Mochila Mágica Harrypoteriana promete arrumar água direto de Nárnia ou algo assim

Eu adoro fórmulas mágicas. Tipo. O Gandalf chegando e dizendo SOU SERVIDOR DO FOGO SECRETO, GUARDIÃO DA CHAMA DE ANOR. YOU SHALL NOT PASS! Daí, a bagaça explode em chamas, a ponte desmorona e o Balrog cai no abismo levando o Gandalf junto, mas faz parte). Já Harry Potter é um latim tosco que a Rowling inventou saindo ABRACADABRA, digo, AVADA KEDAVRA. Ah, sim, tem as magias vagabundas que o pessoal com o poder do Místico Poder Ascencional do 3D Studio é capaz de fazer. Não raro, fazer chover sem ter água.

Sim, mais um apetrecho mágico parar tirar leite de pedra do deserto.

Continuar lendo “Mochila Mágica Harrypoteriana promete arrumar água direto de Nárnia ou algo assim”

Nanopartículas e quimioluminescência para a detecção de vírus

Um vírus é uma criaturinha que nem se sabe ainda se é uma criatura ou uma PFDP (proteína fidaputa). Essas desgraças, desde aquele resfriado nojento que te deixa de cama até uma hepatite B, são capazes de ferrar com seu dia de várias maneiras. Junte isso ao fato de necessidades de transfusão de sangue, em muitos casos de forma emergencial, temos o prenúncio do desastre, em que as equipes médicas têm que analisar o sangue de maneira rápida, ou a emenda sairá pior que o soneto.

A quem pediremos ajuda? Ao Olavo de Carvalho? À Marilena Chauí? Ao Tedson? Não, a químicos, mesmo!

Continuar lendo “Nanopartículas e quimioluminescência para a detecção de vírus”

Pesquisadores criam técnica para armazenar vacinas em temperatura ambiente

Produzir vacinas nem é muito problema. O problema é pesquisa-las, desenvolvê-las e, uma das piores partes, transportá-las. Sim, porque não basta você ter toneladas de vacinas se não tiver como leva-las até quem precisa. Seguindo o preceito que o artista tem que ir aonde o povo está, com vacinas não é diferente e é preciso achar um meio de leva-las até Piraporinha do Mato Dentro, no interior do Acre, ou para a Miserábia Setentrional, num daqueles rincões perdidos perto de Deusmelivrestão.

O problema básico é que vacinas precisam ser acondicionadas de modo que fiquem entre 2 e 8ºC. Só arrumar um gelinho em volta não rola quando você tem que percorrer grandes distâncias. Então, temos que apelar para geladeiras que funcionem a bateria, gasolina ou mesmo ligadas a geradores. Será que algum químico poderia nos salvar?

Continuar lendo “Pesquisadores criam técnica para armazenar vacinas em temperatura ambiente”

Um coração biônico pra já, mas não agora!

Pense um paciente com sérios problemas cardíacos (se bem que, para mim, qualquer problema de saúde é serio). Pense que seu médico está muito longe (algo como 10 minutos de distância, o que já pode ser fatal, em alguns casos). Pense que se você rezar pra Jesus não vai dar certo, pois o Nazareno está ocupado convencendo a Charlene Stephanie a voltar pro Hermenegildo Antônio e já está n 3º e ultimo dia. Pense que um sistema automatizado identificaria o problema, resolveria com um pré-atendimento automático, mandasse as informações diretamente para o celular do médico.

Não, isso não é filme do Homem de Ferro. Isso não é ficção científica. Isso não é o futuro, pois vivemos os dias de hoje que são uma dádiva, e é por isso que é chamado "Presente". Isso é ciência, é tecnologia de ponta e, sabe o que mais, você não terá acesso a isso. Lamento.

Continuar lendo “Um coração biônico pra já, mas não agora!”

Pesquisadores desenvolvem filtro capaz de reter metais pesados

No ano passado, o caldo, digo, a barragem entornou em Minas Gerais, espalhando sujeira, lama, metais pesados, morte e destruição, não necessariamente nessa ordem. Enquanto o Sebastião Salgado não resolve o problema tirando milhares de fotos mágicas, pesquisadores de verdade buscam um meio de filtrar aquela água, criando uma técnica para reter metais pesados por filtração.

Continuar lendo “Pesquisadores desenvolvem filtro capaz de reter metais pesados”

Pesquisadores usam nanopartículas para evitar hemorragias

Sangramento não é legal. A vida da gente se esvai, literalmente, ainda mais quando se é portador de doenças que dificultam a coagulação do sangue que eventualmente serviria para servir de tampão, para que mais sangue não saia correndo. Seria legal ter alguma forma de impedir sangramentos, não é? Seria mais legal se usarmos nanopartículas, já que, vocês sabem, nanopartículas são maneiras e assim como bluetooth, tudo fica melhor com elas.

O problema é inventar algo do zero. Mas só um perfeito idiota vai reinventar algo do zero, se podemos imitar o que a Natureza vem testando a 3 bilhões de anos, premiando as experiências que mais deram certo.

Continuar lendo “Pesquisadores usam nanopartículas para evitar hemorragias”

Nanopartículas são a chave para biocombustível mais barato

A onda agora nem é mais mecânica quântica, e sim sua filhota: a nanociência. Tudo agora é nanociência, nanotecnologia, nanopartículas etc. Mas aqui é um blog de divulgação científica e não podemos deixar de noticiar que nanotecnologia existe até mesmo na produção de biocombustíveis. Pesquisadores estão desenvolvendo tecnologias para o refino de biocombustíveis, de forma mais eficiente e, caro, mais barata, pois ciência é legal, mas ter dinheiro para pagar as contas é melhor ainda.

Continuar lendo “Nanopartículas são a chave para biocombustível mais barato”

Pedra de Roseta Digital vai guardar dados por 1.000 anos

A corrida por memórias mais rápidas, de maior capacidade e cada vez mais miniaturizadas parece não ter fim. E provavelmente não terá. Mas agora começou uma nova corrida, à medida que cresce a preocupação com a manutenção dos dados digitais para a posteridade.

A humanidade tem gerado dados e informações que superam anualmente o que havia sido criado durante séculos de história. Contudo, os meios de armazenamento digital estado-da-arte não duram mais do que 100 anos. E os dados são simplesmente perdidos para sempre, seja por ação do magnetismo natural do ambiente, da umidade ou da simples deterioração pelo tempo. Um DVD de última geração não dura mais do que 30 anos. Continuar lendo “Pedra de Roseta Digital vai guardar dados por 1.000 anos”