Pistas de nossas antigas chuvas esquecidas

Olhamos para o passado mediante pistas que existem hoje, no presente. Sabemos de seres vivos que já não existem mais mediante seu registro fóssil, que pode ser desde um dente até uma pegada. Sabemos de como era a superfície do planeta mediante rochas e como era a atmosfera com a análise de amostras de gelo  retiradas da Antártida. Agora, sabemos mais ainda sobre como era a atmosfera em tempos há muito esquecidos por meio de uma coisa tão simples que mal nos damos conta quando cai, a não ser se seu maravilhoso penteado foi feito à base de chapinha: a chuva.

Mas como analisar chuva antiga?

Continuar lendo “Pistas de nossas antigas chuvas esquecidas”

Profetas à solta no Ceará. Tragam o guarda-chuva

Ok, está decidido: as porcaria do mundo não tem salvação. Anos de estudo e pesquisa são jogados no lixo quando fazem um evento anual trazendo "profetas da chuva". Função deles? A rigor, nenhuma, mas juram de pés juntinhos e mãos postas que conseguem prever quando vai chover em determinada região. O pior é que ainda jogam meteorologistas de verdade no meio e acham que isso é enriquecimento cultural. Qual é o problema do Brasil, hein?

Continuar lendo “Profetas à solta no Ceará. Tragam o guarda-chuva”

Governo pretende usar a Força para conter desastres (não, não destruirão Brasília)

Com tanto maluco conspiracionista por aí, eu fico pensando como é que ninguém até hoje questionou em que universo vivemos. Há maluco que até estabelece que a Terra não gira ao redor do Sol, portanto, eu posso pressupor que a Terra, ou melhor, o Brasil não está no Sistema Solar. Estamos no mundo de Qward, no Universo de Anti-matéria. Isso pretende explicar as sandices que eu leio no jornal, oriundo das “maravilhas” propostas pelos políticos brasileiros. Agora, na base do “depois da casa arrombada, tranca de ferro”, leio que o Governo Federal pretende criar uma força interministerial do diabo a quatro, pretendendo evitar desastres ambientais.

Continuar lendo “Governo pretende usar a Força para conter desastres (não, não destruirão Brasília)”

Idiossincrasias humanas frente à catástrofe

Lá pelas tantas, vocês já devem estar até o pescoço com água, lama ou de notícias sobre o temporal apocalíptico que arrasou as cidades da região serrana do Rio. Vale lembrar aquela frase mais do que batida: Crônicas de uma tragédia anunciada. Entra ano, sai ano e a coisa é sempre a mesma. Frentes frias, alta umidade, chuvas torrenciais e desmoronamentos. Todos se unem em oração, lamentos pelos quatro cantos do pais e nada é feito pra resolver o problema. Não adianta chorar o leite derramado se continuamos segurando a jarra de forma errada e o leite continuará caindo de novo e de novo.

Continuar lendo “Idiossincrasias humanas frente à catástrofe”