Ciência diz ao paraplégico: levanta e pegue este copo d’água

Bill Kochevar fez algo que parecia impossível: beber água. Eu sei, você deve achar esquisito por ser algo trivial, e até era… ou foi… por muitos anos. Isso até que um acidente de bicicleta deu um fim nisso, quando Bill ficou paralisado dos ombros para baixo. Ele podia ter colocado sua fé em Jesus, mas Jesus não dá bola para quadriplégicos. Jesus só faz dor de cabeça passar, principalmente quando se toma analgésico. Hoje, Bill conseguiu parte do movimento dos braços e das pernas, usando apenas o cérebro e o melhor da Ciência do século XXI.

Continuar lendo “Ciência diz ao paraplégico: levanta e pegue este copo d’água”

Stephen Hawking tem medinho da Inteligência Artificial malvada

Eu tenho muitas opiniões. Às vezes eu mudo, mas algumas não tem como. Eu sustentarei até a morte. Uma delas é que o Stephen Hawking já morreu, sua cadeira adquiriu consciência e fica arrastando o cadáver de um lado pro outro enquanto fala com todo mundo, enganando os manés fazendo-os pensar que estão falando com o próprio Stephen.

Agora a cadeira, digo, o Hawking soltou mais uma das suas ao pedir aos líderes mundiais que mantenham a tecnologia sob controle antes que ela possa destruir a humanidade. Tenho certeza que um modo do Skynet desviar as atenções.

Continuar lendo “Stephen Hawking tem medinho da Inteligência Artificial malvada”

Máquinas moleculares: Quem ganhou o prêmio Nobel de Química 2016 e por quê

Um grupo de cientistas ficou muito feliz esta semana. Levaram algumas coroas suecas para casa, suas esposas acharam o máximo e tudo acabou em festa. E não, não é roteiro de algumas revistas suecas. É o resultado de outro tipo de publicação. Saiu o prêmio Nobel de Química 2016, que contemplou o trabalho de três pesquisadores com um módico prêmio de 8 milhões de Ann-Margrets.

Enquanto físicos constroem as maiores máquinas do mundo para compensar suas anatomias, químicos desenvolvem as menores máquinas porque… Bem, não temos problemas de autoestima. :D 

Mas afinal, pelo que foi o prêmio Nobel de Química? Merece um LIVRO DOS PORQUÊS!

Continuar lendo “Máquinas moleculares: Quem ganhou o prêmio Nobel de Química 2016 e por quê”

Máquinas de DNA como termômetros em nanoescala

Existe dois tipos de Ciências. Existe a Química, que mudou o mundo, nos deu capacidade de sobrevivermos em ambiente hostil, possibilitou que pudéssemos criar ferramentas, ligas metálicas, combustíveis, motores, ar-condicionados, venceu doenças, nos deu medicamentos e a capacidade de criarmos toda a sorte de apetrechos tecnológicos. E existem as outras.

Enquanto o pessoal reclama sem nenhuma justificativa da assertiva acima, químicos – com eles a oração e a paz – criaram um termômetro DNA programável, 20 mil vezes menor do que um cabelo humano. Agora, fale-me da sua pesquisa sobre gente defecando em retrato de políticos na rua.

Continuar lendo “Máquinas de DNA como termômetros em nanoescala”

Aventuras na Era da Invenção que já não inventam mais

Frank Reade weekly magazine era de um tempo pré-Smartphone, quando crianças liam, ao invés de ficar na ânsia de apertar a porcaria dos seus celulares. Viajava-se na imaginação ao invés de ter coisas coloridas explodindo no seus olhos, mas que depois não se absorveu nada, mas criando ligações nas áreas de prazer do cérebro, clamando para serem ativadas de novo.

Com o subtítulo Adventures in the Age of Invention (Aventuras na Era da INvenção), por vezes trazendo Containing stories of adventures on land, sea & in the air (contendo histórias de aventuras na terra, mar e ar), Frank Reade lhe levava a um mundo de aventuras a cada semana. Das profundezas do mar até o resgate em montanhas cobertas de neve, com capas desenhadas por artistas da época que imaginavam as cenas e traziam aos leitores um brevíssimo resumo do que ele poderia encontrar nas páginas a seguir.

Continuar lendo “Aventuras na Era da Invenção que já não inventam mais”

Sistema purifica água, remove sujeira e manda vírus pra vala

Lembram quando eu critiquei aquela palhaçada do WarkaWater? Aquela porcaria promete captar a umidade atmosférica e foi experimentada em Veneza, um lugar tão seco quanto o deserto de Atacama. E uma iniciativa idiota, criada por um designer e um arquiteto. Só podia dar naquilo, mesmo. Quando engenheiros de verdade entram em cena, sai um sistema que usa energia fotovoltaica e energia solar para filtragem e produzir água potável de alta qualidade a partir de uma água  imunda dos cafundós da Tanzânia.

Continuar lendo “Sistema purifica água, remove sujeira e manda vírus pra vala”

Uma Máquina de Fazer Chuva

Não é magia, não é o caso de índios esquisitos com poderes especiais nem caciques minhoquinhas que trabalham no Reveillon. Quando o clima seco e baixa humidade afeta a vida de muitas pessoas, é hora para apelarmos a um poder supremo. O poder do Conhecimento. O poder da Ciência.

Então, se o problema é falta de chuva, apelemos para uma máquina de fazer chover.

Continuar lendo “Uma Máquina de Fazer Chuva”

Grandes Nomes da Ciência: Wesley Souza

O cientista é aquele que é brilhante por si só. O cientista é aquele que pega conceitos e transforma em conhecimento útil, e todo conhecimento é útil se você o direciona. O cientista é aquele que compartilha suas descobertas e não é preciso ter um laboratório hiper-equipado. às vezes, você é um Michael Faraday, que estudou com os livros que ele encadernava. Às vezes, você é William Kamkwamba, que de um monte de entulho modificou a vida de uma cidade inteira, de um país inteiro. Às vezes, você mora lá pra dentro do Tocantins, que não é a 8ª Maravilha do Mundo, e mesmo assim pode fazer algo que eu chamaria de mágico. Wesley Souza fez isso.

Esta é uma mescla do Grandes Nomes da Ciência com o Livro dos Porquês, capítulo "Mecânica de Fluidos", subcapítulo "Princípio de Pascal".

Continuar lendo “Grandes Nomes da Ciência: Wesley Souza”

O Homem como Palácio Industrial

O Homem sempre foi visto como uma máquina perfeita, apesar de estar bem longe disso. Além de uma coluna vertebral tosca, que cismou de ficar ereta, ganhando dores nela, além de partos mais dolorosos ainda; além de termos uma visão ridícula e um sistema olfativo que faz qualquer cão deitar, rolar e cair na gargalhada, além de vivermos mais e mais, dando tempo de aparecer doenças neurodegenerativas. Nosso corpo não é a oitava maravilha do mundo. Não é nem a 9.000.000ª maravilha.

Para a visão mecanicista alemã do início do século XX, entretanto, éramos perfeitos e isso foi muito retratado, como o artista Fritz Khan quis demostrar.

Continuar lendo “O Homem como Palácio Industrial”