O silêncio de inocentes não impede o lobo devorador de livros

Os livros devem nos lembrar o quão burros e tolos nós somos. Eles são a guarda pretoriana de César, sussurrando enquanto o desfile ruge pela avenida: “Lembre-se, César, você é mortal”. As coisas que você procura estão no mundo, mas a única maneira que um sujeito comum verá noventa e nove por cento delas é em um livro.

– Ray Bradbury. Fahrenheit 451

Este não é um artigo sobre o Alcaide. Não é algo sobre o Senhor Feudal das terras com a Morada do Homem Branco. Vocês passaram o dia todo sabendo sobre isso. No máximo, taqui o link. Sim, o autocrata da cidade determinou que uma história em quadrinhos violava a moral e os bons costumes. Mandou seus “representantes” para verificarem e, se necessário fosse, para tomar as medidas cabíveis.

E sim, esta é a SEXTA INSANA!

Continuar lendo “O silêncio de inocentes não impede o lobo devorador de livros”

A alquimia dos pigmentos medievais

Eu gosto muito dos livrões medievais, principalmente os que vem com iluminuras. As cores eram fantásticas e a técnica complexa.Se fazer um pergaminho já era muito trabalhoso, que dirá preparar e aplicar os pigmentos daquelas artes, e quanto mais artísticos e colorido,maior era o valor do livro (que era mais uma decoração do que efetivamente para leitura).

O problema é que os artistas medievais tinham que fazer suas próprias tintas, ou encomendar. A Alquimia dessa época estava se distanciando do seu misticismo (mas não muito), e enveredava como ciência, para futuramente se tornar aquilo que nós conhecemos como Química. Pigmentos vibrantes eram usados por maceração de substâncias coloridas sólidas e misturadas com ligantes. O resultado tem nos maravilhado ao longo dos séculos.

Continuar lendo “A alquimia dos pigmentos medievais”

Como eram feitos os pergaminhos?

Quando pensamos em obras medievais, a primeira coisa que nos vêm à cabeça são os pergaminhos. Uma técnica que apresenta melhor qualidade que o papiro e se mantém com qualidade depois de séculos. Claro, tudo depende de como ele foi costurado e feito em livros, com capas grossas e bem armazenado. Parte das técnicas se perderam, mas ainda é fascinante como o homem medieval produzia trabalhos de altíssima qualidade, seja pelo conteúdo cultural desses livros, como do ponto e vista artístico, com aquelas capaz lindas e fabulosas iluminuras.

Agora, que tal aprendermos como essas maravilhas eram feitas?

Continuar lendo “Como eram feitos os pergaminhos?”

Seja um explorador com um livro para colorir

Teve uma súbita modinha de livros para colir, como o Jardim Secreto e similares (acho que o título era esse e dei tanta importância que nem pesquisar eu vou). De qualquer forma, cada um faz o que quiser com seu dinheiro, desde que em conformidade com as leis vigentes.

Tempo passou e esqueceram da modinha, mas uma editora pensou: e que tal usar livros para colorir para divulgar Ciência?

Continuar lendo “Seja um explorador com um livro para colorir”

A Biblioteca do Ceticismo.net

Volta e meia me pedem uma relação de livros para ler. Livros que eu tenho e que uso nos meus estudos sobre a Bíblia, Cristianismo Primitivo e religião em geral. Tem até chato que pede foto da minha estante (não perguntem).

Bem, eu gravei um vídeo sobre isso, citando apenas alguns livros e autores. Tem muito mais, mas já dá para vocês começarem. Como fica difícil tomar nota vendo o vídeo, coloquei uma lista aqui no final, com a relação dos autores e seus livros (não todos, mas mais títulos do que eu menciono no vídeo, ou eu teria que gravar um vídeo com uma hora, e eu detesto vídeo com mais de 15 minutos. sendo 10 o ideal).

