Tag Archives: extincao

Quando o oceano ficou sem oxigênio e a vida teve que dar um jeito

O mundo antigo, bem antigo, já não era lá essas coisas lindas que filmes de monstros fazem crer. Nada de dinossauros cuspindo fogo, nem gorilas gigantescos e nem nada remotamente parecido com um Kaju. Ou seja, era algo chato, ainda mais no período Jurássico, que não tinha dinossaurões. Ainda assim tinha muita coisa para se preocupar. Era um mundo perigoso e, hoje, vemos que sempre estivemos frente a frente com vários perigos.

Talvez fosse o caso de se esconder no mar, mas pesquisas atuais mostram que mesmo seres aquáticos tiveram vários problemas. Pesquisas atuais mostram como o oceano do período jurássico enfrentou concentrações baixíssimas de oxigênio. E isso não é nada legal!

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Pesquisadores querem trazer mamutes de volta à vida

Eu aprendi muitas coisas com Jurassic Park. A primeira delas é que pessoal de Exatas sempre tem razão, ainda mais quando o Matemático-Mosca falou que trazer espécies extintas de volta à vida pode não ser lá uma boa ideia. Deve ser por isso que quando vejo a notícia de cientistas querendo clonar espécies que já foram para vala evolutiva porque… bem, a única explicação aceitável é que, sei lá, seria muito maneiro?

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

As folhinhas que ajudam a entender a extinção dos dinossauros

Há mais de 64 milhões de anos, um pedregulhão do mal caiu no México, aterrorizando tudo o que morava ali mais do que a possibilidade do Trump ser eleito. A queda inflamou os céus, o impactou gerou uma onda de choque que varreu o planeta, a Segunda Lei da Termodinâmica fez o seu trabalho, e uma onda de calor percorreu o solo, assim como o calor da atmosfera que se inflamou. O terremoto gerou um imenso tsunami que lavou as pobres almas de tudo o que foi pela frente. Morte, dor e ranger de dinossauros assolaram o planeta.

Mas tudo tem um fim e um início. O fim dos dinos de oportunidade aos mamíferos e aqui estamos nós para contar esta história. Entretanto, surge uma dúvida: A partir de quando a vida começou a voltar ao normal?

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Baleia cegueta tem maiores chances de ser extinta

As baleias-francas são baleias, mas nem por isso são aquelas mal-educadas que quando você pede a opinião, ela chapa logo na sua cara que você está gorda ou careca ou que seu chefe ficará com o bônus da empresa, enquanto você continuará trabalhando feito uma mula. Pertencentes à família Balenidae (não ria), as baleias-francas, algumas espécies, como a Eubalaena glacialis e a Eubalaena japonica, estão em risco de extinção. Fora a ação predatória humana, um outro motivo tem para que estes animais sejam facilmente caçados: os olhos.

Pesquisadores descobriram uma mutação genética nos olhos de baleias-francas que dificulta a sua capacidade de ver quando há luz brilhante, e isso é uma desvantagem evolutiva. Logo, logo, elas vão se ferrar de vez.

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Humanos passaram o cerol em megafauna de aves na Austrália

Eu adoro a Austrália. Um país lindo e maravilhoso cuja fauna e flora farão de tudo para lhe dar uma morte horrível. Algo semelhante à Austrália no Brasil, só o estado do Amazonas. Eu acho que isso é devido a algum emputecimento da Natureza. Vingança pura e simples. Darwin é a Nêmesis, a vingança dos deuses, e este usou os poderes da Seleção Natural para criar coisas para caçar as pessoas.

Eu falo isso por causa de registros fósseis que evidenciaram que seres humanos foram os responsáveis pela extinção da megafauna de aves que havia lá na terra dos Cangurus. Primeiro, Deus mandou o Dilúvio para que só Noé e sua família se salvasse, o que matou até os dinossauros (um fundamentalista me falou isso a sério!). Aí, passado um tempo, o Homem completou o serviço. Que maravilha!

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

As assassinas unicelulares de mamíferos indefesos

A história da Vida na Terra é uma historia de assassinos, silenciosos ou não. Desde meteoros até inundações. De terremotos até ação humana. De vulcões até… algas? Sim, algas. E alguma coisa estava clara que não ia dar certo quando muitas baleias começaram a morrer.

Hoje, cientistas olham desolados para um assassinato de milhões de anos; e na busca da verdade, eles se deparam com vários suspeitos… inclusive um que não despertava a menor suspeita.

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Cuidado com o meteoro no quengo

O Universo é uma gigantesca Austrália, onde tudo nele tem a meta de lhe matar e da forma mais horrenda possível. Uma das formas mais eficientes é cair um meteoro perto de você. Com um pouco de azar, nem precisa estar muito perto. Pergunte a qualquer dinossauro. A Lua é um perfeito exemplo de como estes pedregulhos podem estragar o dia de qualquer um e Marte até teria lembranças, mas não tem nada vivo lá para se lembrar de algo, nem mesmo o Gary Sinise.

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Das extinções e de-extinções

Muitas pessoas sonham em ter seus nomes imortalizados. Almejam alguma forma de fama ou reconhecimento, de maneira que não sejam esquecidos. Bem, nem sempre isso acontece do modo esperado, como foi o caso de um certo fazendeiro de nome Wilfred Batty, morador da Tasmânia, um lugarzinho que vc amaria de paixão ficar bem longe. Batty não ficou famoso por pescar um imenso dourado ou ter descoberto petróleo em sua fazenda. Batty ostenta a ignominiosa ventura de ter mantido em cativeiro, e depois matado o último dos tigres da Tasmânia, mais conhecido como tilacino e não tão conhecido como Thylacinus cynocephalus. Agora, eles estão totalmente extintos, mas a arrogância humana pretende mudar isso, não só para o tilacino como para outras espécies. É certo isso?

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Quantas diferenças existem entre um elefante e um rato? 24 milhões

Isso se formos contar uma diferença pra cada geração, pois este é o período estimado em que o ancestral comum a elefantes e ratos separou-se em dois mamíferos tão parecidinhos. Olhando a imagem ao lado, mal posso perceber quem é quem.

Pesquisadores estudaram as taxas de crescimento de 28 diferentes grupos de mamíferos e chegaram à conclusão que diminuir é mais fácil que crescer. Sim, eu sei oque você está pensando e pode sossegar aí. Isso aqui é um blog família (eu me esforço, pelo menos).

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας

Está decidido: Realmente foi um meteoro que extinguiu os dinossauros

Até agora havia uma certa dúvida sobre o tema, mas ao que parece, os cientistas chegaram a um consenso: a extinção dos dinossauros foi causada por um gigantesco asteróide que caiu na Terra. Cientistas responsáveis pela maior revisão dos estudos sobre a extinção dos dinossauros afirmam que podem confirmar que este impacto, na região do México, teria sido responsável pelo desaparecimento dos animais, há 65 milhões de anos. Há 30 anos, a teoria domina os estudos sobre os dinossauros, mas permanecia sem confirmação, com alguns especialistas afirmando que a extinção poderia ter sido causada por uma erupção vulcânica na Índia. Entretanto, uma revisão de 20 anos de estudos sobre o assunto realizada por um grupo de 41 cientistas de 12 países sugere que há provas suficientes não apenas para apoiar a teoria do asteróide, mas para descartar outras teorias vigentes sobre a extinção dos animais.

Sobre André Carvalho

και γνωσεσθε την αληθειαν και η αληθεια ελευθερωσει υμας