Narcisistas adoram tirar onda em redes sociais

O título parece um sonoro lampejo do óbvio. Talvez porque seja, mesmo. Mas Ciência é baseada em testar hipóteses, por mais óbvia que pareçam. Sendo assim, pesquisadores começaram a estudar pessoas e suas relações com redes sociais e chegaram à conclusão que narcisistas adoram tanto a si mesmos que fazem de tudo para aparecer, inclusive enchendo a droga do saco, de forma que você e todo mundo saibam disso.

Desde o número de amigos, até a quantidade de postagens por dia (normalmente, um monte de inutilidades, lixo e merda em geral), tudo isso já vem sendo tabulado há muito tempo em cerca de mais de 60 estudos. Agora, uma revisão completa e tabulação desses dados dá maior acurácia ao que vem sendo analisado nesse tempo todo.

Continuar lendo “Narcisistas adoram tirar onda em redes sociais”

Brasil se ferrou no Ideb de novo. Digam a novidade!

E mais uma vez o Brasil conseguiu aquilo que faz de melhor: ser uma vergonha em termos de Ensino. “Vergonhoso” foi exatamente a palavra que o ministro da Educação, José Mendonça Bezerra Filho descreveu a situação. Estamos na rabeira de novo, nossos alunos não sabem nada, o Ensino está uma bosta e a perspectiva de melhora só não é zero, porque ainda tem gente idiota que acredita no futuro.

Eu acredito. Acredito que este futuro é bem negro.

Escrevendo na lousa o tanto que estamos ferrados, esta é a sua SEXTA INSANA!

Continuar lendo “Brasil se ferrou no Ideb de novo. Digam a novidade!”

Vó, ó o vilão malvado aqui, ó!

Nada pior que gente chata. Ah, sim, tem as pessoas sem senso de ridículo, Não, péra. Tem os ofendidos profissionais, os militantes e gente com preguiça de dar cabo daquela pia imunda em casa. O que arrumaram dessa vez? Simples, estão reclamando de tudo. Desde propaganda de hamburgueria até o outdoor da Fox promovendo X-Men Apocalipse.

Se o objetivo é ter um mundo chato, gerido por retardados, estamos no caminho certo de ter o mundo inteiro como um gigantesco Brasil.

Continuar lendo “Vó, ó o vilão malvado aqui, ó!”

A Falácia da Bifurcação

O mundo anda polarizado demais. Se você não é a favor, é contra. Se for contra, tem que ser MUITO CONTRA, ou será a favor. De partidos políticos a opções de alimentação, passando por religião, times de futebol ou tipo de calçado.

Essa ideia imbecil acaba sendo danosa para qualquer tipo de conversa e parte para ataques pessoais. Mas antes de chegarmos no ad hominem, partimos da falácia da bifurcação.

Continuar lendo “A Falácia da Bifurcação”

Usando o Twitter para entender as pessoas. Ou tentar, ao menos

O Twitter é algo interessante. Criado para ser um microblog em que você postaria coisas da sua vida em, no máximo, 140 caracteres, virou um sistema de compartilhamento de notícias e bate-papo. Mais o segundo do que o primeiro. De acordo com a empresa do passarinho, são 316 milhões de usuários ativos, porque, como sabemos, só em informática e tráfico de drogas que se tem usuários. São 500 milhões de tweets diários, isso desde anúncios da Presidência da República até gente fazendo o favor de informar o que acontece quando peida.

É um fluxo de informação (e desinformação) imenso. Será que daria para fazer algo legal com isso? Bem, pesquisadores analisaram cerca de 20 milhões de tweets, de forma que possam (tentar) entender um pouco mais sobre as pessoas em situações daquilo que chamam de “mundo real”.

Continuar lendo “Usando o Twitter para entender as pessoas. Ou tentar, ao menos”

Manual Básico do Debate

O debate é uma das maiores conquistas dos seres humanos. Nós aprendemos a dialogar, aprendemos a expor ideias e compartilhá-las. É dessa troca, dessa interação que descobrimos muitas coisas. O problema é que isso é lindo no papel (ou numa postagem de blog), mas as pessoas tendem a ser tirânicas com relação à opinião alheia.

Volta e meia me perguntam como abordar um tema num debate, como atacar o oponente, como expor suas ideias. Eu normalmente não respondo este tipo de pedido, porque, filhos, quem entra na chuva é para se queimar (MATHEUS, V.). Se você não tem condições, pense duas vezes. Mas isso não impede de eu dar dicas básicas. Não será um compêndio total e profundo de coo debater pela Internet, mas ajudará bastante.

Continue lendo >>

Chega de bandidos malvados, quero um vilão toddynho

No tosco mundo de Hades, politicamente correto, nada agrada à grande massa da população, criados a leite-com-pêra e ovomaltine. Todo dia alguém reclama de livro, novela, filme, série e do seu Lourival, porque ele varreu a rua com vassoura de cerdas sintéticas e isso ofende o planeta. No mundo governado por pedagogas, as produções televisivas e cinematográficas, obras literárias e peças teatrais não podem mostrar violência. É feio.

A bola da vez é a série Game of Thrones, porque mostrou o estupro de uma das personagens, e a Interwebs está chilicando com isso.

Continuar lendo “Chega de bandidos malvados, quero um vilão toddynho”

Por que Hodor só diz “Hodor”? Ciência (como sempre) explica

Vai começar a 5ª Temporada de Game of Thrones, série que o pessoal adora por causa da literatura densa, personagens bem construídos, estilo de narrativa magnífico. Não, péra. Pessoal vê por causa das mortes e da sacanagem generalizada, mesmo. Mas, claro, eu não vou falar sobre série de TV – que não assisti um episódio até agora, nem me interesso – se não fizer alguma observação sobre Ciência junto; e o melhor exemplo, talvez, seja o caso do Hodor, o personagem que tem as melhores falas e o papel mais difícil: só falar "Hodor".

O que se pode dizer sobre Hodor? É o momento em que ficção e medicina se encontram. A Fantasia e a Realidade. E isso para além da 5ª Dimensão. Um lugar onde se abre o Livro dos Porquês.

Continuar lendo “Por que Hodor só diz “Hodor”? Ciência (como sempre) explica”

Chimpanzés mudam de sotaque para fazer amigos. Sotaque?

Sim, sotaque. Lindo, não? Chimpanzé tem sotaque, e o pessoal do Tumblr vai alegar apropriação cultural! Claro, você deve estar se perguntando "como assim ‘sotaque’?". Muito simples. Eles não fazem gruuuuu-bruuuuuuuuuu de qualquer jeito (a onomatopeia é minha e eu digo que chimpanzés "falam" assim. Me processe!). Eles mudam suas entonações para se encaixarem em outro grupo social, o que poderia ser chamado de "sotaque", ou algo próximo a isso.

Examinando dois grupos de chimpanzés no Jardim Zoológico de Edimburgo, biólogos perceberam que eles passavam a grunhir da mesma forma em cerca de três anos. Coisa sem utilidade nenhuma, né?

Continuar lendo “Chimpanzés mudam de sotaque para fazer amigos. Sotaque?”