Grandes Nomes da CIência

Biografias de cientistas conhecidos ou não tão conhecidos assim. Curiosidades e fatos sobre suas pesquisas, inclusive gente anônima que fez ciência e não recebeu os devidos créditos. Mais »

Livro dos Porquês

A sabedoria e o conhecimento. Isso é Poder! Abra sua mente, aprenda mais sobre questões básicas (e complexas) e tire suas dúvidas, de forma mais didática possível, sem ser aquelas aulas chatas de colégio. Mais »

Grandes Mentiras Religiosas

O mundo não é tão bizarro quanto fazem parecer. Mentiras e enganações para ludibriar as pessoas, lindamente desmontados, de forma a trazer à luz a desonestidade para tentar lhe fazer parar de pensar e simplesmente aceitar o que querem que você pense. Mais »

Caderno dos Professores

Para quem quer ensinar e muitas vezes se pergunta como abordar um tema. Como deixar a aula interessante, como levar conhecimento aos seus alunos por meios que pedagogos lhe odiarão, mas serão amados pelos estudantes. Mais »

 

O Milagre de Lanciano Desmascarado

Assim disse o Senhor: Não tentarás o teu Deus. Mas como aqui não acreditamos nessa baboseira e não temos medo de sermos desafiados, aqui está mais um deleite para vocês. Fomos desafiados por email a fazer um artigo sobre a palhaçada conhecida como Milagre de Lanciano. Caso contrário,  “se este fato fosse comprovadamente verdade, a ciência teria de assumir a veracidade e a seriedade da Igreja Católica, bem como um de seus dogmas mais peculiares, a Eucaristia.”

Isso aquece me sangue e faz meus caninos crescerem de satisfação, ainda mais que o próprio e-mail traz a refutação “(…) basta procurar na internet, existem dezenas de sites católicos que relatam este ocorrido”. Imagino que sim, eles até “provam” que os judeus libertavam prisioneiros na Pessach, mesmo sem apresentar prova alguma.

Senhoras e senhores, este é mais um artigo da série: Grandes Mentiras Religiosas – O (pseudo)Milagre de Lanciano.

Tudo começa em Lanciano, claro, na Itália. Lá, no mosteiro de São Legoziano viviam os “monges de São Basílio”. Durante uma missa, o pão que ia ser consagrado (não havia a hóstia, como conhecemos hoje), no momento do ato da consagração, converteu-se em carne e o vinho em sangue, conforme diz o mito. Imagino o auê que não foi. Milagro di Dio!

Ah, sim… esqueci de dizer que isso aconteceu pelos idos do século VIII da Era Comum, uma época de luzes e com um grande avanço científico, não é mesmo? 😉

O pão-que-virou-carne apresentava, como ainda hoje se pode observar, uma coloração ligeiramente escura, tornado-se rósea se iluminada pelo lado oposto, e tinha uma aparência fibrosa; o Sangue era de cor terrosa (entre amarelo e o ocre), coagulado em cinco fragmentos de formas e tamanhos diferentes. Inicialmente essas relíquias foram conservadas num tabernáculo de marfim e, a partir de 1713, até hoje, passaram a ser guardadas numa custódia de prata, e o Sangue, num cálice de cristal.

Isso é o que se sabe do ocorrido. Só isso, nada mais.

No entanto, desde longa data a Igreja Católica sempre precisou de relíquias, de algo físico e palpável que pudesse ser mostrado à população, de modo que acreditassem no deus deles. Mais tarde, eles fariam de outra forma: a ferro e a fogo, através do poder da infame Inquisição.

O tempo passa, o tempo voa, e as pessoas sensatas se recusam a acreditar em qualquer bobagem só porque lhes disseram que era verdade. E aqui começa a verdadeira mentira. A mentira que a Ciência provou ser verdade o acontecido em Lanciano. O texto publicado pelo Zenit em Português segue abaixo, para depois fazermos considerações.

