A bizarrice eleitoral dos candidatos “famosos”

Esse mundo de Hades é a coisa mais louca que poderia haver no canto de cá da Galáxia. Ferenghis nos devem achar completamente esquisitos e eu nem perderia meu tempo em saber o que Vulcanos pensam de brasileiros. A louca política brasileira galga degraus de estupidez na imensa insanidade eleitoral de 2010. O festival de candidatos-estrela está cada vez mais pendendo para algo saído do Além da Imaginação. A hora que eu ver um avião com o logo da Oceanic Airline cair aqui perto de casa, saberei que tudo está perdido.

O Arthurius Maximus já postou sobre a estúpida enxurrada de cãodidatos que usam seu poder de mídia para vender suas imagens e conseguir votos, como é o caso do Tiririca, que alegou não saber nem mesmo o que faz um deputado, mas ele espera ajudar as pessoas e principalmente a sua família. Bem, pelo menos ele é honesto (ou quase).

Eu me lembro quando era garoto e o pessoal do Casseta & Planeta lançou a candidatura do Macaco Tião para o cargo de prefeito do Rio. Ele ganhou em disparada, ainda mais porque o voto era nas famosas cédulas, onde geral costumava escrever um monte de besteiras. Não que os apuradores dessem maior atenção, mas era engraçado. Com os tempos de urna eletrônica, não podemos mais protestar assim e os mais toscos apelam para eleger qualquer retardado. Tomando uma citação do artigo supracitado, extraímos o trecho abaixo, ao qual reproduzo na maior cara-de-pau, sem ter pedido licença:

Quando você vota num desses candidatos celebridade apenas pelo fato dele ser uma celebridade e sequer se preocupa com os projetos que ele tem; você garante que ele se transforme num “puxa voto”. Alguém que tem uma votação maciça e que se elege facilmente. Esse montante de votos é rateado proporcionalmente, pelo coeficiente eleitoral, para os demais candidatos do partido. Assim, no fim das contas, você vota na “Popozuda Maçã-Uva” e leva o Michel Temer. O mesmo acontece com aquele candidato hilário em que você votou para mostrar aos políticos safados que você não está nem aí para os “medalhões”.

– Arthurius Maximus

Metam uma coisa na cabeça, bando de idiotas! Mulher pêra, maçã, melão e coisas afins NÃO VÃO DAR PRA VOCÊ! A Cameron Brasil é candidata a Deputada Federal pelo PTN-SP. Você não precisa ser um daqueles macacos que tocou no Monolito Negro para encontrar um vídeo de campanha dela no YouTube, onde ela fala com aquela voz de cachorra vagaba prima atendente de telessexo puta quente para você votar com muito prazer, além de dizer o seu número de registro: dezenove… MEIA NOVE!

Para vocês, senhoritas, fãs do KLB (isso ainda existe?), nenhum dos integrantes irão fazer showzinho na sua casa se forem eleitos. E não façam essa cara de santinha, vocês sabem bem que tipo de “showzinho” eu estou me referindo!

Já o Maguila seria um candidato com um argumento melhor: – Vote ‘ni mim ou vossê vai vê só!

Romário é candidato a Deputado Federal (FE-DE-RAL!!) daqui do Rio, peixe. Se ele não ia treinar, imagina ir votar leis. É Reginaldo Rossi, Gretchen, Tati Quebra-Barraco, Vampeta, Marcelinho Carioca, Túlio Maravilha, Netinho (que eu sempre achei péssimo cantor, além de ele gostar dar umas porradas na mulher dele), Wagner Montes e até mesmo as filhas do Garotinho! SOCORROOOOOOOO!!!!!

O país está nesta merda não é por causa de ter candidatos sanguessugas como estes. Não, a culpa É SUA! Sim, sua. Você que vota no primo do vizinho do cunhado da senhora que lava roupa pro flanelinha que guarda o seu carro. A culpa é sua, bando de acéfalos, que se vendem por qualquer promessinha vagabunda, tendo a intenção de arrumar uma boca de ASPONE, para não fazer nada de nada de coisa alguma, mesmo tendo criticado outros ASPONES.

Você, eleitor vagabundo, é o principal culpado para esta escória se candidatar, por que você – VOCÊ! – os elege.

