Pesquisa procura diferenciar expressões de dor e orgasmo

Todo dia eu vejo pesquisas que são candidatas ao IgNobel. Algumas mais outras menos. Gosto de ler sobre todas elas por saber que são pesquisas reais e até mesmo importantes, mas ainda assim são inusitadas. Imagine que alguns pesquisadores resolveram estudar a feição das pessoas durante um orgasmo; mas não é apenas isso. Traçaram um paralelo com as feições de quando sentem dores, e compararam diversas etnias para saber como cada uma responde.

Na versão TL;DR, ocidentais arregalam os olhos e abrem a boca, enquanto que orientais terminam com um sorrisinho maroto. Mas você não vai ficar só no resumo TL;DR, né?

Continuar lendo “Pesquisa procura diferenciar expressões de dor e orgasmo”

Pesquisa estuda como medicamentos opioides agem para não dependermos mais de medicamentos opioides

Ninguém quer sentir dor. Nem eu, nem você, nem o House. Tem horas que a dor é tanta que só apelando para opióides, analgésicos pancadões da mesma família que o ópio, com o mesmo inconveniente também. E ficar viciadão em analgésico opiáceo não é tão incomum assim. Seria legal se pudéssemos ter um analgésico boladão sem deixar você chapado e muito menos viciado na bagaça, né? Bem, pesquisadores do Reino Unido e do Japão identificaram como o sistema natural de analgésicos do cérebro poderia ser usado como uma possível alternativa aos opióides.

Péra, como assim “sistema natural de analgésicos do cérebro”?

Continuar lendo “Pesquisa estuda como medicamentos opioides agem para não dependermos mais de medicamentos opioides”

Máquinas podem ter consciência? A resposta não irá agradar a vocês

Eu estava vendo o último vídeo do Café e Ciência. O Café e Ciência é um canal de divulgação científica no YouTube, cujo mantenedor é tipo um misto de Raul Seixas e Neil deGrasse Tyson, sem as músicas chatas do primeiro e o paunocuzismo do segundo. No referido vídeo intitulado “Poderia as Máquinas obterem Consciência?” o Felipe discute… bem, ele não discute se as máquinas poderiam ter consciência. Ele comenta o que uma pesquisa em periódico classifica como sendo os diferentes níveis de consciência.

Mas máquinas podem ter consciência?

Versão curta: não se tem versão curta. Por quê? Porque a pergunta está errada. Vamos ao vídeo?

Continuar lendo “Máquinas podem ter consciência? A resposta não irá agradar a vocês”

Um Google Translator atômico como você nunca viu

Comunicação sempre foi uma dor de cabeça, principalmente quando se tinha que lidar com gente de locais afastados, remotos e totalmente isolados. Mais ou menos como carioca tentando entender mineiro falando. Com paulistanos já se desistiu. Muito complicado falar com gente que confunde biscoito com tapa na cara. Agora imagine você ir para o interior de algum lugar esquecido por Hades, por onde Judas andava com e pé no chão, pois já tinha perdido as botas e as meias. É delicioso pro pessoal da Linguística encontrar novos povos com idiomas totalmente díspares do nosso, mas vem a dor de cabeça tentar entende-los. Guerras começaram por muito menos. Seria legal um sistema tradutor um pouquinho mais eficiente que o Google Translator, não é? Continuar lendo “Um Google Translator atômico como você nunca viu”

Não adianta mentir. Computadores já interpretam gestos

Eu me lembro de um antigo livro chamado O Corpo Fala: A linguagem silenciosa da comunicação não-verbal, de Pierre Weil. Neste livro ele aborda situações e como reagimos instintivamente, de forma que pudesse ser interpretado como mensagens. Sacam o seriado Lie To Me? Pois, é. Daí fica o pensamento. E se nós montássemos um banco de dados com situações e gestos, analisando o significado e montando uma espécie de tradutor de linguagem corporal?

Pesquisadores tiveram esta mesma ideia, e desenvolveram um sistema em que um computador fosse capaz de compreender poses, gestos e movimentos do corpo de várias pessoas por meio de um vídeo em tempo real.