ROMA, quinta-feira, 5 de maio de 2005 (ZENIT.org).- O doutor Edoardo Linoli afirma a Zenit que sustentou em suas mãos um verdadeiro tecido cardíaco quando analisou anos atrás as relíquias do milagre eucarístico de Lanciano (Itália), o mais antigo dos conhecidos.

O fenômeno se remonta ao século VIII. Em Lanciano, na igreja dedicada a São Legonciano, um monge basiliano que celebrava a missa em rito latino, após a consagração, começou a duvidar da presença real de Cristo sob as sagradas espécies.

Nesse momento, o sacerdote viu como a sagrada hóstia se transformava em carne humana e o vinho em sangue, que posteriormente se coagulou. Na catedral estão custodiadas estas relíquias.

Professor de Anatomia e Histologia Patológica, de Química e Microscopia Clínica, e ex-chefe do Laboratório de Anatomia Patológica no Hospital de Arezzo, o doutor Linoli foi o único que analisou as relíquias do milagre de Lanciano. Seus resultados suscitaram um grande interesse no mundo científico.

Em novembro de 1970, por iniciativa do arcebispo de Lanciano, Dom Pacífico Perantoni, e do ministro provincial dos Conventuais de Abruzzo, contando com a autorização de Roma, os Franciscanos de Lanciano decidiram submeter a exame científico as relíquias.

Encomendou-se a tarefa ao professor Linoli, ajudado pelo professor Ruggero Bertelli –da Universidade de Siena–. Com a maior atenção, o professor Linoli extraiu partes das relíquias e submeteu a análise os restos de «carne e sangue milagrosos». Em 4 de março de 1971 apresentou os resultados.

Evidenciam que a carne e o sangue eram com segurança de natureza humana. A carne era inequivocamente tecido cardíaco, e o sangue era verdadeiro e pertencia ao grupo AB.

Consultado por Zenit, o professor Linoli explicou que, «pelo que diz respeito à carne, encontrei-me na mão com o endocárdio. Portanto não há dúvida alguma de que se trata de tecido cardíaco».

Quanto ao sangue, o cientista sublinhou que «o grupo sanguíneo é o mesmo do homem do Santo Sudário de Turim, e é particular porque tem as características de um homem que nasceu e viveu nas zonas do Oriente Médio».

«O grupo sanguíneo AB dos habitantes do lugar de fato tem uma porcentagem que vai de 0,5 a 1%, enquanto que na Palestina e nas regiões do Oriente Médio é de 14-15%», apontou.

A análise do professor Linoli revelou também que não havia na relíquia substâncias conservantes e que o sangue não podia ter sido extraído de um cadáver, porque se haveria alterado rapidamente.

O informe do professor Linoli foi publicado em «Quaderni Sclavo di diagnostica clinica e di laboratório» (1971, fasc 3, Grafiche Meini, Siena).

Em 1973, o conselho superior da Organização Mundial da Saúde (OMS) nomeou uma comissão científica para verificar as conclusões do médico italiano. Os trabalhos se prolongaram 15 meses com um total de quinhentos exames. As conclusões de todas as investigações confirmaram o que havia sido declarado e publicado na Itália.

O extrato dos trabalhos científicos da comissão médica da OMS foi publicado em dezembro de 1976 em Nova York e em Genebra, confirmando a impossibilidade da ciência de dar uma explicação a este fenômeno.

O professor Linoli participa esta quinta-feira no Congresso sobre os milagres eucarísticos organizado pelo Master em Ciência e Fé do Ateneu Pontifício Regina Apostolorum (Roma), em colaboração com o Instituto São Clemente I Papa e Mártir, com ocasião do Ano Eucarístico que a Igreja universal celebra até outubro.

«Os milagres eucarísticos são fenômenos extraordinários de diferente tipo», explicou o diretor do Congresso, o padre Rafael Pascual LC, em «Rádio Vaticano»: «por exemplo, há a transformação das espécies do pão e do vinho em carne e sangue, a preservação milagrosa das Hóstias consagradas, ou algumas hóstias que vertem sangue».

