Igreja Satanista inaugura sede em Salem

Salem é muito conhecida. Não só por causa do livro do Stephen King (que ele sacanamente mudou o nome para Jerusalem’s Lot), como por lá ter havido uma das maiores caças às bruxas em solo americano. Salem é um perfeito exemplo do que fanatismo religioso pode causar, mas isso é coisa do passado. Massachussets agora é um ambiente calmo e tranquilo.

Agora, lá tem lugar para todos os credos, então por acaso que foi inaugurado por aquelas bandas mais um Templo Satanista, com direito a galeria de arte, palestras, talvez casamentos e MUITA VITÓRIA, GENTE!

Continuar lendo “Igreja Satanista inaugura sede em Salem”

Método Científico

O método científico é o ABC de como proceder numa pesquisa. É um exercício intelectual, a estipulação das hipóteses, o levantamento de uma ideia, o raciocínio sobre o  que está acontecendo. Depois, vem as análises, os experimentos, as comprovações ou não de resultados.

A ciência nunca foi anárquica. Pelo menos, não quando ela deixou de ser mera curiosidade para uma busca de entendimento da Natureza. Hoje, temos milhões de cientistas em todo o mundo e todos eles seguem os preceitos básicos do Método Científico, e é isso que nos salva de charlatões.

Continuar lendo “Método Científico”

O Brasil dos Índices Educacionais 2016

Brasilzão mostrou a que veio mais uma vez. Tiramos o 58º lugar nos índices educacionais, numa relação de 65 países. As notas estão abaixo da média mundial, e isso pode significar um monte de coisas, mas eu prefiro ser sucinto e dizer o ponto básico: somos um país de ignorantes.

Eu já falei várias vezes sobre isso e, claro, eu que sou o errado. Nosso sistema educacional é lindo, maravilhoso, fantástico. Todos nós com Paulo Freire no coração. Pena que a realidade não é bem essa, como o vídeo a seguir mostra.

Continuar lendo “O Brasil dos Índices Educacionais 2016”

O Brasil da Divulgação Científica

Como é a divulgação científica no Brasil? Qual a importância de se divulgar Ciência? O ensino de Ciência é fraco a ponto de ter gente ainda acreditando em criacionismo, astrologia ou cobras falantes? Neste episódio do SciCast, alguns dos principais divulgadores de Ciência, como o Luiz Bento, o Pirulla, Luciano Queiroz e eu (cof… cof… cof…), mediados pelo Silmar, conversam sobre como é o futuro da divulgação científica e sua importância na nossa moderna sociedade, com suas mazelas, dificuldades e gente jogando contra.

Continuar lendo “O Brasil da Divulgação Científica”

Brevíssima introdução à linguística gerativa (oi Chomsky!)

Desculpem a demora, amiguinhos e amiguinhas, mas, como sabem os que me seguem no twitter, estou atolada de estudos para o mestrado e a monografia. Quem me segue lá já deve ter me visto falando que sou gerativista, ou seja, sigo a corrente linguística do gerativismo, proposta pelo Noam Chomsky em meados da década de 50. O André me perguntou sobre isso esses dias, quando enfiaram o FoxP2 num rato pra ver no que dava. Então, vou falar um pouquinho sobre essa área da linguística.

Continuar lendo “Brevíssima introdução à linguística gerativa (oi Chomsky!)”

Uma história sobre nossas memórias

Eu vejo os seres humanos como o conjunto de suas memórias. De todos os animais, os humanos somos os únicos que interagem com elas, que fazem esforço para relembrá-las, para nos fazer felizes de novo, sentirmos saudade etc. Nossas memórias são aquilo que realmente nos faz humanos. Por mais que seu cão se lembre de você após muito tempo fora, apenas nós fazemos esforço para nos lembrar dos risos que demos, das lágrimas que vertemos, das conquistas que conseguimos e assim por diante. Aprendemos, portanto, a valorizar estes momentos e procuramos eternizá-los e compartilhar com outras pessoas.

Continuar lendo “Uma história sobre nossas memórias”

Cientistas do século XVI já usavam Facebook antes de existir Facebook

Quanto mais jovens somos, mais temos a impressão que o mundo surgiu como é do nada, PUF! Quanto mais jovens somos, mais achamos que o pessoal da Terra ovem está errado: O mundo NÃO TEM 6000 anos e sim a nossa própria idade. É divertidíssimo ver a expressão de crianças e adolescentes ao lhes dizer que o Homem foi à Lua com um computador no módulo inferior ao meu relógio de pulso e que os modernos smartphones de hoje superam e muito os primeiros aparelhos de ultrassonografia. Muitos conceitos que temos hoje á eram conhecidos (e usados) pelos mais antigos, bem antigos. Enquanto Arthur Clarke já tinha imaginado a Internet, Isaac Asimov idealizara a Wikipédia e Ray Bradbury previra o Brasil. Então, você pensa que, sim, podemos ser criativos e idealizar coisas novas, como redes sociais, mas estudantes do século XVI já tinham a sua própria e nem mesmo o conceito de nickname é novo.

Continuar lendo “Cientistas do século XVI já usavam Facebook antes de existir Facebook”

Bem-Vindos à Ciência

Eu conheço um lugar onde o Sol nunca se põe. É uma montanha que fica na Lua. É tão alta que, mesmo que a Lua gire, a luz do dia nunca se apaga. Eu conheço um lugar em que o Sol nunca brilha: Fica nas profundezas do oceano. Uma fenda na crosta onde substâncias químicas escapam e o calor faz com que a água quase atinja 100 ºC. Isso mataria uma pessoa instantaneamente, mas existem criaturas lá, extremófilos, que conseguem sobreviver. Eles se alimentam de enxofre que vem da fenda, metabolizando e excretando ácido sulfúrico.

Eu conheço um lugar onde a temperatura é de 15 milhões de graus e a pressão lá lhe esmagaria a um ponto microscópico. Este lugar é o núcleo do Sol.

Continuar lendo “Bem-Vindos à Ciência”