelo visto.

Curioso por ver todos os dados, hein? Então leia a pesquisa que foi publicada na Plos One.

Feliz Natal, mesmo pros insuportáveis de plantão
Descobertas evidências mais antigas do uso de animais de tração

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας