Dieta sem gluten ferra mais a sua vida que ajuda

Os 15 anos da Missão GRACE
Congresso Brasileiro de Ufologia: Porque sua vida é chata e precisa de algo pra rir

Glúten virou mania. Glúten engorda, glúten faz mal, glúten faz seu peido ficar fedido, glúten atrai a sua sogra. Tudo e culpa do glúten. Glúten realmente faz mal, mas só se você for parte de 2% da população com doença celíaca., mas levam como se o fim da humanidade estivesse às portas, num imenso apocalipse gluteniano, com seres disformes vindo devorá-lo.

Apareceu não uma, mas várias receitas fitness excluindo o gúten, porque… né? Uma proteína ridícula daquelas te faz ficar como uma baleia, e não aquele monte de doce que você se entope e os trocentos quilos de bacon, tendo bolo de sobremesa e um cafezinho com adoçante. Agora, o que se descobriu? Dietas sem glúten estão associadas à exposição aumentada ao arsênio e metais tóxicos como o mercúrio, e ocorrência dos casos de diabetes.

A drª Maria Argos, professora assistente de Epidemiologia e Bioestatística da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de Illinois em Chicago. Ela estuda câncer, mas câncer-câncer, não as suas notas no colégio. Não, ela não dá a menor bola pra fosfoetanolamina. Sim, ela faz ciência de verdade, publicando suas pesquisas em periódicos indexados ao invés de fazer vídeos apelativos.

Como o Mercado está sempre atento, ao começar esta frescura que glúten faz engordar (não faz), é o mal encarnado (não é) e é bom para galera fitness (não é), correu atrás e as prateleiras estão lotadas de produtos sem glúten. Normalmente, estes produtos contêm farinha de arroz como substituto do trigo, que é de onde o glúten vem. Até aí, nada demais. Arroz é legal, né? Seria, se essa gramínea sacana não fosse um bioacumulador, ou seja, o arroz, que é cultivado em alagados, absorve tudo o que tem na água, isso vale para metais tóxicos e pesados, além de fertilizantes e agrotóxicos. Está lá na água? O arroz chupa tudinho (ops). Aliás, é até por causa disso que ele é usado como biomarcador de contaminação local.

Argos e seus colaboradores analisaram os dados da Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição, buscando uma ligação entre dieta isenta de glúten e biomarcadores de metais tóxicos no sangue e na urina. 73 participantes que relataram comer uma dieta livre de glúten entre os 7,471 que completaram a pesquisa, entre 2009 e 2014. Os participantes variaram na idade de 6 a 80 anos de idade.

As pessoas que relataram comer com uma dieta livre de glúten tiveram concentrações mais altas de arsênico em sua urina e mercúrio em seu sangue, do que aqueles que não o fizeram. Os níveis de arsênico eram quase duas vezes mais altos para as pessoas comendo uma dieta sem glúten, e os níveis de mercúrio foram 70 por cento maior.

Ou seja, alguém aí está fazendo merda com a lavoura de arroz, e isso vai refletir na sua saúde. Mas não é a carne que dá câncer? Tipo… arroz é um vegetal, não?

O Brasil a cada ano importa mais e mais arroz, principalmente da China, para manter o abastecimento. Sabemos bem que China não tem muitos problemas em tascar qualquer coisa na água, como inseticidas, produtos químicos oriundos de processos industriais sem tratamento e qualquer porcaria tóxica.

Assim, podemos imaginar o quanto de substâncias tóxicas estamos ingerindo todos os dias, independentemente de ser glúten-free ou não.

A pesquisa foi publicada no periódico Epidemiology (pois é. Nem abstract tem)

Os 15 anos da Missão GRACE
Congresso Brasileiro de Ufologia: Porque sua vida é chata e precisa de algo pra rir

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quer opinar? Ótimo! Mas leia primeiro a nossa Polí­tica de Comentários, para não reclamar depois. Todos os comentários necessitam aprovação para aparecerem. Não gostou? Só lamento!

  • Olha, minha cunhada foi fazer um curso para produção de alimentos sem glúten. O motivo era apenas oferecer produtos gluten free para os celíacos. Pois bem, a primeira coisa que ela ouviu foi: Depois que você usa um forno para assar um pão normal não é possível usar um que utilize farinhas e modo de preparo para pessoas alérgicas ao glúten… Seria necessário esperar uma quantidade de horas (pelo que falou 5) para que não ocorresse contaminação com o glúten. Parece que a proteína quando assada meio que se espalha pelo ar e dá aquele cheirinho gostoso que abre o apetite da gente (pão fresquinho)! =D
    Bem, quanto ao lance do arroz… PQP é a Operação Carne é Fraca Chinesa… Que b*sta.

  • Narciso

    Outra dessa onda de faz mal por que virou mania dizer que faz mal são alimentos ácidos, com um monte de pessoas dizendo que tal alimento é 1832737xn mais acido que o sangue e por isso vai acidifica-lo ou o corpo consumira muita energia e recursos para neutraliza-los.

    Pryderi respondeu:

    As besteiras do Lair Ribeiro

    Gui respondeu:

    E nessa onda não podem faltar as palavras mágicas “é altamente cancerígeno”, “alimento x causa câncer”, “é o alimento mais tóxico que existe”, entre outras similares.

    E não sei se já tem algum tempo, mas elencaram o leite de caixinha como vilão também.

  • Gui

    O lado bom dessa moda é que pelo menos as pessoas que realmente são celíacas têm mais disponibilidade de produtos para sua alimentação.

    Pryderi respondeu:

    Sempre tiveram. Só que o mercado agora apelou para tascar nos postos de venda qq porcaria

  • Marwin Soares Damaceno

    Tenho duas perguntas:
    1. A farinha de banana-verde também é cheia de toxicinas?

    2. Todas as plantas com alta necessidade de água correm risco de ter altas concentrações de toxinas também?

  • RC

    Infelizmente tive que cortar o glúten porque suspeito de que ele tenha me causado problema no sistema nervoso periférico e autônomo. Depois que cortei os sintomas se foram, embora possa ser apenas coincidência. Mas há relatos de pessoas celíacas cujos exames negativaram e que não tem um intestino reativo ao glúten. Além disso, para quem tem refluxo agressivo, o glúten parece ser um agente bastante nocivo. Nada disso é mera suposição. Então há mais por trás do glúten do que celíacos tradicionais.