Sim, cães têm adolescência e são tão insuportáveis quanto humanos (sim, eu sei)

Adolescência é aquele período chato depois da infância. Enquanto crianças acham que sabem tudo e pensam ser capazes de mandar nos adultos, os adolescentes têm certeza. O pior é quando o vagabundinho de 30 anos ainda age como um moleque de 13 (anos ou QI); e se isso já é insuportável em seres humanos (dizem que adolescente é gente), é pior nos cães.

Sim, cães têm adolescência. E são tão insuportáveis quanto humanos (estou chamando adolescentes Homo sapiens de “gente”, mas não se acostumem).

Continuar lendo “Sim, cães têm adolescência e são tão insuportáveis quanto humanos (sim, eu sei)”

Doguinhos ajudam pacientes e até médicos de Emergência nos hospitais

O Apollo é um golden retriever de 8 anos. Quando sua dona ficou doente, ela ganhou o Apollo e foi muito importante na sua recuperação. Assim, ela viu que o Apollo seria importante para outras pessoas. Larissa, a dona do Apollo, procurou o hospital universitário de Jundiaí para oferecer o projeto cãoterapia. Claro, ele tinha lugar para ficar, afinal, com aquela pelarada, fica difícil conter algum tipo de agente infeccioso, mas ele atendia as crianças num setor só dele.

A cinoterapia (terapia com cães, mas outros animais podem ser usados na terapia) apresenta ótimos resultados no mundo todo e em vários casos. Principalmente crianças, mas não exclusivamente, já que terapia assistida por animais se mostrou eficaz na melhora de pressões cardiopulmonares, níveis de neuro-hormônio e a ansiedade em pacientes hospitalizados com insuficiência cardíaca.

Mas calma aí! Você acha que terapias assistidas por animais faz bem apenas aos pacientes? Se sim, melhor dar uma olhada numa recente pesquisa que apontou que, para médicos e enfermeiros que trabalham no turno da noite nas Emergências, interagir com um cão de terapia por vários minutos pode ajudar a diminuir o estresse.

Continuar lendo “Doguinhos ajudam pacientes e até médicos de Emergência nos hospitais”

Como moldamos os cérebros de nossos cães

Eu já escrevi várias vezes sobre cães. Cães são as melhores pessoas! Isso vai desde o garboso collie até o vira-latas caramelo. Não existe cão como o caramelão amigão! Já falei também como eles nos escolheram para sermos amigos deles numa simbiose de amizade em que eles cuidavam de nós em troca de uns petiscos que sobrava.

Durante séculos, os seres humanos criaram cães para aparências ou capacidades específicas. Desde companhia até caça, passando por aqueles camundongos de madame com capacidade de latir. Alguns deles são calmos e tranquilos, enquanto outros têm surtos de ansiedade, destruindo os seus móveis e tudo o que você ama. Pesquisadores resolveram estudar como a pressão seletiva afetou a morfologia dos cérebros caninos, até eles chegarem onde são hoje.

Continuar lendo “Como moldamos os cérebros de nossos cães”

O que cães têm nos olhos que lobos não têm? Peraí que eu vou dizer, meu bem!

Eu já falei aqui várias vezes. Cães e lobos são a mesma espécie. Sim, eles são muito diferentes, mas eu também sou diferente do Capitão América (não tão diferente do Thor, agora). Também falei que não fomos nós que domesticamos os lobos até dar origem aos nossos cães. Foi algo mútuo. Cães acharam que era uma boa ideia ficar perto de nos, já que sempre sobrava uns bocados e eles nos serviam como alarmes e companheiros de caça. Humanos e cães evoluímos conjuntamente, e essa evolução acarretou numa diferençazinha entre cães e lobos. Cães possuem musculatura ocular num arranjo que lobos não têm.

E isso deu ao Rex capacidade de expressar-se só pelo olhar.

Continuar lendo “O que cães têm nos olhos que lobos não têm? Peraí que eu vou dizer, meu bem!”

Quando nossos avós deram adeus pros seus amigos

Nós e nossos cães temos uma relação de dezenas de milhares de anos. Não é apenas sentimentos, ambos aprendemos que convivência é extremamente benéfica para ambos e, com isso, traçamos laços. Sim, interesse. Nosso e deles. Cooperação é sempre mais favorável que competição por recursos. Aprendemos a honrar nossos companheiros em vida e depois da morte. Isso se dá em vários grupos de animais, como macacos e até mesmo elefantes. Humanos aprenderam a fazer rituais de sepultamento mais complexos, e assim evoluiu até a chamada cultura Yamna, uma cultura da Idade do Cobre/Idade do Bronze do final do 3º ao início do 2º milênio AEC. Este grupo de humanos que existia ao longo do rio Dnipro, na região das estepes da Crimeia, perto do estuário do rio Danúbio e nas regiões a leste da Ucrânia até os Urais. Pelo fato dessas culturas usarem fossas profundas para enterrar famílias inteiras, ficou também conhecida como “Pit Culture”, com os mortos sendo cobertos com ocre vermelho e colocados em decúbito dorsal ou nas laterais com as pernas flexionadas.

