Livro de Michel Onfray acusa Freud e charlatanismo

michel_onfray.jpgFreud é conhecidíssimo. Virou lugar-comum o bordão “Freud explica…”, e todos já ouviram falar no austríaco esquisitão (deve ser algo na água que faz os austríacos serem meio birutas). Alguns acham que freud é um gênio, outros que nem tanto, que ele foi superado pelos seus discípulos. Só que agora, Michel Onfray, autor do Tratado de Ateologia, chega chutando o pau da barraca e mete os dois pés no peito dos adoradores do velhinho do charuto. Para ele, Freud não passa de um charlatão, mentiroso, fracassado e defensor de regimes totalitários. Só não chamou de bobo, feio e chato, porque aí era demais (ou não).

Freud era um médico mediano. Teve a “brilhante” idéia de ministrar cocaína aos seus pacientes, escrevendo 3 artigos onde defendia o uso do referido alcalóide como medicamento. O mais significativo de todos é o seu breve artigo, publicado em janeiro de 1885, “Uma contribuição para o conhecimento do efeito da cocaína”. Infelizmente, Freud cometeu um pequenino erro. Um errinho de nada. Ele apenas prescreveu uma dose de cocaína a uma de suas pacientes. E isso foi fatal para ela. A paciente morreu e Freud largou de mão de usar medicamentos, achando que poderia-se tratar pacientes sem nenhum tipo de droga. A bem da verdade, o próprio Freud curtia o uso da cocaína, também, mas deixemos isso de lado (maiores informações AQUI). A partir da morte da paciente, surge a Psicanálise que, ao meu ver, é tão científica quanto tarot, astrologia ou jogada de búzios.

Nas palavras de Carl Sagan:

Podemos rezar pela vítima de cólera, ou podemos lhe dar quinhentos miligramas de tetraciclina a cada doze horas. (Ainda existe uma religião, a ciência cristã, que nega a teoria que atribui as doenças a micróbios; se a oração não produz efeito, o fiel prefere que os filhos morram a lhes dar antibióticos.) Podemos tentar a quase inútil terapia psicanalítica pela fala com o paciente esquizofrênico, ou podemos lhe dar trezentos a quinhentos miligramas de clazepina. Os tratamentos científicos são centenas ou milhares de vezes mais eficazes do que os alternativos. (E, mesmo quando os alternativos parecem funcionar, não sabemos realmente se desempenharam algum papel: melhoras espontâneas, até de cólera e esquizofrenia, podem ocorrer sem rezas e sem psicanálise.) Renunciar à ciência significa abandonar muito mais do que o ar-condicionado, o toca-disco CD, os secadores de cabelo e os carros velozes.

– Carl Sagan, O Mundo Assombrado pelos Demônios.

A verdade é que se formos analisar sob a óptica da epistemologia à lá Popper e Khun, Psicanálise não é, nunca foi, nem nunca será Ciência. Não há reprodutibilidade, não há comprovação empírica, não há falseabilidade. Não há nada senão um blábláblá entre paciente e terapeuta. No livro Le Crepuscule d’une Idole – L’Affabulation Freudienne (O Crepúsculo de um Ídolo – A Fábula Freudiana), Onfray argumenta que há validade nos trabalhos de Freud unicamente no que diz respeito ao próprio Freud, isto é, ali só tem o reflexo de sua vida atormentada. Só isso, nada mais. Não pode ser empregada para servir de tratamento para outras pessoas.

As opiniões de Onfray estão causando um furor nos adeptos do neurótico austríaco. A historiadora e psicanalista Elisabeth Roudinesco afirmou em artigo em Le Nouvel Observateur que o novo texto de Onfray está “cheio de erros” e “rumores”, além de acusar Onfray de ter tirado as coisas do contexto. Aliás, eu já estou cansado de ouvir esta ladainha de “texto sem contexto é pretexto, blé!”. Não é à toa que Onfray comparou a psicanálise com o fenômeno religioso.

Outro que surtou nas tamancas foi o psiquiatra e psicanalista Serge Hefez. Segundo ele, “o que fazemos todos nós [psicanalistas] em nossos consultórios, centros de terapia familiar, conjugal, nossos hospitais (…) senão ajudar o sujeito a se converter em ator de sua própria história?” Uma frase linda maios vazia por si só. Ainda segundo o bom doutor, “a psicanálise cura, é um tratamento útil e vivo praticado por milhares de terapeutas conscienciosos que conhecem fracassos, sucessos parciais e sucessos.”

Vamos ver… Bem, antes de eu fazer um comentário, vejamos o que foi dito num debate com o filósofo francês e a psicanalista francesa Julia Kristeva. Segundo ela, a psicanálise é um mecanismo para tratar de problemas como histeria etc. Coisa que ela não precisava falar, já que esses são títulos dos livros do Freud. Todos os supracitados “especialistas” partem ara as falácias de apelo à multidão, apelo ao número e apelo à misericórdia. Só que o Onfray fuzilou logo, mencionando que a psicanálise não tem resultados efetivos maiores que as terapias tidas como “alternativas”, como magnetismo, radiestesia e até exorcismo, que tudo isso não passa de um simples efeito placebo. E a defesa exacerbada é bem semelhante ao que vemos aqui quando falamos que o Dilúvio é uma grossa mentira, e mesmo assim vem algum tosco argumentando da mesma forma (muitas pessoas viram, a Bíblia mudou a vida das pessoas, não é crendice e coisa e tal.

