O crime perfeito na ponta de uma agulha

O corpo lívido, sem vida, estava submerso na água serena numa casa às escuras e só a luz trêmula do banheiro banhava de uma luz amarelada o que ocorrera. Seu corpo nu e belo, alvo mesmo quando era viva, não veria a luz do sol novamente, mas em contrapartida não indicava sinais de violência. Uma morte em paz, sem dor ou desespero… ou assim parecia. Sapatos engraxados adentraram o banheiro, sujando-o. Outra pessoa, com o pijama encharcado, mostrara a cena. O homem do sapato engraxado parou em frente à cena; sim, ela está morta, senhor. Outros sapatos chegaram, analisaram criticamente o que estavam vendo. Não havia sinais de crime, mas algo não parecia certo perante aquela visão que poderia ser vista como uma foto artística, mas era um acontecimento bizarro por causa dos detalhes que pareciam não se encaixar.

Eram 23 horas e 30 minutos do que parecia ser uma noite calma do dia 3 de maio do ano de nosso Senhor de 1957. Elizabeth Barlow então desprovida da luz de seus olhos, jazia morta em Bradford, Yorkshire, no Reino Unido. E ninguém sabia como… ou por quê. Se era um crime, era um crime perfeito. Continuar lendo “O crime perfeito na ponta de uma agulha”

As conexões moleculares entre diabetes e doenças cardiovasculares

Diabetes é o tipo de doença que faz o favor de ferrar com as pessoas de todas as formas possíveis. Eu já tinha noticiado a ligação entre hepatite e diabetes tipo 2. Agora, uma nova pesquisa identificou uma conexão celular entre o diabetes e o estreitamento dos vasos sanguíneos. Isso é ótimo, do ponto de vista de um projeto que parece que está lá só para nos causar problemas cada vez mais graves. Olha que legal: além de diabetes com todos os males que ela causa, você ainda ganha de presente doenças cardíacas e possibilidades de AVC intensificadas.

E não esqueça dos problemas hepáticos que eu acabei de relembrar.

Continuar lendo “As conexões moleculares entre diabetes e doenças cardiovasculares”

Filosofia nos dá uma pílula de insulina. Brincadeirinha, foi a Ciência mesmo

A vida de diabéticos não é fácil. Não existe “A” diabetes, mas diferentes versões, até a que você efetivamente precisa de receber insulina. Sem ela, sua vida, que já é ruim, ficará bem pior, até levar à morte. Hoje, podemos dar insulina aos pacientes, mas por meio de injeções. Seria possível facilitar isso? Bem, me disseram que a Ciência não é capaz de responder a tudo. Perguntei a um filósofo, mas ele começou a citar Deleuze. Fui em outro filósofo, mas ele falou que deveríamos encarar a realidade como ela é, e manter a existência dos fatores nestes níveis. Não, insulina não deveria ser usada. Perguntei a um cientista e ele respondeu: Se não tá fácil, a gente faz ser!

Infelizmente, me disseram que era mentira que Ciência existia para propiciar qualidade de vida porque os japas tomaram uma bomba atômica no quengo (os mesmos japoneses que começaram ao bombardear Pearl Harbor). Felizmente, cientistas cagaram e andaram pra idiotas que defendem misóginos escravocratas e desenvolveram uma pílula capaz de levar insulina ao corpo de uma pessoa. Basta engolir a pilulinha e pronto!

Continuar lendo “Filosofia nos dá uma pílula de insulina. Brincadeirinha, foi a Ciência mesmo”

Uma pílula de insulina no capricho para os dependentes químicos

Ser dependente químico é uma tristeza. Não é legal para a saúde e tem que fazer de tudo para tentar não sucumbir. Sendo assim, alguns diabéticos passam por transtornos por depender da substância química chamada insulina. Basicamente, ainda se depende das injeções, mas daí eu me lembro da cena do doutor McCoy em Star Trek 4 (o das baleias) quando ele passa por uma velhinha no corredor do hospital e ela lhe diz que precisa de diálise. Ele, com seu jeitinho alegre e atencioso solta um “Meu Deus, isso aqui é a Era das Trevas?” (que foi dublado como “Isso aqui é um açougue medieval?”) e dá uma pilulinha para ela e sai alegremente. Sim, a velhinha não precisou mais de diálise. Tudo bem que isso era em 1987 e nem mesmo plutônio se comprava em farmácias mais. Aquilo era ficção científica pura, certo?

