Pesquisa indica que quando há maior oferta, maiores as diferenças de escolha

Você pode pensar na sua cândida burrice que homens e mulheres são iguais. Bem, não são. Aceite o fato! Nem mesmo grupos masculinos são iguais entre si e – outro fato a ser aceito – gêneros acabam sendo diferentes e essa diferença é acentuada mediante o lugar em que as pessoas moram.

Uma pesquisa mostrou que as preferências de homens e mulheres diferem mais em países mais desenvolvidos e igualitários do que aqueles poaíses em que o máximo de liberdade que você tem é meter o galho dentro e ficar na sua. Isso vai de encontro à ideia que as diferenças surgem de papéis a serem desempenhados. Morar em países mais “difíceis”, digamos assim, força os dois sexos a se concentrarem nas necessidades; a liberdade permite que as diferenças sejam mais e melhor expressas.

O dr. Armin Falk é professor de Economia do Instituto de Comportamento e Inequalidade da Universidade de Bonn. Já Johannes Hermle é doutorando em Economia na Universidade da Califórnia. Em sua pesquisa conjunta, os dois encontraram evidências que as preferências de gênero diferem mais em países mais ricos e desenvolvidos do que em países toscos (embora eles não tenham usado esta expressão, apesar de ser isso mesmo). Falk e Hermle (parece nome de dupla sertaneja) descrevem seu estudo, que envolveu a análise de dados de uma pesquisa internacional realizada para conhecer as preferências das pessoas em todo o mundo.

Volta e meia pessoal ressuscita esta bobagem de “gender gap” para explicar que empresas pagam menos a muoheres que homens, por pura misoginia. E mais misoginia ainda porque esssa empresas são muito burras, pois poderiam economizar horrores só por contratar mulheres. A questão é que isso é mito. O que está por trás é que homens e mulheres fazem escolhas diferentes, além do fato de mulheres serem péssimas negociadoras na hora de pedir um aumento.

Mas não é só isso! Homens e mulheres pensam diferente, e suas escolhas são diferentes em tudo. Mas essas diferenças entre homens e mulheres são mais pronunciadas em países ricos e que possuem igualdade de gênero? Isso é o que Falk e Hermle procuraram descobrir.

Para saber mais sobre determinados tipos de preferências de gênero, os dois pesquisadores analisaram dados armazenados na pesquisa Gallup World de 2012. Nesta pesquisa, havia muitas informações; dentre elas, sobre como as pessoas se sentem em relação a tópicos gerais, como confiança, paciência e risco. Os dados incluíram respostas de 80.000 pessoas aleatórias de 76 países. Algumas das perguntas foram abertas, enquanto outras foram projetadas para mostrar uma preferência, como qual das duas decisões financeiras uma pessoa tomaria com base no risco e recompensa. Mais especificamente, os pesquisadores se concentraram em respostas no banco de dados referentes à confiança, altruísmo, reciprocidade (tanto positiva quanto negativa) e paciência.

Os pesquisadores descobriram uma tendência: nos países em que o padrão de vida era relativamente alto e onde homens e mulheres tinham direitos quase iguais, as preferências entre os sexos eram mais amplas do que nas outras categorias. E o oposto era verdadeiro para os países mais pobres com direitos limitados para as mulheres. Dá quase pra ver o motivo só de ver isso, mas continuemos.

Tonico e Tinoco, digo, Falk e Hermle também descobriram que, em média, as mulheres tendiam a ser mais confiantes do que os homens e eram mais altruístas. Mas elas também eram menos propensos a assumir riscos e eram menos pacientes. Os homens tiveram menor pontuação na reciprocidade positiva e maior na reciprocidade negativa.

A maior diferença entre países ricos e com maior igualdade de gênero é fácil de entender: como homens e mulheres pensam diferente e escolhem de forma diferente, quando são apresentados inúmueras opções, a tendência é haver maior disparidade. É como você chegar num hipermercado de primeiro mundo com outra pessoa e um comando “compre o que quiserem”. A tendência é ter dois tipos de compras muito diferente ao invés de ir para algum cafundó do Judas, num mercadinho sem grande variedade. Atendência de ambos escolherem a mesma coisa será muito maior.

A pesquisa foi publicada na Science.

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s