Grandes Nomes da CIência

Biografias de cientistas conhecidos ou não tão conhecidos assim. Curiosidades e fatos sobre suas pesquisas, inclusive gente anônima que fez ciência e não recebeu os devidos créditos. Mais »

Livro dos Porquês

A sabedoria e o conhecimento. Isso é Poder! Abra sua mente, aprenda mais sobre questões básicas (e complexas) e tire suas dúvidas, de forma mais didática possível, sem ser aquelas aulas chatas de colégio. Mais »

Grandes Mentiras Religiosas

O mundo não é tão bizarro quanto fazem parecer. Mentiras e enganações para ludibriar as pessoas, lindamente desmontados, de forma a trazer à luz a desonestidade para tentar lhe fazer parar de pensar e simplesmente aceitar o que querem que você pense. Mais »

Caderno dos Professores

Para quem quer ensinar e muitas vezes se pergunta como abordar um tema. Como deixar a aula interessante, como levar conhecimento aos seus alunos por meios que pedagogos lhe odiarão, mas serão amados pelos estudantes. Mais »

 

Veganismo Desmascarado

vegan_desmascarado.jpgTalvez, vocês tenham presenciado uma cena semelhante: Você vem andando pela calçada e é abordado por uma moça. Ela pede um minuto de sua atenção e você, como todo bom idiota, para para (maldito acordo ortográfico!) dar atenção – e depois lamentar de não ter continuado andando. Ela diz que quer falar com você e lhe entrega um panfleto. Ela, com seu sorrisinho, fala pra você mudar de postura, pois a mesma é errada, que você deveria ver o mundo com outros olhos, ser mais ético. Que, assim que mudar, sua vida melhorará e ajudará a fazer um mundo sem sofrimento.

Você deve estar pensando em alguma Testemunha de Jeová, com sua revista Sentinela, mas não. Estou falando de uma das novas religiões que apareceram nos últimos tempos: o Veganismo. Sim, pois a onda Vegan está mais parecida com religião do que qualquer outra coisa, e aqui eu demonstrarei o porquê.

panfleto_vegan.jpg

Primeiro de tudo, vamos entender o que é veganismo e, para isso, vamos ver sua origem: o vegetarianismo. Não, os dois não são a mesma coisa.

O vegetarianismo não tem nada de complicado: A pessoa não gosta de comer carne e prefere alimentar-se apenas de vegetais. Simples assim. Há alguns que se alimentam de ovos, leite e derivados (seja de vaca, cabra ou outro animal qualquer), ovas (de peixe, claro) etc. Não é muito diferente se eu não quiser comer ovos mexidos, por exemplo (detesto ovos mexidos), ou quiabo (odeio quiabo!). A pessoa come o que quiser e pronto! Fim da história. É mais ou menos como acontecem nas religiões: Um camarada cisma que existe um deus (chamemos Coxarrebolante). Ele faz umas preces a Coxarrebolante, venera Coxarrebolante e continua a sua vidinha. Outros acham que isso deve ser seguido com maior rigor, daí constroem um templo para Coxarrebolante, fazem “UUUUUUhhhhh” para Coxarrebolante, dedicam oferendas e assim tem início a religião do Coxarrebolantismo. Todos TÊM que ser coxarrebolantistas, pois caso contrário serão considerados hereges e atirados no inferno.

Com o Veganismo não é diferente. Em 1944, Donald Watson (1910 – 2005) fundou a Vegan Society, por ter se indisposto com a Vegetarian Society por diferenças ideológicas – coisa que não ficou muito bem explicada, mas isso nós vemos acontecer em qualquer religiões. Assim, Watson (que não é aquele Watson) se juntou a mais 6 pessoas, e decidiram criar uma nova sociedade, criando até mesmo um novo nome. Watson foi criado numa fazenda quando garoto e resolveu ser vegetariano quando ele viu o que acontecia com os porcos, de modo a virarem o amado bacon nosso de cada dia. Ele (Watson e não o bacon) surtou com pena dos animais e achou que a humanidade era boba, feia e chata; e essa humanidade boba, feia e chata tinha que defender os animais.

Sinceramente, não acho nada de errado defender os animais. Mas há algo sinistro que governa os destinos dos seres vivos. Há algo malévolo, pérfido, indiferente a qualquer coisa que nasce, vive e morre. Essa coisa, como já falei várias vezes, é a Seleção Natural. Ela é quem comanda a sua vida, seu mortal idiota! Antes de prosseguir, demonstrando porque o veganismo está caindo para as raias do absurdo (se é que não começou lá), vamos dar uma repassadinha básica em certos detalhes do mundo biológico.

Nós, seres humanos, somos apenas uma ridícula e insignificante porção da biodiversidade. Somos tão ridículos que só há uma única espécie do gênero Homo. Nenhum dos outros sobreviveu. Apesar de sermos ridiculamente insignificantes, a Seleção Natural demonstrou que somos vencedores, dados os milhares de anos que o Homo sapiens anda por aí. Todos os demais indivíduos do gênero Homo não sobreviveram para contar a história, pois foram extintos. Se algo contribuiu para isso foi a nossa dieta onívora (comemos qualquer coisa, ou quase) Antes, éramos caçadores-coletores, isto é, vivíamos exclusivamente da caça e da coleta de víveres que estavam facilmente ao alcance das mãos. Isso perdurou até que inventamos a agricultura. Nosso cérebro era pequeno e não muito bom para formar o que poderíamos chamar de civilização tecnológica (emprego “tecnologia” como o conhecimento de usar ferramentas, mesmo as mais rudimentares). Alguma coisa fez a diferença, e essa diferença foi a ingestão de proteínas de origem animal.

Esse é o ponto que o vegan fica estarrecido, arregala os olhos e diz: NOOOOOOOOO!!! Mas, esperem! As plantas também produzem proteínas, logo o que há de diferente entre elas?

Vegans, como costumam ser os religiosos fanáticos, não leem nada que divirja de sua opinião pré-concebida e preconceituosa, isto é, eles costumam não entender NADA de bioquímica. Façam um teste: peguem um livro de bioquímica e tomem um capítulo. Escolham um vegan e peça para ele explicar. Digamos, ciclo de Krebbs. Se você estiver num debate online, o co-debatedor correrá pro Google, acessará a Wikipédia e dará copy/paste. Peça para ele explicar o que está escrito ali. Ele não saberá. No máximo, recorrerá a sites como o Go Vegan, o Answer in Genesis do Veganismo.

Muito bem, a maioria das plantas sintetizam seu próprio alimento através da fotossíntese, como qualquer criança de Ensino Fundamental sabe. Mas é um processo MUITO complexo. A planta sintetiza também proteínas – que nada mais são que junção de vários aminoácidos – além de enzimas que possibilitam muitas reações químicas no organismos (às vezes elas participam da reação, às vezes só agem como catalisadores, acelerando – mas não participando – da reação). Os animais sintetizam proteínas de forma diferente. Eles montam e desmontam proteínas, absorvem e reciclam os nutrientes absorvidos, até produzirem as proteínas necessárias ao seu funcionamento.

Os animais não produzem todas as proteínas igualmente. Alguns animais produzem uma determinada proteína, outros não. Por causa disso, e de nossa dieta onívora, os seres humanos que desenvolveram a capacidade de metabolizar quase todos os tipos de proteínas tiveram melhor chance na corrida evolutiva, pois a população que apresentou esta capacidade ficou em vantagem nos tempos de escassez. Assim, o que REALMENTE interessa aos animais são os aminoácidos provenientes das proteínas, pois eles serão usados para suprir o organismo de forma que o metabolismo faça a síntese do que for necessário. Dessa forma, o que importa não é a proteína em si e sim de quais aminoácidos ela é constituída.

Um detalhezinho que os fanáticos religiosos vegans – também chamados Talibãs da Couve-Flor – não sabem (ou não querem saber): as proteínas animais são mais facilmente metabolizadas do que as proteínas vegetais, pois as proteínas vegetais são formadas por outros aminoácidos que seriam necessários para o nosso organismo, mas não todos. Se determinados aminoácidos estiverem presentes, não servirão, pois cada proteína é formada por uma série de aminoácidos característicos. E eu ainda nem entrei na questão das vitaminas e complexos vitamínicos. Logo, não basta ser proteína, tem que ser formada pelos aminoácidos certos.

O que isso significa? Significa que bioquimicamente, não há sentido ser apenas (notem o “apenas”) vegetariano. Basta considerar que nem todas as proteínas vegetais possuem os aminoácidos que nós, seres humanos, precisamos. De onde iríamos conseguir estes aminácidos? Comprando no Mercado Livre? Hoje é fácil, há 20 anos era difícil, há 50 anos era praticamente impossível e de 100 anos para trás era COMPLETAMENTE impossível.

Mas… mas… mas, e os estudos que as carnes fazem mal? Simples: Não fazem.

As carnes, enquanto fonte de proteínas, não fazem mal; o que faz mal é a taxa de gordura associada a ela. Escolhendo carnes mais magras, o problema diminui substancialmente. E aí vamos para outro ponto em que o veganismo é semelhante às religiões: Desonestidade.