Há 30 anos, podia ser, mas hoje pesquisadores estão estudando a viabilidade de entregar insulina para o corpo do paciente por via oral. Sim, também com uma pilulinha. Seria sonhar muito?

Continuar lendo “Uma pílula de insulina no capricho para os dependentes químicos”

Grandes Nomes da Ciência: Fredderick Banting

O dependente químico chega no Hospital. Ele precisa da substância. Ele está em crise e é questão de tempo; médicos e enfermeiras precisam agir rápido. Primeiro, avaliam se basta dar um pouco da droga da qual o paciente depende, seguido de hidratação. Mas o paciente parece estar em estado mais grave: metabolismo anaeróbio, aumento de cetoácicos, queda de pH, alteração de eletrólitos como sódio e potássio… é preciso agir mais rápido ainda! Correção das alterações dos eletrólitos, reestabelecimento do pH, verificar se tem alguma infecção associada… isso tudo entre outros procedimentos, para, no fim, administrar mais um tanto da substância química da qual aquele paciente diabético tanto necessita: insulina.

Hoje, milhões de diabéticos têm uma vida normal. Mesmo os que precisam injetar insulina, já que seus corpos não a produzem. Eles estão salvos graças ao trabalho de vários homens; dentre eles, o dr. Frederick Banting.

Continuar lendo “Grandes Nomes da Ciência: Fredderick Banting”

Pesquisadores revertem resistência à insulina

Você sabe que insulina é a substância que ajuda a controlar a sua taxa de açúcar no sangue. Você também sabe que pessoas diabéticas tem alguma zica no sistema que produz essa insulina. O que você dificilmente deve saber é que existe uma coisa chamada “resistência à insulina. Resistência à insulina é a situação louca em que a insulina que circula de boas no seu sangue, só que não faz nada. É praticamente um cunhado vindo te ajudar com a obra, mas só faz tomar a sua cerveja. Insulina é uma coisa que não basta ter, é preciso usar, e quem tem resistência à insulina a glicose não entra nas células e tecidos, ficando no sangue e – UAU! – diabetes. Tomar insulina não adianta nada, já que você não tem falta dela. Lindo caso de projeto inteligente, não?

Bem, pesquisadores não deram bola pra esse lance de projeto inteligente; dessa forma, foram capazes de reverter a resistência à insulina diabética e intolerância à glicose.

Continuar lendo “Pesquisadores revertem resistência à insulina”

Pesquisa liga doença hepática gordurosa ao diabetes tipo 2

A diabetes mellitus tipo 2 já ganhou status de “uma das grandes epidemias mundiais do século XXI”. Os crescentes índices de incidência e prevalência fazem dela um problema de saúde pública; não só em países desenvolvidos, como nos pobrinhos, muito pobrinhos, totalmente miseráveis e em países que odeiam ciência, como é o caso do Brasil.

O estilo de vida atual, sedentarismo, hábitos alimentares e acúmulo de gordura corporal contribuem para o agravamento da diabetes tipo 2; mas calma que piora! Uma pesquisa mostra que a resistência à insulina no fígado é um fator importante no desenvolvimento da diabetes tipo 2 mas, além disso, casos de doença hepática gordurosa não alcoólica também ajudam a agravar mais ainda o quadro. Show, né?

Continuar lendo “Pesquisa liga doença hepática gordurosa ao diabetes tipo 2”

Células que produzem insulina são feitas a partir de células epiteliais

Eu fico tão feliz quando temos Ciência fazendo milagres, melhorando nossa qualidade de vida e revolucionando o mundo! Seja gente pelada se masturbando em praça pública, ou na macaquinhos performance, ou ainda latindo (pelados, claro) nos corredores das universidades. Infelizmente, tem uns desocupados que gastam verbas e mais verbas com coisas de menor importância. Um perfeito exemplo disso são os desocupados que resolveram que diabéticos têm uma vida muito sofrida, como se isso fosse desculpa para não dar atenção aos nossos camaradas do Tibet.

Em uma recente pesquisa, cientistas conseguiram pouca coisa, meh! Simplesmente conseguiram transformar células epiteliais humanas em células pancreáticas que fabricam insulina. Que diferença isso fará ao mundo, hein? Hein? Hein?

Continuar lendo “Células que produzem insulina são feitas a partir de células epiteliais”