«Na Itália, há vários lugares onde ocorreram estes milagres eucarísticos –declarou–, mas também os encontramos na França, Alemanha, Holanda, Espanha» e alguns «na América do Norte».

Leram tudo? Ótimo! Vamos à refutação, para depois vocês perguntarem: “Como não percebi isso antes?”

O texto diz que foi encomendado ao Professor Edoardo (o nome na verdade é Oduardo) Linoli que pesquisasse a autenticidade em 1970. Que maravilha! Depois de 39 anos, ninguém mais testou o sangue? Hummm… Por quê? Mas isso não é tão importante. O importante é saber, segundo o texto, Linoli foi ajudado pelo professor Ruggero Bertelli, da Universidade de Siena. Já temos o primeiro erro!

Ruggero Bertelli JAMAIS poderia dar qualquer ajuda na análise. Uai! Por que não? Porque Bertelli não é químico, biólogo, patologista ou médico do SUS. Bertelli é ECONOMISTA! Duvidam? Que ótimo, vocês têm mais que duvidar, mesmo. Não se pode aceitar nada sem provas. E a prova está AQUI. Ainda não acreditam? Tudo bem, que tal uma publicação indexada do próprio Dr. Bertelli? Quantos Ruggero Bertelli lecionam na Universidade de Siena, hein? Por que o crente mente? Por que mente o crente?

O texto, copiado na cara de pau por tudo que é site católico, na íntegra, diz que em 4 de março de 1971 apresentou os resultados. Mas, que resultados? Não vi uma publicação indexada atestando isso. Encontro referências, mas não O artigo. Não foi publicado na Science, Nature etc. Dando uma olhada na Wikipédia em inglês, quase todas as assertativas vêm com a observação Citation needed, indicando que não há fonte que sustente. Interessante, não? Olhando as imagens dos supostos laudos, o que vemos são folhas impressas sem nem um timbre sequer. Nada que uma criança não possa fazer no MS-Word ou qualquer processador de texto. So, what?

O texto menciona que sim, aquilo é carne. Tá, vamos dar um pequeno crédito de confiança. O que isso prova? Que ali tem um pedaço de carne E SÓ! Não prova que um pedaço de pão virou carne e vinho virou sangue. Sobre a ocorrência do dito “milagre” ser um pedaço de carne que se liquefaz e volta a se solidificar, realmente trata-se de um milagre… Um milagre chamado Química! O blog De Rerum Natura trouxe um apanhado muito bom, explicando sobre os chamados “milagres de sangue”, e que podem facilmente ser simulados com solução coloidal de óxido de ferro (III) hidratado. Recomendo a leitura.

A cereja do bolo é a parte onde o texto diz: “Em 1973, o conselho superior da Organização Mundial da Saúde (OMS) nomeou uma comissão científica para verificar as conclusões do médico italiano. Os trabalhos se prolongaram 15 meses com um total de quinhentos exames. As conclusões de todas as investigações confirmaram o que havia sido declarado e publicado na Itália.”

Sabem qual é o nome disso? CANALHICE! Da mesma forma que alegaram que a NASA confirmou o dia perdido por causa da batalha de Josué, arrolaram a OMS com uma história envolvendo um conselho que NON EKZISTE! Fazendo uma busca por esse nome, ou sua alternativa em inglês (Higher Council of the World Health Organization), encontramos isso AQUI… É, pois é. Não encontrou-se NADA! Simplesmente, não existe este conselho superior sei lá das quantas. Mentira da grossa!

Sempre a Igreja dependeu dessas lorotas para se mostrar presente. Para um povo tosco e ignorante da Idade Média, é até explicável isso.; O que não é explicável é como no século XXI as pessoas ainda acreditam nestas baboseiras que circulam pela internet, num cópia/cola ad aeternum. Não faz mal, estamos aqui para desvendar estes mitos e expô-los ao que realmente são: mitos.

MITO DETONADO


Capítulo anterior Índice Próximo capítulo

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας