Irã barra cursos acadêmicos considerados “ocidentais” demais

Ciro, o Grande (na verdade Ciro II) foi um dos maiores governantes da Pérsia, apesar de não ter estrelado nenhum video-game. Ele viveu entre 559 e 530 A.E.C., tendo morrido numa batalha contra os Massagetas. Seu governo foi marcado com tolerância (civil e religiosa) e foi ele o responsável por libertar alguns pastores de cabras que tinham sido capturados por Nabucodonosor. Ciro não foi enviado de Javé, posto que nem judeu era. Era um homem inteligente, culto e bom diplomata. Ele proibia terminantemente que cidades que caíam sob as sandálias de seus exércitos fossem dilapidadas e a população civil sofresse um mísero arranhão. Soldados são um caso à parte, obviamente.

O tempo passou, o mundo mudou e a civilização persa não é a mesma de outrora. Até mesmo o nome mudou, recebendo o nome de Irã. O que antes fora um reino bem organizado, com respeito por toda forma de cultura, palácios, bibliotecas e centros de estudos, hoje vemos a piada que o país se transformou, onde as universidades terão que mudar seu currículo e parar de oferecer cursos que foram considerados “ocidentais demais”. Se você acha que isso é absurdo, não deveria, pois foi com um discurso desses que o Aiatolá Khomeini conseguiu derrubar o Xá Reza Pahlevi (apesar que não foi APENAS isso).

Continuar lendo “Irã barra cursos acadêmicos considerados “ocidentais” demais”

Orwell feelings: Blog tem domínio congelado sem aviso prévio

Boa tarde, senhoras e senhores passageiros. Discurpe encomodar o silêncio e a paz de sua viajem, mas estou aqui umiudementi para solicitar QUE PAREM A PORRA DO MUNDO!

Se já não bastava vivermos num sistema autocrático, (des)governado por uma escória que entende unicamente de estrelar escândalos, mesmo tendo posado de baluartes da moral e dos bons costumes, vejo que estamos a cada dia melhorando mais ainda, numa cubanização maravilhosa de nossos procedimentos inquisitoriais. Sim, vivemos num estado de direito democrático, cujo único direito que você pode usufruir é o de calar a boca. Como tal não aconteceu com o blog Tijoladas do Mosquito de livre e espontânea vontade, o mesmo teve seus vários domínios congelados pela (in)Justiça. Motivo? Não sei, porque nem mesmo o dono do site foi avisado do motivo. Kafka está dando gargalhadas a essa altura.

Continuar lendo “Orwell feelings: Blog tem domínio congelado sem aviso prévio”

Igreja quer indenização por uso do Cristo Redentor no filme ‘2012’

jesus_facepalm.jpgO Império do mal está em polvorosa. Só não entendo do motivo de demorarem tanto para certas coisas. O reduto dos lords Sith do Rio de janeiro, mais conhecido como Arquidiocese do Rio, está fulo da vida com Roland Emmerich, famoso por fazer filmes B fazerem sucesso, como no caso de Independence Day e O Dia Depois de Amanhã. No mais recente filme B transformado em sucesso, 2012, Emmerich explora o mito ridículo que em 2012 haverá uma espécie de apocalipse (ver O Fim do Mundo em 2012). No filme, muitos lugares ao redor do mundo sofrem terremotos e desastres cataclísmicos. Só que o que os stormtroopers vaticanianos não contavam é ver a destruição da estátua do Cristo Redentor. As forças malévolas da dimensão de QWARD se rebelaram e instam por uma retratação do diretor.

Cataclismicamente, esta é a segunda edição da QUINTA INSANA!

Continuar lendo “Igreja quer indenização por uso do Cristo Redentor no filme ‘2012’”

“Acabei de comer um sargento”

sanduichemilitar.jpgDono de lanchonete é preso por batizar sanduíches como patentes militares

Para o dono de uma lanchonete de Penedo, a 170 km de Maceió (AL) tratava-se de uma estratégia de marketing. Para o comandante da Polícia Militar na cidade, era uma ofensa à corporação. E assim, por batizar os sanduíches da casa com patentes militares, Alberto Lira, 38 de idade, dono da lanchonete Mister Burg, acabou detido por ordem do comandante da PM local.

Afinal, entendeu o militar, não ficaria bem alguém chegar na lanchonete e pedir: “quero um coronel mal passado”. Ou sair de lá dizendo: “acabei de comer um sargento”. Continuar lendo ““Acabei de comer um sargento””