Cacique Cobra Monroe foge convenientemente do convênio com a prefeitura do Rio

É fácil pegar um mentiroso. Basta deixá-lo se afogar na própria mentira, até que ele mesmo vê que não há como sustentá-la e foge como ratos de um navio afundando. Claro que na incrível necessidade de acreditar em coisas fantásticas, como sacis, santas chorando e crente capaz de provar a existência de algum milagre, vemos pessoas desistindo do raciocínio mais óbvio, justificando o injustificável; e é por isso que muitos ainda acreditarão nos poderes mágicos do Cacique Minhoquinha, digo, Chefe Ororo Coral, digo, Funcação Xavier para Médiuns Ladrões, digo, Fundação Cacique Cobra Coral, que alega poder controlar o tempo e volta e meia estabelece “parcerias” com a prefeitura do Rio de Janeiro.

Entretanto, por increça que parível, parece que o amor acabou, o sonho não saiu do forno e a Fundação ralou peito do convênio de forma muito conveniente, mediante o tempo maravilhoooooooooooooso destes últimos dias. Continuar lendo “Cacique Cobra Monroe foge convenientemente do convênio com a prefeitura do Rio”

Pistas de nossas antigas chuvas esquecidas

Olhamos para o passado mediante pistas que existem hoje, no presente. Sabemos de seres vivos que já não existem mais mediante seu registro fóssil, que pode ser desde um dente até uma pegada. Sabemos de como era a superfície do planeta mediante rochas e como era a atmosfera com a análise de amostras de gelo  retiradas da Antártida. Agora, sabemos mais ainda sobre como era a atmosfera em tempos há muito esquecidos por meio de uma coisa tão simples que mal nos damos conta quando cai, a não ser se seu maravilhoso penteado foi feito à base de chapinha: a chuva.

Mas como analisar chuva antiga?

Continuar lendo “Pistas de nossas antigas chuvas esquecidas”

Governo pretende usar a Força para conter desastres (não, não destruirão Brasília)

Com tanto maluco conspiracionista por aí, eu fico pensando como é que ninguém até hoje questionou em que universo vivemos. Há maluco que até estabelece que a Terra não gira ao redor do Sol, portanto, eu posso pressupor que a Terra, ou melhor, o Brasil não está no Sistema Solar. Estamos no mundo de Qward, no Universo de Anti-matéria. Isso pretende explicar as sandices que eu leio no jornal, oriundo das “maravilhas” propostas pelos políticos brasileiros. Agora, na base do “depois da casa arrombada, tranca de ferro”, leio que o Governo Federal pretende criar uma força interministerial do diabo a quatro, pretendendo evitar desastres ambientais.

Continuar lendo “Governo pretende usar a Força para conter desastres (não, não destruirão Brasília)”

Chuvarada por 3 dias. Cadê o índio mágico?

Desde o dia 31 de dezembro do ano passado está chovendo. A prefeitura, ciosa do seus deveres para com a população – e respeitadora com o dinheiro dos impostos – faz o que sabe fazer melhor: merda. Entra ano, sai ano e é sempre vem aquela palhaçada de contratar a infame Fundação Cacique Cobra Coral (como o nome é muito grande, chamemos de Chefe Minhoquinha). Só que, ao que parece, ele não anda muito bom das pernas, digo, do tacape ou seja lá o que ele use para controlar algo que ninguém controla.

Continuar lendo “Chuvarada por 3 dias. Cadê o índio mágico?”

A chuva da desfaçatez

"Brasileiro é tão bonzinhu". Fatalmente, larga maioria nunca viu a Kate Lyra usar este bordão, mas é o que melhor se encaixa nas notícias envolvendo decisões políticas e politiqueiras. Se já não bastava a absurda incompetência com certificado anual de idiotice em épocas de chuvas, onde ano após ano vemos tragédias como a que aconteceu na Região Serrana do estado do Rio de Janeiro, onde o governo assume sua incapacidade de lidar com eventos catastróficos que acontecem todos os anos, mas ainda mandamos tropas para o Haiti. Este é o Brasil.

Agora, outras denúncias chegam, enquanto trolls vermelhos tentam defender suas posições. Políticos não seriam políticos se se preocupassem mais com a população do que com interesses próprios e deixar que os donativos e a ajuda cheguem até a população. Mas, claro, isso é invenção da Imprensa Golpista… ou será que não?

Continuar lendo “A chuva da desfaçatez”

Idiossincrasias humanas frente à catástrofe

Lá pelas tantas, vocês já devem estar até o pescoço com água, lama ou de notícias sobre o temporal apocalíptico que arrasou as cidades da região serrana do Rio. Vale lembrar aquela frase mais do que batida: Crônicas de uma tragédia anunciada. Entra ano, sai ano e a coisa é sempre a mesma. Frentes frias, alta umidade, chuvas torrenciais e desmoronamentos. Todos se unem em oração, lamentos pelos quatro cantos do pais e nada é feito pra resolver o problema. Não adianta chorar o leite derramado se continuamos segurando a jarra de forma errada e o leite continuará caindo de novo e de novo.

Continuar lendo “Idiossincrasias humanas frente à catástrofe”

Caos no Rio de Janeiro: Chuva e incompetência matam mais de 70 pessoas

alagamento.jpgBem-vindos ao Inferno encharcado, conhecido como Rio de Janeiro (ou Hell de Janeiro, como diz um amigo meu). Por causa de uma chuvarada que começou ontem (05/04), em 14h choveu mais que o esperado pr0o mês inteiro. A cidade está um caos (como acontece cada vez que chove muito), o Governador Sérgio Cabral implorou para as pessoas não saírem de casa e o prefeito Eduardo Paes deu a excelente notícia que não adianta ligar para a Defesa Civil.

CHAMEM O CHAPOLIM COLORADO!

Continuar lendo “Caos no Rio de Janeiro: Chuva e incompetência matam mais de 70 pessoas”