Talvez Onfray exagere no tocante a ligar Freud com ditadores como Mussolini, mas que a Psicanálise não goza de resultados confiáveis, isso é claro para uma pessoa que examine de perto a situação. No fundo, podem até alegar que Psicanálise é reconhecida no meio acadêmico, mas devemos ter em mente também que aquela palhaçada de beber água pura, chamada de Homeopatia, é até especialidade médica.

Para terminar, temos um “causo”. Freud estava tratando de uma mulher que tinha sempre a impressão de estar sentindo cheiro de pudim de laranja queimado. Acontece que o bom Freud vaticinou que as sensações olfativas da distinta senhorita eram sintomas de histeria crônica. Misteriosamente, a paciente deixa de ir no consultório. Tempos depois, Freud a encontra e pergunta como ela tem passado. Ela diz que muito bem, que descobrira que o cheiro de pudim queimado era devido à vizinha, que sempre deixava o doce queimar, mas jogava pela janela para que o marido não visse. (história contada no livro A Assustadora história da Medicina, de Richard Gordon)


Fontes: BBC Brasil/ Pensata

43 comentários em “Livro de Michel Onfray acusa Freud e charlatanismo

  1. Até que enfim apareceu alguém pra desmascarar esse Freud. Um cara que põe a culpa de 50% das mazelas mentais humanas em problemas sexuais não pode estar falando sério. Como o próprio texto diz, “há validade nos trabalhos de Freud unicamente no que diz respeito ao próprio Freud, isto é, ali só tem o reflexo de sua vida atormentada. Só isso, nada mais.”

    One more myth busted?

  2. Nunca fui muito com a cara de Fraud. Não da pra confiar em um cara que diz que 90% dos problemas humanos se devem ao fato das pessoas quererem trepar com suas mães.

  3. Ah, Freud explica tudo isso aí… hauaha

    Não entendo bulhufas de psicologia, mas minha irmã se formou ano passado no curso e tive a oportunidade de as vezes ler alguns de seus materiais de estudo. Freud é só um (1) autor no mundo da psicologia/psicanálise. E um cara do século passado. Embora não seja o determinante, contexto (histórico) diz muita coisa. Acho que só li um texto dele, “o mal estar da civilização”, e também acho extremamente engraçado essa mania (mania no sentido de costume, não no sentido psicanalítico :-)) que ele tinha de atribuir os problemas à complexos (édipo, e bla bla) relacionados à sexualidade.

    Então me lembrei desta tirinha:

    Bem, nem posso imaginar como se sentiria Freud nos dias de hj, frente à vários casos de crianças abusadas por padres que tem aparecido… hauah

    No entanto também não vejo com bons olhos (por mera opinião) a visão que muitos querem empurrar de um ser humano “mecânico”, que todo aspecto pode ser descrito de forma formal baseado em fenômenos químicos, físicos. Se você está triste a ciência possui a chave que pode apertar seu parafuso. E não é metaforicamente.

    Talvez a psicanálise seja – e creio que seja o mais provável – placebo. E que mal há no placebo? Será que a capacidade do ser de se curar por si próprio denigre a imagem do médico/”curador”? Será o médico um ser com um ego tão grande que acha que o mundo só se cura por suas mãos? Vejo frequentemente expressões do tipo “ah, isso foi só efeito placebo”, como algo ruim. O que parece estar em jogo é o fato de a ação do médico e não a cura do paciente. Um paciente que cura-se por si próprio torna o médico inútil?

    Como diria uma música d’Os Seminovos: “Acredite no que a bula diz. A felicidade é química, ninguém é infeliz”. Os Prozacs da vida estão aí justamente pra isso :-) A sensação de felicidade (toda a bagagem fisiológica, hormonal, química, bla, bla) substitui o ser feliz per se :–)

    Aceito recomendações de livros que contrariem minha opinião. De boa. A última que li foi o livro do Damásio, “O Erro de Descartes”. Muito bom.

    1. Talvez a psicanálise seja – e creio que seja o mais provável – placebo. E que mal há no placebo? Será que a capacidade do ser de se curar por si próprio denigre a imagem do médico/”curador”?

      Talvez a homeopatia seja – e creio que seja o mais provável – placebo. E que mal há no placebo? Será que a capacidade do ser de se curar por água pura denigre a imagem do médico/”curador”?

      Talvez a oração seja – e creio que seja o mais provável – placebo. E que mal há no placebo? Será que a capacidade do ser de se curar por orações denigre a imagem do pastor/”curador”?

      Talvez um despacho seja – e creio que seja o mais provável – placebo. E que mal há no placebo? Será que a capacidade do ser de se curar matando uma galinha preta denigre a imagem do pai-de-santo/”curador”?

      1. @André,
        Nos casos que citou há sempre um agente externo à cura, sempre por charlatanismo. Mas um placebo nunca funciona se o paciente souber que está sendo tratado “com farinha”. No entanto se sabe (fontes, cadê minhas fontes?) de casos de pacientes que se curaram (mesmo que de um resfriado) por efeito placebo, em experimentos médicos que não por ma fé ou charlatanismo. Isso talvez sugira (chute, não sou da área, portanto falo besteira) uma capacidade, mesmo que limitada, inerente ao ser vivo de curar-se por si próprio, capacidade esta que não deve ser ignorada.

        E talvez nem seja ignorada, visto os vários estudos sobre a relação entre estado emocional e a saúde do corpo que tem sido feitos. E nem mesmo a ideia é nova, já que várias culturas antigas (principalmente orientais) enfatizam esta relação.

        Mas acho que entendo sua linha de raciocínio.

        Vc por acaso não foi abusado pelo padre quando coroinha da igreja, né?… Talvez Freud explique seu trauma… Já procurou um psicanalista? :-)

        PS: brincadeira, não leve a sério esta última parte.
        PS2: não conhecia esta do despacho. Vou pesquisar :-)

        1. Nos casos que citou há sempre um agente externo à cura, sempre por charlatanismo.

          Vc leu o último parágrafo do artigo?

