(in)Justiça dá ajudinha à Samarco e livra a cara de 22 pessoas

O mundo da TV sem TV e a modernidade voltando a antigamente
O monge milionário que está sob investigação

Em 2015, aconteceu uma das maiores catástrofes ambientais. Toneladas de barro, térrea e lixo tóxico desmoronaram com uma tromba d’água e aquela nojeira foi levada pela enxurrada, destruindo a cidade de Mariana e matando o rio Doce. O Sebastião Salgado, depois de muito pressionado, já que sua fundação recebe uma verba gordinha da companhia Vale do Rio Doce, de quem a Samarco é subsidiária, soltou um migué dizendo que ia ajudar a resolver. Quando eu apontei a estupidez disso, me xingaram, como sempre. O tempo passou e as mudinhas e matinhas ciliares do Tião resolveu algo? Lino, eu acho que não.

A Samarco tentou depois jogar uma conversa mole que estava fazendo algo, espalhando espumas flutuantes para conter a lama tóxica. O detalhe dessa espuma fica sobre a água e servir para absorver petróleo foi tido como coisa de menor importância. Hoje, as famílias estão desabrigadas, a pesca já era. O que aconteceu depois disso tudo?

Bem… nada, né? A Justiça de Ponte Nova, Minhas Gerais, suspendeu a ação criminal contra 22 pessoas pelo rompimento da barragem do Fundão, alegando que as interceptações telefônicas realizadas durante a investigação ocorreram fora do prazo. O Ministério Público diz que não. Justiça diz que sim, vale a palavra dos juízes, que não cometem erros. A meritíssima senhora desembargadora Tânia Borges não me deixa mentir. Isso fez com que ativistas, vítimas da tragédia e aproveitadores indo de carona mostraram sua imensa indignação, dizendo que a Justiça os tratava feito bobos.

Até pode ser, mas não devemos esquecer que os próprios moradores fizeram passeata para que Samarco ficasse em Mariana, organizada pela Associação Comercial e a OAB. Afinal, empregos eram necessários, quando muitos dos afetados não tinham emprego na Samarco. Como o Capitalismo fala mais alto, tinha até gente vendendo camiseta #SomosTodosSamarco. Bem, defenderam tanto a Samarco que nada mais justo que ela seja absolvida, não? Se tiver que pagar bilhões em multas e indenizações, ela terá que fechar e isso prejudicaria os empregos, que é isso o que os idiotas estavam pensando.

Já se passou 2 anos e nada aconteceu. Espuminha, mudinhas, plantinhas mágicas, muita manifestação e pouca ação efetiva. Não, não vai dar em nada. O rio Doce morreu, o lixo tóxico ainda está lá e nada será como antes naquela cena de devastação. Quando eu apontei, me xingaram. Sebastião continua se aproveitando da miséria alheia vendendo suas fotos a um preço muito caro, sua ONG continua recebendo verba do Governo, verba da Vale do Rio Doce, e nada foi feito ou, se fizer, não passará daquelas ações placebo, em que o pessoal vai pensar que está adiantando muito.

E tudo continuará na mesma.


Fontes

O mundo da TV sem TV e a modernidade voltando a antigamente
O monge milionário que está sob investigação

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • Slade

    UE, se as interceptações telefônicas ocorreram fora do prazo, ok, desentranha esta prova do processo e continua com a persecução penal. É sério que depois de toda aquela catástrofe essa era a única prova que serviria para fundamentar uma condenação? Faz me rir…

    Lucas Monteiro respondeu:

    Essa é a justiça brasileira, somente serve para o povão, por que para certas pessoas, parece que a lei está abaixo delas e simplesmente não se aplica a elas.
    É por isso e outros motivos que esse país nunca vai conseguir seguir em frente em questão de leis e éticas. Devemos mudar nosso lema nacional, de “Ordem e Progresso” para “Desordem e Regresso”.

  • Gui

    Só uma correção: a lama destruiu o distrito de Bento Rodrigues e não Mariana em si.