Fim da letra cursiva nos colégios: Analfabetos agradecem

Dando uma repassada no insano submundo imundo de Hades chamado Twitter, vi um comentário da @fatimatardelli que mencionava uma reportagem tosca (como é de praxe no meio jornalístico) sobre o fim da obrigatoriedade do uso da letra cursiva nos colégios. Em resumo, isso se deve ao fato (?) de todos os quase 7 bilhões de pessoas usarem computadores, celulares e trecos informáticos em geral. Não que se cogite, ainda, uma idiotice dessas no Brasil, mas com o histórico imbecil que o MEC tem, não duvido nada que alguma psicopedarretardada veja que isso ajudará ao educando a… bem, não sei, mas ela achará que ajudará em algo.

A notícia está no site da Carta Capital, coisa que não me preocupo muito em acompanhar, mas se tia Fátima recomendou o link, por que não ir ver? Como não sou de ver uma única fonte, chequei o site do Daily Tech (nenhuma preferência. Foi um dos primeiros que o Google retornou) e vi que o Departamento de Educação do estado norte-americano de Indiana aboliu o uso de letra cursiva em sala de aula. Segundo os GÊNEOS (que devem ter letra feia), eles preferem focar o ensino dos alunos com o uso de teclados, mesmo.

A Carta Capital ouviu "educadores" sobre isso (isto é, gente que nunca colocou as patas numa sala de aula) e parece que ficaram divididos, apesar de acharem que a escrita cursiva não ajuda na alfabetização, só atrapalha, quando a criança tem que ler os garranchos textos das professores, mas ao meu ver, ESTE é o ponto fulcral (nossa, como sou inteligente e uso palavras difíceis! Cet.net, por uma vida melhor escrevemdo serto).

Escrita é uma das formas básicas e primordiais da comunicação. Se ela não fosse importante, não dividiria a História em pré-história e história. Zumbis não tiveram nada a ver com isso. Escrever certo é mais do que uma obrigação, é imprescindível. Sendo assim, é importante que a leitura e a escrita sejam fluídicas. Escrever em letra cursiva é a evolução natural e o uso de letras de fôrma pode não fazer seu cérebro virar mingau, mas com certeza a falta do uso da letra cursiva contribuirá para a demora da ativação de certas partes do cérebro.

Prezado senhor André. Pode nos dizer o que o reto tem a ver com a vestimenta masculina?

Muito simples. O uso de letra cursiva demanda habilidade manual (não ESTA habilidade, seus pervertidos) e isso ativa regiões do cérebro que controla o movimento, a pressão e a flexibilidade que o pulso precisa para fazer o movimento. Isso não significa dizer, é claro, que seu filho desmunhecando ficará mais esperto. Significa que cada ligação sináptica que se forma melhora a transferência de informações, fazendo com que o cérebro funcione melhor. Em resumo: quanto mais estimulados somos, melhor aprendemos.

O dr. Reza Shadmehr,  Professor de Engenharia Biomédica e de Neurociência da Universidade Johns Hopkins, juntamente com o dr. Henry Holcomb, da Escola de Medicina da Universidade de Maryland, publicaram um estudo na revista Science mostrando que o cérebro muda mediante instruções física, tais como aulas de escrita cursiva. Os pesquisadores  também demonstraram que essas mudanças resultou em uma "melhora quase imediata na fluência", que levou ao desenvolvimento posterior de vias neurais. Como resultado da prática de habilidades motoras finas, o conhecimento assimilado se torna mais estável. Você pode baixar na íntegra o artigo clicando AQUI (em PDF).

Obviamente, não espero que os jornaleiros tenham o trabalho (pequeno) de caçar fontes. Mais fácil ficar entrevistando idiotas e discutir o sexo dos anjos. Qualquer coisa que o corpo aprenda, seja em nível intelectual ou em nível motor, ajuda no desenvolvimento do cérebro. Mais do que isso, ajuda na assimilação de informações, e o que é o aprendizado senão isso? Esta palhaçada pós-moderna de usar teclados e notebooks e i(Pad/Pod/Phone) e seus correlatos pode ajudar muito no marketing, o qual, é claro, nunca se traduziu em melhoria no ensino, pois isso não ajuda a dar votos, mas criança de letra ruim pode votar, pois só aperta botões.

A escrita foi uma das nossas maiores conquistas e argumentar que estamos no século XXI é uma tremenda besteira. Nosso aprendizado se baseia em codificar e descodificar informações. Ver objetos e traduzi-lo em palavras e/ou símbolos. O caráter estético (letra ruim/feia Vs. letra bonita) é secundário. Isso vem com o tempo, ou não. Não é importante.  Representar o mundo por meio de símbolos, ideogramas ou palavras, e interagir com outras pessoas usando estas ferramentas, foi o que nos fez os animais mais espertos e inteligentes do planetacitation needed.