          Mas um placebo nunca funciona se o paciente souber que está sendo tratado “com farinha”. No entanto se sabe (fontes, cadê minhas fontes?) de casos de pacientes que se curaram (mesmo que de um resfriado) por efeito placebo, em experimentos médicos que não por ma fé ou charlatanismo.<

          Irrelevante. E, cá pra nós, resfriado se cura sozinho.

          Isso talvez sugira (chute, não sou da área, portanto falo besteira) uma capacidade, mesmo que limitada, inerente ao ser vivo de curar-se por si próprio, capacidade esta que não deve ser ignorada.

          Quero ver fazer isso com câncer.

          E talvez nem seja ignorada, visto os vários estudos sobre a relação entre estado emocional e a saúde do corpo que tem sido feitos. E nem mesmo a ideia é nova, já que várias culturas antigas (principalmente orientais) enfatizam esta relação.

          Hã sei. Um caso sobrevive e é referenciado como prova que o tratamento com moedinhas do senhor Ping funciona, enquanto uns 20 foram direto conversar com Buda.

          Vc por acaso não foi abusado pelo padre quando coroinha da igreja, né?… Talvez Freud explique seu trauma… Já procurou um psicanalista?

          Na verdade, nunca fui coroinha. Meu catolicismo foi pro espaço já nas aulas da Escolinha Dominical. A freira achou que eu era o Anticristo, e o padre falou (com todas as letras) que eu estava sendo uma presença perniciosa. Eu sempre soube fazer amigos e influenciar pessoas. ;)

  4. Já tinha lido isso no blog do Janer Cristaldo.Ele volta e meia esculhamba com certos mitos.Jung discordava de Freud em quase tudo,principalmente sobre a importância da libido na sexualidade,e da falta de provas de que toda problemática do psiquismo tinha como base recalques,desejos reprimidos relativos ao sexo.Deixei de ver Freud como celebridade quando,por acaso,ajudando a limpar uma biblioteca escolar,achei um livreto tipo apostila bem antiga,no qual falava da coisa da cocaína,que ele usava, e das cartas que ele escrevia,numa das quais culpava a noiva por ser fracassado e pobre.Também discorria sobre o caso de o pai ser velho demais pra sua mãe.Fiquei me perguntando se era ele que queria estar na cama no lugar do pai,quem sabe até eliminando o velho pra ficar com as mulhres do velho.

    Esse livro vai balançar muita roseira ainda e não vai ser fácil pro autor esgrimar com o mundo de gente que endeusa Frofrô.

    Se só porque questionei o filme Nosso Lar,vedete no YouTUbe,não paro de receber ameaças dos espíritas,do tipo “sua hora vai chegar e aí você vai ver”,imagino um autor com um livro inteiro demolindo um mito!
    Vida longa pra ele!

    Eu jamais pagaria sessões de análise,mas até gosto de ler o Gikovate e o Gaiarsa.O mais curioso é que alguns psicanalistas freudianos fazem análises com outros da linha junguiana.¬¬

  5. “Você acha que há lugar para a filosofia no mundo de hoje?
    Claro, mas só se for baseada no atual estado de conhecimento e realização científicos […] Os filósofos não podem isolar-se contra a ciência. Ela não apenas ampliou e transformou nossa visão da vida e do universo: também revolucionou as regras segundo as quais opera o intelecto.”
    – Claude Lévi-Strauss (1988)

    Essa frase se combina muito bem com a realização de Michel Onfray: a filosofia caminhando junto da ciência para a nobre tarefa de desenganar doutrinas falhas.

    1. Mas filósofo significa “amigo da sabedoria”, e a ciência é a soma do conhecimento. Saber é conhecer. Só modernamente filosofia virou coisa de gente que fica no mundo da lua, “pensando que pensam” melhor que os outros.

  6. Eu só quero saber o que é verdade na vida, pois eu acho que nem a própria vida é, vivemos enganados pelos nossos sentidos.

    Por pior que pareça em muitos casos o blacebo vai bem e dá certo principalmente em doenças psicologicas.

  7. A idéia do inconsciente me parece uma contribuição válida. Já a idéia de que se poderia através de algum método de psicanálise trazê-lo à luz e com isto ajudar o paciente, me parece um erro.

    Pelo que tenho lido, experimentos científicos deixam cada vez mais claro que a consciência e o livre arbítrio são ilusões: as razões que atribuímos às coisas são contruídas posteriormente à experiência, isto é, o que define nossas ações são eventos tão complexos que se desenrolam em nossas mentes que não temos como apreendê-los.

    A contribuição do Freud, portanto, foi tirar a alma ou espírito da essência de nossas ações e colocar no lugar deles as experiência passadas, por exemplo.

    O problema é que acreditaram que ele acertara em tudo. Não esqueçamos que até Newton e Einstein disseram muitas tolices.

  8. Jamais nem jung nem freud e ninguém mesmo, poderá determinar de forma objetiva e concreta como é, e o que é, este ser que lhe é exterior e extremamente complexo, onde a sua natureza é dinâmica, assumindo direções totalmente indeterminadas e a até involuntárias.

    Ciências puramente dito, jamais serão.

    Alma e espírito não existem, é preciso deixar isto bem claro.

  9. Olá André

    Fiquei com uma dúvida na seguinte parte do texto, que eu grifei :

    “Para ele, Freud não passa de um charlatão, mentiroso, fracassado e defensor de regimes totalitários .”