Continuar lendo “Não adianta mentir. Computadores já interpretam gestos”

Modelos computacionais ajudam a diminuir caos causado por semáforos

Às 9 horas e trinta minutos desta quinta-feira (1º de fevereiro), São Paulo teve um hiper-ultra-megablaster engarrafamento entre as avenidas Faria Lima e Juscelino Kubitschek, por causa de uma falha no semáforo que zuou com todo o trânsito de uma cidade com o trânsito mais que zoado.

Um simples semáforo não é para tanto, né? Sim, é. Por isso que eles obedecem a critérios bem definidos de mudança de estado (aberto/fechado), com rigor matemático (bem, aqui no Brasil deveria). Isso já é estudado por modelos matemáticos há mais de 60 anos e, à medida que as cidades crescem, mais necessário é que haja estudos aprofundados sobre isso.

Continuar lendo “Modelos computacionais ajudam a diminuir caos causado por semáforos”

Disney faz de novo: Algoritmo renderiza arcada dentária mediante fotos e vídeos de celular

Disney não faz só filmes, desenhos e animações. Eles prometem algo diferente (e entregam): Disney produz magia. Mas não é só isso! Para se fazer magia, é preciso de muita tecnologia na hora de modelar seus personagens, seja para algo mais da linha como Moana, como algo mais real na base de Mogli. Sendo assim, renderizar o corpo humano de forma a ter o maior realismo possível consome zilhões em termos de equipamentos e pessoal, além de pesquisa hardcore em termos de matemática e computação.

Agora, Disney, que segundo uma lenda estúpida que inventei agora tem uma caveira de camundongo consagrada aos Ainür, trabalha com digitalização, modelagem e renderização de… dentes.

Continuar lendo “Disney faz de novo: Algoritmo renderiza arcada dentária mediante fotos e vídeos de celular”

Quando o fogo ajudou a espalhar tuberculose. Ou mais ou menos isso

Tuberculose sempre foi um problema sério e responsável pela morte de milhões de pessoas. Contraiu tuberculose, podia encomendar o caixão. Era um destino inexorável, definitivo, usado em várias obras literárias para determinar que aquele personagem ia morrer de qualquer jeito, e a história teria que se dar naquele ponto até seu fim último. Desde Floradas na Serra até o filme do Moulin Rouge (que nada mais é que uma versão da Dama das Camélias).

Tuberculose não é nada recente, pelo contrário, mas como esse ser do Inferno conseguiu sua letalidade? De acordo com alguns pesquisadores, o grande responsável pelo alastramento desse ser do mal é por causa dele, o fogo.

Continuar lendo “Quando o fogo ajudou a espalhar tuberculose. Ou mais ou menos isso”

As origens das estrelas numa tela de computador

As maiores de todas as indústrias químicas são as estrelas. Suas incríveis forças transformam gigatoneladas de hidrogênio em diferentes elementos químicos, para depois explodirem (ou não) espalhando todo o seu material estelar por todos os cantos do universo, produzindo coisas como o Sistema Solar ou o Jair Bolsonaro (eu nunca disse que era tudo perfeitinho).

Suas formações demoram, oriundas da ação gravitacional de imensas nuvens de gás, o que por si só dá um nó na cabeça. Uma nuvem de gás imensa dando origem a uma bolona de fogo (eu sei, EU SEI!). Mas é meio difícil ver isso hoje em dia. Sendo assim, apelamos para simulações computadorizadas.

Continuar lendo “As origens das estrelas numa tela de computador”

Brasil dá calote na conta de luz e supercomputador é desligado

É injusto dizer que o Brasil tem muitos problemas. Não tem! O único problema do Brasil é ser o Brasil. Aqui, tudo é empurrado com a barriga, de preferência ladeira abaixo, ou pelo poço adentro, tentando encontrar o fundo. Bem, o Brasil já passou pela Samara chegou no fundo do poço, e tá cavando com a dívida da Linha 4 do metrô do Rio de Janeiro.

Nosso querido supercomputador (sim, temos um. Incrível, não?) Santos Dumont (encurtado para SDumont), foi desligado porque, UAU!, Brasil é tão tosco que não pagou a conta de luz. Maico Jáquison, o técnico da Light veio e meteu o alicatão, cortando a luz do Laboratório Nacional de Computação Científica (sim, temos isso também, mas você não sabe, porque o Brasil odeia Ciência).

Continuar lendo “Brasil dá calote na conta de luz e supercomputador é desligado”