Sites como o Go Vegan, como todo antro de fanatismo religioso, omite certas informações. Costumam tecer comparações entre as dietas onívoras e as vegetarianas, dando (é claro) vantagem para a dieta vegetariana. O que eles “esquecem” de mencionar é que comparam uma dieta onívora desbalanceada com uma dieta vegetariana balanceada. Trapaça pouca é bobagem! “Esquecem” também de mencionar que, embora os vegetais também apresentem proteínas, a maior parte da planta é composta por celulose, um carboidrato (e não proteína) que não é absorvido pelo organismo humano; se fosse você poderia comer algodão ou mesmo papel, mas você sabe que não é assim que a banda toca. Por certo, nem mesmo o sistema digestório de animais herbívoros, como os boizinhos lindos, estão completamente adaptados para isso. O que eles têm que nós não temos são micro-organismos que atacam a celulose, quebrando-a em moléculas menores que podem ser absorvida pelo organismo dos distintos herbívoros.

No caso dos animais, digerimos a sacarose e o amido (dois outros exemplos de carboidratos) porque eles são “quebrados” em partes menores. Nossa saliva contém uma enzima camada amilase, responsável por quebrar o amido em unidades menores, facilitando sua absorção. No tocante à proteína animal, o fato é que sua ingestão nos propiciou o desenvolvimento do encéfalo [1] [2] [3] . Da mesma maneira, houve um aumento de estatura considerável no povo japonês depois da Segunda Grande Guerra. Com a chegada de norte-americanos nas ilhas do Pacífico, começou a haver uma mudança de hábitos alimentares, com a introdução de mais proteína animal na dieta dos que lá viviam. Isso acarretou um aumento na estatura média do povo japonês [4] [5] , somando-se também um melhor estilo de vida [6] ; e é óbvio que apenas a ingestão de proteína animal não acarretaria isso, mas também é um fator a ser levado em conta. Se fosse nociva, tal desenvolvimento não seria observado, ou seria em menor grau. Em uma reportagem da revista Época (edição de 24 de agosto de 1998), é demonstrado como os tanques japoneses possuíam cabines pequenas, adequadas à estatua média do soldado japonês. Atualmente, entrar numa cabine assim é muito, muito complicado para um adulto. Ainda no tocante à população japonesa, estudos sugerem que o consumo de proteínas animais – em comparação com os povos ocidentais – não está relacionada com casos de Acidente Vascular Cerebral ou infartos. Credita-se então à ingestão de altas percentagens de gordura animal e colesterol. Fica claro que o problema não é a carne em si, e sim a gordura, como banha de porco etc.

Ao lermos sobre os efeitos de uma alimentação pobre em proteínas, encontramos um artigo que relata (grifos meus):

A suplementação, com proteínas, de uma dieta na qual esse nutriente era deficiente, tanto em quantidade quanto em qualidade, levou a resultados diversos, dependendo da qualidade da proteína usada na suplementação. Quando se suplementou a dieta carente com uma proteína de baixa qualidade (de origem vegetal), os efeitos sobre a DA [depressão alastrante da atividade elétrica cerebral] não foram revertidos. A reversão só foi conseguida quando a proteína usada na suplementação era a caseína, a proteína animal de excelência para os mamíferos. Com base nessas observações pode-se concluir que os efeitos da desnutrição no início da vida sobre o desenvolvimento e as funções cerebrais não podem ser completamente evitados, se a alimentação deficiente for suplementada apenas com proteínas de baixo valor biológico, isto é, de baixa qualidade, definida pela falta de alguns aminoácidos essenciais.

Guedes, Rubem Carlos Araújo, Rocha-de-Melo, Ana Paula Rocha-de-Melo e Teodósio, Naíde Regueira Teodósio – NUTRIÇÃO ADEQUADA: A BASE DO FUNCIONAMENTO CEREBRAL, Ciência e Cultura vol.56 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2004

Em (pseudo)refutação a isso, costumam linkar o artigo da American Dietetics Association como prova que a dieta vegetariana é mais saudável. Ou não sabem ler em inglês, não sabem usar o Google translator ou são carentes de honestidade (mais provável, uma soma dos três). O abstract (resumo) do artigo começa com:

It is the position of the American Dietetic Association and Dietitians of Canada that appropriately planned vegetarian diets are healthful, nutritionally adequate, and provide health benefits in the prevention and treatment of certain diseases. Approximately 2.5% of adults in the United States and 4% of adults in Canada follow vegetarian diets. A vegetarian diet is defined as one that does not include meat, fish, or fowl. Interest in vegetarianism appears to be increasing, with many restaurants and college foodservices offering vegetarian meals routinely. Substantial growth in sales of foods attractive to vegetarians has occurred and these foods appear in many supermarkets. This position paper reviews the current scientific data related to key nutrients for vegetarians including protein, iron, zinc, calcium, vitamin D, riboflavin, vitamin B-12, vitamin A, n-3 fatty acids, and iodine.

É a posição da Associação Dietética Americana e Nutricionistas do Canadá, que dietas vegetarianas apropriadamente planejadas são saudáveis, nutricionalmente adequadas e fornecem benefícios de saúde na prevenção e no tratamento de certas doenças. Aproximadamente 2,5% dos adultos nos Estados Unidos e 4% dos adultos no Canadá seguem dietas vegetarianas. A dieta vegetariana é definida como aquela que não inclui carne, peixe ou ave. O interesse pelo vegetarianismo parece estar aumentando, com muitos restaurantes que oferecem refeições vegetarianas rotineiramente. O crescimento substancial nas vendas de alimentos atraentes para os vegetarianos ocorreu e estes alimentos aparecem em muitos supermercados. Este artigo analisa a posição atual de dados científicos relacionados aos nutrientes essenciais para os vegetarianos, incluindo proteínas, ferro, zinco, cálcio, vitamina D, riboflavina, vitamina B-12, vitamina A, ácidos graxos n-3, e iodo.

Com o detalhe que as vitaminas do complexo B são majoritariamente (e no caso da vitamina B12, exclusivamente) pertencente a alimentos de origem animal, isto é, carnes. Vegetais não apresentam vitamina B12, a qual é essencial ao nosso organismo [7] . Qualquer um que estude um pouquinho de fisiologia sabe que além da vitamina B12, o ferro é muito importante, principalmente sob a forma heme, que é essencial para nós, devido ao seu trabalho junto à hemoglobina. Esta forma de ferro é muito mais fácil de ser absorvida pelo nosso organismo do que o ferro não-heme. Alimentos de origem animal contém não só ferro sob a forma heme, como a não-heme. Os vegetais normalmente só possuem a segunda [8] [9] [10] .

Nisso, cabe repor os nutrientes e vitaminas essenciais com o uso de suplementos alimentares. Mas que diabo de dieta perfeitamente saudável é essa que precisa de suplementos? Isso faz sentido? Na mente vegan, faz..

Sim, eu concordo que a obesidade é um caso grave na saúde norte-americana, mas precisamos guardar as medidas. Já publicamos uma pesquisa que informa que a obesidade infantil tem origem genética também. Ademais, o que o norte-americano médio come? Um monte de porcarias industrializadas ou nos fast-food da vida. Compre um imenso Big Mac com fritas e preste atenção no quanto de gordura animal você estará ingerindo. Batatas são vegetais e o óleo onde elas são fritas (e saem deliciosamente crocantes) também são de origem vegetal. Assim, o problema não está na carne em si (frita na chapa e não na fritadeira, imersa em óleo) e sim no percentual de gordura ingerido, que pode ser tanto de origem animal, como vegetal. Dessa forma, se eu tirar o hambúrguer e o queijo, eu poderei comer o Big Macapado e ficar tranquilo, já que não estou comendo nada de origem animal? Assim é fácil!

O Go Veg é um site tão escroto, tão mentiroso e sem-vergonha, que não se importa em estuprar o conhecimento científico que temos hoje, publicando um monte de sandices despropositadas sobre a fisiologia humana. Eles tiveram a pachorra de dizer que a formação dos dentes e do trato digestivo foi selecionado biologicamente para se alimentar apenas de vegetais. Só alguém completamente ignorante nesse assunto vai acreditar nisso. E eu falo ignorante na pureza do significado, isto é, de realmente não saber nada sobre o assunto.

Lá, afirma-se que o pH normal do estômago está entre 4 a 5. Mentira! O ácido produzido no estômago é o ácido clorídrico, que junto com a pepsina age fortemente contra o alimento que você ingere. O HCl é um ácido inorgânico com alto grau de ionização (Química de 1º ano de Ensino Médio). À medida que o pH do estômago vai aumentando (como quando você bebe leite de magnésia), o corpo produz mais HCl. A ação do HCl possui um rendimento otimizado entre o pH 1 e 2, isto é, se o pH começar a subir, o corpo corre em corrigir isso. Eu já fiz este teste em laboratório, com solução de HCl e solução de pepsina, e comprovei isso. Mas tal coisa não foi feita pelos “gênios” do Go Vegan.

E sobre atacar o estômago? O HCl não ataca as paredes do seu estômago por duas razões. A primeira é que o HCl possui o cloro no seu estado de redução máximo, logo, ele não pode oxidar nada (também é ensinado isso em Química do 1º ano do EM). O ácido clorídrico NÃO É um agente oxidante. A segunda é que em conjunto com a pepsina ele não ataca o estômago por causa de uma grossa camada de muco estomacal. Este muco – que normalmente se regenera competamente a cada 3 dias – contém, entre outras coisas uma substância chamada “bórax”, que ajuda a neutralizar a alta concentração de íons H+. Úlceras têm diversos fatores e um deles é a presença da Helicobacter pylori, que ataca o muco. Com menor camada de muco, o ácido clorídrico começa a atacar o tecido estomacal.