O pior corrupto é o povo, pois o político se vende por dinheiro, poder e influência. Povão se vende por qualquer merda que aparece na TV. Se o pastor manda, ele vota. Se ator global recomenda, ele vota. Se mostrou a bunda, ele vota. Se não fez nada disso, mas é um ridículo descerebrado que acha que é melhor votar no menos pior, eu só tenho a dizer: pois é assim que piora.

Em resumo, o pior do Brasil é o Brasileiro, e eu não sei nem porque eu estou fazendo este post. Eu sou tuvalense. Jamais aceitaria a vergonha de dizer para um estrangeiro: “é, pois é. Aquela dona pêra (que não é a Marília) só lê e escreve, mas é um dos membros do nosso Legislativo.”

Se bem que com um presidente como o nosso, não há mais degraus a descer…. ou será que tem?


Fonte: O Globo

32 comentários em “A bizarrice eleitoral dos candidatos “famosos”

  1. Eu ia dizer essa frase que você encerrou. Outro dia alguém estava descendo o pau no Tiririca, dizendo que ele era analfabeto e tal. Na hora me veio o Molusco na cabeça e o pensamento: ué os parâmetros mudaram? Agora analfabeto não vai fazer nada pela gente, mas o cara lá tem 70% de popularidade e se indicar um pedaço de bosta ainda é capaz de ganhar.

    Ainda no tema, a campanha da possível presidenta é uma comédia, a maior parte do tempo é um analfabeto qualquer dizendo: “se o Lula indicou é por que é bom (ou seja, insira qualquer coisa aqui, uma árvore, um musgo)”. Depois começa uma musiquinha idiota falando sobre mulher, como se fosse a solução. A lógica deve ser: foram 35 presidentes homens e o país não andou, agora com uma mulher a coisa vai pra frente. Faltou juntar outras características das minorias: negro, homossexual e ateu. Pronto. Fechou o pacote.

    Política, até a parte “séria” é ridícula.

    1. @Hugo L,
      A lógica deve ser: foram 35 presidentes homens e o país não andou, agora com uma mulher a coisa vai pra frente.
      Essa conversa mole de “mulher vota em mulher”, “igualdade na política”, “justiça às minorias na política”, “um presidente diferente, que seja [preto, mulher, ateu…]” é de uma imbecilidade completa.
      É só ver o exemplo da cidade de São Paulo: já teve mulher prefeita, prefeito “árabe”, prefeito negro, prefeita nordestina, prefeito de “direita”, prefeito de “esquerda”…
      Mas… da cabecinha dos eleitores não se pode esperar coisa melhor.

      1. Mulher não vota em mulher. Haja vista que precisaram criar cotas para garantir percentual feminino na Câmara. Aliás, FODA-SE. Se ninguém quis votar em nenhuma mulher é pq ela não agradou ao eleitor. ou seja, não tenho nem mesmo o direito de escolher quem eu quero votar.

        CÉTICO VOTA EM CÉTICO. ANDRÉ PRA PRESIDENTE!

          1. Ele até poderia, mas como ele é muito sincero em suas opiniões, não se elegeria. O povo não gosta, quer é circo e pratos de lentilhas.

  2. Obrigado pela citação camarada! No Visão você tem crachá, não precisa de autorização.

    Em relação ao seu artigo, só tenho a dizer o seguinte:

    Somente quando o eleitor entender a sua real responsabilidade no mar de lama que nos assola e que o voto não começa e termina ao digitar-se números numa maquina é que as coisas começarão a mudar por aqui. Enquanto a mente do brasileiro não mudar o país continuará sendo um paraíso do crime e da corrupção e o presidente continuará vindo em cadeia nacional defender despudoradamente corruptos e criminosos como se fosse a coisa mais banal do mundo.

  3. Tenho vergonha de chamar isso de política, sinceramente. Não há, ao menos, a necessidade de mentir para o povo, pois já somos considerados idiotas. Deveria ser proibido este tipo de campanha. E, muitos ainda, acham graça.

    1. @Tati,

      Proibir? Que afronta!

      Essa baboseira que passa no horário eleitoral é a fiel caricatura do povo brasileiro. Os politicos que são cadidatos/eleitos retratam perfeitamente como está degradante a situação escolar/racional/crítica/evolutiva da população.

