Esporos fofoqueiros contam o que andou rolando na Extinção do Triássico

Há 200 milhões de anos, deu muito ruim no planeta Terra (não que isso seja novidade ou exclusividade. Houve outras extinções em massa. Essa foi apenas mais uma num mundo perfeito, projetado por um desenhista inteligente). A Extinção do Triássico-Jurássico foi uma extinção das mais severas, intensas e das que abalaram geral, quase limando toda a vida na Terra.

Ainda não se tem certeza de como isso aconteceu. Das várias hipóteses, a que mais se aproxima do que ocorreu é a que defende que houve um festival de erupções vulcânicas em escala colossal, já que elas teriam liberado quantidades godzilianas de dióxido de carbono e dióxido de enxofre que teriam feito o favor de causar um aquecimento global sem precedentes. Só que novos dados fornecidos por esporos de samambaia sugerem que pode não ter sido só isso.

Continuar lendo “Esporos fofoqueiros contam o que andou rolando na Extinção do Triássico”

Em 50 anos, seres humanos passarão o cerol em quase 2 mil espécies. Somos maus, não somos?

Indo direto ao ponto, estimativas apontam que lá pro ano 2070, seres humanos terão extinguido (ou quase) cerca de 1.700 espécies entre anfíbios, aves e mamíferos em maior risco de extinção. Sim, seres humanos, esses maníacos psicopatas que estão passando o rodo em geral. Mas ninguém para para pensar (merda de acordo ortográfico!) num pequeno detalhe: não somos tão especiais assim, e o ser humano ainda é parte do mundo natural.

Eu preciso explicar o que isso significa, não preciso?

Continuar lendo “Em 50 anos, seres humanos passarão o cerol em quase 2 mil espécies. Somos maus, não somos?”

Pesquisa vem com panspermia de novo com argumento da ignorância

Eu estava lendo o Astro PT, o segundo melhor site de astronomia em português, perdendo pro Space Today. O problema é que ele deu uma derrapada em alguns conceitos de Biologia. Em um artigo, o Astro PT traz sobre uma pesquisa apontando a possibilidade da Explosão do Cambriano ter tido origem extraterrestre. Só que percebi umas coisas ainda consideradas desde a década de 70, que ainda acham ser um mistério, mas é um pensamento atrasado.

Então: a explosão do cambriano teve origem extraterrestre? Não e vou dizer o motivo.

Continuar lendo “Pesquisa vem com panspermia de novo com argumento da ignorância”

Humanos mandaram megafauna pro saco antes do que se pensava

Dizem que seres humanos são um grande mal deste mundo, pois causou a extinção de várias espécies. O fato de ter havido grandes extinções várias vezes, quando mais de 90% da vida na Terra ter ido pro saco de uma vez só, bem antes de sequer haver humanos, passa batido. Somos mais um agente da Natureza fazendo o que a Natureza faz de melhor: acabar com a própria Natureza, mas não tão eficientes quanto um meteorão do mal como o que caiu em Yucatán.

Podemos ter em mente que quando apareceram hominídeos, eles não fizeram nada além do que qualquer espécie faz: detonar com as demais. O problema é que nossos tatataravós desenvolveram tecnologias que os fizeram mais eficientes nisso. Estudos atuais estão apontando que começamos a mandar as grandes espécies (ou megafauna) pro doce colo da inexistência mais cedo até do que se pensava.

Continuar lendo “Humanos mandaram megafauna pro saco antes do que se pensava”

As plantinhas que foram pra vala por causa do meteorão do mal

Eu gostei de ler sobre o eclipse do dia 21. Sim, muito legal quando a natureza mostra seu balé cósmico, e vemos que escapamos mais uma vez de uma desgraça. Há cerca de 65 milhões de anos, os dinos não tiveram a mesma sorte, no que ficou conhecido como Extinção do Cretáceo-Terciário ou Extinção do Cretáceo-Paleogeno. Um meteorão do mal de 10 km de diâmetro caiu e mandou quase todo para a vala, inclusive dinossauros. O registro estratigráfico mostra que o desaparecimento abrupto das espécies, e não foram só animais. Plantas, também.

O cataclismo gerou uma onda de choque e calor que acarretou vastos incêndios. E quando há incêndios de grandes proporções, não é de se espantar que tenha havido queima incompleta, descarregando grandes toneladas de carbono finamente dividido em suspensão na atmosfera, o que chamamos de “fumaça” e “fuligem”. Sim, as plantas foram as próximas vítimas, senão por causa do incêndio, por causa do bloqueio da luz solar.
Continuar lendo “As plantinhas que foram pra vala por causa do meteorão do mal”

Quando o oceano ficou sem oxigênio e a vida teve que dar um jeito

O mundo antigo, bem antigo, já não era lá essas coisas lindas que filmes de monstros fazem crer. Nada de dinossauros cuspindo fogo, nem gorilas gigantescos e nem nada remotamente parecido com um Kaju. Ou seja, era algo chato, ainda mais no período Jurássico, que não tinha dinossaurões. Ainda assim tinha muita coisa para se preocupar. Era um mundo perigoso e, hoje, vemos que sempre estivemos frente a frente com vários perigos.

Talvez fosse o caso de se esconder no mar, mas pesquisas atuais mostram que mesmo seres aquáticos tiveram vários problemas. Pesquisas atuais mostram como o oceano do período jurássico enfrentou concentrações baixíssimas de oxigênio. E isso não é nada legal!

Continuar lendo “Quando o oceano ficou sem oxigênio e a vida teve que dar um jeito”

As folhinhas que ajudam a entender a extinção dos dinossauros

Há mais de 64 milhões de anos, um pedregulhão do mal caiu no México, aterrorizando tudo o que morava ali mais do que a possibilidade do Trump ser eleito. A queda inflamou os céus, o impactou gerou uma onda de choque que varreu o planeta, a Segunda Lei da Termodinâmica fez o seu trabalho, e uma onda de calor percorreu o solo, assim como o calor da atmosfera que se inflamou. O terremoto gerou um imenso tsunami que lavou as pobres almas de tudo o que foi pela frente. Morte, dor e ranger de dinossauros assolaram o planeta.

Mas tudo tem um fim e um início. O fim dos dinos de oportunidade aos mamíferos e aqui estamos nós para contar esta história. Entretanto, surge uma dúvida: A partir de quando a vida começou a voltar ao normal?

Continuar lendo “As folhinhas que ajudam a entender a extinção dos dinossauros”

Chuva Ácida pode ter sido o assassino definitivo no período Permiano

O vilão está à espreita. Não precisaram fazer a pergunta tola "o que faremos esta noite?". Um vilão que se preza não gargalha e conta todo o seu plano. Ele age. Silenciosa e cruelmente, ele dá o golpe de misericórdia, fazendo com que futuramente todos falem dele com um medo contido à força, pois sabemos que mais dia, menos dia, ele poderá reaparecer, e isso poderá ser o fim.

Há 250 milhões de anos, 95% de toda a vida na Terra foi pro ralo. Criminosos? Muitos. Quem foi o responsável? Os Detetives da Natureza tentam desvendar isso. São os cientistas e eles acharam mais uma peça do quebra-cabeças.

Continuar lendo “Chuva Ácida pode ter sido o assassino definitivo no período Permiano”