Outra besteirada na versão verde da Montfort é dizer que o intestino delgado tem cerca de 10 a 11 vezes o tamanho do ser humano. Considerando que tal tamanho está entre 3 e 7 metros de comprimento, então o corpo deveria ter entre 30 e 70 cm de altura. Ou o pessoal do GoVegan é completamente analfabeto em matemática ou, então, eles examinaram algum gnomo de jardim.

Chegaram, inclusive, a me mandar este artigo da Scielo para fundamentar a argumentação em prol do veganismo. Infelizmente, a própria conclusão do artigo desmonta o castelo de cartas:

CONCLUSÃO: A alimentação onívora desbalanceada, com EXCESSO de proteínas e gorduras de origem animal, pode estar implicada, em grande parte, no desencadeamento de doenças e agravos não-transmissíveis, especialmente no risco cardiovascular (grifo meu).

Qualquer dieta desbalanceada é danosa à nossa saúde, na linha do “tudo o que é demais faz mal”. Mas e os vegetais? Eles não seriam mais saudáveis? Dificilmente. A maioria sequer entraria em nosso cardápio se não fosse o nosso desenvolvimento e aprendizado na prática culinária, o que desmonta a tese absurda que o homem nasceu pra ser vegetariano. Muitos vegetais JAMAIS poderiam ter sido consumidos por nossos ancestrais, como é o caso do feijão que é altamente tóxico, pois possui inibidores de tripsina, uma enzima que ajuda no ataque a fibras musculares que foram ingeridas, além de agir nas fezes impedindo que haja prisão de ventre (e muitas vezes causando diarreia, quando em altas concentrações). Como se resolve? Através de tratamento térmico (cozinhando, em outras palavras). Claro que podem alegar que hoje ninguém como feijão cru, mas nossos antepassados não apareceram na terra com uma cozinha completa. Caçadores-coletores comiam o que viam pela frente (muitas vezes o que viam pela frente os comiam também, mas faz parte).

Ainda sobre o feijãozinho nosso de cada dia, convém que ele fique “de molho”, pois não conseguimos digerir uma substância chamada rafinose, um trissacarídeo também presente na soja, que só faz bem na mente vegan, mas não é essa maravilha que apregoam. Os fitatos contidos nela agem como fatores anti-nutricionais, já que reduzem a biodisponibilidade no organismo de minerais divalentes como: cálcio, ferro, magnésio, manganês, cobre e zinco, principalmente. Alguns estudos mostram que estes fitatos são importantes na mesma medida, mas deve-se ressaltar que ao se ingerir soja é preciso ingerir mais dos íons acima descritos. E tome suplemento alimentar! Isso soa plausível numa dieta tida como “melhor”? Bem, vegans continuarão achando que sim. Comer mandioca crua, alguém se arrisca? A mandioca consumida comumente, não nos traria problemas, mas o preparo original da mandioca brava é todo um ritual, por causa dos glicosídeos cianogênicos. Não, você não leu errado. É quase como comer cianetos (quase; e embora não seja a mesma coisa, pode ser fatal também).

Antes de terminar esta parte do artigo, deixem-me dizer-lhes uma coisa, afim de acabar com um mito: vegetais também se defendem.

Analisem. A Seleção Natural favorece quem estiver mais apto a gerar descendentes. Uma espécie não duraria muito tempo se não puder se reproduzir suficientemente para garantir a sobrevivência. Logo, se muitos herbivoros comessem vegetais direto, sem que esses pudessem ter tempo para se reproduzirem, não haveria vegetais, não haveria herbívoros e não haveria carnívoros. Os vegetais, contudo, desenvolveram táticas de defesa, muitas vezes mais cruéis que muitos animais. Alguns são extremamente venenosos, outros trapaceiam, mimetizando pequenos insetos para que os maiores possam ser atraídos. Outros exalam cheiro de carne podre, para que moscas pousem neles ávidas por um lanchinho, acabem se sujando com o pólen e indo para outra flor semelhante, perfazendo a polinização.

Mas que é sacanagem, é. A Natureza não se importa em manipular os seres.

Ainda mascarando informações, os membros da Seita Vegan parte para falácias de apelo à misericórdia e apelo ao mundo, dizendo que “o grão que alimenta o gado é o grão que faz falta na mesa das pessoas”. Mais uma alteração da verdade! Já começa que o gado não é tratado de forma intensiva, só no caso do gado leiteiro. Isso por que ele criaria capas de gordura, e ninguém quer comprar apenas gordura. De acordo com a EMBRAPA, a dieta completa do gado leiteiro “é uma mistura de volumosos ( silagem, feno, capim verde picado ) com concentrados (energéticos e proteicos), minerais e vitaminas. A mistura dos ingredientes é feita em vagão misturador próprio, com balança eletrônica para pesar os ingredientes. Muito usada em confinamento total, tem a vantagem de evitar que as vacas possam consumir uma quantidade muito grande de concentrado de uma única vez, o que pode causar problemas de acidose nos animais. Além disso, recomenda-se a inclusão de 0,8 a 1% de bicarbonato de sódio e 0,5% de óxido de magnésio na dieta total, para evitar problemas com acidose.”

O gado bovino de corte, é tratado com base de cana-de-açúcar como volumoso (cerca de 40 kg/dia) e apenas 3 kg de concentrado (milho + farelo de soja). E obviamente, depois do que os ingleses fizeram, só se alimenta gado de corte com constituinte vegetal (mesmo porque, são herbívoros). Para quem não se lembra, foram alimentar gado com farinha de carcaça de carneiros e resultou no chamado “Mal da Vaca Louca”.

Argumentar que isso faz com que haja falta de alimentos é uma falácia gritante. Qualquer um que vá no CEASA ou no CEAGESP pode ver o tanto de comida que é desperdiçado. ESTE é o problema! Desperdício! Em reportagem da Folha de São Paulo, fica demonstrado que 30% dos alimentos que o Brasil produz são desperdiçados. O desperdício pode acontecer até mesmo em unidades de saúde, como no Hospital das Clínicas. Além disso, há o caso que o mundo está se tornando superpopuloso, e o que seria realmente efetivo seria um controle de natalidade mais sério. Só que com mais gente no mundo, existem mais eleitores, mais gente que servirá de “decoração” para as campanhas eleitorais, mais massa de manobra, mais formas de haver doações, as quais poderão ser desviadas, enriquecendo o bolso de muita gente.

Em resumo: podem plantar o quanto quiserem, ainda haverá falta de alimentos na mesa das pessoas, pois o problema não é a existência do alimento, e sim na chegada até a casa das pessoas. Não há nenhum motivo político ara resolver isso, pois a fome é uma grande arma na mão de ditadores, como podemos comprovar nos países africanos, onde a ONU despeja toneladas e mais toneladas de alimento, e nem um grama chega à boca dos famintos. Se os campos são destruídos para fazer pastagens, segundo a visão vegan, eles seriam destruídos para transformá-los em produção agrícola. Fazem ideia da logística por trás disso? Bem, com certeza, eles não sabem.

Lógico que eu não diria que seres humanos não devem comer vegetais. Devem! Mas também não podem deixar de ingerir carnes, ou então estaremos todos condenados a viver de suplementos alimentícios pelo reso da vida. Reitero a pergunta: Que dieta saudável é essa que não supre nossas necessidades nutricionais?

Na próxima página destruiremos outra falácia vegan: a preocupação com os animais.

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Pages: 1 2 3

  • Ênio Apolinário

    Vi agora, ta bem pequeno mano!, mas valeu kkkkkkk

  • Ênio Apolinário

    Sempre Guilherme

  • Danilo Nascimento

    Fio, se forma no ensino fundamental e aprende a ler, porque em nenhum momento o texto fala que pessoas não podem ser vegetarianas.

  • João Pedro

    Será que o André já ganhou o dinheiro da indústria “assassina e malvada”?

    Lucho respondeu:

    Claro que ganhou. É só perguntar para a louca desvaiarada do Robson Fernando que ela na hora te mostra o contracheque comprobatório disso.

  • Pedro Tiago

    Olha André, eu sou vegetariano estrito e discordo de muita coisa que você escreveu. Tenho minhas opiniões consolidadas sobre o assunto mas nem me aproximo de ser o tipo de pessoa fanática e inconveniente que você citou. Também me incomodo com religiosos que nos abordam nas ruas entregando panfleto e julgando nossas atitudes como erradas, porque eles se baseiam em fé cega e cada pessoa deve ter sua própria fé, não existe certo e errado. Com o veganismo é um pouco diferente, pois os ativistas criticam o ato de matar animais por puro capricho. A ingestão de carne, como você citou no texto, realmente contribuiu para a evolução biológica humana, mas isso é passado. Não precisamos mais disso. Hoje em dia temos acesso à informação, o mundo mudou. Podemos ir ao mercado comprar brócolis, feijão, lentilha, couve, espinafre e outros alimentos riquíssimos em proteínas…coisa que nossos antepassados distantes não podiam fazer. A parte do texto em que você trata os vegetais proteicos como proteínas secundárias é equivocada, existem muitos fisiculturistas hipermusculosos pelo mundo que são veganos e nem ao menos fazem uso de suplementação.

    O que você escreveu me parece muito mais uma posição pessoal do que científica. O fato é que os onívoros comem o corpo em decomposição de seres que se locomovem, acasalam, sentem dor e medo, e têm sentimentos. Eu, Pedro, acho isso errado. Se você não acha, não vou ficar jogando pedra como se eu fosse o dono da verdade. Somos humanos imperfeitos, e cometemos erros diariamente, não cabe a ninguém julgar os outros.