Portanto, esta ideia é tão estúpida que não duvido nada seja aplicada no Brasil, onde psicopedarretardado fará de tudo para proteger as pobres criancinhas, que se assustam com as letras da professora feia. Blé!

43 comentários em “Fim da letra cursiva nos colégios: Analfabetos agradecem

  1. Estou suspeitando que os “educadores” estão de sacanagem. Só pode. Para quê acabar com o que sempre deu certo (ou ao menos nunca deu errado) ? Daqui a pouco a Língua Portuguesa deixará de ser ensinada.

  2. Olha, acabar o papel pode até ser uma boa ideia, embora eu ache muito melhor escrever em papel de verdade mesmo do que em Ipads da vida. Mas isso é insano demais!! A garotada, que já não gosta de escrever direito nas interwebs, vai crescer sem saber assinar o próprio nome ou fazer anotações em bilhetes/guardanapos se precisarem. O pior de tudo vai ser a extinção dos desenhistas já que a garotada aprende a desenhar exercitando a mão no papel. :shock:

  3. Bom para mim, que tenho letra feia…

    Na verdade, acho que é meio absurdo alegarem que a letra cursiva não é necessária, pois como foi dito no artigo, escrever dessa forma nos ajuda a melhorar habilidades motoras.

    1. @skin,

      Existem outras maneiras de melhora as habilidades motoras de uma pessoa. Sustentar a escrita cursiva por esse motivo é muito pouco.

      1. POr favor, links de publicações indexadas que sustentem a sua afirmação. Eu postei a minha fonte. Poste as suas ou aceite que é apenas uma simples opinião de alguém não-especializado (achismo, em outras palavras).

        1. @André,

          Você quer fontes que confirmem que é possível estimular habilidades motoras na infância além das adquiridas pela escrita? É mesmo necessário? Acho q não.

          Mas meu ponto era o seguinte. Sim, é inquestionável que essa metodologia provoca um efeito indireto (sim é indireto pq não foi para isso que o método foi desenvolvido) na capacidade motora das crianças. Entretanto, a substituição desse método por outro apenas alteraria o foco do desenvolvimento motor e cerebral da criança.

          Explico melhor, é bem evidente que as crianças da geração atual possuem um habilidade motora e de raciocínio muito mais apurada para trabalhar utilizando as ferramentas modernas de escrita e de entretenimento. Bem natural, pois foi com essas ferramentas que aprenderam a interagir com o mundo. Portanto, desenvolveram uma habilidade grande para lidar com esse tipo de tarefa, as que envolvem trabalhar com “softwares” e muti tarefas. E, sim, manusear um “mouse” não é tão simples como parece. Basta dar essa ferramenta para uma pessoa que nunca a utilizou para perceber. Não estou dizendo que são melhores ou piores que as crianças que aprenderam com o tradicional método de ler e escrever, pq afirmar isso careceria de um estudo.

          Concluindo, questionei o argumento do estímulo motor como pq ele é facilmente substituído por outro estímulo, diferente, mas não necessariamente pior, ou menos desejável. Não se sustentando, portanto, como um argumento a favor do método.

          1. Você quer fontes que confirmem que é possível estimular habilidades motoras na infância além das adquiridas pela escrita? É mesmo necessário? Acho q não.

            Hummm, interpretação de texto é pra fracos. Não estou falando de melhorar as habilidades motoras nem falei isso no artigo. Leia de novo, sim?

            Mas meu ponto era o seguinte. Sim, é inquestionável que essa metodologia provoca um efeito indireto (sim é indireto pq não foi para isso que o método foi desenvolvido) na capacidade motora das crianças.

            Que nome damos quando escreve-se uma coisa e o leitor entende outra? problemas na transmissão da mensagem ou incapacidade de entendimento?

            Entretanto, a substituição desse método por outro apenas alteraria o foco do desenvolvimento motor e cerebral da criança.

            Vc falou que seria melhor. Quero as fontes.

            Explico melhor, é bem evidente que as crianças da geração atual possuem um habilidade motora e de raciocínio muito mais apurada para trabalhar utilizando as ferramentas modernas de escrita e de entretenimento.

            Por isso são todas gênios e o Ensino está indo de vento em popa! Que o diga o PISA.

            Bem natural, pois foi com essas ferramentas que aprenderam a interagir com o mundo.

            Como elas são cultas! O Orkut e o Yahoo Respostas não me deixam mentir!

