jun 14

Por que os besouros conseguem voar?

17 Comentários
Escrito por .
Biologia, Ceticismo, Ciência, Evolução, Fí­sica, Livro dos Por quês, Mitos Desmascarados

Muitas pessoas possuem dúvidas sobre coisas esquisitas que vêem na Natureza, onde algumas são realmente bizarras! O mais comum é alguém perguntar como um besouro pode voar, se isso viola algo hermético chamado “Leis da Aerodinâmica”, o que impediria o nosso amiguinho hexápode de conseguir realizar tal feito. Além disso, sabe-se que as suas (do besouro) asas são finas, o que impossibilitaria que seu corpo pesado conseguisse se sustentar no ar. Muitos então partem pra falácia do Apelo à Ignorância alegando que já que não se sabe porque isso é possível que alguma força misteriosa ou design “inteligente” seria a causa disso. Mas não é. E se não é, como os besouros conseguem voar, então? Hora de abrir o Livro dos Por quês!

Muito bem, quando nos deparamos com questões problemáticas como essa do besouro, há dois métodos que devemos seguir para que possamos responder a esta questão: 1) O mais fácil (alguém deu essa capacidade ao besouro por vias mágicas); 2) O modo mais difícil (estudar, pesquisar e observar o mundo natural, sem ideias pré-concebidas).

O item número (1) é tentador, pois mexe com a preguiça mental, já que, para algumas pessoas, o ato de pensar é extremamente trabalhoso. Para essas pessoas, pensar dói! Para os que não sofrem desse mal, o método (2) vem a calhar, embora demore para chegar à conclusão final, às vezes.

Bem, voltando ao cerne do artigo, não há nada de milagroso no fato de besouros poderem voar. pelo contrário. A causa do mistério é o fato de se fazer duas observações distintas: o besouro andando numa folha, todo fechadinho, e depois observando voar, sem saber como fica a configuração do seu corpo. O mecanismo que permite que os referidos insetos voem não é apenas um único par asa, como os pombos,mas sim dois pares, movidos por um poderoso sistema muscular. O primeiro par de asas são chamados “élitros” e estão situados na parte superior. Tais asas são bastante duras e funcionam como uma espécie de invólucro quando estão fechadas; por isso, parece que eles só têm apenas asas finas, pois os élitros fechados parecem formar uma carapaça (e de certa maneira formam).

O segundo par de asas ficam protegidos pelos élitros. Este segundo par é um tanto diferente, pois é membranoso e sustentado por várias nervuras. É este par de asas que vemos bater e pensamos que é são as únicas asas que o cascudão possui, quando não é bem assim.

Os élitros não funcionam bem como uma asa, pois devido à sua constituição, é muito difícil que eles fiquem “batendo”, logo, servem para direcionar o voo, além de dar equilíbrio ao funcionar como um parapente. Ao dar início ao voo, o besouro abre os élitros e toma impulso com as pernas, isto é, o voo começa da mesma maneira que um salto de asa delta, onde o besouro sai planando por um tempo até que as asas membranosas comecem a bater. Como besouros não são tão idiotas quanto a gente pensa, eles aproveitam as correntes aéreas para voar mais rápido, pois vento de cauda é muito eficaz para impulsionar, mesmo não tendo cauda.

Quando você vê o besouro subindo numa árvore, obviamente, nunca pensaria que ele possui aerodinãmica suficiente para voar. Claro, ele não possui… nessa configuração. Quando ele toma impulso e começa seu voo, com os élitros abertos e as asas membranosas batendo, o cascudão de tanque de guerra vira um bimotor, com uma configuração ilustrada abaixo (clique para ampliar).

besouros.jpg

Isso é aerodinâmico o suficiente?

Dessa forma, podemos ver que sim, nossos amigos coleópteros possuem aerodinâmica e, não, não existe esta baboseira de “Leis da Aerodinâmica”. O que existe são as Leis do Movimento, propostas por um certo inglês temperamental de nome Isaac Newton, mas que podem ser aplicadas a qualquer corpo em movimento – não exclusivamente a objetos em voo – e que foram estudadas em um ensino médio decente. Portanto, não há mistério nenhum sobre o voo do besouro. O que existe é uma tendência a implicar dificuldade em tudo, preguiça para descobrir o que está acontecendo, culminando em atribuir a entidades místicas um evento que pode ser simples e facilmente explicado por pura observação e estudo do objeto em questão.