      1. @Kleber, O povo precisa ser mais consciente, mas que deveria ser exigido do candidato uma postura mais, digamos, “séria”, isso deveria. Preparação de ambos – candidato e eleitor. Um nível de informação sobre o que política é e não é, mas concordo que isso começa “de baixo”. Muita gente ignorante irá votar porque acha “bonitinho”, “engraçadinho”.

        1. Eu acho que deveria haver prova de aptidão. Algo como a leitura completa da Caminho Suave. Garanto que 60% estaria inapta. Pelo menos, a mulher Pêra “lê e escreve” (provavelmente, mal, muito mal).

    1. @Tati,

      Meu deus misericordioso !!!!!!!!!!! Fiquei chocado com a entrevista. O cara é um verdadeiro asno. Não sabe NADA o que está acontecendo. Nem quem são os seus assessores ele acertou direito. Ao menos ele é coerente com o que diz na campanha. O que não é lá grande coisa, nesse caso seria desejável que ele estivesse mentido na propaganda. Mas é real, infelizmente, ele não sabe nada.

  4. Sempre voto nulo e ainda não me convenceram do contrário,aliás o voto já deveria ser facultativo faz tempo… :smile:

    1. @Altair5,
      Concordo que o ato de votar deva ser facultativo.
      Vou mais longe ainda: que o cadastro de eleitor seja, também, facultativo.
      O cidadão que desejasse votar teria que, explicitamente, manifestar essa vontade se cadastrando; quem não quisesse, não precisaria se cadastrar, nem seria punido por isso.
      Votar deixaria de ser uma obrigação para ser um direito de livre exercício, ou seja, uma opção democrática, não uma imposição que vem desde a ditadura.

      Sendo o voto facultativo, as campanhas políticas não poderiam ser com seres caricatos, que aparecem com chapéu de palha e violão à tiracolo anunciando: “votem em zé do violão! Meu número é…”. (Vá vi um sujeito fazer isso, e ele nem sabe tocar violão)
      Sem o voto obrigatório, os aspirantes a representantes do “povo” teriam que mostrar algo que convencesse as pessoas a sair de casa, em pleno domingo, para dar um voto de confiança neles. Mesmo tendo o eleitor mediano um QI de temperatura ambiente, não acho que as massas (sem catupiry) levantariam a bunda do sofá para votar em um Tiririca, por causa da venda de uma imagem de retardado.

      Nem me venham com essa que, se o voto fosse facultativo, as pessoas iriam faltar em massa no dia da eleição. Se isso acontecesse, seria por culpa dos candidatos, quer seriam uma porcaria.
      Conversa mole, essa história que, se o voto fosse facultativo, candidatos seriam eleitos sem votação expressiva, por isso seriam “não representativos”. Qual a representatividade de políticos eleitos só porque conseguiram, de algum modo, chamar a atenção, com uma pêra, melancia ou violão?

      Do alto do meu cinismo, dá para ver que o voto facultativo (mesmo não sendo uma panacéia para essa vida política podre) não é do interesse dos “representantes” do “povo” pois atrapalharia o surgimento de tiriricas (“t” mesmo) e os obrigaria a mostrar conteúdo; é muito mais fácil gritar “Meu nome é Enéas! Meu número é…” ou “não seja palhaço, vote no palhaço”. Graaande conteúdo político, tenho certeza de deixarei de assar uma picanha em família para dar um voto a esses picaretas.

      Outra coisa que acho muito engraçada: “povo”.
      Quem é o “povo”? Falam tanto dele: como ele pensa, como ele vota, como ele deveria educar os filhos mas nunca encontrei esse cara.

      1. Nem me venham com essa que, se o voto fosse facultativo, as pessoas iriam faltar em massa no dia da eleição. Se isso acontecesse, seria por culpa dos candidatos, quer seriam uma porcaria.