            Portanto, desenvolveram uma habilidade grande para lidar com esse tipo de tarefa, as que envolvem trabalhar com “softwares” e muti tarefas.

            Se vc diz…

            E, sim, manusear um “mouse” não é tão simples como parece.

            Arrastar algo pra frente e pra terás realmente demanda muita esperteza. Eiunstein nunca usou um mouse. Era uma besta!

            Basta dar essa ferramenta para uma pessoa que nunca a utilizou para perceber. Não estou dizendo que são melhores ou piores que as crianças que aprenderam com o tradicional método de ler e escrever, pq afirmar isso careceria de um estudo.

            Sim, afirmou. Indiretamente, mas afirmou. Se vc não faz ideia do que escreve, por favor, leia e releia várias vezes antes de postar.

            Concluindo, questionei o argumento do estímulo motor como pq ele é facilmente substituído por outro estímulo, diferente, mas não necessariamente pior, ou menos desejável. Não se sustentando, portanto, como um argumento a favor do método.

            Vc pode questionar o que quiser, desde que apresente embasamento. Quwestionar só por questionar é usar de apelo à ignorância. Agora, vc vai me postar as inúmeras referências com revisão de pares que demonstram que arrastar o mouse deixa as pessoas mais inteligentes?

            Enquanto isso, tome um presentinho: http://www.nytimes.com/2010/07/11/business/11digi.html

            (considerando que vc não leu/entendeu o artigo, fico em dúvida se lerá/entenderá este, ainda mais por estar em inglês).

          2. @André,

            Agora, vc vai me postar as inúmeras referências com revisão de pares que demonstram que arrastar o mouse deixa as pessoas mais inteligentes?

            Mostraria se tivesse sido isso o que eu disse. Apenas disse que as habilidades adquiridas são distintas, só isso. O mouse foi apenas um exemplo da diferença de ferramentas. Não disse em momento algum que esse o outro método deixa a pessoa mais ou menos inteligente. Esse afirmação, sem dúvida, careceria de comprovação. Como eu mesmo disse anteriormente. Prova que eu não tenho, obviamente.

          3. Mostraria se tivesse sido isso o que eu disse.

            Bom, era sobre isso o artigo. Se vc mudou o assunto, o problema não é meu.

            Apenas disse que as habilidades adquiridas são distintas, só isso.

            O mouse foi apenas um exemplo da diferença de ferramentas.

            E irrelevante è discussão.

            Não disse em momento algum que esse o outro método deixa a pessoa mais ou menos inteligente.

            Reitera que desviou o assunto da postagem.

            Esse afirmação, sem dúvida, careceria de comprovação. Como eu mesmo disse anteriormente. Prova que eu não tenho, obviamente.

            Argumentação sem prova é falácia, e desvio de assunto é muito feio.

  4. Desculpe André, mas o acompanhando há quase um ano, este é o primeiro artigo que dá tanto nojo que não consegui terminar a leitura. Mais uma vez me surpreendo com sua determinação.

    Não sei qual futuro as pessoas podem pensar em ter quando abolirem sua necessidade primordial, a comunicação. O que sabemos hoje é fruto de tábuas de argila esculpidas, toscas escritas que suportaram séculos e milenios até os dias atuais. Abolir a escrita de hoje é impedir que nossos traços, nossos erros sejam vistos futuramente. É nos sentenciar a morte. Independente se esta idéia se popularize ou torne-se real, é assombro alguém concebê-la.

    Acho melhor iniciar minha Fundação hoje.

  5. Nem vou entrar no mérito se é bom ou ruim, mas é um tendência mais do que evidente. As pessoas escrevem cada vez menos. Usam cada vez menos papel e caneta para escrever. Acredito que seja inevitável o “desaparecimento” da escrita no papel. Que está sendo substituída por outro método de escrita, apenas isso.

    Agora uma pergunta, qual a diferença entre aprender a escrever desenhando as letras e digitando as mesmas? Em outras palavras, não entendo o que essa diferença tenha a ver com o sujeito ser mais ou menos inteligente que o outro, ou mais ou menos “analfabeto”. São apenas métodos diferente de ensino.

    1. Agora uma pergunta, qual a diferença entre aprender a escrever desenhando as letras e digitando as mesmas?

      1) Coordenação motora.
      2) Uso maximizado de corretores ortográficos.
      3) Nem todo mundo tem teclados e ninguém vai na rua com notebook e os usa para escrever um bilhete na hora.
      4) Maior tendência a péssima grafia, e não estou falando de “beleza”.
      5) Não desenvolvimento cognitivo, conforme dito no artigo.
      6) Etc e mais etc.