3 Pings to "Por que os besouros conseguem voar?"

  1. Mundo ético: Abelhas mumificam besouros ainda vivos » Ceticismo.net disse:

    [...] eu disse no artigo que explicava porque os besouros podiam voar, destronando aquela boçalidade de "leis da aerodinâmica", besouros possuem duas [...]

  2. Carapaça de insetos inspira a criação de novos materiais » Ceticismo.net disse:

    [...] O segredo do sucesso dos insetos não está escrito em nenhum livro de auto-ajuda, mas nos livros de biologia. Sua carapaça é, basicamente, formada por quitina e queratina (não confunda uma com a outra), e possui uma estrutura dura e resistente, mas que guarda certa flexibilidade. Esta carapaça ajuda a proteger os artrópodes, de forma que eles ficam praticamente imunes aos ataques de boa parte de inimigos naturais, agentes químicos e biológicos, não se contaminam facilmente e mantém sua estrutura interna a salvo. Esta estrutura é leve o bastante para permitir que insetos possam voar e se você pensa que besouros voam por mágica, está muito enganado (vide capítulo específico no Livro dos Porquês). [...]

  3. Em briga de besouros, ganha quem sabe usar suas coisas » Ceticismo.net disse:

    [...] Terra. Seu exoesqueleto pode fazê-lo ser um tanque-de-guerra ou algo bem promissor para voar (ver Por que os besouros conseguem voar?). Com uma forte carapaça, pernas adequadas a qualquer tipo de terreno e capacidade de se organizar [...]


14 respostas para "Por que os besouros conseguem voar?"

  1. 1. Meks disse:

    Adorei o Artigo, sempre pensei nisso é fácil ter essa dúvida vendo um besouro como esse http://www.youtube.com/watch?v=fOXgWuaUySQ voando por exemplo.

  2. 2. alcavanha disse:

    Pouca Vogal – O Vôo do Besouro =)

  3. 3. Heartless_and_Soulless disse:

    Pergunta retórica:
    André, crentes são vítimas de preguiça mental constante? :wink: :mrgreen:

    Renato Kistner respondeu:

    Insensível, sim; mas sem alma, não… Te vejo lá embaixo, hehehe :twisted: :twisted: :twisted:

    Spy respondeu:

    @Renato Kistner,

    Hmm…. certo. Ô Matildê, vem aqui limpar essa sujeira que o Kistner fez…

    Renato Kistner respondeu:

    Poxa vida! Antigamente o pessoal tinha mais senso de humor! Já vi melhores… :roll:

    Heartless_and_Soulless respondeu:

    @Renato Kistner, Perae que eu vou pegar o elevador. :lol:

    Renato Kistner respondeu:

    Agora sim… Tem que entrar no ritmo!

    Joseph K respondeu:

    @Renato Kistner,
    Lá embaixo é onde rola o churrasco e a cerveja? Se for, tô dentro. :mrgreen:
    Ouvi dizer que no outro lugar tá cheio de crente, que nem tem cerveja lá, e que é um tédio.

    Heartless_and_Soulless respondeu:

    @Joseph K, Opa eu também tô dentro.
    É 0800? :mrgreen: :cool:

  4. 4. Mr.Darkness disse:

    Eu quase num consigo acreditar q isso era algo tão simples e vivem batendo na mesma tecla e dizendo q num seria possível…

  5. 5. guely disse:

    que pachorra

  6. 6. guely disse:

    :cool: perdão! um crente deve ter orado para minha máquina!?!?

  7. 7. Karol Félix disse:

    “Foi estabelecido cientificamente que a mamangava não pode voar. Sua cabeça é grande demais e suas asas pequenas demais para sustentar o corpo. – Segundo as leis da aerodinâmica, ela simplesmente não poderia voar. Mas ninguém disse isso à mamangava. E assim ela voa.”

    Ah, que droga, eu gostava tanto desse provérbio, é tão profundo :grin:

    Essas pessoas que gostam de pensar ferem os nossos sentimentos……. hehe

Deixe um comentário

Mas, antes, leia a nossa Política de Comentários. Obrigado por sua participação.

Você precisa estar logado para deixar um comentário.