Maluquice do dia: É tudo onze!

Voz dos Alienados 43
O que o cérebro vê quando os olhos pararam de ver?

O estranho mundo de Hades não pode se furtar de parar com as insanidades. Enquanto tem gente que acha que matar bode preto abre caminhos ou fumaças fedorentas trazem o faxineiro amado em 3 dias (ou alguma merda neste sentido), as pessoas não param para pensar em muitos absurdos que estão cometendo. A bem da verdade, não pensam nos milhares de absurdos diários que cometem, mas quem dá ouvidos a coisas saem importância como lógica?

Não, é sério! Eu nunca entendi como uma fumaça fedorenta pode espantar ispritus. Ispritus têm olfato? Eles sentem o seu CC? Seu anjo da guarda foge se você peidar? (eu tenho vontade de fugir quando sou confrontado com essas emanações gasosas). Agora, a maluquice da vez é associar um evento aleatório, como a data 11 de novembro de 2011 com algo místico. Estamos com mais uma edição da sua SEXTA INSANA!

Pensem, cavalgaduras, PENSEM! O que pode ter de significado a data 11/11/11? Isso pode significar muito para muita gente, mas tostar lesmas ao sol com uma lente também pode ser o paraíso para muitas pessoas (a mim, em especial, quando tinha uns 10 anos). Então, um bando de acéfalos resolveu gastar todo o estoque de doideira e burrice que vinham guardando durante o ano todo. Desde casais de lésbicas que deixaram para se casar hoje, até imbecis que acham que a data 11/11/11 é um evento místico e uma oportunidade para se libertar de armadilhas cármicas do diabo a quatro, digo, diabo a onze.

No caso do casal de lesbos, elas ganharam um concurso de casamento no Facebook (não pergunte) e participará junto com outros 10 casais toscos. Isso demonstra que não é uma questão de ser imbecil por ser gay e sim que até mesmo gays podem ser idiotas. Só que, pelos números do concurso facebookiano, o número de homossexuais idiotas é 11 vezes menor que o número de heterossexuais nas mesmas condições. Matemática aceita qualquer coisa, desde que seja provado matematicamente (ou como um conhecido meu do IMPA diz: “Com Matemática eu posso provar qualquer coisa, até mesmo que a Matemática está errada”).

As pessoas procuram significados e significantes em tudo que veem. O mundo PRECISA fazer sentido, mesmo quando não há O QUE fazer sentido. Pode-se dizer que o onze de novembro de dois mil e onze pode ser algo especial, pois não há como ter um 22º mês, de forma a termos 22/22/22 ou, pior ainda, 22/22/2222. Hoje é um dia único, como ontem também foi. Não haverá um outro 10/11/2011 nunca mais, salvo se usarmos outro calendário ou criarmos um novinho em folha, pois se tal fosse possível, aí que estaria demonstrado a leviandade de tomarmos esta data como algo importante.

Pouco importa o que queiram encontrar, seja eventos de portais cósmicos, confluências energéticas ou alguma maluquice da Nova Era com meditações tolas que nem ajudam a materializar uma peça de picanha de 5 kg direto na minha churrasqueira, a despeito o que dona Diana Cooper diga. Agora, vocês podem tentar fazer a meditação da sra. Cooper, tudo bem. No máximo ficarão com a meditação de Cooper feita.

O dia de hoje deve ser celebrado, como ontem devia ter sido e como amanhã deverá ser. Cada dia de nossa vida já é por si só especial. Dias em que podemos ver nossos amigos, amar nossos cônjuges, curtir a nossa vida etc. Nossos momentos são únicos e devemos aproveitá-los ao máximo, sem perder tempo com, besteiras de datas.

Porque, se você é daqueles que espera aniversário, natal ou dia das mães/namorados/pais/professores/whatever para presentear alguém que você gosta, você apenas está seguindo um comportamento de manada e não porque realmente se lembrou desta ou daquela pessoa.

By the way, eu ia publicar este artigo às 11 horas e 11 minutos, mas por causa do fuso horário, eu posso publicá-lo a qualquer hora, pois em algum lugar são 11h11min, demonstrando a importância desta boçalidade toda.

Voz dos Alienados 43
O que o cérebro vê quando os olhos pararam de ver?

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!