      Em outras palavras, não entendo o que essa diferença tenha a ver com o sujeito ser mais ou menos inteligente que o outro, ou mais ou menos “analfabeto”. São apenas métodos diferente de ensino.

      Por um acaso vc LEU o artigo dos dois cientistas? Não, claro que não.Uso de letra cursiva ajuda a fundamentar melhor a capacidade de interpretação de textos. Favor ler o artigo de novo.

  6. Quando criança, sofri um bocado com cadernos de caligrafia; não que eu não soubesse escrever, é que mesmo depois de ter aprendido a ler/escrever, ainda tinha de preenchê-los para escrever com a letra que a professora achava ideal.

    Minha tendência sempre foi escrever em letras de fôrma e até hoje escrevo muito mais rápido e bonito quando sigo minha tendência natural; escrever com aquela letrinha toda desenhada sempre foi um suplício.

    Mas, gostando ou não, eu fiz; assim como fiz várias tarefas escolares que me pareceram enfadonhas, mas que, no final, tiveram alguma finalidade ou uso em minha vida adulta.

    Hoje, apesar de todos os recursos, antes de escrever algum texto num teclado, eu preciso escrevê-lo no papel, é como se só assim conseguisse colocar alguma ordem numa relativa bagunça de idéias.

    Assim, eu concordo que as crianças ainda tenham de preencher dezenas de cadernos de caligrafia, só discordo de que quando mais velhas, ainda sejam supostamente obrigadas a usar aquelas letrinhas desenhadinhas de forma compulsória (por incrível que pareça, ainda existem professores que descartam um trabalho ou prova só pq o aluno escreveu em letra de forma).

    Abolir o ensino da letra cursiva para mim é o mesmo que abolir a alfabetização, pq, um aluno que aprendeu a escrever apenas no pc/smartphone ou o diabo que o valha, quando tiver de pegar um papel e caneta, não passará do que o título do artigo diz: um analfabeto.

    1. @Fátima,
      Também possuo um problema parecido. Dias – ou meses, ou anos, não me lembro ao certo – fui tentar escrever “com letra de mão” e percebi que não consigo mais. Hoje só consigo escrever “de forma” (maldito acordo), e particularmente não vejo problema nisso. Para ser mais exato, quando tento escrever do primeiro jeito, acabo me enrolando e sai uma palavra à mão, e outra de forma, tudo misturado. Minha letra já horrível, e deste jeito fica pior :-(

      E também me lembro do meu caderno de caligrafia da primeira série (quando entrei no primário já sabia ler e escrever, mas infelizmente meu cérebro só regrediu desde então :-(), onde tive que escrever trocentas – na realidade eram poucas, mas pra uma criança era muita coisa – vezes nas linhas demarcadas a infame “canção” Atirei o Pau no Gato. Atirei tantas vezes que ao final não se sabia o que era aquela massa disforme de carne… :-) E não, não adiantou coisa alguma, pois estes dias peguei uma folha que escrevi nesta época, e minha letra permanece praticamente a mesma, quando escrevo à mão.

      Abolir? Não, algumas pessoas têm mais facilidade em escrever de “à mão”, e outras “de forma”. Concordo que, quando criança é ideal que seja ensinado das duas formas, e um dia a pessoa decidirá naturalmente que maneira se sente mais confortável.

      Na faculdade mesmo a maioria dos meus professores escrevem à mão, pois imagino que deva ser mais confortável a uma pessoa acostumada à fórmulas, equações e expressões matemáticas escrever textos do dia-a-dia de forma semelhante.

      Mas fica minha dúvida – quando tiver tempo sobrando lerei os textos dos links postados -, pois ao que me parece a escrita cursiva possui a mesma expressividade que as letras “de forma”, assim não entendo se haveria alguma vantagem na primeira forma que não “impressionar os outros com sua caligrafia”.

      Nessas horas cadê os tipógrafos? Parece que a Fabiane não apareceu mais por estas bandas. Alguém sabe, alguém viu?

      1. Acho que há um certo problema de interpretação aqui. Não é uma questão de escrita cursiva versus escrita com letra de fôrma (fuck the police). E sim a abolição da exigência da escrita cursiva em prol de usar teclados e “tabletes”.

  7. Um amigo meu disse certa vez: “Escrever é ler 3 vezes.”. E “escrever” é no sentido de passar a mão na caneta mesmo. Não sei se é ele o autor da frase, ou se essa frase é fruto de evidências documentadas em artigo, porém tenho “carregado” isso como verdade há um bom tempo. Digitar uma fórmula matemática ou desenhar um diagrama/gráfico simples no computador ainda é dispendioso, ainda mais no ensino fundamental.