    Eu não tive a oportunidade de ler esse livro do Onfray, e gostaria de saber em que elementos Onfray se baseiou do trabalho de Freud para dizer que ele era defensor de regimes autoritários.

      1. @André,

        Hum.

        Mas por que vc está cético quanto a chegada desse livro no Brasil ?

        E no mais, vc assistiu a aquele debate do Tabash com o Craig ?

          1. @André,

            Ah, sim. Realmente, muitos livros bons não chegam aqui. Achei que esse livro pode não vir para cá pelo fato de ele atacar a pseudociência da psicanálise, que possui mtos adeptos por aqui.

            No entanto, será que o Freud não acertou uma ? Eu acho que naquele livro ” Die Zukunft einer Illusion ( O Futuro De Uma Ilusão)”, em partes, ele descorre mto bem sobre as motivações e origens da mentalidade religiosa.

            Finalizando, eu morri de rir com aquele debate. O Tabash destrui o Craig. Foi ótimo ver o Craig titubear e tentar insistentemente escapar pela tangente.

          2. Com certeza. Ha muitos livros de Carl Sagan que nao foram publicados aqui no Brasil ate hoje, por exemplo.

          3. @André, O povo prefere Crepúsculo, Harry Potter e The Secret. Livro bom acaba se tornando raridade. Eu mesmo acabo lendo muitos em espanhol e/ou em PDF.

  10. Rodrigo Souza a.k.a. Sargento disse:
    maio 2nd, 2010 em 08:54

    Psicanálise é Homeopatia em prosa.

    concordo plenamente.

  11. Freud tem seu mérito, não o vejo como charlatão. É o Pai da Psicanálise e isso ninguém tira dele.

    Quem não tropeça nos primeiros passos? Quanto mais se tratando do estudo da psique humana.

  12. … A análise deu certo pra mim, e olha que eu estudo filosofia, mas comecei a me sentir interessado pela psicologia…
    Acho que é por que a faculdade de filosofia – Fortaleza – daqui parece uma igreja…
    Comecei a fazer a tal análise há pouco mais de um ano e me fez bem…. No entanto, estou pensando seriamente em dar as contas da minha analista depois de ler esse artigo e de ficar sabendo algumas coisas sobre o Freud. hehhehe
    Contudo, será que devemos desconsiderar o bem que a análise fez, pelo menos pra algumas pessoas, eu incluído, já que, de fato, tratar do câncer com o efeito placebo é um complicado, mas não se pode dizer o mesmo no caso de doenças não físicas como depressão, ou outras do tipo?

  13. Bom, o Onfray chama os outros de charlatões, mas tem telhado de vidro. Criou uma igrejinha demagogicamente denominada Universidade Popular, que também não se esmera em transmitir saber científico nenhum, a não ser essa sopa de letrinhas que é a sua “filosofia” “hedonista”, “anarquista”, etc. Mas desconstruir é mais fácil que construir.
    Uma das “teorias” das quais Onfray se orgulha (e provavelmente defende em sua “universidade”) é a de que não se deve cozinhar com óleo de canola, oliva e outros, mas apenas com manteiga, para não abrir mão do prazer em favor da saúde… eu pessoalmente acho o óleo de oliva muito mais saboroso que a manteiga, e vejo isso como uma grande bobagem, até mesmo infantil.
    E o Freud, como bem dito em um comentário acima, na verdade era um grande cético. Seu livro “o futuro de uma ilusão” é uma obra-prima da crítica à idéia de Deus. E ele próprio acreditava (e dizia abertamente) que a psicanálise em breve seria substituída por medicamentos. Então como poderia ser charlatão, se ele próprio dizia tudo isso? Quem sabe então o não-charlatão era Jung, que trocou a teoria psicanalítica pelo tarô e a astrologia?
    Quanto às teorias psicanalíticas e a sua não-falseabilidade (para falar na língua de Popper).., bom, a filosofia de Onfray também não é falseável… isso o torna um charlatão?
    Aliás, o próprio evolucionismo de Darwin era, segundo o próprio Popper, não-falseável. Isso o torna um charlatão também, na ótica de Onfray.
    E o próprio Popper criou, durante toda a sua vida, dezenas de filosofias não-falseáveis. A sua filosofia política, da “open society”, é cheia de construções teóricas altamente questionáveis e datadas. A ascensão da China (e, para alguns, a necessidade do combate ao terrorismo) é a prova de que a teoria da”open society” é uma falácia. Ou, no máximo, uma crença como qualquer outra.
    Em resumo, independentemente da validade da teoria e da psicoterapia freudiana, o Onfray é um baita marqueteiro, que na prática reza pela mesma cartilha de criar “seitas”, inclusive.
    Outra coisa: a comparação da homeopatia com a psicanálise não é apropriada. A psicanálise trabalha basicamente com dados culturais e linguísticos e atualmente NÃO se propôe a ser ciência, enquanto que a homeopatia propõe-se medicina, em sentido estrito.
    E ninguém é louco a ponto de negar a existência de coisas como cultura e linguagem. Se não existissem, essa discussão nem poderia existir, e não existiriam livros como os de Freud e Onfray.
    O grande problema desses “céticos de best-seller”, como Dawkins e Onfray, é que eles são, na verdade, escolásticos. Ao invés de lançar mão de todas as ferramentas da retórica para defender a existência de Deus, fazem o contrário. Considero que a defesa da ciência é a própria ciência, e não esse panfletarismo anêmico e oportunista.

    1. Vamos filtrar sua mindignação raivosa contra o Onfray e nos basear na pouca coisa útil escrita:

      o Freud, como bem dito em um comentário acima, na verdade era um grande cético. Seu livro “o futuro de uma ilusão” é uma obra-prima da crítica à idéia de Deus.

