Twitter do Ceticismo apagado. Ó o Ceticismo de volta aí!

Se você me segue no Twitter, é capaz de não ter percebido, já que isso dependerá da frequência que você acessa. Bem, o Twitter volta e meia me sacaneia suspendendo a minha conta. Na última vez, eu fiquei puto e criei uma conta de backup.O problema é que não pode dizer que pessoal lacrador está errado e que índios saem caçando a torto e a direito, inclusive causando extinção de espécies.

O curioso do Twitter é que ele mesmo já falou que o viés dele é mais pro lado esquerdista. E não se pode questionar índio, mesmo quando o “índio” é o pessoal com arqui8nho e flechinha no perfil, mas é branco que mora na cidade e pede comida pelo iFood. Moral da história, tomei ban de vez, e o ban da conta de backup que eu não usava.

Continuar lendo “Twitter do Ceticismo apagado. Ó o Ceticismo de volta aí!”

Devemos ser intolerantes com a intolerância? (LEIA ANTES DE COMENTAR)

Com toda a onda de maníacos saindo em passeada divulgando ideias neo-nazistas pelas ruas de Charlottesville, cantando hinos, tremulando bandeiras e fazendo Sieg Heil, questionou-se por que permitiram fazer isso. A questão é que a Primeira Emenda da Constituição dos EUA permite qualquer manifestação de pensamento, resguardada pela lei dos Direitos Civis, que não tem nenhuma ressalva sobre o que você pode exprimir, diferente do Brasil, que tem lei federal que proíbe expressamente divulgação de ideologia nazista.

Daí, alguns espertões de Wikipédia resgataram um trecho de um livro do filósofo Karl Popper, o qual estabelecia um argumento do porque não tolerarmos a intolerância alheia, e a isso ficou conhecido como Paradoxo da Intolerância, que como toda proposição filosófica tem probleminhas se você não pesquisa nem pára para pensar (*construção frasal ruim, mas estou com preguiça).

Continuar lendo “Devemos ser intolerantes com a intolerância? (LEIA ANTES DE COMENTAR)”

Sobre Publicações Científicas com Acesso Aberto

Eu já discuti isso num artigo, mas o pessoal tem predileção por vídeo também. Neste aqui eu falo como ter acesso ao conhecimento é complicado, e as editoras de periódicos científicos não facilitam. Cobram absurdas quantias de dinheiro só para ler um artigo; e isso quando não cobram do pesquisador também.

A União Europeia resolveu acabar com esta farra decidindo que até 2020 todas as publicações feitas por pesquisadores em institutos europeus terão que ser de acesso aberto. Qualquer um poderá ler sem pagar nada. As editoras, parece, não estão gostando muito. Tadinhas. Bem, sem delongas. Vamos ao vídeo?

Continuar lendo “Sobre Publicações Científicas com Acesso Aberto”

UE quer todos os artigos científicos com acesso aberto até 2020. Chora Elsevier!

Eu já falei sobre isso duas vezes, e não me repetirei. Cheque os artigos O paywall de artigos científicos deveria acabar  e A guerra contra o paywall dos artigos científicos continua. Lá eu deixo claro sobre a celeuma da abertura dos artigos científicos, nem que seja por vias um tanto questionáveis como o SciHub.

Afinal, a quem pertence o Conhecimento? A quem pertence os terabytes de dados produzidos, os terabytes de informações publicadas, compartilhadas, divulgadas e… presas a um sistema em que você tem que pagar para ler uma pesquisa, sendo que este dinheiro não vai para o pesquisador? Bem, a União Europeia bateu o martelo e disse que até 2020, todas as pesquisas feitas em instituições de lá terão que ser de acesso aberto.

Continuar lendo “UE quer todos os artigos científicos com acesso aberto até 2020. Chora Elsevier!”

A guerra contra o paywall dos artigos científicos continua

Aaron Swartz deveria entrar no meu rol de Grandes Nomes da Ciência, mas eu teria pouco a escrever sobre ele, sua trajetória, enfim. Talvez seja um erro mas não é por falta de merecimento. Ele merece. Tal qual Prometeu, Swartz trouxe algo do reino dos deuses e deu aos Homens, pagando uma penitência severa por isso, e agora é tarde. Swartz já não está mais entre nós. A drª Alexandra Elbakyan é uma seguidora, herdeira, digamos assim, do Prometeu moderno.