  8. Acredito que é possível compatibilizar a escrita cursiva com a tecnologia,há tablets que permitem isso,então podemos evitar o uso de papel e usufruir dos benefícios dos manuscritos.

      1. @Nihil Lemos, A fabricaqção de papel também envolve materiais tóxicos e não renováveis,se a duração do tablet for grande pode compensar o custo ecológico,agora para a questão carioca(brasileira!) não tenho uma solução simples…

        1. A fabricaqção de papel também envolve materiais tóxicos e não renováveis

          Como árvores?

          se a duração do tablet for grande pode compensar o custo ecológico

          Não, não pode. Sabe por quê? POr causa da obsolecência do equipamento/software.

          agora para a questão carioca(brasileira!) não tenho uma solução simples…

          Eu tenho, mas ladrão tb vota (e é eleito).

          1. @André
            Querem substituir o papel pelo tablet mas como você falou, o equipamento ficará obsoleto e isso é inevitável. A fabricação do papel derruba muitas árvores e como estamos em tempo de preservar a natureza por causa do aquecimento global, é natural a busca de novas soluções.

            Agora se os dois não são viáveis em questão de fabricação, o que fazer?Continuar a derrubar árvores para fabricar papel?Não existe outra maneira sendo pesquisada?

          2. A fabricação do papel derruba muitas árvores

            Reflorestadas. Próxima desculpa?

            Agora se os dois não são viáveis em questão de fabricação, o que fazer?Continuar a derrubar árvores para fabricar papel?Não existe outra maneira sendo pesquisada?

            Volte e LEIA o artigo antes de comentar algo totalmente diverso. Vc não escreve em tablets, aperta tecla virtual. E não venha com besteira eco-chata de derrubada de arvores. Muito mais danos ao meio ambiente são causados por causa da exploração de metais, ainda mais os terras raras. Isso sem falar no petróleo. Ademais, o que vc faz com as baterias, mesmo? Papel é biodegradável.

            O mundo usa papel há mais de 2500 anos. Quero ver um tablet ser usado por todo este tempo.

          3. @André, Você é Doutor em química e sabe que papel não é só árvore,além disso a tecnologia avança rapidamente e os preços
            estão caindo(já temos placas de U$25,00!), a durabilidade aumentada(lembre-se do cristal de memória postado aqui mesmo) e utilizando cada vez menos materiais tóxicos e/ou não recicláveis,embora eu reconheça que no momento ainda não seja competitiva.
            Desculpe-me por ter saído um pouco do tema(já levei um pito semana passada!) mas foi só para explanar meu ponto de vista.

          4. Você é Doutor em química e sabe que papel não é só árvore,além disso a tecnologia avança rapidamente

            O que é mais danoso ao meio ambiente: Derrubar uma árvore, que pode ser reflorestada, ou dinamitar toneladas de rochas a fim de encvontrar metais raros (o nome “terras raras” n~]ao foi dado à toa)?

            e os preços estão caindo(já temos placas de U$25,00!), a durabilidade aumentada(lembre-se do cristal de memória postado aqui mesmo) e utilizando cada vez menos materiais tóxicos e/ou não recicláveis,embora eu reconheça que no momento ainda não seja competitiva.

            Sorry, eu lido com a relidade. Não fico imaginando que no futuro alguém desenvolverá algum polímero que não provém de petróleo ou gastará trilhões de watts de energia para produzir alumínio, enquanto baterias ainda serão feitas de material tóxico, nma esperança de que algum dia usemos lágrimas de unicórnios.

            Desculpe-me por ter saído um pouco do tema(já levei um pito semana passada!) mas foi só para explanar meu ponto de vista.

            Seu ponto de vista é importante como discussão, mas não é válido (e nem estou levando em consideração que o foco do assunto gira em termos de ensino-aprendizado).

            Ao meu ver, a única vantagem do material digitalizado em cima do papel é que é fácil de ser corrigido, ainda mais com o MEC distribuindo livros com erros de matemática. Se bem que isso seria preconceito em termos de conta. A correção seria online, mas de onde viria o dinheiro para dar um laptop/tablet/kindle para cada criança no Brasil? E tudo por que? Pq os floquinhos de neve não escrevem mais à mão? Temos um paradoxo tostines aí.

        2. @Altair5, Só uma coisa, papeis não contem metais raros na sua fabricação e são muito mais baratos do que qualquer tablet.

          Tablet duráveis? Quero ver um tablet durar séculos assim como dura um livro ou um caderno.