    De qualquer forma, achei desnecessário os termos ofensivos e desrespeitosos que você usou ao se referir a quem pensa de maneira diferente, poderia ter tomado uma postura diferente. Só comentei porque considero o debate algo interessante.

    Pryderi respondeu:

    Olha André, eu sou vegetariano estrito e discordo de muita coisa que você escreveu.

    Vc tem o direito a uma opinião. E eu de ignorá-la. Mas farei um favor a você e lhe darei um pouco de atenção.

    Tenho minhas opiniões consolidadas sobre o assunto mas nem me aproximo de ser o tipo de pessoa fanática e inconveniente que você citou.

    Deve ser porque, sei lá, eu não estava falando de vc? Não sei. Vou rever o artigo para saber se em algum momento eu citei o seu nome.

    Também me incomodo com religiosos que nos abordam nas ruas entregando panfleto e julgando nossas atitudes como erradas, porque eles se baseiam em fé cega e cada pessoa deve ter sua própria fé, não existe certo e errado.

    Pois é, né? Esse pessoal que se levba pela comoção, quando artigos científicos provam o contrário é foda, mesmo.

    Com o veganismo é um pouco diferente, pois os ativistas criticam o ato de matar animais por puro capricho.

    Capricho vc está falando de caçada esportiva?

    A ingestão de carne, como você citou no texto, realmente contribuiu para a evolução biológica humana, mas isso é passado.

    Os periódicos que eu coloquei provam que não. Mostre os seus.

    Não precisamos mais disso. Hoje em dia temos acesso à informação, o mundo mudou.

    Sim. podemos ter acesso a pesquisas científicas do mundo todo. Como essas que eu postei em todo o artigo e vocês não conseguem refutar. 😀

    Podemos ir ao mercado comprar brócolis, feijão, lentilha, couve, espinafre e outros alimentos riquíssimos em proteínas…

    Podemos comprar carner, com densidade energética e nutricional muito maior.

    coisa que nossos antepassados distantes não podiam fazer.

    Isso prova que alimentação vegan não era tão boa assim e passamos a depender de carne? Obrigado por se refutar. 😀

    A parte do texto em que você trata os vegetais proteicos como proteínas secundárias é equivocada, existem muitos fisiculturistas hipermusculosos pelo mundo que são veganos e nem ao menos fazem uso de suplementação.

    Sim. Tem gente que diz que viu disco voador e atletas que juram de pés juntinhos que não tomam anabolizantes.

    O que você escreveu me parece muito mais uma posição pessoal do que científica.

    Os links das publicações demonstram o contrário. Mkostrar os seus artigos nada, né?

    O fato é que os onívoros comem o corpo em decomposição de seres que se locomovem, acasalam, sentem dor e medo, e têm sentimentos.

    Deliciosos seres vivos, por sinal.

    Eu, Pedro, acho isso errado.

    Deixe-me ver em que ponto eu pedi a sua opinião.

    Ok, não pedi.

    Se você não acha, não vou ficar jogando pedra como se eu fosse o dono da verdade.

    O fato de ter vindo aqui comentar prova que vcs não conseguem ficar com os dedinhos quietos.

    Somos humanos imperfeitos, e cometemos erros diariamente, não cabe a ninguém julgar os outros.

    Vc está me julgando. Se bem que sua arrogância é tão grande que achou que o artigo era sobre viocê e sua opiniãozinha pela qual não me interesso.

    De qualquer forma, achei desnecessário os termos ofensivos e desrespeitosos que você usou ao se referir a quem pensa de maneira diferente, poderia ter tomado uma postura diferente.

    Sorte que este site é meu e posto o que eu quiser. Estou me lixando pro que vc acha necessário ou não.

    Só comentei porque considero o debate algo interessante.

    Isso que vc fez não é debate é “mimimi eu num quélo eeste artigo, eu me ofendi, apaga”

    Chora, neném. Os fatos ainda são os fatos.

  • Breno

    Ótimo artigo. Dá pra ver que o objetivo é refutar as falácias vegan com base na ciência e no ceticismo pelo modo como desmoraliza e insulta os veganos de uma forma arrogante e intransigente.

    Pryderi respondeu:

    Com artigos científicos publicados em periódicos indexados, não se esqueça. 😀

  • Provavelmente ele foi aluno número 1 da turma de ética e moral vegana e vegetariana do professor Robson Fernando, cuja primeira aula foi: Pastor Martin Luther King Jr., Malcolm X, Nelson Mandela, Rosa Parks, Jackie Robinson, Luís Gama de cu é rola. Aqui é Robson Fernando, porra!!!

  • Nuno Amara

    Os vegans também matam animais aos milhões. Onde estão os caracóis, os escaravelhos, as lagartas, os gafanhotos, as abelhas ratos, toupeiras e muitos outros animais? Onde fica o santuario para aonde enviaram todos os bichinhos? Eu sou muito ambientalista, mas gosto muito de carros potentes, telemoveis topo de gama, grandes eventos onde se desperdiçam milhoes de recursos. Todos uns hipócritas. Áh estava a esquecer me, quando comprarem vestuario vejam qual o pais de origem, pois escravatura e trabalho infantil também é exploração animal. HIPÓCRISIA A TODO O NIVEL.

  • Wilton Lobato

    Esquecestes de dizer que os ruminantes suprem a necessidade de aminoácidos essenciais digerindo os protozoários e bactérias que fazem a quebra da celulose, É no coagulador que ocorre a digestão das proteínas e também das bactérias oriundas do rúmen e do retículo.

    Lucho respondeu:

    De qual ruminante você está falando?

  • Carlos Ronasi

    Prefiro mil vezes comer grama e tomar suplementos, do que ser conivente ou cumplice de um Sistema Alimentar sem etica nenhuma que tortura, fere e mata animais que como nós sentem dor, medo e angustia; Se todos os Matadouros e Frigorificos tivessem paredes de vidro, muitos se tornariam Vegetarianos / Vegamos !!! Fato !!!

    Pryderi respondeu:

    “Mimimi os pobres bichinhos… EI, UM RATO! MATA! MATA!”

    Carlos Ronasi respondeu:

    Come, Come !!! 😉

    Pryderi respondeu:

    http://www.bbc.com/future/story/20151207-the-countries-where-rats-are-on-the-menu

    Como todo religiosos, não sabe o que se passa pelo mundo 🙂

    Lucho respondeu:

    Relinchando por tudo quanto é quanto não te resta outra alternativa a não ser comer grama.

    NestorBendo respondeu:

    Já foi mostrado por aqui que as plantas também sentem.

    Prefere morrer de inanição antes ou depois de arrancar a calcinha pela cabeça?

    Johnny respondeu:

    Sabe aquele dia que você limpou a caixa d´água? Então, tinha um enorme berçário ali, você destruiu centenas de bebês que as mães colocaram ali pra crescer com tanto carinho.
    Seu assassino sádico :’-(((

  • Olha só a linha de raciocínio do distinto.

    “Quem fala mal do Leão Lobo deve odiar gay.”

    Deve ser a falta de proteína animal.

  • Caio Martins Ramos

    Concordo que nós evoluimos como espécie devido aos benefícios da dieta onívora. Claro que sim. Não sou desonesto intelectualmente e nem analfabeto científico, como muitos veganos, infelizmente, são. Estou fazendo doutorado em física na USP e, a propósito, cursei bioquímica I e II na graduação. Tirei boas notas, inclusive. Aliás, antes de prosseguir, só destacando um ponto que observei no seu texto: “Os animais sintetizam proteínas de forma diferente (de plantas).” Nunca vi isso no Lehninger. Até aonde eu saiba, elas tem ribossomos também. Mas enfim, acho que o que você quer dizer é que as proteínas vegetais não possuem a mesma proporção dos aminoácidos que as proteínas animais. Isso é verdade. Mas sei que você sabe também que somos capazes de sintetizar a maior parte dos aminoácidos dados os precurssores certos! Você aparentemente estudou bioquímica. Portanto, o que não pode faltar na nossa dieta, são os tais dos aminoácidos essenciais. Comendo arroz e feijão (que como você salientou, é sempre bom deixar de molho, pois fitato é péssimo pra gente), a gente ingere todos esses aminoácidos, não? Alguma objeção? Então proteínas não são problemas numa dieta vegana, se a pessoa tiver um pouco de cuidado com a alimentação, não? No seu texto, você também
    fala sobre a famosa B12. Você tem razão, não tem outro jeito de ingerir B12 numa dieta vegana que não a suplementação. É uma limitação fundamental da dieta. Mas suplementando (tomando cápsulas com o nutriente na proporção recomendada), há algum problema em ser vegano? Aparentemente não. Então tomando os devidos cuidados (observando a ingestão de proteínas correta, calorias, gorduras, B12, omega-3, ferro, cálcio, zinco, etc.), há algum problema em ser vegano? Não. A propósito, eu e minha esposa somos veganos há um ano, sempre tomando os devidos cuidados com a nutrição. Em particular, eu gosto de musculação e não perdi massa muscular desde que comecei com o veganismo (sei que isso é evidência anedotal, mas enfim).

    Ahhh, isso quer dizer que a dieta vegana é melhor que a onívora? Não. Isso realmente é falacioso. Se você for vegano e ficar comendo batata frita todo dia, se bobear você vai ficar ainda mais doente que o cara que se entope com aqueles bifões cheios que são 80% de gordura. Ahhh a dieta onívora é melhor que a vegana? É? Você pode me confirmar isso? Dizer que é mais natural, pois veganos precisam suplementar, não significa que é melhor para a saúde. E lógico, tudo é relativo, um cara que fica comendo bife de banha todo dia jamais vai ser tão saudável quanto eu, que sou super sarado hauahuahuahu.

