Análises textuais comprovam: Jesus é o Magneto

O assunto Jesus de Nazaré (das farinhas ou não) nunca morre. Muito se tem escrito sobre o carpinteiro que foi pro pau-de-arara. Muito ainda se escreverá; ainda mais porque a cada olhada nos Evangelhos, encontramos muitas pistas, muitas informações. Todas essas informações foram criptografadas, talvez porque as pessoas não tinham compreensão do que realmente significariam.

A verdade é que em muitas obras Jesus é citado com seus poderes e nossas ficções começam a mostrar a verdade, e a verdade é só uma: Jesus era mutante. Mais que isso, ele é o Magneto!

Continuar lendo “Análises textuais comprovam: Jesus é o Magneto”

Atrás do trem elétrico só não vai quem não sabe Ciência

Há muita coisa maneira à solta pela Internet. Vídeos, tutoriais, explicações, how-tos etc. Você aprende muitas coisas, como fazer nós, produzir doces, fazer maquiagens e como ser retardado com messes canais de "humor".

Um dos melhores canais é o Amazing Science, no qual você pode ver muitas coisas legais montadas, com nenhum blá blá blá, mas que até você pode fazer em casa. Uma delas é um trem eletromagnético!

Continuar lendo “Atrás do trem elétrico só não vai quem não sabe Ciência”

A levitação que aquece nossos corações e derretem alumínios

O bom da Ciência é que podemos fazer qualquer coisa maneira com os conhecimentos mais básicos que ela nos proporciona. O ruim de ensinar Ciência é não poder mostrar estas coisas maneiras. Ficamos ensinando besteiras como números quânticos, subníveis energéticos, cada um dos passos da divisão celular, calcular a trajetória de qualquer coisa, sem efetivamente mostrarmos nada disso. É um saco ter que falar de reações químicas no quadro e os alunos com aquela cara de “OOOOOOOH, que legaaaaaaaaZZZZZZZzzzzzzzzZZZzzzz”.

Mas, e se pegássemos um pedação de cobre, enrolarmos e passarmos corrente alternada nela? Simples: seremos que nem o Magneto e faremos um pedaço de alumínio flutuar até derreter e PLOFT cair fundido e mal-pago.

Eu sei que hoje é domingo, mas nunca devemos descuidar dos estudos. Vão para a estante e peguem seu LIVRO DOS PORQUÊS!

Continuar lendo “A levitação que aquece nossos corações e derretem alumínios”

Um autorama supercondutor

Eu adoro a Ciência. Não só porque explicamos como o mundo funciona, como podemos usar essas mesmas propriedades para fazer coisas legais ENQUANTO explicamos o mundo. Uma das coisas mais fantásticas que eu admiro muito são supercondutores. Eu me lembro da primeira vez que ouvi falar deles quando era garoto. Aquele ímã "flutuando" só porque estava geladíssimo era algo incrível. O que eu não sabia direito é o que fazer com eles. Além de usar o conceito de supercondutividade em muitas aplicações práticas (que então não sabia ao certo quais eram), podemos nos divertir muito com eles, como fazer um autorama usando uma Fita de Möbius.

Continuar lendo “Um autorama supercondutor”

Terra: este imenso acelerador de partículas

Desde que o mundo é mundo (literalmente), ele age sobre tudo à sua volta. Seja pequenos corpos, seja corpos maiores, seja corpúsculos bem pequenos. Quando nossa aventura espacial começou (no momento que o pessoal resolveu olhar pra cima e tentar entender o que via) não se imaginava até onde podemos ir. Ainda hoje não sabemos para onde podemos ir, mas temos boa noção do que está acontecendo ao nosso redor, e isso começou a ser elucidado com as primeiras sondas não tripuladas que foram ao Espaço.

Continuar lendo “Terra: este imenso acelerador de partículas”

A gosma que come ímãs

Bem, na verdade não é uma gosma, é um silly putty, um brinquedo composto de polímeros que nada mais é que um fluido não-newtoniano. Como todo fluido não-newtoniano, o silly putty funciona como um líquido quando em repouso e um sólido se sofre ação mecânica, isto é, ele fica molenga se deixado quieto e sólido se você der uma porrada nele (creio que este tipo de explicação não seria bem visto nos colégios. Azar!).

Scott Lawson gosta de fazer vídeos sobre Química e Física, e fez um mostrando um silly putty zumbi devorando, não um cérebro, mas um bloco daqueles ímãs de neodímio. O resultado foi:

Continuar lendo “A gosma que come ímãs”

Nova técnica identifica células magnéticas em aves e peixes

Você é fã do Dick Vigarista e pretende pegar aquele maldito pombo Doodle. Raios, mil vezes raios! O miserável não erra o caminho e por mais que você solte aquela sacola de penas a milhares de quilômetros de casa, e ele vai voar através dos mares, florestas, desertos ou o que for, até chegar em casa, voando depressa e levando esta carta para o meu amor. Eles são muito eficientes em levar mensagens, ganhando até mesmo de envios por e-mail (não, não estou inventando).

Como ele consegue esta proeza? Através de células magnetorreceptoras, que guia o amiguinho emplumado para seu destino, usando como guia o próprio campo magnétco terrestre. E se você ainda não sabe como achar estas células, tire a cabeça de dentro da roupa e preste atenção, seu palerma!

Continuar lendo “Nova técnica identifica células magnéticas em aves e peixes”

As belas auroras norueguesas

O que parece ser título de algum romance candidato ao prêmio Nobel de Literatura é, na verdade, uma simples ação natural tão bela quanto simples. Bem, talvez não seja tão simples assim. Auroras boreais e austrais acontecem quando emanações de partículas de alta energia vindas do Sol dão de cara com o campo magnético da Terra. Prótons, elétrons e neutrinos são expulsos à grande velocidade da coroa solar, adquirindo imensa energia cinética, além de sua carga elétrica (com exceção do neutrino, que não possui carga nem massa). Por causa do núcleo ferroso da Terra estar em convecção, elétrons ficam desemparelhados, acarretando no aparecimento de um campo magnético, que não só ajuda a direcionar nossas bússolas, como criam um escudo de defesa contra as partículas supra-citadas. O resultado é uma explosão de luz e cores nas regiões próximas aos polos, como é o caso da Noruega.

Continuar lendo “As belas auroras norueguesas”

Bogdan, o garoto magnético da Sérvia

Bairrismo é uma coisa muito feia. países ficam com ciúmes de outros países e danam-se a ficar copiando os outros. Interessante que a notícia a seguir não tem origem na China e sim na Sérvia. Em 2008, noticiamos sobre um garoto nos EUA que tinha poderes magnéticos a ponto de travar computadores. O pessoal sérvio ficou com ciúmes e anunciou que eles também tem um mini-ímã em sua casa é <trilha sonora>Bogdan, O Garoto Magnético!</trilha sonora>. Seus poderes atrativos, atraentes… sei lá como me referir, prendem qualquer coisa ao seu corpo, desde talheres até porcelana e objetos plásticos. Estou com receio e mandei chamar o professor Charles Xavier para dar um parecer, mas ele alegou não poder no momento, pois estava no cabeleireiro.

Continuar lendo “Bogdan, o garoto magnético da Sérvia”