          E como o André já disse: não algo que dê para você usar dentro do ônibus no Rio ou mesmo em São Paulo.

  9. Hoje percebi que não lembro a última vez que usei uma caneta ou lápis. Em casa só uso o notebook e o celular para escrever algo. No trabalho, as análises são todas lançadas no computador, nem o livro de ocorrências eu uso mais. kkkkkk
    Vai tudo no sistema mesmo. :oops:

  10. Não vou xingar o senhor, mas gostaria.
    É muita má vontade(distorcer fatos, opiniões e ignorar qualquer coisa que vá contra sua ideia estabelecida que tudo que é novo é ruim, e ponto final) e puro medo de tecnologia a sua “opinião”est, senhor Andre:

    1- O “glorioso” estudo que você usou como argumento de autoridade fala apenas de exercícios motores, então a não ser que a gloriosa cabecinha demonstre por meio de falacias grosseiras(como fugir do tema e focar apenas em um “erro”do que eu disse como parece ser coisa comum aqui, aposto dois centavos que vai focar nesse parenteses e fingir que o resto não existe) que usar um computador/tablet/ect não seja atividade motora, que não se usa as mãos e os dedos ao digitar, pintar ou a escrever num tablet, o estudo permanece invalido como argumento a favor de apenas uma atividade motora especifica(“escrita usando papel e caneta” neste caso).
    Será uma descoberta e tanto saber que digitar ou desenhar num tablet não é uma atividade motora.

    2- Argumento fantástico o seu, “Einstein nunca usou um mouse, por isso era um gênio”, se ele usasse seria burro. Se é pra ter má vontade, então vou imitar: Hitler sabia escrever cursivamente, por isso que ele fez o que fez, se não soubesse escrever com papel e caneta, não seria um ditador.

    3- “Pq reinventar uma coisa que já existe e funciona bem” Realmente, o dono de um site sobre ceticismo, sobre falacias de religião escrever uma coisa dessas é risível, ou digno de pena. Sinceramente não tem como ter sido mais mateiro, roceiro e idade media que isso, pra que nê? Já tão “bão”, já funciona, mudar pra que? Eiiita, lasquera.

    4- Só pra repetir, o estudo fala de atividade motora, resolver um cubo magico, desenhar, DIGITAR, cortar madeira, jogar tênis, aprender a usar um tablet. Ver que o “geneo” conseguiu distorcer isso para vangloriar uma atividade motora especifica e ainda por cimas subjulgar outras atividades motoras usando o mesmíssimo estudo realmente me assusta.

    5- Você que conhece sobre falacias: Ter uma pressuposição do nada(normalmente baseada em preconceito e medo de mudança), e desse pensamento, sair pesquisando, ignorando fatos que contrariem ela, mas aceitar e selecionar as que apoiem é chamado de que mesmo? Sei que é isso que todo bom conspiracionista faz, mas acho que tem um nome técnico.

    Mudar a ordem de “pergunta, pesquisa e conclusão” pra “preconceito, pesquisa seletiva e perguntas que favoreçam” é meio estranho pra um site de ceticismo.

    1. Não vou xingar o senhor, mas gostaria.

      Vc não vai me xingar, porque é obtuso demais para isso, já que sua notocorda não passou ainda por estágios evolutivos, mas eu te perdôo pelo monte de idiotices que vc escreveu. Como sou magnânimo e gosto de mostrar às pessoas os males da idiotice, concederei à sua tola exposição imbecil um mínimo de minha prestigiosa atenção.

      É muita má vontade(distorcer fatos, opiniões e ignorar qualquer coisa que vá contra sua ideia estabelecida que tudo que é novo é ruim, e ponto final) e puro medo de tecnologia a sua “opinião”est, senhor Andre:

      Se vc não fosse analfabeto funcional, veria que eu não critiquei nenhuma tecnologia. Para vc, que deve trabalhar no ramo de Tecnologia de Informação (passando pano molhado no chão do analista de sistemas de uma empresa de fundo de quintal lá na Bahia), é meio difícil entender que “tecnologia” é algo que existe desde que o homem usou uma rocha mais tenaz do que outra para fazer ferramentas (tenaciudsade é diferente de dureza, coisa que eu tenho que reiterar para pessoas com problemas de interpretação de texto).

      Eu não sei aí na Bahia, mas onde moro não se consegue ter um título de doutorado em Química sem usar ferramentas tecnológicas, antigas e modernas. Obviamente, não espero que vc entenda isso, nem quando eu disser que trabalho com informática educacional, onde oriento pedagogos que pensam ser professores de verdade.