      E o que isso tem a er com psicanálise e o modo porco do Freud conduzir suas pesquisas?

      E ele próprio acreditava (e dizia abertamente) que a psicanálise em breve seria substituída por medicamentos.

      Bem, ele errou. Tudo bem, todos nós erramos.

      Então como poderia ser charlatão, se ele próprio dizia tudo isso?

      Pq psicanálise não passa de pseudociência como homeopatia?

      Quem sabe então o não-charlatão era Jung, que trocou a teoria psicanalítica pelo tarô e a astrologia?

      Hehehe. Quando achávamos que não podia piorar, Jung, discípulo de Freud, arregação geral.

      Quanto às teorias psicanalíticas e a sua não-falseabilidade (para falar na língua de Popper).., bom, a filosofia de Onfray também não é falseável… isso o torna um charlatão?

      Haja! Eu sei que é difícil compreender, mas em nenhum momento Onfray disse que sua filosofia pode curar pessoas. Diferente de Freud. Onfray nunca disse quie filosofia é ciência ou algo semelhante Atacar o autor da ideia ao invés DA idéia não é uma coisa muito honesta.

      Aliás, o próprio evolucionismo de Darwin era, segundo o próprio Popper, não-falseável. Isso o torna um charlatão também, na ótica de Onfray.

      Popper estava certo. Não havia experimentos, não havia a quantidade de fatos e evidências coletados até hoje. Já, sobre a homeopatia mental que chamam de psicanálise…

      O grande problema desses “céticos de best-seller”, como Dawkins e Onfray, é que eles são, na verdade, escolásticos. Ao invés de lançar mão de todas as ferramentas da retórica para defender a existência de Deus

      Eu perguntaria o que tem o cu com as calças, mas nem perderei meu tempo.

    2. @microscopio, Mimimim… descobri que o cara o qual estudei a vida toda só falou besteira.. Onde vou enfiar minha pós em psicanálise agora??? Chuifffff

      Só uma dica: Procure o artigo “Freud não explica quase nada” do divulgador das ciências Reinaldo José Lopes

  14. Prezados,

    Não deizarão de existirem “livros” contra tudo, contra deus jáli um, contra amedicina, já li um(procurem na rde que acharão o título, contra Freud, contra os Judeus(protocolo dos sábios do Sionismo), existem livros desmentindo o Holocausto, existem livros negando quase tudo.Existem tambémosque são a favor, a favor do aborto, a favor da liberação da maconha, a favor dos movimentos gays.Sempre existiram, sempre existirão.
    A psicanálise sofreu muito mais objeções na época originária de sua criação.Freud era um médico judeu, um neurologista.Masele não era apenas um médico, era um pesquisador,mas era também um excelente escritor, um grande leitor, colecionador de artefatos arqueológicos.Era também um pesquisador da cultura.Ele inventou,por exemplo,(ou descobriu…como quiserem) um método de análise de obras de arte que foi inovador na época e que até hoje é utilizado e que esta muito bem explicado( mas tem que realmente ler bem o texto e depreferência no original alemão…) chamado “O moisés de Michelangelo” onde ele faz uma afirmação da troca da busca através do método arqueológico(considerar aqui a polissemia desse significante…)pela consideração do traço e do movimento.Não é tão simples assim de entender.Tem que ao menos ler o livro e dedicar-se a estudá-lo.A interpretação de sonhos também, principalmente no capítulo dedicado ao estudo do mecanismo do “deslocamento” e da “condensação”.Estudem o conceito chamado de metapsicologia que poderão entender como é possível e desejável que de deduções lógicas de chegue a conclusões verdadeiras.
    Mais do que isso.A psicanálise atual , vinda da genial obra de Freud, teve o aprimoramento de outro genio chamado Jacques Lacan e que merece também ser criticado pois é reconhecido no mundo inteiro.Só os grandes merecem serem criticados.Acontece que geralmente quem critica apsicanálise, ao menos pelos “argumentos” que aqui vi serem apresentados, critica a psicanálise sem ter compreendido a psicanálise, sem ter experimentado o divã.De qualquer forma isso não tem impedido, ou seja, as críticas a psicanálise não tem impedido que mutios médico psiquiatras hodiernamente estejam a utilizando.

    Em relação a ciência x Psicanálise.

    Primeiro que não é só a ciência o que faz o ser humano definir o significado e destino para a sua existência.Isso é óbvio.Se asim não fosse não haveria nem o avanço cientíco pois muitas ciências hoje ainda em evolução(sempre estarão em evolução) em seu passado eram verdadeiras paraciências e utilizavam técnicas absurdas(a exemplo da sangria utilizada pelos médicos na antiguidade….)

    Em seu livro intitulado O HOMEM EM BUSCA DE SENTIDO o psiquiatra Victor Frankl narra fatos verdadeiros de acontecimentos passados no interior de um campo de concentração e de como é fundamental para o ser humano e para a sua realização e felicidades a determinação de um sentido para a sua existência.Longe de querer negar a influência de qualquer determinismo genetico ainda assim cabe reafirmar que o sentido da vida e a plenitude da saúde humana não se rsolvem apenas na categoria do biologismo.AO CONTRÁRIO DISSO O NAZISMO É A PROVA MAIS CONTUNDENTE DE COMO A CATEGORIZAÇÃO PELA SUPOSTA DETERMINAÇÃO GENÉTICA CONDUZ O SER HUMANO A UM ERRO NEFASTO.

