O fenômeno da Superlua explicado pela óptica

O fenômeno da Superlua ocorre quando o nosso satélite se situa a não mais de 10% do seu ponto mais próximo da Terra no percurso da sua órbita (o perigeu). Isso faz com que ela tenha um tamanho aparente no céu entre 10-14% do que costuma aparentar. Algumas pessoas tentam ver diferença, mas quando levamos em conta as dimensões aparentes, é querer muito ver algo imenso.

Mas como as fotos mostram a Lua tão imensa? Como eu vejo a Lua no horizonte parecer maior do que quando a olho no céu?

Continuar lendo “O fenômeno da Superlua explicado pela óptica”

Os negros pontos invisíveis e uma ameaça perto de você

Vamos direto ao ponto, pois detesto dourar pílulas: Seu cérebro é uma bosta e seus olhos, uma merda. Você pensa que eles são ótimos, mas isso é só porque você só tem eles. Se tivessem coisa melhor, trocariam na mesma hora. Alguns alegam que esses órgão são a prova definitiva de um projetista inteligente. Bem, se isso é o melhor que ele pode fazer, não estou minimamente impressionado.

Você tem todo direito de amar todos os seus órgãos, mas eu sou obrigado a dizer que eles funcionam muito mal. Uma prova disso é que nem um ponto preto você consegue enxergar direito.

Continuar lendo “Os negros pontos invisíveis e uma ameaça perto de você”

Animais podem ser enganados com ilusão de óptica?

Assim como a maioria das pessoas pela Internet afora, eu adoro vídeo de gatinhos. Tudo bem que na maioria das vezes eu penso "que delicia deve ser assadinho, com molho e arroz branco…". Ainda assim, são divertidos, legais e podemos aprender muito com eles em termos de Ciência (sim, eu sei que você só compartilha o vídeo por ser fofuxo, pouco se lixando pra Ciência).

Assim, quando eu vejo um vídeo, eu olho muito mais que "Puxa que maneiro" e já mudo pra próxima postagem (no mais das vezes, idiota). Aqui é Ciência, e é Ciência que vocês terão. E lugar de conhecimento é no LIVRO DOS PORQUÊS.

Continuar lendo “Animais podem ser enganados com ilusão de óptica?”

Como a Lua pode ser tão grande nas fotos?

Esta semana me fizeram uma pergunta sobre a Super-Lua, quando a Lua encontra-se no perigeu e eu expliquei aqui o que era isso. A pergunta era "Se a Lua não fica tão grande assim, como as fotos mostram-na muito grande?"

É uma boa pergunta, que à primeira vista pode ter um quê de misterioso, mas nada é tão misterioso quando a gente sabe o porquê das coisas. Se ao menos os Porquês estivessem organizados num livro, eu o chamaria de Livro dos Porquês, com capítulo em Óptica e Fotografia.

Continuar lendo “Como a Lua pode ser tão grande nas fotos?”

Eppur si muove (não tem nada a ver com Galileu)

Nossos olhos captam muitas coisas e mandam tudo pro cérebro, aquele incompetente. Ele, que deveria analisar e entender todas as informações de maneira separada, junta todos os gatos num só balaio e dá uma confusão dos diabos. Disso surge as fantásticas ilusões de óptica, como esta que você verá a seguir.

Continuar lendo “Eppur si muove (não tem nada a ver com Galileu)”

Ilusões obscuras com um óculos escuro

Eu já falei que adoro ilusões de óptica. Elas mostram como nosso cérebro foi montado por algum mecânico de subúrbio, quando não estava com nenhum fusca-68 para consertar. Nossa visão estereoscópica foi um grande diferencial em nosso processo evolutivo. De saltar de árvore em árvore até poder fugir melhor de um predador. O problema é que cada olho capta uma imagem e o cérebro é quem monta tudo e traduz para si mesmo o que está vendo e é aí que a bagaça desanda, pois na verdade o cérebro inventa a informação, indo para o que lhe é mais familiar, como é o caso da ilusão do filme a seguir:

Continuar lendo “Ilusões obscuras com um óculos escuro”

Quem tem cubo tem medo… que ele não esteja lá

Nossos olhos são mal feitos. Eles insistem em brigar com nosso cérebro, outra gambiarra que mal funciona direito – e sim, eu sei que ele já é maravilhoso, mas mesmo assim é uma gambiarra mal acabada. Quando os dois se juntam, eles acabam saindo na porrada, pois um capta uma coisa, e o outro interpreta de outro jeito. Quando é mostrado que o outro jeito é errado, há quase um curto circuito cerebral, e isso podemos mostrar com um Cubo de Rubik, o famoso Cubo Mágico.

Continuar lendo “Quem tem cubo tem medo… que ele não esteja lá”

Einstein, ilusões e o QI

QI, no caso, não é a abreviatura de Quociente de Inteligência. QI é a abreviação do programa Quite Interesting, veiculado pela BBC Two (mas que já foi ao ar pela BBC One, BBC Four e se der sopa, sai na BBC Marcha Ré. O programa trata-se basicamente de um Game Show, o tipo de coisa que normalmente é chata, mas os convidados normalmente são humoristas, no total de 4, sendo um deles Alan Davies. Os temas são coisas… bem, são interessantes e os comentários mais engraçados ainda. E o que Einstein tem a ver com isso?

Continuar lendo “Einstein, ilusões e o QI”

Quantas cores tem o arco-íris?

Estava eu na minha sala hoje, quando dois alunos chegaram e me pediram para intermediar uma aposta (não com essas palavras, óbvio). A  aposta girava em torno de quantas cores há no arco-íris. Um deles estava triunfante que eram sete. Mas a Natureza é mais ardilosa do que eles imaginavam. Infelizmente, o aluno perdeu a aposta, e veremos o motivo em mais um capítulo do Livro dos Por quês.

Continuar lendo “Quantas cores tem o arco-íris?”

Os segredos da visão estereoscópica

Uma das maravilhas em nossos olhos é perceber o que chamamos de "3 dimensões". O mundo é muito diferente ao se olhar pela janela do que o que vemos na tela de um computador. Até mesmo o cinema em 3D não se compara ao nosso dia-a-dia.

Cientistas procuram entender como acontece (e onde) a chamada "visão em 3D", mais corretamente chamada de visão estereoscópica. Estudando regiões do cérebro de macacos rhesus, os pesquisadores tentam desvendar o que se passa dentro do cérebro de forma que ele consiga perceber o mundo que nós vemos.

Continuar lendo “Os segredos da visão estereoscópica”