      O “glorioso” estudo que você usou como argumento de autoridade fala apenas de exercícios motores, então a não ser que a gloriosa cabecinha demonstre por meio de falacias grosseiras(como fugir do tema e focar apenas em um “erro”do que eu disse como parece ser coisa comum aqui, aposto dois centavos que vai focar nesse parenteses e fingir que o resto não existe) que usar um computador/tablet/ect não seja atividade motora, que não se usa as mãos e os dedos ao digitar, pintar ou a escrever num tablet, o estudo permanece invalido como argumento a favor de apenas uma atividade motora especifica(“escrita usando papel e caneta” neste caso).

      Vou te chamar de Jeannie, ok? Afinal, vc é um gênio.

      O uso de pás e picaretas tb pode ser tido como atividade psicomotora, mas nem de longe são indicadas para a situação de ensino/aprendizado (salvo se vc estiver ensinando alguém a ser peão de obra). O questionamento foi substituir escrita cursiva pela do teclado. Entendeu, JEANNIE? Substituição. ESTE é o ponto que pessoas que não conseguiram estabelecer ligações sinápticas suficientes não conseguiram entender. O foco do ensino usando ferramentas informatizadas não se baseia em digitar no Word. pode ser aí com os usuários do Velox, mas nem de longe é a meta principal. O estudo enfocou a importância de atividades motoras E da escrita cursiva. A escrita via teclado é diferente e aumenta (???) a habilidade motora, mas não necessariamente cria as sinapses que a escrita cursiva proporciona. Sendo assim, uma pessoa com a capacidade de interpretação de texto de um chimpanzé ou acima foi capaz de perceber que não é interessante SUBSTITUIR a escrita cursiva pela do teclado.

      Infelizmente, Jeannie, não foi o seu caso.

      Será uma descoberta e tanto saber que digitar ou desenhar num tablet não é uma atividade motora.

      E pode-se escrever de forma cursiva tb.

      bang! ai, meu péééééééé!

      Argumento fantástico o seu, “Einstein nunca usou um mouse, por isso era um gênio”, se ele usasse seria burro. Se é pra ter má vontade, então vou imitar: Hitler sabia escrever cursivamente, por isso que ele fez o que fez, se não soubesse escrever com papel e caneta, não seria um ditador.

      Godwin? Presente!

      Bom, Pode-se falar de que Hitler foi muita coisa, mas não era burro. Em compensação, Pol Pot era analfabeto e era ditador. Sendo assim, quem não domina a escrita cursiva é ditador psicopata.

      Você domina a escrita cursiva?

      “Pq reinventar uma coisa que já existe e funciona bem” Realmente, o dono de um site sobre ceticismo, sobre falacias de religião escrever uma coisa dessas é risível, ou digno de pena.

      Não é tão pior que ler alguns comentários que colocam aqui. Sendo o foco do artigo Escrita Cursiva x Escrita no Teclado, vemos qual reinvenção eu estava falando.

      Pol Pot não teria sido capaz de entender isso.

      Sinceramente não tem como ter sido mais mateiro, roceiro e idade media que isso, pra que nê? Já tão “bão”, já funciona, mudar pra que? Eiiita, lasquera.

      Isso dito por alguém que usa um netbook com Firefox 3 e Windows XP.

      Só pra repetir, o estudo fala de atividade motora, resolver um cubo magico, desenhar, DIGITAR, cortar madeira, jogar tênis, aprender a usar um tablet.

      Previamente refutado.

      Ver que o “geneo” conseguiu distorcer isso para vangloriar uma atividade motora especifica e ainda por cimas subjulgar outras atividades motoras usando o mesmíssimo estudo realmente me assusta.

      Ele realmente achou que estas frases fizeram sentido. Na mente dele, uso de escrita cursiva, machado e teclados possuem a mesma ação no cérebro. Logo, todo lenhador é sério candidato ao prêmio Nobel.

      Você que conhece sobre falacias: Ter uma pressuposição do nada(normalmente baseada em preconceito e medo de mudança), e desse pensamento, sair pesquisando, ignorando fatos que contrariem ela, mas aceitar e selecionar as que apoiem é chamado de que mesmo? Sei que é isso que todo bom conspiracionista faz, mas acho que tem um nome técnico.

      Tem: Sustentar uma opinião. Para derrubar esta opinião é preciso que se pesquise mediante a opinião contrária em sites de pesquisa e periódicos indexados, que demonstrem que o uso do teclado e de computadores aumentam e melhoram as ligações sinápticas.

      Pode começar, trollzinho. :)

      Mudar a ordem de “pergunta, pesquisa e conclusão” pra “preconceito, pesquisa seletiva e perguntas que favoreçam” é meio estranho pra um site de ceticismo.

