Para conter Polícia Federal, apela-se para trabalho de macumba

O Brasil está vivendo seus dias em que os orcs se soltaram, vieram pro Brasil e confundiram Brasil com Minas Tirith, já que é tudo branquinho. É processo pra todo lado, é Lava Jato, é Lava, Passa e Cozinha, é tiro, porrada e bomba, é político fazendo o que melhor saber fazer: merda. Nesse meio tempo, a Polícia Federal começou em 2 de fevereiro deste ano a Operação Mascate, uma fase da Operação Lava Jato. Nisso, o agente fazendário Ary Ferreira da Costa Filho, ex-assessor especial de Sérgio Cabral, foi pro xilindró ver propina nascer quadrada.

Mas ele conta com poderes do além, do aquém e da onde véve os mortos. Sua esposa contratou uma mãe de santo que fizesse uns trabaio para dar um jeito nisso.

Continuar lendo “Para conter Polícia Federal, apela-se para trabalho de macumba”

Em Balneário Camburiú, tem cego que não se enxerga

Olga Souza tem 57 de inutilidade. Como professora devia se tocar de certas coisas, mas não. Essa senhora – professora ainda por cima! – é completamente sem-noção. Saiu do seu Rio Grande do Sul e resolveu se achar mais que todo mundo insistindo em algo chamado “diversão pessoal”, pois é uma hedonista egocêntrica, para quem só existe ela e mais nada. Quando muito, essa senhora, que só pensa em si mesma, levou seu cachorro para a praia em Balneário Camburiú, que nada mais é que uma praia mixuruca, mas isso é detalhe. O problema é que esta senhora não sabe que é proibido levar cães às praias, mas se achou acima de todo mundo e não atendeu ao pedido de outros banhistas. Uma pouca vergonha!

Continuar lendo “Em Balneário Camburiú, tem cego que não se enxerga”

Aluno preso por ter feito um relógio e sido confundido com um terrorista

No lar dos bravos e terra dos livres, você tem a oportunidade de ser o que quiser, fazer o que quiser, construir seu brilhante futuro, rumo a um horizonte de oportunidades… mas só se você for da cor certa. Ter o sobrenome adequado também pode, ou ajudar bastante, ou ferrar sua vida de vez. Que o diga Ahmed Mohammed.

Qual o crime de Ahmed? Ele fez um relógio em casa. O azar dele? Ele mora no Texas.

Continuar lendo “Aluno preso por ter feito um relógio e sido confundido com um terrorista”

Bandidos, policiais e a insegurança que nos segura

O caos abraçou a frente da Catedral. O homem armado com um revólver mantinha uma mulher como refém nas escadarias. Outro homem chegou, um morador de rua. Ele queria salvá-la. O samaritano empurrou o meliante, este caiu, mas conseguiu usar a arma para acertar o samaritano, que caiu, tombou. 2 tiros tiraram-lhe a vida. A mulher escapou, mas a policia chegou, ciosa dos seus compromissos em proteger a população, e encheu o sequestrador de tiros.

Isso não é roteiro de um filme. Não é uma novela. É a vida real, e aconteceu hoje, em frente à Catedral da Sé, em São Paulo. Duas pessoas morreram. Um criminoso e um cidadão comum. Mais um dia violento, mais um início de final de semana problemático. Mais uma SEXTA INSANA!

Continuar lendo “Bandidos, policiais e a insegurança que nos segura”

Professores de Curitiba ganham uma pequena amostra de democracia

Ontem, no Paraná, as hostes do Senhor do Escuro enfrentaram os hobbits. Do alto da Torre de Orthanc veio a ordem para o confronto. As trompas soaram e o pau comeu na casa de Noca. A Demo Cracia brasileira ribombou e mais de 200 pessoas saíram feridas quando um grupo de visigodos atacou pobres policiais militares. Armados de réguas, apagadores e bastões de giz, professores maníacos investiram contra os servidores que estavam lá e mal garantiram sua integridade física, tendo unicamente escudos, balas de borracha, cacetetes, sprays de pimenta e totalmente protegidos.

Sabemos que a pena é mais poderosa que a espada, e aquelas figuras maléficas que ficam torturando nossas crianças mostraram a insanidade e intransigência de simplesmente se recusarem a ter ridículos direitos serem democraticamente usurpados. Aonde iremos parar?

Continuar lendo “Professores de Curitiba ganham uma pequena amostra de democracia”

Professora faz seu trabalho e toma BO pela cara

Ser professor não é fácil. Quando não tem gente tentando te bater, matar, esfolar ou xingar – não necessariamente nessa ordem ou pode ser tudo ao mesmo tempo –, ainda tem que lidar com coordenadores insanos, diretores psicóticos e mães de alunos totalmente sem noção.

Um exemplo desse último teve lugar no município de Caxias do Sul, RS. A professora mandou um recado pros pais por causa da filhinha querida não ter entregue o trabalho solicitado. A mãe olhou o recado da professora e resolveu que isso não ia ficar assim! Foi na polícia e registrou um Boletim de Ocorrência. Legal, né?

Continuar lendo “Professora faz seu trabalho e toma BO pela cara”

Instant Karma: Padrasto estupra e mata criancinha e acaba virando menininha na cadeia

Eu adoro a língua alemã. Eles, praticamente, têm uma palavra para qualquer coisa. Se não têm, criam uma, nem que seja gigantesca. A palavra de hoje é maravilhosa "Schadenfreude" (pronúncia: "chadenfroide"). A tradução seria "sentir prazer quando o outro se ferra lindamente". Foi exatamente isso que eu senti quando eu li sobre um professor de Jiu-Jitsu malvadão, fortão e o caramba a quatro, que faz e acontece. O crime dele? Pouca coisa: meteu a porrada e violentou sexualmente uma criança de quase dois anos de idade.

Jesus mandou amar nossos inimigos. Nêmesis, a Vingança dos Deuses, não tem esses melindres e mostrou que ainda há justiça, nem que seja poética, posto que o valentão virou deleite de 20 bandidos lá que usaram, abusaram e lambuzaram do sujeito. Eu ri! Ri e não me envergonho!

Continuar lendo “Instant Karma: Padrasto estupra e mata criancinha e acaba virando menininha na cadeia”

Policial roda a paulista e invade sala-de-aula. Mas não era para se alfabetizar

No Rio de Janeiro costuma-se dizer que a diferença entre polícia e bandido é a farda. Longe de mim generalizar assim, mas eles bem que dão motivo às vezes. O caso de hoje não aconteceu hoje e sim na quarta-feira, 24/10, onde um PM resolveu que escola pública é a casa da mãe Joana (é, mas ninguém precisa saber disso) para dar esporro nos alunos, defecando e se locomovendo se tinha professor em sala.

Algemados frente ao péssimo serviço de (in)segurança pública, esta é a sua SEXTA INSANA!

Continuar lendo “Policial roda a paulista e invade sala-de-aula. Mas não era para se alfabetizar”