Não apenas isso, eram colocadas oferendas que acompanhavam os mortos em suas jornadas no pós-vida, como cerâmicas em forma de ovo contendo alimentos, pedras, ossos e instrumentos de cobre, armas e adornos. Nada tão sofisticado quanto os egípcios, mas ainda assim com uma religião bem organizada em termos de rituais fúnebres. Por extensão, aprendemos a honrar aqueles nossos bravos amigos que estiveram com a gente, ainda que não humanos. No caso, os cães.

Continuar lendo “Quando nossos avós deram adeus pros seus amigos”

Dieta à base de frango cru ligada a paralisia em cães

Boa parte das pessoas gosta de um bichinho de estimação, principalmente cães. Eu me lembro do Erasmo, meu vira-latas nanico vindo de um pequinês (eu tinha uns 8 ou 9 anos). Erasmo era muito legal. Ainda mais com 3 crianças que nem sempre queriam comer. Daí a gente dava pro Erasmo, e ele acabou acostumando a comer comida de casa, mesmo (por sinal, ele era louco por macarronada). Hoje temos mil e uma rações, mas algumas pessoas acham que cão é lata de lixo e dá as sobras cruas dos alimentos que não foram para a panela.

Entretanto, os veterinários estão advertindo que dar frango cru aos cães – particularmente, os pescoços de frango (O Erasmo não comia isso! Ele gostava das partes carnudas do frango.) – pode levar a uma forma de paralisia debilitante e potencialmente fatal em cães.

Continuar lendo “Dieta à base de frango cru ligada a paralisia em cães”

Cães são mais espertos que gatos, de acordo com neurociência (guaxinins são mais espertos)

Nós, carnívoros, somos mais inteligentes. Isso é um fato incontestável. A ingestão de proteína animal fez nos cérebros crescerem mais que que os de herbívoros estritos. Lamento, mas é assim mesmo. Um gato é mais esperto que um chinchila, um tigre é mais inteligente que uma zebra e eu nem posso me comparar com um comentarista de portal de notícias, já que este último não subiu na escala evolutiva para algo acima de um fungo.

Os cérebros de animais carnívoros e onívoros também são diferentes, principalmente porque grandes animais têm gastos energéticos maiores e padrões de alimentação não-confiáveis. O alto custo metabólico pode colocar grandes felinos, por exemplo, em risco. Animais pequenos, entretanto, conseguem desenvolver maior números de células do córtex cerebral (a parte mais “espertinha” do cérebro) por volume cerebral. Ou seja, apesar de ursos terem cérebros maiores, não possuem maior número de células corticais proporcionalmente se comparados com um gato ou um cachorro. Aliás, se formos ver por isso, cães possuem maior número de células corticais que gatos. Sim, o Spike é mais esperto que o Tom.

Continuar lendo “Cães são mais espertos que gatos, de acordo com neurociência (guaxinins são mais espertos)”

Cães trapaceiros fazem carinha fofa quando querem algo de você

Vocês pensam que cães são criaturinhas legais enquanto gatos são um bando de FDP. Eu já escrevi sobre gatos usando o ronronar para manipular humanos. Daí o pessoal dos cães ficou radiante pois, né?, Rex sempre está alegrão ou, então, com carinha tristinha, querendo um abraço.

SURPRESAAAAAA!!! Cães são tão manipuladores quanto gatos, produzindo mais movimentos faciais quando algum humano mané está prestando atenção a eles. Toma, seus humanos idiotas! Continuar lendo “Cães trapaceiros fazem carinha fofa quando querem algo de você”

Testando e aprovando cães para deficientes. Sim, temos a tecnologia

Como é o cérebro dos nossos amigos caninos? Melhor ainda, como é o cérebro dos nossos amigos caninos que ajudam deficientes? Será que há um meio de predizer se um cão seria bom em acompanhar pessoas com deficiência? Haveria como realizar algum teste assim? É o que pesquisadores procuram responder ao examinar 49 cães selecionados para treinamento de serviço de acompanhamento, ainda que nem todos eles tenham sequer começado o treinamento.

O que anda rolando pela cabeça de nossos amigos quadrúpedes?

Continuar lendo “Testando e aprovando cães para deficientes. Sim, temos a tecnologia”

Em Balneário Camburiú, tem cego que não se enxerga

Olga Souza tem 57 de inutilidade. Como professora devia se tocar de certas coisas, mas não. Essa senhora – professora ainda por cima! – é completamente sem-noção. Saiu do seu Rio Grande do Sul e resolveu se achar mais que todo mundo insistindo em algo chamado “diversão pessoal”, pois é uma hedonista egocêntrica, para quem só existe ela e mais nada. Quando muito, essa senhora, que só pensa em si mesma, levou seu cachorro para a praia em Balneário Camburiú, que nada mais é que uma praia mixuruca, mas isso é detalhe. O problema é que esta senhora não sabe que é proibido levar cães às praias, mas se achou acima de todo mundo e não atendeu ao pedido de outros banhistas. Uma pouca vergonha!

Continuar lendo “Em Balneário Camburiú, tem cego que não se enxerga”