Mosca tem formigas “tatuadas” nas asas. Sim, DI… tá bom!

DNA mais triste hoje: morreu Fred Sanger
Iniciativa propõe estudar problemas neurológicos de veteranos de guerra

No mundo natural, não basta você ser bom de caçada, tem que viver mais um dia para caçar de novo. Quanto maior a capacidade de escapar de seus inimigos, mais fácil será fazer fuk-fuk com seu(ua) parceiro(a) e gerar outros como você (ou, de preferência, mais parecido com seu cônjuge, já que você é feio de doer).

Uma mosca de frutas encontrada nos Emirados Árabes mostra que não há limites para como a Natureza encontra subterfúgios para dar uma oportunidade aos seres vivos. O que ela tem de mais? Só o mimetismo de uma formiga em cada asa. Nada "oh, que legal!"

Capítulo 1: Mimetismo e Camuflagem

No mundo, seres vivos competem por recursos. Às vezes, um ser vivo é recurso DO OUTRO (um modo gentil de dizer "jantar"). Assim, seres evoluem e são selecionados naturalmente para não só caçarem, e ter comida na mesa, mas escaparem de virarem almoço, janta e café da manhã. A camuflagem é a capacidade de dar ao animal (ou planta) capacidade de se esconder no meio em que vive. por isso leões não são verdes e sim chiquíssimos tons pastel, por causa da savana em volta.

Não, ele não adquiriu esta capacidade PORQUE estava na savana. O fato de ESTAR na savana é que determinou qual animal teria mais sucesso e vingou mais os que se parecem com leões. Outro exemplo de camuflagem: camaleões, polvos etc.

Mimetismo é quando o animal IMITA o ambiente, como o bicho-folha, bicho-pau etc.

O mimetismo ajuda muitas espécies, como borboletas, por exemplo, que possui a imitação de asas com desenhos com padronagens que parecem grandes olhos, dando a impressão que se trata de um animal maior. Até mesmo aranhas se parecem com formigas.

Capítulo 2: Seleção Natural e Artificial

A Seleção Natural seleciona naturalmente, mas você deve ter deduzido pelo nome. O ambiente limita quais os indivíduos que estarão aptos a viver NAQUELE lugar. Leões são fortes? Selvagens? Ferozes? Poderosos? Solte-o na Antártida pra correr atrás de um pinguim. Boa sorte pra ele (o leão, claro. O pinguim fica de boa, no máximo sendo caçado pelo Batman).

Quando nós, macacos pelados, interferimos propositadamente no ambiente (seja para produzir uma flor de cor negra ou mesmo uma vaca – e vacas não existiriam sem nós), então chamamos Seleção Artificial.

Capítulo 3: Mosquinha 3-em-1

A Seleção Natural vem selecionando os seres dia-a-dia, desde que a primeira molécula surgiu. E até mesmo moléculas de RNA competem por recursos. E através disso, surgiu as moscas da espécie Goniurellia tridens, que teve de presente um mimetismo de uma formiga estampada em cada asa.

A drª Brigitte Howarth possui doutorado em Entomologia Ecológica e trabalha na Universidade Zayed, em Dubai.

Moscas nos Emirados Árabes Unidos não é algo OHHHH. Também não é raro que algumas delas (não necessariamente lá, apenas, mas em todo o mundo) tenham padrões de cores nas asas, muitas vezes em padrões estrelados, como a Trupanea actinobola, encontrada no Canadá.

A boa doutora boa estava em Omã, na Jordânia, em 2012. Ela estava de bobeira, olhando uns arbustos, quando viu  a Goniurellia tridens e notou alguns insetos rastejando ao redor. Só que não eram insetos, e sim as asas da mosquinha amiga.

A primeira conjectura seria que essas padronagens ajuda a espantar predadores. mas quais predadores? De mosca que se borra de medo de formiga? E quando as asas estão sobrepostas, o desenho não lembra nenhuma formiga. Para que aquele desenho, então?

Para nada. Evolução não segue com uma meta pré-estabelecida. O fato que determinada característica dá alguma vantagem não implica que todas as modificações tenham obrigatoriamente que oferecer vantagens. Às vezes, entra-se numa sinuca evolutiva e o ser vivo não vai pra frente. Pandas, por exemplo, se não fossem bonitinhos e fofinhos já teriam ido pro ralo da Natureza há muito tempo, já que aquele troço lá não gosta de sexo e só come bambu. Mas como é risonho e inspirou desenho animado, virou xidó das pessoas e se esforçam para segurar a onda dele, ou ele fatalmente teria sido extinto ha muito tempo.

A notícia foi primariamente veiculada no The National, em junho de 2012, mas parece que ninguém deu bola, até que um twit publicado no The New York Times em 4 de novembro deste ano replicou esta informação. Daí, todo mundo se interessou.

É, eu sei que se passaram 15 dias até eu publicar. Bem, bem, nunca é tarde para aprendermos mais um pouco.

A mosquinha é algum grandessíssimo avanço da Ciência? Eu acho que é, pois qualquer descoberta é uma grande descoberta, pois nos faz prestar mais atenção nas coisas, desperta nossa curiosidade e nos faz nos aprofundar mais ainda, estudando mais e descobrindo coisas novas que antes não teríamos ideia que existiam.

Só fico triste com uma coisa. Todos estão perdendo tempo à toa. Nada disso existe. Se fosse verdadeiro, seria uma demonstração de complexidade vinda de padrões menos complexos. A verdade é que o grande Projetista Inteligente projetou esta mosquinha com formigas porque… porque… porque… Ah, olha aquela flor ali!

DNA mais triste hoje: morreu Fred Sanger
Iniciativa propõe estudar problemas neurológicos de veteranos de guerra

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!