        I agree. Em contrapartida, seria um prato cheio para a manipulação de resultado. Mas ninguém me convence que tal já não ocorra, logo, não fará diferença, a não ser que eu não serei obrigado a ter que pegar fila nem aturar estúpidos distribuindo santinhos ou capetinhas pela rua, emporcalhando a cidade. Aliás, distribuição de santinhos tinha que ser totalmente abolido. Se eu não posso levar sacola plástica do supermercado, tb não vejo pq derrubar árvores para produzir tamanha quantidade de lixo não reaproveitável. Carcaça de político sim, é reciclável. ;)

        1. @André, Em tese, a distribuição de “santinhos” eleitorais já é proibida no dia da eleição, bem como qualquer outra tentativa de se influenciar a decisão do eleitor.

          Mas, bem, nós dois sabemos como são eficientes as leis neste país… :grin:

      2. @Joseph K,
        penso de forma semelhante à sua.

        Enquanto no Brasil (bem como na maioria dos países de 3º mundo) para vc ser político vc tem q dizer coisas que agrade o maior número de pessoas, sendo uma delas é ser cristão ou evangélico, é emocionante ver o discurso do Obama sobre o Estado Laico.

        Creio que com o voto facultativo somente as pessoas realmente interessadas no progresso do país votariam. Não sou contra vc não gostar de política. Acho simplesmente inconcebível que 100% da população seja interessada em política. As pessoas devem ter o direito de jogar no ombro de outros a escolha sobre seus futuros. A gente vive fazendo isso. E arcar com as consequencias, sejam elas boas ou ruins.

        Por isso que não espero que políticos céticos sejam eleitos. Democracia não trata de verdade, mas de números. Em democracia vc TEM que apelar para “se muita gente pensa assim, então é isso”.

        Aliás, eleição, ao menos no Brasil, não sei como é nos outros lugares, não implica em democracia. Poder escolher entre morrer na guilhotina, fuzilado, envenenado ou na cadeira elétrica não é exatamente um direito de escolha (bem parecido com o livre arbitrio do Javé). E é isso que temos: meia dúzia dos mesmos políticos como únicas opções.

        Eleição deveria ser o último lugar para se exercer democracia. Democracia deveria ser exercida à cada lei prestes a ser aprovada, a cada salário prestes a ser aumentado, a cada licitação prestes a ser feita. Se cada processo fosse realizado somente perante à aprovação da população (novamente com voto arbitrário), creio que a tal da democracia poderia ser melhor realizada.

        O pior é que os críticos de plantão, que tem a fórmula para um mundo melhor, são aqueles que nunca se elegem para corrigirem tudo isso. vc não vê cronista do Jornal Nacional, que fala com propriedade sobre como resolver os problemas do mundo, se candidatando à presidente.

        Mas se vc, @André, se candidatar pre presidente, eu voto em vc. Mas tem q ter um slogar legal e um número fácil de lembrar.

        Tipo a do Ei-Ei-Eymael, um democrata cristão, …

          1. @André,
            e vc reclamando dos santinhos. Com um número destes precisarei levar um rolo de papel higiênico no dia da eleição. Pra anotar o número e depois pra limpar a c*gada que quando sair o resultado :-(

  5. Bem, pelo menos ele (o Tiririca) é honesto (ou quase).
    O tiririca não é o Cacareco, muito menos é honesto.
    Não é o Cacareco, pois os votos dados a ele não serão anulados: a possível enxurrada de votos seria útil para arrastar, com ele, mais parasitas sem votação, para Brasília. Mais um Enéas?
    Não é honesto pois, para um ser da mídia alegar que não sabe como “funciona” a política, é fazer (mais) pouco caso da inteligência alheia; sem contar que ele ainda tem a capacidade de ocultar bens, na declaração ao TRE. (1)
    Por outro lado, o que falta em honestidade, sobra em cara-de-pau: ajudar a própria família? Vá se f.

    Se bem que com um presidente como o nosso, não há mais degraus a descer…. ou será que tem?
    Tem. A cada dois anos desce-se mais alguns degraus.

    (1)http://divulgacand2010.tse.jus.br/divulgacand2010/jsp/abrirTelaDetalheCandidato.action?sqCand=250000001352&sgUe=SP

  6. Tá ai uma grande vantagem para quem está fora do eixo RJ-SP: aqui no Paraná a unica celebridade candidata é o filho do Ratinho, Ratinho Jr – e ele está na política a alguns anos e é um dos candidatos com maior número de votos… :mrgreen: :mrgreen: :mrgreen:

    Ótimo artigo André!

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s