Pela volta dos blogs!

Sério, eu me cansei disso. Não tenho mais nada pra ler na Internet. Os blogs morreram graças à sua usura de só quererem ganhar, ganhar e ganhar. Nada de errado com isso, mas o resultado foi a preocupação com o ad-sense e não conteúdo. O que vai ofender o google? O que não vai ofender? Ain, não posso perder a monetização. Socorro, perdi a monetização.

Desistiram dos blogs, mas quem desistiu foram os blogueiros, não os leitores.

Continuar lendo “Pela volta dos blogs!”

Pesquisadores estudam se as pessoas sabem bem olhar pra cara de alguém pra saber se essa e a real cara de alguém

Estamos num mundo que transplantes de rostos já não são mais novidade e têm ajudado muita gente. Para quem não consegue um rosto transplantado, a saída é usar máscaras. Você pode até achar que isso não daria muito certo, mas uma pesquisa realizada por cientistas das universidades de York e Kyoto estudou qual é a percepção das pessoas em diferenciar rostos normais de máscaras, em que os modelos eram em fotos, não ao vivo. Seria querer demais, não?

A versão curta é que os participantes erraram um em cada cinco casos. Isso significa que as máscaras estão melhores ou as pessoas ainda conseguem diferenciar o rosto natural de um protético?

Continuar lendo “Pesquisadores estudam se as pessoas sabem bem olhar pra cara de alguém pra saber se essa e a real cara de alguém”

Pesquisadora cria detector de mentira online. Vê lá o que você anda falando por aí!

Depois do Lie to Me, várias pessoas resolveram se tornar experts em gente mentirosa, tentando ver microexpressões. A série acabou, mas tem o canal Metaforando, que se propõe a analizar a linguagem corporal de pessoas em detrminadas situações e determinar o estado psicológico da pessoa analisada. Já o FBI tem o Behavioral Science Unit (Unidade de Ciência Comportamental), que não é baseada (apenas) em microexpressões, mas em modus operandi de criminosos, tabulando dados e cruzando informações estatísticas, procurando prever o que vai/está acontecendo. Disso veio a série Criminal Minds (só era boa com o Gideon), mas não se liguem em tudo na série. Aquilo é entretenimento, e nem sempre retrata a realidade (quase nunca, seria o termo mais adequado).

Desde sempre, saber quem está mentindo é primordial na hora de julgamentos, decisões de Estado e saber por onde o traste andou, pois chegou em casa com um festival de batom na camisa (se for na cueca, não é preciso detector de mentiras. Erasístrato de Chio (310 A.E.C. – 250 A.E.C.) anatomista e médico grego, designado pai da Fisiologia, já buscava formas de descobrir se alguém estava mentindo. Outro que procurou um modo de descobrir quem estava mentindo foi o psicólogo William Moulton Marston, responsável por duas grandes criações: O polígrafo e a Mulher Maravilha (sim, a ideia do Laço da Verdade veio daí).

Continuar lendo “Pesquisadora cria detector de mentira online. Vê lá o que você anda falando por aí!”

Ceticismo.net atualiza sua política de privacidade

Já que estamos em tempos de GDPR (General Data Protection Regulation, sigla GDPR – Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados), todo mundo está atualizando as políticas de privacidade. Ceticismo.net não é diferente e está aqui atualizando nossa política de privacidade.

Continuar lendo “Ceticismo.net atualiza sua política de privacidade”

Lula, Imprensa e a Ferradura

Quanto mais as coisas mudam, mas continuam as mesmas. Foi um tempo que muitos parecem ter esquecido, e mais ainda sequer sabendo que existiu. Um tempo que querem que volte sem nem mesmo saberem o porquê, mas se tudo der muito certo (ou muito errado) vão conseguir o intento, mas de uma forma diferente do que imaginavam.

Não vou enganar que sou desse tempo, pois não sou. Entretanto, existe uma coisa chamada História, aquela coisa que quem não sabe corre o risco de repeti-la. Estão preparados pro que virá daqui pra frente? Bem, perguntem ao Lula.

Continuar lendo “Lula, Imprensa e a Ferradura”

Assim com os canhotos, assim com o restante das pessoas

Em 2011, estava rolando uma brincadeira no Twitter, com o pessoal falando mal de canhotos. Eu resolvi entrar na brincadeira e escrevei um artigo falando do porquê os canhotos deveriam ser combatidos. Os retardados de um sitezinho ficaram de mimimi dizendo que eu roubei a ideia deles. Curiosamente, aqueles espertões "esqueceram" que tinha muitos artigos MEUS copiados lá, sem minha autorização, (e sim, eu sei que vocês ainda leem meu blog, seus idiotas).

Deixando isso de lado, canhotos sempre foram mal vistos, a ponto de terem livros tentando combater isso. Estamos falando da Idade Média? Não, século XX.

Continuar lendo “Assim com os canhotos, assim com o restante das pessoas”

“A Internet é pequena” ou “Os mitológicos 6 passos de separação”

Tudo está ao alcance de um clique. Podemos encontrar qualquer um em qualquer lugar. Estamos a seis passos de separação de qualquer indivíduo. Certo? Nah, você já sabe que eu direi "Errado!" Algumas lendas urbanas pegam, ainda mais quando a amostragem é idiota e com um critério discutível. Isso começou na década de 1960, com um camarada chamado Stanley Milgram.

Continuar lendo ““A Internet é pequena” ou “Os mitológicos 6 passos de separação””

A Informática Maldita do Cardoso

Saiba, ó príncipe, que entre os anos em que os mares engoliram o Rio de Janeiro no último temporal e os anos do surgimento dos Filhos, Sobrinhos e Cunhados de Políticos, houve uma era inimaginada, quando reinos esplendorosos se espalharam pelo mundo como mantos azuis sob as estrelas. Para cá veio Cardoso, escritor mundialmente famoso autor de Por que todo idiota acha que é preciso ser famoso para ter muitos seguidores no Twitter.

Esse é o mundo do Cardoso!

Continuar lendo “A Informática Maldita do Cardoso”

Estudo indica que idosos leem melhor em e-readers do que livros convencionais

Eu tenho uma gama imensa de acontecimentos guardados em minha memória. Uma delas é a respeito do concurso de redação que o colégio onde eu estudava propunha. Os alunos cada série de cada segmento tinham que entregar suas composições e esperar o resultado. Fui agraciado 2 vezes com o primeiro lugar. Só não ganhei o terceiro ano consecutivo, pois começaram a reclamar que eu sempre ganhava. Fui considerado hors concours, que no vocabulário de uma criança significa "você foi garfado, loser". Aquilo me deixou bem irritado, pois eu tinha deixado de ganhar o prêmio máximo: um livro.

Livros mudaram pouco em suas apresentações. Textos escritos, seja em que idioma for. Alguns imbecis acham que eles deveriam ter cores e desenhinho para colorir, mas do jeito que está, funciona perfeitamente bem. Entretanto, ficou-se a dúvida se a leitura por meios digitais suplantariam os livros, mas um estudo feito por pesquisadores alemães diz que não, isso não tem nada a ver.

Continuar lendo “Estudo indica que idosos leem melhor em e-readers do que livros convencionais”