Nova técnica faz com que ratos aleijados voltem a andar

Bacharelado em Ufologia: Inscreva-se já! (e não é em Varginha)
Cristais podem ser sentinelas de aviso contra vulcões

Ok, eu sei que você queria um. Quem não quer um exoesqueleto pronto para aniquilar qualquer coisa que apareça na frente? Provavelmente, quem não é psicopata… Enquanto isso, cientistas estudam técnicas que possam ajudar deficientes físicos ou com alguma lesão na medula espinhal (se definitiva ou não, não importa) para que possam andar novamente. É nisso que um grupo de pesquisadores suíços está trabalhando, e se você só conhece a Suíça por causa de queijo, chocolate e contas numeradas, tá na hora de rever seus conceitos…

Ah, sim. Tem os relógios também!

Pesquisas visando fazer pessoas paraplégicas voltar a andar não é de agora. Alguns resultados foram promissores, mas ainda não se desenvolveu uma técnica definitiva. A técnica desenvolvida pelo pessoal da Universidade de Zurique também não é definitiva, mas é uma arma a mais na busca por melhores condições de pessoas incapacitadas.

O dr. Gregoire Courtine é chefe do Departamento de Neurorreabilitação Experimental da Universidade de Zurique. Para um francês, é comovente vê-lo não se render tão fácil, pois ele e sua equipe desenvolveram uma técnica onde estimulam diretamente a medula espinhal, através de processos eletroquímicos. Isso significa dizer que não só dão choques na sua medula, como o fazem por meio de reações químicas. Como isso não "dá barato", muita gente desistiu de seccionar a própria espinha para experimentar o tratamento.

O Mickey abaixo (não, esse provavelmente não é o nome do ratinho ao lado, mas eu tenho que chamá-lo de alguma forma) está usando uma espécie de colete robótico. Eles foram paralisados e, mediante os poderes de D… dos pesquisadores, o ratinho voltou a andar. Os cientistas tinham a tecnologia e o reconstruíram melhor, mais forte, mais ráp… ok, não tão rápido assim, mas o que você queria?

Sim, o que você vê aqui é um ratinho que foi paralisado, aleijado, mutilado, violentado e abusado por cientistas torturadores. Isso me dá engulhos, isso me faz ficar…

FELIZ PRA CACETE!

Conheço pessoas paraplégicas que, com certeza, chorarão ao verem esta pesquisa. Não por que um bando de ratos, tadinhos, foram usados como cobaias e sim porque elas têm a chance de andar novamente. Ademais, nem sei porque a ralé vegan iria reclamar. O rato voltou a andar, não? Ah, mas claro, isso não significa que isso fará com que pessoas já passem a usufruir da técnica, certo? ERRADO! Os pesquisadores já trabalham em melhorar a técnica para ser usada em seres humanos. Abaixo, uma reportagem da National Geographic:

A técnica baseia-se em injetar células nervosas tratadas quimicamente na medula espinhal e estimuladas com pequenos impulsos elétricos. O ratinho feliz consegue subir até escadas em busca dos deliciosos chocolates suíços e só sendo um completo BOÇAL se não conseguir ver uma maravilha nisso.

Óbvio, que a técnica ainda não fará um paraplégico ganhar uma disputa de 100 metros rasos. A pesquisa ainda está sendo conduzida e os resultados obtidos, são promissores, mas ainda tímidos perto do que espera-se. Isso, obviamente, nada desmerece a pesquisa. Pois, na história da humanidade, é preciso levantar antes de andar e andar antes de correr.

Bacharelado em Ufologia: Inscreva-se já! (e não é em Varginha)
Cristais podem ser sentinelas de aviso contra vulcões

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • ANUBIS1313

    Interessante, promissor e acima de tudo… um alento para as pessoas que sofrem desse mal. Entretanto, lamento pelos animais que sofrem essas mutilações… ok, você vai me dizer que só assim a ciência consegue fazer testes e mais testes até apresentar, seja lá um medicamento, seja lá outra coisa qualquer para nos ajudar a superar uma limitação ou doença. OK. Mas seria mais fácil então pegar aqueles condenados chineses que têm a pena de morte anunciada e fazer testes com eles, daí ganharíamos mais tempo, pois estaríamos testando em “humanos”. OK, novamente, você vai me achar um monstro?? Tá certo… gostaríamos que isso acontece aqui mesmo no Brasil, mas infelizmente não temos pena de morte, então fica esse monte de estupradores, homicidas, pedófilos só aguardando ( ou não ) o fim da pena para voltar a “sociedade” e fazer tudo de volta. Não, André, não saí do tema… só acredito que seria mais viável esses testes com “humanos” direto… pelo menos esses “humanos” iriam ajudar a sociedade de alguma forma.

