Acharam o que sobrou da Luzia. Sabem o que isso significa?

AVISO

Parem de ler imediatamente. Não reclamem depois.

Bom, acharam os restos dos restos que era o crânio conhecido como “Luzia”, o fóssil humano nativo das Américas. Segundo o que sobrou do Museu Nacional (lamento, mas eu tenho que falar assim. O Museu foi destruído para sempre. O que vão fazer é outro museu. Alguém tem que falar a verdade), os ossos, que já não estavam tão ótimos assim, foram encontrados em estado mais deplorável, graças a uma sortuda incompetência generalizada. Se antes a caveira não estava totalmente preservada, do que tinha lá só acharam 80% (entenderam o “resto do resto”?). O anúncio foi eito ontem (19/10), mas não disseram quando encontraram a ossada.

Continuar lendo “Acharam o que sobrou da Luzia. Sabem o que isso significa?”

Crateras de dinossauros ajudam a saber sobre a história de nossos avós

Existe criacionista retardado (desculpem o pleonasmo) que realmente acha que homens e dinossauros conviveram. Tem até imagenzinha lindinha de homens cavalgando dinos, como esta aqui ao lado (não é que seja Jesus, não é. Mas bem que parece. Até tem a cara de quem nunca tomou banho). Ainda assim, dinossauros podem nos ajudar em muita coisa; como encontrar vestígios de hominídeos, mesmo estes tendo aparecido muito tempo depois.

Mas as crateras… ah, as crateras ainda estão lá…

Continuar lendo “Crateras de dinossauros ajudam a saber sobre a história de nossos avós”

Neandertais e humanos desenvolveram diferentes tecnologias para obter alimentos

Dizem que somos o que comemos. Não é bem assim. É mais como “ficamos da maneira como comemos”. Nossos alimentos deixam marcas, algumas visíveis outras nem tanto. Como dentes, por exemplo. Isso pode ser evidenciado em nossos tatatatataravós, sejam Homo sapiens, sejam neandertais. Se bem que nenhum de nós tem ancestral entre os neandertais, mas isso ainda não é totalmente consenso.

Claro, como temos os dos hominídeos supracitados com culturas diferentes, lógico, suas dietas eram diferentes, mesmo porque, seus modos de obter comida eram diferentes.

Continuar lendo “Neandertais e humanos desenvolveram diferentes tecnologias para obter alimentos”

Diferente de Soylent Green, Hobbits não eram gente

Nunca chegaram a um consenso com os hobbits, apelido dado a supostos ancestrais do Homem encontrados na Ilha das Flores e, por isso, chamados de Homo floresiensis. O anúncio de sua descoberta foi feito em 2004, embora sua descoberta tenha sido em 2003, mas isso deixou muita gente encucada. Seriam eles realmente nossos ancestrais. Eles eram baixinhos, num lugar onde a fauna era baixinha, também. Por isso os apelidaram de “Hobbits”. Se você conhece a obra de J. R. R. Tolkien, consegue imaginar o motivo.

De acordo com um novo estudo, baseado na análise dos ossos do crânio, ficou comprovado sem sombra de dúvidas  que o pessoal da Ilha das Flores podiam ser qualquer coisa, mas com certeza não pertenciam à espécie dos Homo sapiens.

Continuar lendo “Diferente de Soylent Green, Hobbits não eram gente”

Coloquem mais água no feijão! Mais um primo distante foi encontrado

É comum as histórias em que o herói busca as suas origens, seu ponto de partida. Isso se reflete em como nós encaramos a própria existência e nossa curiosidade sobre quem estava aqui antes de nós, antes do ser humano ser efetivamente humano. Já coletamos muitas informações e temos ampliado e muito nossa árvore genealógica.

Mas estamos falando de Ciência, onde nunca ha respostas definitivas, pois nunca temos informações definitivas, e mais dados aparecem, como é o caso de duas mandíbulas encontradas, que mostra que nossa busca está longe de ser terminada.

Continuar lendo “Coloquem mais água no feijão! Mais um primo distante foi encontrado”

Mais antigo DNA humano foi encontrado, e não foi no Ratinho

Eu sempre achei o DNA o maior barato. Não, é sério! DNA é tão maneiro, mas tão maneiro, que até eu tenho um! Os homens de antigamente (beeeeem antigamente) também tinham, mas até hoje não se obteve um DNA tão antigo assim, de modo que prestasse para algo. Agora, cientistas encontraram a mais antiga evidência de DNA ainda da história biológica dos seres humanos.

Longe de explicar tudo, esta descoberta até nos traz informações, mas de carreto vêm mais dúvidas.

Continuar lendo “Mais antigo DNA humano foi encontrado, e não foi no Ratinho”

Ancestrais do homem já eram bípedes há 6 milhões de anos

bipede.jpgPesquisa analisou misterioso osso da coxa do hominídeo africano Orrorin tugenensis. Conclusão é que criatura andava ereta, tal como australopitecos, bem mais recentes. Uma dupla de pesquisadores americanos pode ter conseguido um feito raro nos estudos sobre a evolução humana: simplificar um pouco as coisas, em vez de complicá-las. Analisando a anatomia de um dos mais antigos ancestrais do homem, o Orrorin tugenensis, de 6 milhões de anos, eles concluíram que ele era bípede, com um andar muito parecido com o dos australopitecos, velhos conhecidos dos antropólogos.

Se a dupla estiver correta, cai por terra a idéia de que o O. tugenensis seria uma criatura “à frente de seu tempo”, mais próxima do nosso próprio gênero (o Homo, do famoso binômio Homo sapiens) do que quase todos os outros hominídeos que existiram entre 6 milhões e 2 milhões de anos atrás. Continuar lendo “Ancestrais do homem já eram bípedes há 6 milhões de anos”

Neandertais podem ter sido ruivos e capazes de falar

A temporada de caça aos genes dos neandertais acaba de produzir um fruto, digamos, fashion: ao que tudo indica, pelo menos alguns desses hominídeos troncudos tinham em comum com Julia Roberts uma vasta cabeleira ruiva. O mais curioso é que, ao contrário do que se especulava, essa característica parece ter surgido de forma independente – uma espécie de evolução convergente do cabelo avermelhado e da pele muito clara. Continuar lendo “Neandertais podem ter sido ruivos e capazes de falar”