    A questão que deixo pra você é: podemos continuar como onívoros sem nenhum prejuízo pra humanidade?
    Acredito que você esteja tentando ser racional. Então te pergunto, com o aumento da população mundial que pode chegar a algo em torno de 9.5 bilhões de pessoas em 2050, podemos produzir alimento pra esses 2 bilhões de pessoas que estão chegando sem foder com o meio ambiente ainda mais, desmatando mais florestas que são os redutos da biodiversidade do planeta? Difícil.
    “http://www.nature.com/articles/ncomms11382” “A vegan or vegetarian diet is associated with only half the cropland
    demand, grazing intensity and overall biomass harvest of comparable
    meat-based human diets. Furthermore, a decreasing share of livestock
    products in human diets could also be associated with health benefits,
    particularly in the industrialized regions40,42.”
    Não é a questão que a gente não produz alimento pra todo mundo, amigo. É como você notou, o problema é fazer chegar no lugar que precisa. Mas tem outro problema, pra produzir os alimentos que precisamos já estamos ferrando com o planeta, emitindo gases estufa na atmosfera e reduzindo as florestas com o aumento da demanda por alimentos (principalmente carne). E é difícil produzir mais carne sem desmatamento, pois a demanda por mais carne faz com que a demanda por mais terras de pasto aumente (uma solução seria a pecuária intensiva, mas isso é difícil no Brasil, pois é tão mais barato desmatar…). Então a pecuária em si acaba sendo ruim, apesar de terras de pasto em si, serem boas para a redução das emissões, eu admito: http://www.nature.com/nclimate/journal/v6/n5/full/nclimate2916.html. Por último, pra produzir um kilo de carne, quanto de soja não foi necessário para alimentar o boi? Se essa soja fosse utilizada para alimentar seres humanos diretamente, isso não seria bom?

    Então assim, no fundo, apesar de eu entender sua bronca com muitos veganos chatos que tem por aí, você devia agradecer, pois no fundo eles estão fazendo algo que pode amenizar esses problemas ambientais. Inclusive, sou vegano por esse motivo. Penso estar fazendo algo de positivo não só por mim, mas por tudo mundo, inclusive você.

    Pryderi respondeu:

    Nunca vi isso no Lehninger

    Por isso, é importante ler mais de um livro e publicações cinetíficas. Experimente.

    Você aparentemente estudou bioquímica.

    Ah, os novatos no site…

    Comendo arroz e feijão (que como você salientou, é sempre bom deixar de molho, pois fitato é péssimo pra gente), a gente ingere todos esses aminoácidos, não?

    Não.

    Então proteínas não são problemas numa dieta vegana, se a pessoa tiver um pouco de cuidado com a alimentação, não?

    Físico falando de Bioquímica. Enfim…

    fala sobre a famosa B12. Você tem razão, não tem outro jeito de ingerir B12 numa dieta vegana que não a suplementação. É uma limitação fundamental da dieta. Mas suplementando

    Não, não. Vegans dizem que não precisam de suplemento.

    Aparentemente não. Então tomando os devidos cuidados (observando a ingestão de proteínas correta, calorias, gorduras, B12, omega-3, ferro, cálcio, zinco, etc.), há algum problema em ser vegano?

    [Suspiro] Mais um que não entendeu o artigo.

    A propósito, eu e minha esposa somos veganos há um ano, sempre tomando os devidos cuidados com a nutrição.

    Sempre os relatos de eu, a patroa, as crianças e meus pet somos vegans. Sono…

    pra produzir um kilo de carne, quanto de soja não foi necessário para alimentar o boi? Se essa soja fosse utilizada para alimentar seres humanos diretamente, isso não seria bom?

    De novo e de novo e de novo (sim, eu ignorei as outras partes pq já tinha dito no artigo, aí vem mais um lugar-comum. Resposta?

    NÃO, PORRA, LEIA O ARTIGO! Bois não são criados com soja. Sairia caríssimo. Gado intensivo é gado LEITEIRO.

    Então assim, no fundo, apesar de eu entender sua bronca com muitos veganos chatos que tem por aí, você devia agradecer, pois no fundo eles estão fazendo algo que pode amenizar esses problemas ambientais.

    HAHAHUASHUSASHUASHUASHUASHUASHUASHAHAHAHUSUHSAUHSUHUASHUAHA

    Gastando toneladas de água potável, desviando rios para fazer barragens e irrigações? Aham.

    Caio Martins Ramos respondeu:

    Kkkk desonesto pra caralho você. Não não é argumento. Você ignorou pontos chave dá minha argumentação, inclusive o artigo da Nature communications. Você se acha cético, mas você é tão fanático quanto os vegans radicais que eu também desprezo. Ridículo. Continue na sua cruzada fanática contra os vegans. Tô nem aí kkkk

    Pryderi respondeu:

    Religiosos: vc espreme e eles logo logo esquecem a capinha de cordeiro e mostram o que realmente são.

  • ao sou vegano, nem vegetariano nem nada do tipo

    Sabemos ser mentira.

    mas sou crítico e sensato.

    Não é nem uma coisa, nem outra.

    Embora se gabe de usar artigos cientificos, nada impede que sejam incorretos e/ou refutáveis.

    Sinta-se à vontade para provar que estão errados, refutando cada um deles.

    Tem como? 🙂

    (não, claro que sabemos que você não tem).

    Sou dentista e, tendo como base minha área e focando em, por exemplo, oclusão, nos ultimos 50 anos você pode achar mais de 10 (sendo muito humilde ao chutar um valor) de definições diferentes.

    Sabe Teoria da Gravitação Universal? Ela existe há mais de 300 anos. Nem por isso foi derrubada. Seu ponto é?

    Só quero dizer que pode haver artigos cientificos em suas referencias, mas nada implica nelas serem absolutamente corretas.

    Sim. Vamos supor que daqui a um tempo refutem a teoria da gravidade. Logo, ela vem sendo acreditada como existindo, quando, na verdade, gravidade não existe. Pùle pela janela do 40º andar, então.

    Segundo ponto altamente visível: seu argumento base para todo e qualquer comentário que tente refutar seu POSICIONAMENTO (o que de fato nega o nome do site) é xingar e tentar se colocar como melhor ao desmerecer de maneira chula o argumento alheio.

    Eu xcongho gente imbecil que não leu o artigo com todas as fontes e publicações com revisão de pares. Estou esperando alguém me refutar com fontes, não com chororô. Aliás, você tem alguma aí? Não, o meu ARTIGO baseado em FONTES CONFIÁVEIS está aí. Você, por exemplo, está sapateando alegando que POSSIVELMENTE os artigos PODEM (ou não) estar errados. Isso não os desmerecem em NENHUM MOMENTO e são válidos até que alguém (que não será você, pois você não tem como) refutá-lo.

    Estoui esperando essa pessoa, a qual, repito, não será você, pois apenas ALEGA que os artigos PODEM estar errados, sem nem argumentar o motivo (claro, né? Você não leu nenhum deles).

    O escárnio não é uma ferramenta científica!

    Claro que não. Escarnecer gente ignorante não passa de eu dar atenção a pessoalzinho que não sabe ciência em nível de ensino fundamental. O artigo está com todas as informações. Qual vegan chegou debatendo de forma civilizada? Os que vieram foram respondidos adequadamente. os manezões enviados pelo Robson (manda um abraço pra ele) chegam com quatro pedras nas mãos. Sim, seram alvo de chacota.

    E os artigos publicados ainda são válidos. Vais ter que aceitá-los, dentista. Ou nada do que você estudou (estou aceitando que você realmente seja dentista, mas não é problema meu) tem validade também. Resultado, você pode estar ferrando a vida dos pacientes. Jogue seus livros fora, pois eles podem estar errados. Tente ser trocador de ônibus.

    Sim, foi escárnio 😀

    Existe muita “desosnetidade” (como você disse) em seu site, ao afirmar sua ideologia e posicionamento como absoluto e totalmente real, irrefutável, o que sinceramente não é.

    Se não é real, mostre. Se não é irrefutável, refute. Só estou lendo bravatas até agora.

    Embora seja onívoro, discordo de muita coisa que disse aqui, até porque, novamente, muitas afirmações aqui são embasadas em ideias e filosofias até mesmo não empíricas (por sinal, palavra que um leitor escreveu errado e por isso não teve uma replica ao falar sobre, apenas um escárnio como alívio para a falta de refutaçao, talvez).

    Blábláblá

    Refutação, por gentileza.

    Enfim, verdades associadas a algo duvidoso e/ou tendencioso ocasiona em incredibilidade.

    Tenho mais que suas palavras vazias dando chilique.

    Se por tudo seu texto estiver correto, os comentários de resposta evidenciam incredibilidade.

    Se estiver certo você andará com uma camiseta dizendo “Sou um idiota e André sempre teve razão”?

    Sua saída é me mandar as publicações que anulam as minhas.

    A arrogância é o maior veneno na mente do cientista.

    Diz o manezão que chaga dizendo que as publicações estão erradas sem apresentar nenhuma, porque eu tenho que acreditar nele, porque este dentista é foda pra cacete.

    Aham. Muito humildão você.

    A pseudociência está cheia de gente assim.

    Dentistas, mais ainda.

    Vamos combinar. Se seu próximo comentário não contiver UM LINK comprovando que as informações aqui estão erradas, ele sequer será publicado. Estou esfregando na sua cara o ônus da prova, a principal mola da Ciência. OU você prova as suas besteiras ou não poder´[a comentar.