    Mas , ainda que a psicanálise não fosse uma ciência, ou ao menos que não esteja incluída entre as ciências positivas, isso a tornaria dispensável diante das necessidades do mundo atual.A resposta é que ao olhar os desvios éticos atuais e a falta de sentido para a existência humana, bem como a ocorrência de novos sintomas como a paranóia( visto aqui como medo do que não se conhece), megalomania(visto aqui como delirio de exclusividade) e depressão(visto aqui como impossibilidade de encontrar algo em si mesmo) penso que a psicanálise, nossa mais jovem ciência, nunca foi tão oportuna e necessária.

    Não é unicamentea imagem , ao contrário do que quer o sintoma -social moderno, o que caracteriza a cura ou a doença.Um médico que amputa a perna de um paciente, pois nenhum outro procedimento era possível, ele curou?Não.Ah..mas na sequência , graças a ciência moderna, uma perna de pau foi substituida por uma novinha.Eletronica.Robótica, por assim dizer.Também graças a ciência poemos ver orelhas nascendo em corpos de ratos.De embriões sairão os novos remédios que com certeza irão extinguir os médicos atuais que tratam os sintomas.Mais ainda, o inevitável avanço da genética fara com que em futuro não muito longíncuo nasçam pessoas sem a mínima possibilidade de contraírem doenças físicas.
    Vamos chegar cad vez mais perto do pote de ouro no final do arco-íris.Por isso a psicanálise é insubstituível e deberá estar ali para quando, no fim das contas, cair o véu da ilusão.A psicanálise, pode até ser que não seja uma ciência, mas é sem dúvida necessária e trata da verdade.

    Finalmente, infelizmente os fatos e contingencias reais me levam a acreditar que a imagem dos país de santo, ao contrário de serem afetadas pelo poder auto-curativo do corpo(alguém aqui vai negar que isso existe?) constituem uma outra classe de fenômenos muito melhor explicados pela EFICÁCIA SIMBÓLICA(sugiro pesquisarem o tema).

    Também é importante que psicologia é uma coisa, psicanálise é outra.

    Para terminar um simples conselho de quem aprendeu não´só com a ciência, mas com a vida: ocupemonos com a nossa própria imagem e não percamos tempo fofocando sobre a imagem dos outros.

    De qualquer forma é sempre bom falarmos sobre psicanálise.

    Hilário o argumento de que a psicanálise é falsa porque não pode ser questionada ou negada…é o mesmo que dizer que se pudermos negar algo intão é porque é verdadeiro…

    1. Depois de ter puxado o saco do Freud, me PROVE que psicanálise é menos pseudociência que homeopatia, sim?

      Hilário o argumento de que a psicanálise é falsa porque não pode ser questionada ou negada…é o mesmo que dizer que se pudermos negar algo intão é porque é verdadeiro…

      Falseabilidade. Coisa que quem faz cópia/cola não sabe o que é. Como eu sei que é cópia/cola? por esta frase: “De qualquer forma isso não tem impedido, ou seja, as críticas a psicanálise não tem impedido que mutios médico psiquiatras hodiernamente estejam a utilizando”

      Médicos psiquiatras não usam psicanálise e eu desafio vc a provar. E mesmo que usem.. bem, homeopatia é especialidade médica tb. So qhat? Agora, faça o favor de indicar a fonte de onde vc copiou o texto, sim? E aprenda a ter ideias próprias.

  15. André, você é muito agressivo e pedante. Assim vai acabar debatendo consigo próprio.

    Mas algumas observações não vão tomar muito meu tempo.

    A psicanálise, de fato, vem sendo cada vez mais substituída por medicamentos.Incrível você afirmar, nesse ponto, que “Freud errou”.

    Quanto ao Onfray não propor “curar pessoas”, o grande problema é justamente o fato de ele não propor absolutamente nada: resume-se a polemizar com pensadores já estabelecidos, de modo a atrair atenção para si próprio, pois suas “teorias”, isoladamente, não atraem atenção nenhuma.

    O que é grave é você, André, afirmar taxativamente que médicos psiquiatras não usam psicanálise. Gravíssimo, porque você mostra desconhecer totalmente assunto e se empenha em afirmar com convicção. Informe-se antes de falar sobre o que não sabe. De preferência, com psiquiatras de verdade. Pessoalmente. Posso indicar vários a você, do meu convívio pessoal e acadêmico, é só informar a cidade aonde mora.

    Não sou um defensor ferrenho do vienense, tenho muitas críticas e bem fundamentadas, mas vamos parar de atacá-lo com base apenas em abobrinhas e comparações descontextualizadas com a homeopatia. Parece que falar em homeopatia, para os céticos, é a mesma coisa que falar em Hitler na internet: quando escasseiam os argumentos, lá vem alguém comparar o objeto de crítica ao nazismo ou seu “ideólogo”.

    Enfim, poderíamos discutir psiquiatria e psicanálise aqui de uma forma bem mais séria, para ajudá-lo a elucidar alguns pontos. Mas sua agressividade e baixa capacidade de articulação no assunto abordado não justifica posteriores intervenções minhas aqui. Passe bem.

    1. Enfim, poderíamos discutir psiquiatria e psicanálise aqui de uma forma bem mais séria, para ajudá-lo a elucidar alguns pontos. Mas sua agressividade e baixa capacidade de articulação no assunto abordado não justifica posteriores intervenções minhas aqui.

      Sem problemas. Beijo na irmã.

  16. “Os tratamentos científicos são centenas ou milhares de vezes mais eficazes do que os alternativos.”

    Sagan sempre modestos. Eu diria que esse número se estende ao infinito em muitos casos.

    Bem, Freud errou em uns 90% dos casos. Gosto muito de O Futuro de uma Ilusão, mas o resto é abobrinha.