      O simples pensamento que eu já tinha lido sobre a pesquisa ANTES é difícil por gente tão obtusa, medíocre e retardada como vc, tão covarde que precisa criar contas de e-mail falso para poder postar e não ser ridicularizado pelos amiguinhos, já que postará suas fotos no Orkut usando touquinha do Esporte Clube Vitória.

      POde criticar minha postagem o quanto quiser. Saber que em países altamente tecnológicos como o Japão usam ferramentas tão tecnológicas quanto um ábaco (no Japão, o Soroban é usado até em universidades e o Nihil e a Mari que digam se estou errado) é resposta mais do que suficiente a acéfalos como vc. Passar bem, Jeannie.

      1. @André, na escola onde minha estuda nem computador tem (não para os alunos). Enfim, o cara escreveu escreveu escreveu e não argumentou nada. Poderia ter gasto o tempo dele com algo mais produtivo.

      2. @André

        “”O estudo enfocou a importância de atividades motoras “E da escrita cursiva”””
        Falso, mentira descarada.

        “”A escrita via teclado é diferente e aumenta (???) a habilidade motora, mas não necessariamente cria as sinapses que a escrita cursiva proporciona. “”

        Pra simplificar, aonde no estudo está escrito isso? Só isso que quero saber, de onde você tirou isso.
        Dá o numero da pagina, do paragrafo, transcreve aqui, qualquer coisa.

        E não xingo porque ad hominem é coisa de gente mateira e primitiva, mas nenhuma surpresa vinda de gente que é contra tecnologia, quero ver se o japão sobreviveria um dia sem computadores, só na base do ábaco, comparação linda essa, sendo que outros países não usam ábaco e são desenvolvidos da mesma forma, mas é logico que é o ábaco que os torna especiais, não o seu investimento em tecnologia e educação, é o uso de ábacos, não de computadores e livros(esses escritos em letra de imprensa) que faz a economia crescer e a tecnologia evoluir.

        1. Falso, mentira descarada.

          ZzzZZzzZZzz

          Pra simplificar, aonde no estudo está escrito isso? Só isso que quero saber, de onde você tirou isso.

          Mentes simplistas precisam simplificar tudo, pois não possuem ligações sinápticas que permitam raciocinar sobre o texto. Sendo assim, e levando em consideração que qq atividade mecânica melhora o aprendizado, pessoas que ficam apertando parafusos possuem o maior QI do que quem fica apenas fazendo contas mentalmente.

          Dá o numero da pagina, do paragrafo, transcreve aqui, qualquer coisa.

          http://tinyurl.com/353v8g6

          E não xingo porque ad hominem é coisa de gente mateira e primitiva

          Fora os retardados que fazem xingamentos velados, achando que só porque possuem um netbook vagabundo usando um sistema operacional de 10 anos são mais espertos que o restante da humanidade.

          mas nenhuma surpresa vinda de gente que é contra tecnologia, quero ver se o japão sobreviveria um dia sem computadores, só na base do ábaco

          Bom, eles sobreviveram muito bem sem eles até meados do século XX.

          comparação linda essa, sendo que outros países não usam ábaco e são desenvolvidos da mesma forma

          COmo quem? O Brasil?

          mas é logico que é o ábaco que os torna especiais, não o seu investimento em tecnologia e educação

          Educação SEM usar computadores em salas de aula como o Nihil disse. Estranho, não?

          é o uso de ábacos, não de computadores e livros(esses escritos em letra de imprensa) que faz a economia crescer e a tecnologia evoluir.

          Olha, troll, eu sei quye vc além de pobre coitado e não poder comprar um computador de verdade e se apega no pouquinho que a mesada que seus pais lhe dão. Mas vai ter que aceitar o fato que estudos mostram que a Informática mais atrapalha os estudos dos alunos do que ajuda. Um médico usar PET-scan ou mesmo um aparelho de ultrassonografia não fará com que as crianças tenham um desenvolvimento cognitivo só porque usam Orkut ou Facebook. Aceite o fato: vc é apenas mais um pobrezinho que não sabe nem ler e escrever direito (o “aonde” que vc escreveu deveria ter sido “onde”) e não sabe oque são livros e como a sociedade sobreviveu milênios sem computadores para produzir conhecimento. O fato é: usar teclado não faz ninguém ser inteligente, Jeannie, e vc é prova cabal disso.

          Considerando que vc não respondeu minhas assertativas nem postou nenhum estudo que comprova o monte de besteiras que disse, declaro o fim da sua participação aqui. Vai procurar um trio elétrico, cabra.

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s