    GusC respondeu:

    @ANUBIS1313, Hahahahahahahah!!!!! Cara…por favor…..ratos são mamíferos como nós, e se reproduzem rápido, logo temos uma gama de cobaias em potencial. Somente depois de sucesso com testes em ratos passamos para os humanos, estupradores e homicidas, ou não. Aí entra a falta de lógica no seu pensamento, pois para testes diretamente com humanos você teria que “paralisar, aleijar, mutilar, violentar e abusar” de seres humanos, carcterizando crimes assim como os que eles cometeram. Na história recente, isso só era normal entre nazistas e judeus, pra você ter uma idéia. Outra: vamos testar uma vacina contra a aids, então precisamos encontrar um homicida portador do virus para testá-la? Creio que não, aí o teste poderia ser feito em uma pessoa “de bem”. Mas e se não der certo? Então voltamos a questão dos ratos.
    A tempo: “iram” ficou muito feio, e não foi um typo!

    BlackPardal respondeu:

    @GusC, Combater o “cidadão” com a lei de Talião ( ou pior) não parace, para o meu pífio entendimento algo viável. Mas observando aqui nos comentários (o Anubis) parece que está zuando.

    ANUBIS1313 respondeu:

    @BlackPardal, Negativo… não tô zuando, não!!! O que não coaduno é com falso moralismo, com hipocrisia… garanto que se um vagabundo entrasse na casa de um de vocês, estuprasse sua esposa, sua filha menor de idade, matasse seu filho, tudo isso na sua frente… vocês mudariam de ideia. O que comentei foi que na China os caras condenados são mortos com um tiro na nuca e a família ainda paga a munição que é usada. Então, não seria mais legal, esses caras QUE IRÃO MORRER DE QQR MODO, servissem para alguma coisa além de estrume? Esse é o meu pensamento!

    Administrador André respondeu:

    Criminoso na China inclui até gente que se opõe ao Estado. Lá não é bem uma democracia, caso não saiba.

    ANUBIS1313 respondeu:

    @André, Nunca mencionei o sistema de governo de lá, mesmo porque não concordo com ele. Bem, então vamos mudar…para um país altamente democrático…A pena de morte nos Estados Unidos é oficialmente permitida em 36 dos 50 Estados, bem como pelo governo federal. Bom, agora acabou a polêmica, pegamos alguns americanos com o “pé na cova” para servir de cobaias e servir a humanidade.

    Administrador André respondeu:

    E o que me impede de testar num ladrão de galinha? Não vejo com bons olhos um procedimento assim. Vira mais uma vingança da sociedade do que uma pesquisa científica.

    ANUBIS1313 respondeu:

    @André, Respeito seu pensamento!! Aliás, respeito todo tipo de pensamento, mas também não vou mudar o meu para alegrar a sociedade que infelizmente prega uma coisa e pensa de forma de diferente. Mas tudo bem…valeu!!!

    BlackPardal respondeu:

    @ANUBIS1313, Eu mataria o estuprador, sem remorso algum. Mas não é algo a ser idealizado. E essas “cobaias” não se assemelham a uma certa distopia do Alan Moore?

    GusC respondeu:

    @BlackPardal, Existe uma diferença muito grande entre o desejo das pessoas e a viabilidade da realização do desejo das pessoas. Há quem diga que grande parte dos estupradores ou assassinos sofrem de reações químicas diferente do normal, perdendo a noção consciente de certo e errado afim de cometer tais crimes. Se for para usá-los de cobaias para experimentos que visam inibir tal comportamento, ótimo. Em uma província da Argentina, inclusive, já usam legalizaram castração química para estupradores (e vários condenados se voluntariaram para isso). Veja que inibir o comportamento e corrigir a “falha” é mais interessante do que simplesmente matar. Falando em matar, não, eu não mataria um “vagabundo que entrasse na minha casa, estuprasse minha esposa, minha filha menor de idade, matasse seu filho na minha frente”, eu mataria o cara antes disso.

  • Ana Elisa

    É realmente ótimo ler esse tipo de coisa! Processos eletroquímicos… parece ser algo novo (ou devo estar “por fora” 😳 ). Sempre associado a estudos para fazer com que deficientes recuperem movimentos vemos as células-tronco (principalmente as embrionárias), que sofriam e sofrem críticas (na minha opinião, estúpidas). Há tempos não são noticiadas novidades nesse último campo (pelo menos nos veículos comuns), mas a ciência requer tempo de qualquer maneira. Realmente espero que os resultados dessa técnica de processos eletroquímicos sejam positivos e satisfatórios em humanos. Louvemos a ciência 😆