  17. Adorei o que disse o Microscópio. A melhor parte do seu ótimo texto foi “desconstruir é mais fácil do que construir”, que diz bastante sobre esse site, que na maioria das vezes faz um bom trabalho de desconstrução de mentiras. Continua sendo mais fácil. A ciência continua sendo baseada em método – e sua ostentação pedante. A realidade continua sendo complexa. Posturas existenciais como o ateísmo, e talvez até o ceticismo, continuam explicáveis pela psicanálise – o que é impossível de provar, afinal, são questões pessoais que talvez nem o próprio analista venha a conhecer completamente. O André tem medo de aceitar o mundo – isso é uma análise que poderia ser psicanalítica, se eu fosse da área e se isso não fosse um exemplo irônico. A análise, que hoje é tão bem falada por pessoas como Woody Allen, não precisa ser comprovada pela ciência e seus métodos. Que pena que algumas pessoas vejam a ciência de maneira tão mesquinha.

    Sobre óleo e manteiga, Microsópio, isso é cultural, a França tem a tradição de fritar com manteiga de leite, não reduza o caso, não seja tolo de chamar isso de bobagem. Ele é um filósofo hedonista.

    Eu acompanho esse site com certa frequência, mas cheguei a esse texto por acaso, enquanto pesquisava mais sobre Onfray, que também me surgiu por acaso, enquanto lia sobre hedonismo. Tá sabendo que o Onfray diz que não há filosofia sem ciência, sociologia e psicanálise, né, André?

    Além do mais, cara, sua resposta ao Microscópio foi péssima. Digna dos cristãos mais inteligentes que tentam manter posição superior em diálogos… Qual o instrumento para isso? A retórica, é claro – e acredito que você deva saber as formas de falácias todas de cor, né? Eu poderia dizer o motivo de achar sua resposta pro Microscópio péssia, mas vou te respeitar, caso contrário, estaria subestimando sua inteligência, que devo reconhecer, à primeira vista. Você fala da ciência como quem defende sua fé. Que coisa triste. Achei que ciência fosse instrumento pro conhecimento. Desconstruir na verdade não é tão fácil assim… Você age como se fosse, por exemplo, quando diz “me prove…”. Paciência, né.

    Bom senso!

    1. Adorei o que disse o Microscópio.

      Daqui deduzo as besteiras que virão por aí…

      A melhor parte do seu ótimo texto foi “desconstruir é mais fácil do que construir”, que diz bastante sobre esse site, que na maioria das vezes faz um bom trabalho de desconstrução de mentiras. Continua sendo mais fácil.

      Para quem não faz nem uma coisa, nem outra, realmente é muito fácil. Duvido que vc seria capaz de desmentir o Milagre de Lanciano, a Escadaria de Loretto, o Inferno e outras besteiras religiosas que povoam o imaginário popular da maneira que eu fiz. Ah, sim… com a Internet vc não terá trabalho. basta copiar e colar, não é mesmo?

      A propósito, se eu provar que vc falou besteira aí, vc promete assumir ser idiota e não pensar no que escreve?

      A ciência continua sendo baseada em método – e sua ostentação pedante.

      Bom, vc não precisa dela para viver. Vápara alguma floresta e more num buraco no chão.

      A realidade continua sendo complexa.

      Não, a realidade é simples: sem comprovações, sem veracidade de afirmação. Ninguém comprovou as besteiras freudianas até hoje. daqui a pouco vc vai dizer que acredita nos fantasminhas de Jung também.

      Posturas existenciais como o ateísmo, e talvez até o ceticismo, continuam explicáveis pela psicanálise – o que é impossível de provar, afinal, são questões pessoais que talvez nem o próprio analista venha a conhecer completamente.

      Não, é muito simples, mais uma vez: O cara não acredita em Deus enquanto não apresentarem a ele provas que esse deus exista. Eu sei que para mentes MUUUUUUUUUUUUUUUUITO simplsitas isso soa complicado. Não é um problema psicanalítico, mas de formação educacional.

      O André tem medo de aceitar o mundo – isso é uma análise que poderia ser psicanalítica, se eu fosse da área e se isso não fosse um exemplo irônico.

      Sei, e eu queria comer a minha mãe… Uma pergunta: quando o moleque é filho de um casal gay, qual dos dois pais (ou duas mães) ele vai querer comer primeiro? O que Freud diria, sabidão?

      A análise, que hoje é tão bem falada por pessoas como Woody Allen, não precisa ser comprovada pela ciência e seus métodos. Que pena que algumas pessoas vejam a ciência de maneira tão mesquinha.

      Falácia do Apelo à Autoridade. QUEM é Wood Allen? Eu nem mesmo gosto dos filmes dele. carl Sagan, que era cientista de verdade, era crítico da psicanálise, o que ficou bem demonstrado no livro “O Mundo Assombrado pelos Demonios”. Em quem acreditarei? Num cientista ou num diretor de filmes chatos? Favor me citar pesquisas científicas comprovando a psicanálise. Ah, sim, a ciência não pode ser levada em conta. Por isso, temos que aceitar a psicamerdálise como ciência. BOOOOOOOAAAAAAAAA!!

      Eu acompanho esse site com certa frequência, mas cheguei a esse texto por acaso, enquanto pesquisava mais sobre Onfray, que também me surgiu por acaso, enquanto lia sobre hedonismo.

      Em breve estaremos indo lançar canbequinhas e camisetas. Fale com nosso setor de telemarketing.

      Tá sabendo que o Onfray diz que não há filosofia sem ciência, sociologia e psicanálise, né, André?

      E o que o reto tem a ver com a vestimenta masculina? Falácia do Olha o Avião.

