Padre espanhol radicaliza e reza missa ao som de rock

padre_jony1.jpgMesmo depois da chuva torrencial da semana passada e do caos generalizado, eu pensei que esta bobagem de 2012 é palhaçada. Hoje, ao ver uma noticia, eu liguei pro meu banco pedindo um empréstimo de 2 bilhões de euros (o gerente quase teve uma síncope de tanto rir). Não, não estou exagerando. O padre espanhol Joan Enric Reverté, mais conhecido como Padre Jony, desbundou, deixou os cabelos crescerem, meteu a mão na guitarra e resolveu rezar a missa na base do punk rock. O rito de entrada é um blues e o ofertório chega com uma versão rap do Pai Nosso. Só não foi dito se ele usou o Bonde das Cachorras na hora da Ave Maria, apresentando a Veronica Costa como Nossa (de vocês apenas) Senhora.

Este é um INÍCIO DE SEMANA INSANO! (Os mantenedores do Ceticismo.net aceitam doações para poderem comprar uma passagem de avião para o Himalaia).

Tá, eu sei que o mundo moderno tá aí, mas – pelas calcinhas comestíveis de Afrodite! – tem coisas que até mesmo para a ICAR é absurdo (a não ser quando é uma igreja católica japonesa). O Padre Heavy Metal celebrou a cerimônia da semana passada em homenagem a padroeira da cidade de Tortosa, a Nossa Senhora da Consolação, ou Virgem da Cinta (sim, eu também tive a imagem mental de Maria usando cinta-liga, meia 3/4 e salto alto. Vou pro inferno!). O padre discípulo de Keith Richards orquestrou um show com guitarras e baixos elétricos, bateria, teclado, iluminação colorida e vídeos. Isso, no meu tempo, tinha outro nome (e normalmente, acompanhado de moçoilas semi-desnudas). De qualquer forma, o padre não radicalizou muito. As músicas não eram do Iron Maiden, mas sim versões roqueiras de clássicos do cancioneiro católico, como O Pescador de Homens, que ficaria mais adequado a um show do Village People.

A muvucada ficou eufórica com as interpretações do Pai Nosso e Aleluia em rap. O próximo convidado será o Monsenhor Eminem e o bispo 50 Cent. Abaixo, podemos curtir um pouco do som.

Tá, eu sei que isso não é Metal. Dêem um tempo.

padre_jony.jpgPadre Jony disse à BBC Brasil que o objetivo de missas como esta é aproximar os jovens da igreja, “porque eles também têm inquietações espirituais e não encontram os canais adequados”. Qualquer semelhança com Mudança de Hábito é mera coincidência. Se você é um desocupado tuiteiro, poderá seguir o padre. Eu gostei muito da imagem de fundo. Principalmente por certos detalhes.Vejam só se vocês percebem (cliquem para ampliar).

Como todos nós, mortais, temos instâncias superiores, o Padre do Metal deve pedir ayuda di Dio. Mas, se este estiver muito ocupado, pode falar diretamente com seu representante aqui na Terra:

papa_ozzy.jpg

Ozzy é meu pastor, e o Metal não me faltará.
Em turnês do Rolling Stones ele me faz vibrar.
Conduz-me junto aos solos de Keith Richards,
restaura as forças com tequila.
Pelos caminhos de Dio ele me leva,
por louvor ao seu som.

Ainda que eu atravesse o vale escuro, ouvindo pagode e axé
nada temerei, pois Iron Maiden está comigo.
O som de Jimmy Hendrix é o meu amparo.

Preparais para mim a mesa à vista da Hanna Montana.
Derramais o perfume de suas músicas sobre minha cabeça,
e transborda minha minha alma com acordes perfeitos.
A vossa guitarra e a bateria hão de seguir-me
por todos os dias de minha vida.
E habitarei na casa de Queen por longos dias.

5 comentários em “Padre espanhol radicaliza e reza missa ao som de rock

  1. ICAR? Insanidade? Rock?
    Que tal essa:


    Igreja absolve os Beatles de “blasfêmia” e “satanismo”
    DA REPORTAGEM LOCAL

    A Igreja Católica ofereceu seu perdão à blasfêmia e aos excessos dos anos de sexo, drogas e rock and roll protagonizados pela banda que um dia se autointitulou “mais popular do que Jesus Cristo”: os Beatles.
    Em artigo publicado na primeira página do “Observatório Romano” deste fim de semana, o diário oficial do Vaticano celebra o legado do quarteto e oferece a absolvição completa. “Tudo isso ficou no passado”, diz o texto.
    A publicação ocorre 40 anos após o término da banda e relativiza interpretações antigas de que os Beatles disseminavam “mensagens misteriosas, que poderiam até mesmo serem consideradas como satânicas”.
    O texto avalia que o abuso de substâncias e o estilo de vida “desinibido” que acompanhou a carreira do grupo poderia não ser o melhor exemplo para os jovens da época, mas também não pode ser considerado o pior.
    Folha de São Paulo, 13-4-2010.

    Pôxa, como eles são bonzinhos. :roll:

  2. Depois de ver um bando de evangélicos no culto orando ao som de Audioslave, essa não foi difícil de acreditar.

Deixe uma resposta para Gima Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s