Ambos caçados, ambos perseguidos. E pelo mesmo motivo:o Conhecimento. Ou a divulgação dele, de forma que os meros mortais tenham acesso a tudo que se produz em termos de publicações científicas.

Continuar lendo “A guerra contra o paywall dos artigos científicos continua”

De volta nós estamos. Livres nós ficamos!

Foi uma semana de extrema dor de cabeça. O site estava fora do ar, por causa da incompetência alheia, aliada ao péssimo serviço e a tradição do empresariado brasileiro de contratar idiotas para atender, corrigindo, para enrolar as pessoas, ao invés de solucionar os seus problemas.

Depois de ficar brigando com atendentes retardados que pareciam colocar o dedo na boca, inclinar a cabeça de lado e dizer "É… tá fora do ar. Problema no servidor…" resolvi fazer algo que já devia ter feito há muito tempo, mas minha preguiça impedia (sim, eu sou o maior culpado: contratei uma nova hospedagem.

Continuar lendo “De volta nós estamos. Livres nós ficamos!”

A democrática ditadura do Brasil

É bem inusitado que quase todas as ditaduras tenham a partícula "Democrática" ou "Popular" em seus nomes oficiais. É uma ironia nefasta! Mas há coisa pior: o Brasil, terra do povo mais amigo e cordial do mundo (SQN), mostra a sua cara; ou melhor: o brasileiro mostra a sua cara.

E tudo o que vemos são as formas mais monstruosas, capazes de fazer Stephen King se esconder debaixo da cama e H. P. Lovecraft ter pesadelos horríveis. E tudo por causa de um processo que é democrático no nome, mas que encerra a genuína vocação do brasileiro médio em voltar para uma ditadura.

Continuar lendo “A democrática ditadura do Brasil”

Eu sou uma abominação!

Por anos eu não entendi a minha condição. Eu olhava as pessoas ao meu redor e percebi que era diferente delas. Eu não via o mundo como elas. Elas não aceitavam como eu era. Eu não podia fazer muitas coisas que os outros meninos faziam, dado a um problema que eu tenho, que eu nasci. Descobri logo cedo quem e o que eu era. Isso me deprimia. Eu queria ser igual aos outros, mas não era. Eu queria ser reconhecido como um igual, mas eu não era igual. As outras crianças perceberam e riam de mim. Estava na minha cara, não tinha como negar. Meninos e meninas apontavam para mim e riam "Lá vem ele", gracejavam. Mil e um apelidos me colocaram. Fui agredido verbal e fisicamente. E isso porque eu era diferente.

No colégio, os professores olhavam para mim com expressão de desaprovação. Eu não era perfeitinho como os outros. Era deixado de lado. Como estudei num colégio católico, era visto como uma imperfeição, perante as leis de Deus. Deus, esse cara que sempre fez tudo certinho e perfeito. Deus esse que não cometia erros e se eu era diferente, eu era o errado. Eu era uma abominação.

Continuar lendo “Eu sou uma abominação!”

Índios, hipócritas e politicamente ditatorial

Eu não sou mais criança. Sei bem que conceitos são lindos no papel, mas não passam de conceitos, não existindo no mundo real. Liberdade de expressão, debates civilizados e coisas assim são lindos em princípio, subitamente largadas de mão quando colocamos nosso primeiro post num blog e liberamos os comentários.

A bola da vez é um jornalista que deixou clara a sua opinião sobre a palhaçada que anda nas redes sociais. O bando de adolescentes retardados resolveram contra-atacar e a tapioca bateu no ventilador.

Continuar lendo “Índios, hipócritas e politicamente ditatorial”

Livro aponta compaixão abolicionista como fonte da teoria da evolução por seleção natural

Por Marcelo Leite
Folha de São Paulo

Os 200 anos de nascimento de Charles Darwin forneceram ocasião para um frenesi editorial. Celebrou-se a efeméride sobre o único grande pensador do século 19 a atravessar o 20 incólume, ou bem adaptado, com dezenas de livros. Darwin foi exumado, de novo, para demonstrar o excelente estado de conservação do mito do cientista guiado apenas pelas luzes da razão e dos fatos.

Eis o homem cujo pensamento pôs a religião de joelhos. Aquele que expulsou os vendilhões de valores do templo do conhecimento objetivo. O profeta barbudo da teoria que tudo explicou e tudo explicará, muito além de Marx e Freud. Continuar lendo “Livro aponta compaixão abolicionista como fonte da teoria da evolução por seleção natural”