A neurobiologia de quem faz bullying

De onde vem a sanha de infernizar os outros, ser agressivo e praticar bullying? Alguns dirão que é preciso examinar textos de filósofos para saber as origens da moral e ética, mas filósofos, além de não servirem para nada além de dar aula de Filosofia, ignoram que nós somos o que nossos genes fazem conosco. Mas, claro, ninguém espera que professor de Filosofia saiba dessas coisas, certo? Nisso, pesquisadores descobriram como uma proteína de fator de crescimento afeta a dominância social em camundongos.

E acredite: esses sacripantas psicóticos são bem diferentes do Jerry, que também era um camundongo psicótico e não por acaso ele foi batizado assim (“Jerry” era o apelido que os alemães tinham na época da Segunda Guerra. “Tom” era o apelido dos ingleses. Pense no que significa).

Continuar lendo “A neurobiologia de quem faz bullying”

Pesquisa detecta genes do transtorno do espectro autista em todos nós

O Negão Internauta compartilhou que um babaca youtuber que se acha engraçadalho hostilizou um garoto porque ele era “esquisito”. Daí, a humanidade – com longo histórico de celebrar diferenças nos últimos 20 mil anos – mostra a que veio, caindo de pau no rapaz “esquisito” com ameaças de morte. O problema é que o rapaz é autista

Este bando de retardados não ficará muito feliz ao saber uma coisinha: que o autismo não só é um problema genético que afeta os neurônios-espelho, como já identificaram este gene e SURPRESAAAAAA!!!!!!!!!!, transtornos do espectro autista estão aqui dentro de nós, só que não foram expressos. Sim, eles também poderiam ser autistas, mas isso é algo que pode acontecer. Ser retardado é escolha própria.

Continuar lendo “Pesquisa detecta genes do transtorno do espectro autista em todos nós”

Que mal esconde o coração humano? Nenhum, está no cérebro

Como Desmond Morris disse no Macaco Nu, somos um bando de macacos assassinos. Nossa agressividade não é de hoje, vem ao longo dos milhões de anos de evolução biológica, herdada de nossos parentes répteis, até que o córtex cobriu tudo, varrendo essa agressividade para debaixo do tapete de neurônios mais “bonzinhos”… ou nem tanto assim.

A parte do cérebro que liga antes de comportamento agressivo é anatomicamente conhecida como a parte ventrolateral do núcleo ventromedial do hipotálamo. É a região do cérebro que controla a temperatura corporal, a fome e o sono, a qual é ativada logo antes de um ataque.

Continuar lendo “Que mal esconde o coração humano? Nenhum, está no cérebro”

Como o cérebro culpa e é compreensivo mediante ações e como elas são apresentadas

A sabedoria popular, que muita das vezes se mostra burra, criou frases de efeito, em que muitas delas acabam parando no principal meio de divulgação de cultura: para-choques de caminhões. Sabem aquelas frases de efeito tipo “quando acerto ninguém se lembra, quando erro não me deixam esquecer”? Bem, talvez nesse caso seja uma verdade, e isso pode ter explicação científica.

Uma nova pesquisa estuda um bug esquisito de nosso cérebro: Por que somos bem rápidos em culpar as pessoas por suas ações, mas ao mesmo tempo somos mais lentos para dar-lhes crédito?

Continuar lendo “Como o cérebro culpa e é compreensivo mediante ações e como elas são apresentadas”

Ruídos, mineiros, fantasmas e alucinações

No artigo imediatamente anterior, eu comecei falando sobre como a Humanidade deixou uma das maiores marcas de sua presença no mundo: poluição. Não apenas em termos de petróleo derramado, mas outro tipo de poluição: barulho. Pode-se dizer que não há mais nenhum lugar na Natureza onde em algum momento do dia não haja um som produzido por algum invento humano. Mas como é nossa relação com o barulho e outras manifestações sensoriais? O que aconteceria se vivêssemos num ambiente desprovido de sensações?

Continuar lendo “Ruídos, mineiros, fantasmas e alucinações”

Pesquisadores estudam novas interações homem-máquina

Cientistas na Florida Atlantic University (FAU) criaram um sistema “híbrido” em tempo real, para analisar as interações entre os seres humanos e máquinas (parceiros virtuais). Eles buscam possibilidades de explorar e compreender uma ampla variedade de interações entre máquinas e mentes, e que o primeiro passo para uma união muito amiga entre o homem e a máquina, e talvez até criar um tipo de máquina totalmente diferente. Será o alvorecer do Skynet? Continuar lendo “Pesquisadores estudam novas interações homem-máquina”