    Valendo!

  • Narciso

    Seu exemplo da oclusão não é muito bom, quantas das 10 definições se sobrepõem, são redundantes ou se interseccionam em um ou vários pontos?

  • cloverfield

    Esse artigo já tem mais ou menos uns 8 anos que foi publicado e nesse tempo nenhum de vcs vegans apareceu aqui com artigo científico com revisão de pares.
    Nesse tempo todo vocês só vieram com os mesmos argumentos e falácias, parecendo discos arranhados.
    Se a ideologia de vocês é tão certa assim e esse artigo é todo errado tragam coisas sérias se querem mesmo convencer alguem.

    Lucho respondeu:

    Mas os amigaynhos do Robson Fernando (oi Robson. Tudo bem? Eu sei que você ainda frequenta esse texto. Beijos) produziram um monte de papers mostrando como a alimentação vegan é saudável. Acontece que nenhum foi publicado pois essas revistas científicas estão no bolso da maligna indústria frigorífica (bem como o professor André também está no bolso da maligna indústria frigorífica).

    Monsanto, Bunge e Cargill, essas são boazinhas.

  • Alessandro Bruno

    Veganos, vegetarianos e simpatizantes. Todos seus argumentos já foram refutados ao longo dos anos nos comentários, se não quiser ler tudo vou fazer um favor pra vocês e resumi-los com as respostas. (Porque parece que o povo gosta de criticar sem ler)!

    1. Não quero matar animais pra comer, ou qualquer outro apelo do gênero que maltratamos animais.

    Se você compra sua comida em algum mercado, sinto muito te informar mas toda sua alimentação é conseguida com a morte de vários seres sencientes, a plantação, o armazenamento e o transporte. Assim como nosso luxo de ter energia elétrica, andar de carro e ter tecnologia. Nada disso é necessidade, pode espernear ou xingar mas vocês vivem bem graças a dor e sofrimento de muitos animais

    2. A Pecuária está matando o planeta, eu vi no documentário X que a pecuária causa todos os males do planeta.

    o que você viu foi um texto de propaganda (filme também é um tipo de texto). Tanto a pecuária quanto a agricultura tem altos impactos ambientais e a solução é a Integração Lavoura Pecuária.

    Eu mesmo coloquei centenas de artigos científicos mostrando isso, essa integração é a única forma sustentável de produzir alimentos em escala comercial.

    3. O artigo disse que ninguém pode ser vegano, é mentira porque eu sou e saudável.

    Você NÃO ENTENDEU O artigo, o André afirmou ipsis litteris “Lógico que eu não diria que seres humanos não devem comer vegetais. Devem! Mas também não podem deixar de ingerir carnes, ou então estaremos todos condenados a viver de suplementos alimentícios pelo reso da vida. Reitero a pergunta: Que dieta saudável é essa que não supre nossas necessidades nutricionais?”

    Todo mundo pode ser vegano, é só tomar suplementos, o texto foi feito pra desmentir o mito dos veganos de que a carne faz mal e não deve ser comida por humanos.

    4. A maior parte da soja é produzida pra alimentar boi que vai virar carne.

    De novo, você NÃO ENTENDEU O artigo, “O gado bovino de corte, é tratado com base de cana-de-açúcar como volumoso (cerca de 40 kg/dia) e apenas 3 kg de concentrado (milho + farelo de soja). E obviamente, depois do que os ingleses fizeram, só se alimenta gado de corte com constituinte vegetal (mesmo porque, são herbívoros).” Há um link da própria EMPRABA que demonstra isso.

    5. O documentário X diz que a pecuária produz mais CO2 que todos os veículos do planeta.

    Outra propaganda falsa, nos comentários anteriores eu mostrei um artigo que lista os maiores emissores de CO2 e outro com os maiores rebanhos bovinos do mundo e, adivinhe só, não são os mesmos! Curioso, não. Além disso, se isso fosse verdade os problemas ambientais causados em Londres durante a Revolução Industrial, como o O Nevoeiro de 1952, não seria tão perigosos porque não havia rebanho bovino naquela cidade.”

    6. Os animais merecem direitos, devem ser sujeitos morais.

    Para que haja direitos é necessário que se aceite cumprir com alguns deveres, seguir a lei. Os seres humanos possuem direitos básicos porque fazem isso: as pessoas que não podem responder por si, as pessoas jurídicas, os tutelados etc. Possuem alguém responsável por fazer com que eles cumpram as leis e pode ser processado caso não cumpram.

    E todos os animais, de todas espécies, quem vai garantir que cumpram a lei? Se for o Estado eu vou poder processá-lo cada vez que uma barata invadir meu domicílio ou um mosquito me picar fazendo lesão corporal.

  • Animal Racionalista

    Eu vou construir uma cadeia de raciocínio, me diga se vc discorda de algumas dessas premissas nessa construção:

    Premissa A: O que devemos fazer deve ser determinado por avaliações sobre valor (isto é, avaliações sobre o que é bom ou ruim, melhor ou pior) – (premissa normativa);
    Premissa B: X é ruim (avaliação de valor);
    Conclusão: Logo, devemos evitar X (conclusão normativa).

    Premissa C: Devemos evitar o que é ruim e devemos promover o que é bom (premissa normativa);
    Premissa D: Experiências negativas são algo ruim; experiências positivas são algo bom (premissa descritiva);
    Conclusão: Logo, devemos evitar que existam experiências negativas e promover que existam experiências positivas (conclusão normativa).

    Premissa E: Devemos evitar que existam experiências negativas e promover que existam experiências positivas (premissa normativa);
    Premissa F: Seres sencientes são os únicos capazes de ter experiências negativas e positivas (premissa descritiva);
    Conclusão: Logo, devemos considerar o bem-estar dos seres sencientes (conclusão normativa).

    Premissa G: Devemos considerar o bem-estar dos seres sencientes (premissa normativa);
    Premissa H: Um peixe é senciente (premissa descritiva);
    Conclusão: Logo, devemos considerar o bem-estar do peixe (conclusão normativa).

    Então.. Alguma dessas premissas está errada?

    Eu vejo que se vc negar uma dessas premissas da cadeia de raciocínio, não há nada que nos leve a crer que
    atear fogo num cachorro, estuprar animais, torturar animais, e fazer todo tipo de crueldade aos não-humanos deva ser classificada como anti-ética. E portanto, se eu fosse salvar um animal do seu dito proprietário que está o torturando, eu é que estaria sendo o anti-ético em impedir que ele use sua propriedade como lhe convém. Vc entende que a linha do seu raciocínio nos leva a concluir por esse caminho?

    Se os animais devem ser tidos como propriedade dos humanos, e isso seria ético (de acordo com o seu raciocínio), então tudo o que impeça um ser humano de fazer o que bem entende a sua propriedade, seria considerado anti-ético? Em termos éticos, os humanos devem ter a liberdade absoluta de tratar os animais como bem entenderem?

    No seu entendimento a ética não se aplica a quem não é humano simplesmente porque eles não são humanos?
    Dizer que a ética não se aplica aos animais porque eles não são capazes de entende-la faz tanto sentido quanto dizer que as leis da fisica não se aplica aos animais porque eles não são capazes de entende-las.

    Só uma observação importante..
    A moral é responsável pelo bem-estar da sociedade, cujos conhecimentos desta formam a base daquela. Ela é utilitarista, portanto preza o bem-estar da pluralidade; isto é, um comportamento apenas será moral se ele coadunar-se com aqueles previamente aceitos pela maioria dos indivíduos que compõem a sociedade na qual ele será posto em prática. A moral presta juízo do que é bom e ruim para o bom convívio em grupo; se é bom, é moral. Ela independe de racionalidade. O bem comum é o único fator considerado ao juízo.
    A ética é responsável pela investigação dos valores morais, pelo estudo do comportamento posto em prática na sociedade, independentemente do juízo da moral. Ela baseia-se na filosofia, e não na sociedade. A ética não é utilitarista, na medida em que ela não considera a circunstância social. Ela preza exclusivamente a racionalidade. O objetivo da ética não é prestar juízo sobre o que é bom e sobre o que é ruim, mas sobre o que é coerente e incoerente de acordo com a filosofia. O fundamento lógico é o único fator considerado ao juízo sobre a (in)coerência do comportamento. A ética independe da sociedade, pois ela é universal.

    A ética tem como objeto de estudo a moral. E lida com a questão do que justifica uma ação moral. A ética investiga a coerência da moralidade.
    Dessa forma, o que alguém “tem” de direito é apenas um reflexo das coisas que outros não estarão justificados se fizerem em relação a ele.

    Em resumo, a questão da Ética é descobrir qual é a regra válida, a solução justa. Ética é essencialmente o desafio de refletir sobre tomadas de decisão que envolvam interesses de terceiros.

    Pryderi respondeu:

    Premissa A: O que devemos fazer deve ser determinado por avaliações sobre valor (isto é, avaliações sobre o que é bom ou ruim, melhor ou pior) – (premissa normativa);
    Premissa B: X é ruim (avaliação de valor);
    Conclusão: Logo, devemos evitar X (conclusão normativa).

    Premissa B.1: Bom e ruim é subjetivo. Seu texto longo pode ser bom para você. Para mim é uma algarávia de falácias.

    Você já começou errando, mas vamos continuar a brincadeira, mas saoiba que será seu último comentário, trollzinho de merda que sequer tem coragem de colocar o próprio nome.

