Grandes Nomes da CIência

Biografias de cientistas conhecidos ou não tão conhecidos assim. Curiosidades e fatos sobre suas pesquisas, inclusive gente anônima que fez ciência e não recebeu os devidos créditos. Mais »

Livro dos Porquês

A sabedoria e o conhecimento. Isso é Poder! Abra sua mente, aprenda mais sobre questões básicas (e complexas) e tire suas dúvidas, de forma mais didática possível, sem ser aquelas aulas chatas de colégio. Mais »

Grandes Mentiras Religiosas

O mundo não é tão bizarro quanto fazem parecer. Mentiras e enganações para ludibriar as pessoas, lindamente desmontados, de forma a trazer à luz a desonestidade para tentar lhe fazer parar de pensar e simplesmente aceitar o que querem que você pense. Mais »

Caderno dos Professores

Para quem quer ensinar e muitas vezes se pergunta como abordar um tema. Como deixar a aula interessante, como levar conhecimento aos seus alunos por meios que pedagogos lhe odiarão, mas serão amados pelos estudantes. Mais »

 

Análise das fontes externas que mencionam Jesus

PÚBLIO LÊNTULO (PUBLIVS LENTVLVS)

Quem é Públio Lêntulo? Eu confesso que não sei, mas admitir que não sabe não é algo comum entre os apologéticos. Alegam que Públio Lêntulo era governador da Judeia antes de Pôncio Pilatos e escreveu uma carta dirigida ao Senado Romano, em que é feita uma descrição concisa de Jesus. Alega-se, também, que este manuscrito foi copiado algumas vezes e uma dessas cópias está presente na biblioteca de um tal de Lord Kelly, mas ninguém sabe QUEM é este Lord Kelly? O máximo que se acha na internet é sobre um compositor do século XIX, mas isso é pouco pra atestar que este compositor é o dono da tal biblioteca, e possuidor da referida cópia.

E mesmo que fosse, o que isso prova? Para qualquer um que possua algo mais que meio neurônio, não prova absolutamente nada! Eu tenho livros de ficção em casa. Daqui a 200 anos, poder-se-á considerá-los como livros históricos? Só se possuir muita desonestidade intelectual. Pra princípio de conversa, não haviam governadores na Judéia na referida época. Haviam Procuradores (também chamados de Procônsules ou, como é mais aceito hoje, Prefeitos). Em segundo lugar nunca houve ninguém chamado Públio Lêntulo que tenha governado a província palestina nos tempos de Jesus.

O interessante é que Jesus só apareceu lá pelo ano 30 E.C. e Pôncio Pilatos foi Prefeito da província romana da Judéia entre os anos 26 e 36 da Era Comum. Tem algo errado aí, já que entre os 12 e os 30 anos de vida, os Evangelhos não dizem nada a respeito. O prefeito que antecedeu Pôncio Pilatos não foi nenhum Públio Lêntulo, mas Valerius Gratus, cujo governo foi do ano 15 ao ano 26 da Era Comum. Até pode-se encontrar moedas do tempo dele. Veja AQUI.

Como tiro de misericórdia, vamos ler oque a Enciclopédia Católica New Advent traz sobre esta figura:

Publius Lentulus é um personagem ficcional, que dizem ter sido governador da Judéia antes de Pôncio Pilatos(…)

Dobschutz (“Christusbilder”, Leipzig, 1899) enumera os manuscritos e dá um “aparato crítico”. A carta foi primeiramente impressa na “Vida de Cristo” por Ludolph, o Cartusiano (Colônia, 1474), e na “Introdução para os trabalhos de Santo Anselmo” (Nuremberg, 1491). Mas este não é nem o trabalho de Santo Anselmo nem o de Ludolph. De acordo com o manuscrito de Jena, um certo Giacomo Colonna achou a carta em 1421 em um documento romano antigo enviado de Constantinopla para Roma. Deve ser de origem grega, e traduzida para o latim durante o décimo terceiro ou décimo quarto século, entretanto recebeu sua forma presente às mãos dos humanistas do décimo quinto ou décimo sexto século. A descrição concorda com o quadro de Abgar denominado de nosso Deus; também concorda com o retrato de Jesus Cristo puxado por Niceforo, São João Damasceno, e o Livro de Pintores (de Mt. Athos). Munter (“Morra und de Sinnbilder que Kunstvorstellungen der alten Batizam”, Altona 1825, pág. 9) acredita ele pode localizar a carta até o tempo de Diocleciano; mas isto geralmente não é admitido. A carta de Lêntulo é certamente apócrifa: nunca houve um Governador de Jerusalém; nenhum Procurador de Judéia é conhecido para ter sido chamado Lêntulo, um governador romano não teria endereçado o Senado, mas ao Imperador, um escritor romano não teria empregado as expressões, “profeta de verdade”, “filhos de homens” ou “Jesus Cristo”. Os dois anteriores são expressões pertencentes ao hebraico, o terceiro é extraído do Novo Testamento. Então, a carta nos mostra uma descrição de nosso Deus como a devoção Cristã o concebeu.

Alguns cristãos se acham mais cristãos que os outros…

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Pages: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11

  • Bocejo. Vai lá ler Um Judeu Marginal (já tá no 3º Volume. tem muito pra vc ler) e depois volta aqui, sim.

    Mas antes, leia a Bíblia. Principalmente Mateus cap. 5, que diz que você não pode me xingar, mas tentar ser meu amigo e oferecer a outra face cada vez que lhe ofenderem. Ah, sim, no cap. 6 diz que quem reza em igrejas é hipócrita. 😉

    Crentinho retardadinho

  • Edrua Los

    Poderia pelo menos responder a essa questão?

    Pryderi respondeu:

    Luciano de Samosata falar que existem cristãos significa tanto que Jesus existiu como Comic Con prova que o Super-Homem existe.