Toscas discussões idiotas proferidas por quem quer aparecer

Como sempre, a falta do que fazer leva as pessoas a criarem tretas no Twitter. E a de hoje é por que temos que ter aula de Literatura estudando Machado e Assis, quando crianças deveriam ler Harry Potter. Óbvio, esta ideia retardada não poderia vir de outro lugar se não do cu de um youtubeiro (cu é aquele negócio de onde sai merda, né?). O problema, mais uma vez, é não entender para que ser escola e muito menos aula de Literatura. Continuar lendo “Toscas discussões idiotas proferidas por quem quer aparecer”

Deputada cria lei para torturar presos lendo a Bíblia

Foi aprovado um projeto de lei aprovado pela Assembleia Legislativa do Maranhão (que os idiotas do G1 acham que o acrônimo seja Alesp) visando melhorar os presidiários. A maravilha? Torna obrigatória a leitura da Bíblia por parte dos bandidos que estão presos. Eu até entendo vagabundo ir em cana por ser bandido, mas alguns castigos são exagerados.

Continuar lendo “Deputada cria lei para torturar presos lendo a Bíblia”

Liberada a primeira parte do livro

Então chegou o prometido. A primeira parte do livro que estou escrevendo  já foi liberada para os apoiadores. Basicamente, o assunto deste livro será religião, como a origem do Cristianismo e seu primeiro milênio, entre outros assuntos. Como eu tinha prometido, estou liberando os textos aos poucos para aquele pessoal que me deu uma forçam imensa me mandando doações. Achei justo dar um bônus para eles, um presentinho ou agrado. Chamem como preferirem.

Mas e os outros, André?

Continuar lendo “Liberada a primeira parte do livro”

Novidades sobre o novo livro, pires na mão e… você falou em irmã?

Dentro em breve, terei novidades. Uma delas é que eu estou preparando um novo livro; dessa vez, focado em religião, crítica textual bíblica e história (da religião, óbvio). Como o sábio filósofo disse, quem quer rir tem que fazer rir, e alguns de vocês me fizeram rir um bocado com o financiamento que vocês me direcionam. Então, resolvi dar um presentinho.

Continuar lendo “Novidades sobre o novo livro, pires na mão e… você falou em irmã?”

Artigos da Semana 18

Eu consegui uma coisa muito legal esta semana que passou. Dar luz a um projeto antigão: ter um ebook com alguns artigos revistos do site. Muitos querem um ebook para lerem no caminho do trabalho ou para quando estiverem viajando sem internet. Bem, consegui dar prosseguimento nisso e já estou vendo o que poderei colocar no próximo

Enquanto isso, que tal darem uma olhada no que postei também?

Continuar lendo “Artigos da Semana 18”

E-Book do site já disponível. Adquira antes que acabe!

Este projeto demorou. Demorou, mas saiu! Por muito tempo as pessoas têm me pedido uma versão ebook dos meus artigos, mas eu pensei que não seria necessário, já que tudo está aqui no site e facilmente acessível. Sim, eu sou um idiota! Eu esqueci que pessoas viajam e nem sempre estão com conexão com Internet.

Mas aí bate aquela vontade louca de ter um ebook, né, minha filha?

Continuar lendo “E-Book do site já disponível. Adquira antes que acabe!”

Rondônia acha que adolescente não pode ler livros. Vão distribuir rótulo de shampoo?

Aquele que não aprende História corre o risco de repeti-la!

Bem, está se repetindo. Em 2010, o Conselho de Educação veio com uma de proibir o uso de livro de Monteiro Lobato em colégios. Os motivos é que ele era racista, preconceituoso e coisas afins. Pegaram como exemplo que o livro chama Tia Nastácia de negra. Acho que era para chamar de “moreninha”. Mas isso já era de outro autor. Para um pesquisador da USP, Monteiro Lobato era racista. Sim, ele era. Shakespeare também era. Vamos cancelar o Mercador de Veneza?

Bem, tanto bateram que começou um barata-voa para tirar das escolas livros “malvadinhos”. O problema é que o vento que venta lá, venta cá. E chegou a vez de Rondônia de proibir o uso de alguns livros tido como muito errados.

Continuar lendo “Rondônia acha que adolescente não pode ler livros. Vão distribuir rótulo de shampoo?”

O silêncio de inocentes não impede o lobo devorador de livros

Os livros devem nos lembrar o quão burros e tolos nós somos. Eles são a guarda pretoriana de César, sussurrando enquanto o desfile ruge pela avenida: “Lembre-se, César, você é mortal”. As coisas que você procura estão no mundo, mas a única maneira que um sujeito comum verá noventa e nove por cento delas é em um livro.

– Ray Bradbury. Fahrenheit 451

Este não é um artigo sobre o Alcaide. Não é algo sobre o Senhor Feudal das terras com a Morada do Homem Branco. Vocês passaram o dia todo sabendo sobre isso. No máximo, taqui o link. Sim, o autocrata da cidade determinou que uma história em quadrinhos violava a moral e os bons costumes. Mandou seus “representantes” para verificarem e, se necessário fosse, para tomar as medidas cabíveis.

E sim, esta é a SEXTA INSANA!

Continuar lendo “O silêncio de inocentes não impede o lobo devorador de livros”

A alquimia dos pigmentos medievais

Eu gosto muito dos livrões medievais, principalmente os que vem com iluminuras. As cores eram fantásticas e a técnica complexa.Se fazer um pergaminho já era muito trabalhoso, que dirá preparar e aplicar os pigmentos daquelas artes, e quanto mais artísticos e colorido,maior era o valor do livro (que era mais uma decoração do que efetivamente para leitura).

O problema é que os artistas medievais tinham que fazer suas próprias tintas, ou encomendar. A Alquimia dessa época estava se distanciando do seu misticismo (mas não muito), e enveredava como ciência, para futuramente se tornar aquilo que nós conhecemos como Química. Pigmentos vibrantes eram usados por maceração de substâncias coloridas sólidas e misturadas com ligantes. O resultado tem nos maravilhado ao longo dos séculos.

Continuar lendo “A alquimia dos pigmentos medievais”