    Premissa C: Devemos evitar o que é ruim e devemos promover o que é bom (premissa normativa);

    Premissa C.1: Eu acho muito bom ter uma aloimewntação saudável, com tudo o que a natureza pode fornecer. Também acho muito bom esmagar eus inimigos, vê-los fugindo diante de mim e ouvir o lamento de suas mulheres.

    Premissa D: Experiências negativas são algo ruim; experiências positivas são algo bom (premissa descritiva);
    Conclusão: Logo, devemos evitar que existam experiências negativas e promover que existam experiências positivas (conclusão normativa).

    Premissa D.1: Um churrasco é muito bom.

    Premissa E: Devemos evitar que existam experiências negativas e promover que existam experiências positivas (premissa normativa);

    Premissa E.1: Meus alunos acham que as provas são uma experiência ruim. Eu e qualquer professor que presta pensamos o contrário Novamente, subjetividade.

    Premissa F: Seres sencientes são os únicos capazes de ter experiências negativas e positivas (premissa descritiva);

    Premissa F.1: Vai tomar uma porrada daqui a pouco com essa sua argumentação pela cara.

    Conclusão: Logo, devemos considerar o bem-estar dos seres sencientes (conclusão normativa).

    Conclusão 2: Quem não é sensiente não merece bem estar. Autistas em alto grau, pessoas em coma, com paralisia cerebral e similares estariam de fora desta sua consuão estúpida.
    Conclusão 3: Se pessoas deficientes estão ainda inseridas no grupo que merecem bem-estar, sem elas terem consciência disso, o fator preponderante não é ser sensiente ou não. Uma formiga é sensiete, uma aranha é sensiente, um mosquito é sensiente. Logo, eles teriam direito ao bem-estar segundo sua premissa. Mas você tem um insetivcida em casa que eu sei e não pensa duas vezes em matar uma barata com uma chinelada.

    Premissa G: Devemos considerar o bem-estar dos seres sencientes (premissa normativa);
    Premissa H: Um peixe é senciente (premissa descritiva);
    Conclusão: Logo, devemos considerar o bem-estar do peixe (conclusão normativa).

    Premissa H.1: Vocês, veganzinhos, nunca levam insetos feios em conta

    Então.. Alguma dessas premissas está errada?

    Acabei de mostrar que sim. 😀

    Eu vejo que se vc negar uma dessas premissas da cadeia de raciocínio, não há nada que nos leve a crer que
    atear fogo num cachorro, estuprar animais, torturar animais, e fazer todo tipo de crueldade aos não-humanos deva ser classificada como anti-ética.

    Mas matar mosquitos, cupins, baratas e insetos em geral, juntamente com aranhas, escorpiões etc, tudo bem. Só animais que possuem alguma ligação com seres humanos é que merecem proteção. Você é apenas mais um hipócrita, Robson.

    E portanto, se eu fosse salvar um animal do seu dito proprietário que está o torturando, eu é que estaria sendo o anti-ético em impedir que ele use sua propriedade como lhe convém.

    Como falei: só querem proteger animais que tenham ligação com humanos para satisfazer o próprio sistema de busca no cérebro. Lagartão feio? MATA ELE!

    Vc entende que a linha do seu raciocínio nos leva a concluir por esse caminho?

    Só pessoas burras, estúpidas e ignorantes, Robson.

    Se os animais devem ser tidos como propriedade dos humanos

    Em qual parte do artigo é dito isso? Apeçlo à misericórdia. O argumento de quem nunca teve argumento.

    e isso seria ético (de acordo com o seu raciocínio), então tudo o que impeça um ser humano de fazer o que bem entende a sua propriedade, seria considerado anti-ético?

    Quebrar a casa de um vizinho porque o som está alto e isso fere meu conforto não é ético. Matar animais durante colheitas também não deveria ser.

    Em termos éticos, os humanos devem ter a liberdade absoluta de tratar os animais como bem entenderem?

    (pensando nos surtos de febre amarela)

    Sim.

    No seu entendimento a ética não se aplica a quem não é humano simplesmente porque eles não são humanos?

    Volta e leia o artigo, Robson.

    Dizer que a ética não se aplica aos animais porque eles não são capazes de entende-la faz tanto sentido quanto dizer que as leis da fisica não se aplica aos animais porque eles não são capazes de entende-las.

    O que é absolutamente retardado, porque “leis da física” não são um constructo social, são equações matemáticas que descrevem fenômenos da Natureza. E vivemos contrariando-as, já que a força da gravidade nos puxa pra baixo e nem por isso deixamos de ter aviões.

    A moral é responsável pelo bem-estar da sociedade, cujos conhecimentos desta formam a base daquela.

    Mulheres andarem vestidas é algo que deveria ser imoral?

    Ela é utilitarista, portanto preza o bem-estar da pluralidade; isto é, um comportamento apenas será moral se ele coadunar-se com aqueles previamente aceitos pela maioria dos indivíduos que compõem a sociedade na qual ele será posto em prática.

    Sério? Jaais teria imaginado isso.

    A moral presta juízo do que é bom e ruim para o bom convívio em grupo; se é bom, é moral. Ela independe de racionalidade. O bem comum é o único fator considerado ao juízo.

    ,b>Obrigado por concordar comigo.

    A ética é responsável pela investigação dos valores morais, pelo estudo do comportamento posto em prática na sociedade, independentemente do juízo da moral.

    PÉÉÉÉÉÉ

    Errado. Ainda assim ela é baseada nos preceitos da referida sociedade.Não há nada de antiético segundo o Islã mulheres entrarem na porrada ou homossexuais serem mortos em regimes teocráticos fundamentalistas (sim, judeus ortodoxos não gostam nadinha de homossexuais; só não fazem o que muçulmanos fazem porque são minoria).

    Ela baseia-se na filosofia, e não na sociedade.

    Sim, certo. Filosofia foi dada por Jesus em pessoa, certo?

    A ética não é utilitarista

    Diga isso a Platão e Aristóteles que defendiam eugenia e escravatura, ambas muito bem tidas como éticas na Grécia.

    na medida em que ela não considera a circunstância social.

    Aham.

    Ela preza exclusivamente a racionalidade.

    Diga isso a São Tomás de Aquino e Agostinho de Hipona. Dá uma lidinha lá no que eles consideravam ético.

    O objetivo da ética não é prestar juízo sobre o que é bom e sobre o que é ruim, mas sobre o que é coerente e incoerente de acordo com a filosofia.

    Filosofia: a arte de procurar um gato preto no escuro.

    <O fundamento lógico é o único fator considerado ao juízo sobre a (in)coerência do comportamento. A ética independe da sociedade, pois ela é universal.

    Segundo sua visão, jogar gays do alto de prédios e atiético. Que tal você ir debater com um clérigo fundamentalista muulmano. joga essa que ética é universal e el está errado para ver o que acontece.

    A ética tem como objeto de estudo a moral.

    Você leu isso em qual livro de filosofia barata?

    E lida com a questão do que justifica uma ação moral. A ética investiga a coerência da moralidade.

    Já provei que não.

    Dessa forma, o que alguém “tem” de direito é apenas um reflexo das coisas que outros não estarão justificados se fizerem em relação a ele.

    Nope. Direito é algo que lhe é dado, não porque “existe” Você tem direito a meia entrada no cinema por ser estudante porque um conjunto de leis disseram que sim, não porque é “ético”. Eu, por exemplo, acho antiético retirar cães hiperbem tratados em centros de pesquisa e jogá-los na rua, mas a ralé da qual vc faz parte achou isso muito legal, relegando anos de pesquisa para a vala. Mas vc tá bem de saúde e tem seu planinho, não precisa disso então dane-se quem futuramente precisar daquelas pesquisas, certo?

    Em resumo, a questão da Ética é descobrir qual é a regra válida, a solução justa.

    Ué? Ela já nãonos diz diretamente? Pensei que fosse universal. obrihgado por se contradizer.

    Ética é essencialmente o desafio de refletir sobre tomadas de decisão que envolvam interesses de terceiros.

    Mais uma prova que ela não existe. Tipo: não é um desafio saber que se eu pular do alto doe um prédio, eu cairei verticalmente, conforme sua analogia retardada com as leis da Física. Agora pode ir, falacioso. Não vou dar mais permissão a perfil falso postar aqui.

    cloverfield respondeu:

    … Era o Robson mesmo !?

    É bem o estilo de escrita dele.

    Outra surra no auto proclamado superdotado.

    Alessandro Bruno respondeu:

    Você devia ter lido meu resumo antes de comentar, já respondi sobre o problema de incluir animais entre seres morais:

    “Para que haja direitos é necessário que se aceite cumprir com alguns deveres, seguir a lei. Os seres humanos possuem direitos básicos porque fazem isso: as pessoas que não podem responder por si, as pessoas jurídicas, os tutelados etc. Possuem alguém responsável por fazer com que eles cumpram as leis e pode ser processado caso não cumpram.

    E todos os animais, de todas espécies, quem vai garantir que cumpram a lei? Se for o Estado eu vou poder processá-lo cada vez que uma barata invadir meu domicílio ou um mosquito me picar fazendo lesão corporal.”

    E ninguém pode botar fogo em cachorro e nem outras formas de mal-tratos (no Brasil) porque a lei não permite! Não importa o que eu, você ou qualquer pessoa acha pelo nosso sistema jurídico ninguém pode ser obrigado a fazer ou deixar de fazer nada SENÃO EM VIRTUDE DA LEI. O resto é subjetivo, o que você pensa/acha/gosta/acredita é problema seu.

