Preces de terceiros não ajudam doentes

oracao.jpgNa Scientific American, edição de julho de 2006, saiu uma reportagem a respeito de uma pesquisa que visava testar o efeito das orações de pessoas em prol de doentes internados em hospitais. O resultado não é lá muito inesperado…

Na busca pelos efeitos das preces de terceiros na recuperação de pacientes, pesquisadores não encontraram nenhum sinal de intervenção divina. Observaram, porém, uma possível evidência da força do pensamento negativo.

Publicado na edição de 4 de abril do American Heart Journal, o estudo dos efeitos terapêuticos da oração intercessora (Step, na sigla em inglês) durou 3 anos e foi a maior tentativa já realizada de avaliar cientificamente a influência da oração no bem-estar de uma pessoa. A pesquisa incluiu 1.800 pacientes submetidos à cirurgia de ponte de safena. Às vésperas das operações,grupos religiosos deram início a duas semanas de orações por determinado grupo de pacientes – cada um deles contava com 70 pessoas rezando por sua recuperação. Pacientes e religiosos não se conheciam.

Não houve diferenças nas taxas de sobrevivência e nas complicações entre o grupo de controle e o que recebeu as preces. O único resultado significativo apareceu em um grupo de pacientes que sabia que um grupo orva por eles. A taxa de arritmia cardíaca pós-cirúrgica foi a mais alta nesse grupo (59% contra 52% dos pacientes não cientes das orações).

Segundo os pesquisadores, provavelmente a causa seja o nervosismo. “Altos níveis de adrenalina gerados pela ansiedade podem piorar a fibrilação cardíaca”, explica Charles Betheam, do Hospital Cardíaco batista Integris. “O paciente deve pensar: será q eu estou tão mal a ponto de convocarem um grupo de oração?” Já o capelão-chefe da Clínica Mayo, Dean Marek, vê problemas no planejamento do estudo. “Não houve espírito de comunidade. Em vez de oração intercessora, melhor seria chamar oração impessoal”. (desculpas, desculpas…)

Os autores não têm intenção de prosseguir com a pesquisa (quer apostar como tem dedo da igreja nisso?), que custou US$2,4 milhões, e quase sugerem que o poder curativo das orações de amigos e parentes tem mais a ver com as ligações pessoais que com a oração propriamente dita. (Só agora que notaram???)

http://i.imgur.com/jiL5Y.jpg

2 comentários em “Preces de terceiros não ajudam doentes

  1. A prece não “serve” para comprar saúde ou seja o que for… O mais importante na oração é pedir a paz para os que sofrem , seja sofrimento físico ou espiritual, se, no entanto, além da paz se obtem a cura…talvez seja melhor….não sei. Até porque não há estado de saúde que não acabe na morte. Ora, o cristão acredita na vida eterna, i.e., na ressurreicção. Morrer tem dois sentidos… e viver também – morrer nesta vida: andar errante, sem saber o porquê de tudo o que acontece e a morte qu e todos falam: o fim desta vida, deste corpo…; viver é não ter medo da morte, é ter dominado a morte pela fé em Cristo, é experimentar a vida plena nas dificuldades. Devemos pedir pela ressurreição dos que mortos, especialmente dos que se encontram mortos nesta vida, nos que perderam o rumo e sentem que a vida não tem sentiddo. A pior doença é não conhecer Cristo vivo no dia-a-dia, na pessoa do próximo, naquele que nos magoa, naquele que nós magoamos, etc.. A prece não é um rito de pedido de intervenção para que aconteça o que achamos melhor, mas aceitação do que Deus considera melhor e de aceitação dessa vontade, pela fé virá também a compreensão dessa vontade que parece tão oposta à nossa… Deus está aqui no nosso coração, mas é tão grande que não cabe Todo dentro de nós, tão pouco cabe não nosso entendimento. Coragem!

  2. A prece não “serve” para comprar saúde ou seja o que for… O mais importante na oração é pedir a paz para os que sofrem , seja sofrimento físico ou espiritual…

    Como nunca ouvi essa explicação antes, devo imaginar que essa é apenas uma opinião pessoal sua. Veja:

    prece[1]
    [Do lat. prece.]
    Substantivo feminino.
    1.V. rogo (2).
    2.P. ext. Pedido instante; súplica.

    Não existe nenhum conjunto de regras que ditam o que se pode pedir numa prece ou não. Além do mais:

    Por isso vos digo: tudo o que pedirdes na oração, crede que o tendes recebido, e ser-vos-á dado.

    Marcos 11:24[2]

    E:

    Qualquer coisa que me pedirdes em meu nome, vo-lo farei.

    João 14:14[2]

    Palavras de Jesus. Se o que você diz é certo, então Jesus estava enganado ou mentiu.

    … se, no entanto, além da paz se obtem a cura…talvez seja melhor….não sei.

    Você não sabe se é melhor uma pessoa ser curada? Essa ética religiosa me faz feliz por não depender dela, e sentir pelos que se prejudicam por esses conceitos idiotas.

    Até porque não há estado de saúde que não acabe na morte. Ora, o cristão acredita na vida eterna, i.e., na ressurreicção. Morrer tem dois sentidos… e viver também – morrer nesta vida: andar errante, sem saber o porquê de tudo o que acontece e a morte qu e todos falam: o fim desta vida, deste corpo…; viver é não ter medo da morte, é ter dominado a morte pela fé em Cristo, é experimentar a vida plena nas dificuldades.

    Se estivéssemos falando só de morte…

    Devemos pedir pela ressurreição dos que mortos, especialmente dos que se encontram mortos nesta vida, nos que perderam o rumo e sentem que a vida não tem sentiddo.

    Devemos? Porquê? O fato de se querer algo não o torna menos improvável.

    A pior doença é não conhecer Cristo vivo no dia-a-dia, na pessoa do próximo, naquele que nos magoa, naquele que nós magoamos, etc..

    Sei lá, mas acho que existem doenças piores. Já ouviu falar em câncer? De certo já, afinal até mesmo religiosos adoecem dele. Eu, como ateu, estou me sentindo muito bem obrigado.

    A prece não é um rito de pedido de intervenção para que aconteça o que achamos melhor, mas aceitação do que Deus considera melhor e de aceitação dessa vontade, pela fé virá também a compreensão dessa vontade que parece tão oposta à nossa…

    A prece é um pedido de intercessão[3] sim. E não faria sentido orar se a oração não afetasse o motivo da prece.

    Deus está aqui no nosso coração, mas é tão grande que não cabe Todo dentro de nós, tão pouco cabe não nosso entendimento. Coragem!

    E daí?

    Referências:

    [1] – Novo Dicionário Eletrônico Aurélio versão 5.0;

    [2] – Bíblia Católica em: http://www.bibliacatolica.com.br/01/50/14.php

    [3] – intercessão[1]
    [Do lat. intercessione.]
    Substantivo feminino.
    1.Ato de interceder; intervenção:
    “peçamo-la [a graça divina] primeiro ao Espírito Santo por intercessão da Senhora.” (P.e Antônio Vieira, Sermões, XII, pp. 56-57). [Cf. interseção.]

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s