Pesquisadores criam munição que não faz mal à saúde das pessoas

armas-flores

Guerra é legal para os negócios, mas não muito legal para quem está combatendo. Não apenas isso, tomar um tiro é muito ruim, mas muito ruim também é envenenamento por chumbo. Chumbo não é legal! Toda vez que uma arma dispara, partículas de chumbo são dispersas pelo ar, e isso é muito, muito ruim. Como a responsabilidade ambiental é algo com a qual devemos estar sempre preocupados, uma pesquisa procura desenvolver munição que não seja tóxica, evitando que afete a saúde das pessoas.

Sim, eu espero você terminar de rir.

Continuar lendo “Pesquisadores criam munição que não faz mal à saúde das pessoas”

Projeto e Lei visa autorizar mulheres a ter spray de pimenta e taser

Uma das propostas do atual governo democraticamente eleito (para meu eterno divertimento, já que um sujeito que tinha 8 segundos de TV conseguiu ser eleito graças a um monte de imbecis que o divulgaram de graça) é alterar o estatuto do desarmamento (Lei 10.826/03) para flexibilizar possuir e portar uma arma (ou seja, manda o estatuto do desarmamento pra vala). Eu acho que brasileiro é psicopata por natureza e se por causa de um sujeito com a camisa do time errada já dá muito ruim, imagina pessoal podendo andar armado, seja com um fuzil, um liquidificador ou mesmo um guarda-chuvas. entretanto, eu moro no Rio de Janeiro e… bem, é isso, eu moro no Rio de Janeiro. Isso já deve ser sinal de algo. Eu acho que pelo menos, as pessoas poderiam possuir armas não-letais, como spray de pimenta, taser (aquela maquinha que faz BZZZZZZZT e te dá um chocão) e aquele bastão retrátil que aparece em filme.

Achou uma boa ideia também? SEUS PROBLEMAS ACABARAM! Um projeto-de-lei propõe que seja permitida a compra desse tipo de armamentos não-letais. Como? Você é um homem? SEUS PROBLEMAS COMEÇARAM!

Continuar lendo “Projeto e Lei visa autorizar mulheres a ter spray de pimenta e taser”

Ossos são excelentes para adagas, confirma pesquisa. Seu cunhado tem um para doar?

Papua Nova Guiné é um lugar exótico. Por “exótico” é algo tão longe e esquisito que imaginamos mil cenários; quase todos fantasiosos. Lá poderia ser até Wakanda, mas sem o Vibranium. Só que não é bem assim. Papua Nova Guiné não fica na África, mas na Oceania e é praticamente um monte de ilhas juntas. Aquele lugar é um caldeirão cultural há séculos, com mais de 800 línguas diferentes e uma população de cerca de 7 milhões de habitantes. É praticamente um Rio de Janeiro sem as favelas (não que o país seja muito melhor que isso).

Papua Nova Guiné ainda tem muitos aborígenes, semelhantes aos aborígenes australianos. Alguns deles pertence à tribo Korowai que, por sinal, antropófaga. E por falar em antropofagia, sabe essa imagem que abre o artigo? Pois é, são adagas. Adagas feitas com ossos humanos.

Continuar lendo “Ossos são excelentes para adagas, confirma pesquisa. Seu cunhado tem um para doar?”

Os segredos escondidos numa antiga armadura do século XVI

É muito legal ver filmes tipo capa-e-espada, com cavaleiros usando suas reluzentes armaduras, elmos, luvas, espadas, maças e cavalos (que também tinham suas próprias armaduras). Apesar desta visão romanceada, ela… bem, não direi que é falsa, pois não era, mas muito rara de acontecer. Estas armaduras eram muito caras e só nobres e ricaços poderiam pagar por elas, já que eram feitas sob medida e demorava um bocado de tempo e custava uma fortuna, e só nobres tinham as duas (mas nem todos, também). Quanto mais “rica” a armadura, com pintura, desenhos, enfeites e entalhes, mais ricaço ainda era o cavaleiro. Para guerra normal, a peãozada ia protegido com… bem, na verdade se fossem com um escudo de madeira estavam com sorte. E, claro, o nobre não ia na frente. Isso do rei em sua armadura brilhante, montado num cavalo branco, indo na frente liderando é coisa de filme, também.

Sim, cavaleiros negros existiam, porque existiam armaduras negras. Havia de todas as cores que o cliente quisesse (e pudesse) pagar. Algumas chegariam ao preço de um jatinho particular, mas hoje você pode comprar por uns 1000 dólares, que convertendo pra real, com frete e impostos, dá o valor de um jatinho particular.

Algumas dessas armaduras tinham lindos tons de azul, preto e dourado, mas isso remete a um pequeno problema: como os armeiros dos séculos entre XV e XVII conseguiam isso? Magia? Nah, algo um pouquinho mais engenhoso que isso!