Divirtam-se:

Continuar lendo “A Biblioteca do Ceticismo.net”

Bruxaria do dia: Pode-se digitalizar livros sem abri-los

Há a expressão que determinada coisa ou pessoa é “um livro aberto”, significando que é facilmente “lido”, isto é, facilmente de se conhecer e antecipar as atitudes. Isso, obviamente, vem do conceito que é preciso abrir um livro para se conhecer o conteúdo lá dentro, e um livro aberto é muito mais fácil de se saber o que tem dentro. O problema é que livros antigos, verdadeiras raridades, não podem ficar expostos ao ar, ou sus páginas irão se deteriorar rápido. Em contrapartida, é um crime ter uma preciosidade dessas e não desvendar os segredos de suas páginas. Pode a Ciência ajudar?

Sim. Ela entrega uma garrafa pro estagiário e diz “segura minha cerveja que eu vou ler este livro sem abrir”.

Continuar lendo “Bruxaria do dia: Pode-se digitalizar livros sem abri-los”

Fragmento de exemplar do Alcorão talvez seja mais velho que Maomé. Talvez

Em nome de Allah, o Clemente e Misericordioso, hoje, aos 17 dias do mês de Dhul-Qada, perfazendo 1436 anos desde o dia da Hégira, a fuga de Maomé (salallahu alaihi ua salaam) de Meca para Medina, leio sobre o teste de Carbono-14 em um fragmento de um manuscrito do Sagrado Corão. Curiosamente, a datação revelou que a feitura do mesmo seria de antes de Mohammed ter recebido a Revelação do Arcanjo Gabriel e ter recitado as passagens.

Não que eu acredite no relato mitológico islâmico (apesar de achar muito legal, confesso), mas há detalhes que as pessoas parecem não ter dado a devida atenção. Para isso você vem aqui, certo? Para aprender mais (além de escrever bobagens, mas só uns poucos fazem isso).

Continuar lendo “Fragmento de exemplar do Alcorão talvez seja mais velho que Maomé. Talvez”

Aventuras na Era da Invenção que já não inventam mais

Frank Reade weekly magazine era de um tempo pré-Smartphone, quando crianças liam, ao invés de ficar na ânsia de apertar a porcaria dos seus celulares. Viajava-se na imaginação ao invés de ter coisas coloridas explodindo no seus olhos, mas que depois não se absorveu nada, mas criando ligações nas áreas de prazer do cérebro, clamando para serem ativadas de novo.

Com o subtítulo Adventures in the Age of Invention (Aventuras na Era da INvenção), por vezes trazendo Containing stories of adventures on land, sea & in the air (contendo histórias de aventuras na terra, mar e ar), Frank Reade lhe levava a um mundo de aventuras a cada semana. Das profundezas do mar até o resgate em montanhas cobertas de neve, com capas desenhadas por artistas da época que imaginavam as cenas e traziam aos leitores um brevíssimo resumo do que ele poderia encontrar nas páginas a seguir.

Continuar lendo “Aventuras na Era da Invenção que já não inventam mais”

A lógica ilógica dos livros de Matemática

Hoje, chegaram, desenharam um pentagrama no chão, escreveram palavras cabalísticas, sacrificaram uma picanha, com um vinho merlot (prato de pipoca é o cacete!) e chamaram meu nome 3 vezes na frente de um espelho quebrado. Diante da minha glória, perguntaram-me sobre um problema de um livro didático de Matemática. E sim, o livro tinha muitos problemas, mas não o que esperávamos encontrar.

Continuar lendo “A lógica ilógica dos livros de Matemática”

Chega de bandidos malvados, quero um vilão toddynho

No tosco mundo de Hades, politicamente correto, nada agrada à grande massa da população, criados a leite-com-pêra e ovomaltine. Todo dia alguém reclama de livro, novela, filme, série e do seu Lourival, porque ele varreu a rua com vassoura de cerdas sintéticas e isso ofende o planeta. No mundo governado por pedagogas, as produções televisivas e cinematográficas, obras literárias e peças teatrais não podem mostrar violência. É feio.

A bola da vez é a série Game of Thrones, porque mostrou o estupro de uma das personagens, e a Interwebs está chilicando com isso.

Continuar lendo “Chega de bandidos malvados, quero um vilão toddynho”