    Johnny respondeu:

    Cara, já dá até pra reconhecer. Você é o tal do veganóide Melo do “animadruga”, essa já deve ser sua 500ª conta aqui, não consegue parar de sofrer não?

    Márcio S. respondeu:

    O cara tem uma fixação com esse negócio de “atear fogo num cachorro”…
    Isso é preconceito contra o menu do sudeste a ásia!
    Não se pode convidá-lo para queimar uma carninha:

    https://uploads.disquscdn.com/images/dc308f534c555240aed600fc5004f877c0d3ecf8c2afe0f859c116ee8a58126c.jpg

    Pryderi respondeu:

    Mas o experimento mentl de quem salvaria, o bebê humano ou o cachorrinho, ainda está esperando considerações pelos vegans

    Márcio S. respondeu:

    Deve ser porque esse experimento mental dá tela azul neles.

    cloverfield respondeu:

    Ele tem orientalfobia!!!
    Fujam-no antes que ele prenda.

    Johnny respondeu:

    ele parece ter alguma coisa com “estuprar animais” também, talvez raiva de alguma coisa que fez no passado… O.O

  • Anderson Henriques

    Ótimo texto! Muito bem fundamentado. Só uma observação quanto aos comentários …contra a ignorância não há argumentos!

  • Tudo o que esta escrito no texto não muda o fato de que os animais usados na produção de ovo, e leite são extremamente mal tratados e passam a vida inteira em cativeiro

    Solta as franguinhas no mundo natural e veja o que acontece. Estão livres de doenças, protegidas dos intempéries e de predadores, com alimentação farta. Eu acho que vivem muito bem

    os animais usados na produção de carne tem um tratamento semelhante

    Não, porque como é dito na porra do texto mas você não leu, porque é mais um veganzinho analfabeto, gado de corte é criado solto ou seria caríssimo. Então seu papo “vive em cativeiro” cai por terra.

    mas são abatidos mais cedo, como se esses animais fossem apenas materias primas sem vida o que e a real preocupação do veganos.

    Mas quando vê uma barata, mete logo o chinelão em cima. Vcês não passam de hipócritas que só querem proteger alguns animais.

  • Alessandro Bruno

    Eu escrevi um resumo com todos os argumentos que os veganos usam e as respectivas respostas, e não errei nenhum. Devo ser clarividente, rss.

    Sobre seu comentário falacioso e cheio de apelo à misericórdia, vou te fazer um favor e colar a resposta aqui pra você não ter que procurar.

    “Se você compra sua comida em algum mercado, sinto muito te informar mas toda sua alimentação é conseguida com a morte de vários seres sencientes, a plantação, o armazenamento e o transporte. Assim como nosso luxo de ter energia elétrica, andar de carro e ter tecnologia. Nada disso é necessidade, pode espernear ou xingar mas vocês vivem bem graças a dor e sofrimento de muitos animais”

  • Mimimimimi

  • Sou vegano há 16 anos e formado em ciências.

    Não se preocupe. Ninguém é perfeito.

    Não acredito em religiões, dogmas nem superstições.

    ,b>Segue uma e não sabe. interessante.

    Este texto é uma forma lamentável de difamar um princípio ético inclusive fundamental para o equilíbrio da nossa espécie como parte da biodiversidade.

    Sendo formado em “ciências” (não existe formação em ciências. Se pode ser formado numa área científica), você deve saber a importância de periódicos indexados, né?

    Com a popularização do veganismo, é evidente que surgirão os “anti”, que partem de pressupostos corruptos para o difamar porque não o querem compreender e especialmente porque não estão dispostos a mudar uma vírgula das suas vidas.

    Troquem “veganismo” por “islamismo” ou “cristianismo” ou “Igreja Universal” e vejam que interessante.

    Sim, o veganismo é questionável, como todas as ideologias humanas, e tem defeitos e incoerências.

    Isso é uma admissão de erro?

    Mas “desmascarar o veganismo” não me parece algo cabível porque não há nada para ser desmascarado.

    Claro que há. Todas as mentiras que vocês pregam.

    Fiz com muito sucesso, a propósito, e nem foi difícil.

    Há pessoas que exageram, há dogmáticos, há pessoas extremamente chatas e intrometidas em todas as ideologias.

    Isso é a própria definição de vegan.

    Entretanto, pelo que observo (e tento ser sempre crítico), a intromisão dos anti-veganos é muito maior do que a dos veganos.

    Eu nunca fui a um site vegan para encher o saco deles. Já você não pode dizer o mesmo.

    Diariamente tenho de lidar com toda uma sorte de piadinhas repetidas à exaustão.

    Tadinho, pessoal tá sendo malvadinho com ele. Quer um toddynho, quer?

    Ops, toddynho tem leite e vegans não podem tomar. Por isso que você está assim, tristinho.

    A cada vez que almoço ou janto em público tenho de dar explicações, algumas delas básicas e simples para qualquer pessoa minimamente informada.

    Não existe veganismo sem doutrina. Na verdade, ninguém está se importando com o que vc come, mas vc sente a necessidade religiosa de explicar.

    Nunca fiz proselitismo.

    Está aqui achando que eu sou seu terapeuta?

    A maioria dos veganos que conheço também não fazem.

    Volte todos os comentários e veja que não é bem assim, não.

    Mas sofremos preconceito diariamente em forma de piadas.

    Alguém lhe chamou de anti-ético por ser vegan? Agora volta lá pro que vc escreveu primeiro.

    Então, quando porventura não levo na “desportiva” e explico seriamente o que é o veganismo e quais as consequências da indústria da carne e dos laticínios, chamam-me de proselitista.

    Como reconhecer um vegan? Não precisa, ele mesmo fará questão que todos em volta saibam.

    Existe uma coisa que é a normalização de uma dieta imposta e inquestionável.

    <b<Mas não é proselitismo.

    Não existe educação alimentar e as pessoas são extremamente ignorantes nesse tema.

    “Eu sei que estou certo e todos vocês são burros”

    Mas não é proselitismo.

    Portanto, uma pessoa vegana causa tanto espanto e é tão desrespeitada que parece-me normal que algumas partam para o ataque.

    Olha… leia os comentários dos seus coleguinhas aqui e você verá que não é bem assim, não.

    Julianji Matti respondeu:

    Ui, se ofendeu! E distorceu minhas palavras totalmente. Está parecendo um fanático carnista que odeia veganos. Cara, você, em termos de veganismo, é um ignorante preconceituoso. Utiliza-se de uma postura pretensamente científica para espalhar preconceito primário. Não perderei tempo respondendo aos seus comentários engraçadinhos. Se você tem algum respeito pelo rigor científico do conhecimento humano chegará sozinho a uma compreensão mais lúcida sobre o assunto. Mas, em primeiro lugar, terá de se livrar desse preconceito idiota que, diga-se, não é compatível com o ceticismo e com a espiritualidade científica.

    Pryderi respondeu:

    Ui, se ofendeu!

    Um de nos dois invadiu o site do poutro para escrever lamúrias.

    E não fui eu.

    E distorceu minhas palavras totalmente.

    Nope. O quote é o quote.

    Está parecendo um fanático carnista que odeia veganos.

    Religioso é que nem massa de pão. Esprema um pouquinho e vejam como eles começam a escapr. Ademais… hummmm… carnista.

    Sim, eu sou um crnista. Sou um Tiranossauro rex, sou um Aligator, sou o topo da comida alimentar, seu papa-matinho. E se bobear, te coloco na churrasqueira…

    Nhé, melhor não. Carne ruim da praga…

    Cara, você, em termos de veganismo, é um ignorante preconceituoso.

    Mimimimimi :'(

    Utiliza-se de uma postura pretensamente científica para espalhar preconceito primário.

    Eu ouvi refutação? Não, mais lamúrias. Carne faz falta pra essa gente para poderem sair desse estado de franca depressão.

    Não perderei tempo respondendo aos seus comentários engraçadinhos.

    Falta-lhe embasamento. Eu sei, eu compreendo.

    Se você tem algum respeito pelo rigor científico do conhecimento humano chegará sozinho a uma compreensão mais lúcida sobre o assunto.

    Os artigos científicos que eu postei falam por mim.

    Mas, em primeiro lugar, terá de se livrar desse preconceito idiota que, diga-se, não é compatível com o ceticismo e com a espiritualidade científica.

    Espiritualidade de cu é rola, filho.

    Sem ofensa. Não vá chorar, hein? Pega lá sua mandioca de pelúcia.

    Julianji Matti respondeu:

    Criança, você NÃO É engraçado. Boa sorte na sua cruzada dogmática contra o veganismo, Sr. “Cético”. Sua imaturidade lhe impede de ter uma postura científica. É apenas um fanfarrão arrogante. Adeus.

    Pryderi respondeu:

    Olá! Veio choramingr de novo?

    Criança, você NÃO É engraçado.

    Tenho certeza que não sou. Engraçado mesmo é essa sua religiãozinha vagabunda, digna de risos e escárnio.

    Vai, choraminga mais, vai. Tá divertido.

    Boa sorte na sua cruzada dogmática contra o veganismo, Sr. “Cético”.

    Boa sorte com seu retardo mental, invadindo sites alheios para espalhar sua religião.

    Sua imaturidade lhe impede de ter uma postura científica.

    Um de nós trouxe artigos científicos. O outro é um bebê chorão.

    É apenas um fanfarrão arrogante. Adeus.

    Ah, mas você vai voltar que eu sei!