      Além do mais, cara, sua resposta ao Microscópio foi péssima.

      Sei. Vc criou uma relação de estima por causa disso, tem inveja do meu pênis e pensa em sair por aí proclamando que sua mãe não o entendia. Ok.

      Digna dos cristãos mais inteligentes que tentam manter posição superior em diálogos…

      Mas não fui desmentido. pq vc não tenta, nenê?

      Qual o instrumento para isso?

      Serra elétrica?

      acredito que você deva saber as formas de falácias todas de cor, né?

      Vc cometeu várias delas.

      Eu poderia dizer o motivo de achar sua resposta pro Microscópio péssia

      Vc me vê como adulto repressor e isso desencadeia lembranças de quando vc era tolhido pela figura paterna. Deixe-me ver… vc sempre quis ter seu lado homoafetivo mais solto, daí como seu pai lhe menosprezava, vc interiorizou aversão a qualquer pessoa em posição de autoridade.

      Além de ter inveja do meu pênis também, claro. Como pode ver, quando eu critico Freud, é porque eu realmente li as bobagens dele. Se vc o aceita, tem que aceitar a minha análise, pois ela já foi feita antes (dá uma olhadinha nos livros dele). Agora, vc tem o direito de dizer que não é nada disso, mas estará demonstrando que Freud é uma fraude. (ha-ha! Adoro este trocadilho!)

      mas vou te respeitar, caso contrário, estaria subestimando sua inteligência, que devo reconhecer, à primeira vista.

      Não, filhota. Vc não vai me responder por:

      1) Incompetência. Vc não tem capacidade de me refutar e sua melhor frase foi… citar Wood Allen? Tsc tsc.

      2) Incapacidade argumentativa. Haja vista a quantidade de falácias.

      3) Medo de eu te fazer correr daqui. Claroque não o farei ainda. O pessoal ainda vai se divertir com as toleimas que vc escreveu.

      Você fala da ciência como quem defende sua fé. Que coisa triste. Achei que ciência fosse instrumento pro conhecimento.

      Mas não é. Ciência É o conhecimento adquirido.

      Desconstruir na verdade não é tão fácil assim…

      BINGO!!!!!!!!!! O que o pobrezinho disse antes?

      A melhor parte do seu ótimo texto foi “desconstruir é mais fácil do que construir”, que diz bastante sobre esse site, que na maioria das vezes faz um bom trabalho de desconstrução de mentiras. Continua sendo mais fácil.

      Res ipsa loquitur.

      Você age como se fosse, por exemplo, quando diz “me prove…”. Paciência, né

      Ué. Eu provo que a Gravidade existe. Atire-se pela janela. Eu provo que a energia elétrica pode ser convertida em energia térmica. Enfie um dedo na tomada. Agora, eu não posso provar que há um rinoceronte com 8 patas que atira bolas de energia num planeta que circunda Alfa-Centauro. Logo, não afirmo nada. ônus da Prova, sabe? Não, não sabe.

      Vá estudar, menininho e pare de ter inveja das partes anatômicas das pessoas.

      1. @André, Você se leva a sério? Você realmente acha que suas respostas estão respondendo alguma coisa? Pô, cara, se respeite!

        Se tu não tá interessado em diálogo, pra que abrir área para comentários?

      2. @André, ” Medo de eu te fazer correr daqui. Claroque não o farei ainda. O pessoal ainda vai se divertir com as toleimas que vc escreveu.”

        Hahaha, eu pelo menos me divirto. :D

  18. Pesquisei e parece que (ainda) não temos esse livro em português-BR.

    Notei uma certa semelhança com “O Livro Negro da Psicanálise.”. Que tem o mesmo propósito. O de desmitificar o taradão vienense.

    Estarei equivocado?

  19. Há um certo encantamento pelas teorias Freudianas pelas pessoas, vi isso pela minha própria experiência com meus colegas de faculdade. Quando eu dizia que Freud “viajava” olhares reprovadores eu recebia. E assim, as teorias Freudianas eram absorvidas pelos alunos sem críticas, e passados pelos professores como se fosse uma teoria sem erros ou irrefutável. Depois que conheci a teoria de Jung, que foi um dos seguidores de Freud, dei razão a Freud romper o contato com Jung. rs Jung é queridinho, pois é humanista. Ok, mas a sua teoria é passível de comprovação? Eis a questão! Há muitos conceitos nas teorias psicanalíticas de Freud e de Jung, nas quais eu aprendi, que não são comprováveis, e estão mais pra uma boa filosofia, mas parece ser um caso perdido, as pessoas adoram essas teorias, e teremos muitos psicanalistas no futuro. Meus professores dizem que a psicanálise ajuda o sujeito a seguir a vida. Certo, assim como as religiões também ajudam. Pena que poucos dão importância para a psicologia experimental ou comportamental cognitiva, principalmente, a própria faculdade, onde há quatro aulas por semana com conteúdos de teorias baseadas em psicanálise contra uma por semana de experimental, fora que as aulas práticas de experimental é com um software, algo desanimador! Quando perguntei se eu poderia fazer o experimento da caixa de Skinner na minha residência ou em algum laboratório da faculdade, minha professora questionou se eu teria coragem de deixar o ratinho com fome e sede para realizar o experimento, eu disse que se fosse necessário eu faria sim. Bom, resultado, olhares reprovadores. Bom, isso ocorre na faculdade que curso, não sei como é o plano de ensino nas outras universidades.
    Freud deu um grande avanço para a Psicologia, sim, assim como Watson, Skinner, Lewin e muitos outros, só que esses não são tão reconhecidos, pelo menos aqui na faculdade que curso.

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s