Continuar lendo “Os segredos escondidos numa antiga armadura do século XVI”

Grandes Nomes da Ciência: Clara Immerwahr

Olhos horrorizados viram com um esgar de reprovação o que se descortinava. Cantos da boca retorcidos, mas não tão retorcidos como pulmões sendo dilacerados por uma ameaça gasosa. Os olhos suplicam para que a loucura pare, mas ela não pare, e o pensamento “não foi para isso que eu estudei” cruzou com um ribombar de trovões pela mente brilhante. Críticas e desconfiança. Mãos suadas se esfregam no vestido impecável e pés giram nos tacões recusando que a Ciência pudesse ter um destino de causar dor, morte e desespero.

Esta é a desalentadora história de Clara Immerwahr. Mais que uma química, um lembrete que cientistas são pessoas e estão fadados a quaisquer desvios de caráter como qualquer um.

Continuar lendo “Grandes Nomes da Ciência: Clara Immerwahr”

Bonobos usam ferramentas agrícolas e armas

Eu já contei a história de Kanzi, o bonobo gente boa. Além de fazer fogo, ele constrói e usa ferramentas. Mas Kanzi não é uma exceção entre seus pares. Bonobos são muito espertos. Você viu algum bonobo escrever textao no Facebook ou espalhar bobagens no Whatsapp? Pois é, bonobos são melhores que você!

Agora, uma nova pesquisa acompanhou uma outra colônia de bonobos fazendo uso sofisticado de antigas ferramentas pré-agrícolas de um modo semelhante ao que até agora tem sido considerada a prerrogativa de nossos tatatatataravós. Até armas eles fizeram. O que poderia dar errado?

Continuar lendo “Bonobos usam ferramentas agrícolas e armas”

Evangelismo Badass: Estado norte-americano libera uso de armas em igrejas

Se podemos contar com duas classes prontas para ferrar com a vida dos outros são políticos e religiosos doidos. Nos EUA os dois têm de sobra, mas ainda há o 3º tipo: os maníacos que não podem ficar sem ter uma arma em casa, portar uma arma ou dar uns tirinhos por aí.

Agora, os políticos do estado da Geórgia aprovaram uma lei que permite porte de armas em igrejas. O final eu já sei qual será.

Continuar lendo “Evangelismo Badass: Estado norte-americano libera uso de armas em igrejas”

Gatos do Mal eram armas para alemães no século XVI. Ou quase.

Designers sempre inventaram moda. Estamos acostumados a ver insanidades como o BioLamp e o Plantbook. Só que enquanto hoje os frescurentos designers inventam besteiras para salvar o mundo, antigamente os mesmos designers existiam para tentar destruir tudo, mesmo porque, guerras sempre foram algo muito rentável e Da Vinci ganhou mais dinheiro projetando armas do que pintando a Mona Lisa.

Inventar coisas malucas nunca foi coisa do século XX. Há muito tempo, numa Europa muito atrapalhada, uma turminha de designers aprontava 1001 confusões, enquanto desenhavam armas incríveis, como gatos com bombas amarradas nas costas do barulho e…

MAS HEIN?????

Continuar lendo “Gatos do Mal eram armas para alemães no século XVI. Ou quase.”

ONU acha que robô assassino é golpe sujo, faz mal, fede e engorda

O problema de ler certas notícias é o sorrisinho cínico que acaba se desenhando na gente. Se prostituição é a mais antiga das profissões, vendedor de armas é a segunda mais velha (a terceira é corretor de imóveis. Perguntem aos hebreus). Mas parece que o pessoal dos direitos humanos acham que esse negócio de usar máquinas autônomas prontas para mandar todos os "alemão"1 não é algo, digamos, muito legal. Mandar um mariner armado até os dentes não entrou na discussão.

Continuar lendo “ONU acha que robô assassino é golpe sujo, faz mal, fede e engorda”

Empresa desenvolve lousa à prova de balas para professores

Ser professor não é fácil! Além de enfrentar alunos imbecis, coordenadores sádicos e diretores psicopatas) – não necessariamente nessa ordem –, ainda temos que lidar com algum maluco entrando armado na sua aula e bancar o machão. Isso quando algum maníaco resolve chegar abalando e fuzilando tudo o que vê pela frente. Sério, eu não ganho pra isso! Quem ganha está ocupado invadindo salas-de-aula porque o chamaram de cozinha, digo, buchinha, digo coxinha. Dessa forma, uma empresa resolveu capitalizar em cima e desenvolveu uma lousa branca que pode ser usada como escudo à prova de balas (a foto ao lado é ilustrativa e a modelo não acompanha o produto).

Continuar lendo “Empresa desenvolve lousa à prova de balas para professores”