Alunos que não dão ouvidos a causas sociais se ferram no ENEM

Lembrem-se, lembre-se do cinco de novembro. Não por causa daquela conspiração terrorista para derrubar um parlamento para instituir uma ditadura fundamentalista católica. Ontem foi a primeira prova do ENEM e já tem gente reclamando, o que não é novidade. Se virem vídeo de gatinho, é capaz de reclamarem também. O mimimi dessa vez foi porque um bando de imbecilóides que ainda não entenderam o ENEM se prepararam para escrever sobre o embate Estados Unidos x Coreia do Norte (aposto que até já tinha colinha na manga do casaco) e deram de cara com o tema: “Desafios para a formação educacional de surdos no Brasil”.

Pronto, ferrou!

Continuar lendo “Alunos que não dão ouvidos a causas sociais se ferram no ENEM”

Por que eu fiz Química?

Sim, eu fiz Química. Todo mundo me pergunta o por quê. Eu não teria grandes motivos para explicar uma coisa que nem eu sei ao certo. Entretanto, há alguns fatos a serem considerados e analisar como eu acabei nessa profissão.

Além disso, é bom saber por que você deveria fazer Química ou seguir uma outra profissão. Sim, é mais um vídeo.
Continuar lendo “Por que eu fiz Química?”

Reações Químicas

Reações químicas são o processo pelo qual nós temos uma ou mais substâncias e conseguimos obter muitas outras… ou apenas uma só. Nossas indústria, nossas casas e até o interior de nossos corpos é uma constante sucessão de reações químicas.

Essas reações nunca são iguais, cada uma dependendo da natureza das substâncias envolvidas. Sendo assim, que tal darmos uma olhadinha em alguns poucos exemplos? Eis mais uma edição em vídeo do LIVRO DOS PORQUÊS!

Continuar lendo “Reações Químicas”

Seu cérebro esquecidinho economizando energia

Nosso cérebro faz muita coisa, e a maioria você nem sabe. Por exemplo, você está respirando agora. Agora, você vai inspirar, expirar, inspirar, expirar… agora se vira aí pra mandar pro automático de novo :)

Lembre-se da fenilcetonúria.

Para fazer tudo isso, nossa querida gelatina gasta 20% de toda energia consumida pelo seu corpo inteiro. Sim, isso mesmo! 1/5 de toda energia do seu corpo vai pro cérebro, excetuando casos especiais, como criacionistas, ufeiros e o pessoal que acha que fosfoetanolamina foi proibida pelos illuminatis das companhias farmacêuticas.

Com tanto gasto de energia, o cérebro acaba arrumando algum jeito de diminuir esse gasto. E uma das formas encontradas é… esquecendo informações.

Continuar lendo “Seu cérebro esquecidinho economizando energia”

Pesquisas estudam o ignorado local onde fica o aprendizado

O cérebro é o órgão mais complexo, esquisito, gambiarrento, problemático e desconhecido que temos. Não é questão que só usemos 10% dele. Isso é boato. O certo é que mal conhecemos 10% dele. Há algumas partes do cérebro que simplesmente não sabemos pra que serve (se é que serve para alguma coisa. Ninguém nunca disse que tudo no corpo humano tem que ser 100% eficiente o tempo todo). Agora, pesquisadores estão dando atenção a algo que vem sendo ignorado por muitos e muitos anos: a parte associada à leitura!

Continuar lendo “Pesquisas estudam o ignorado local onde fica o aprendizado”

Carta a um pai cético

Muitas vezes me fazem a mesma pergunta, mas com algumas variações: "Como criar meu filho para não acreditar nas religiões?", "Como fazer meu filho um pensador?", "Como troco esta maldita de fralda quando minha mulher não está em casa?"

Eu não sei se posso te ajudar com a fralda, mas podemos falar um pouco sobre o que é criar um filho nos dias de hoje. Eu ainda estou aprendendo também, como aprendo muitas coisas todos os dias; mas posso compartilhar o pouco que sei. Vai de você achar que faz sentido ou não.

Clique aqui para ler o restante deste artigo »

Tenha o seu Mini Museu em casa. Sim, vais ter que meter a mão no bolso

Eu sempre gostei de museus. A cultura de milênios à sua disposição. Uma história da vida na Terra de BILHÕES de anos. Tudo ali, em armários, cristaleiras, vitrines ou bem na sua frente, podendo até ser tocado (ou não, na maior ados casos). O problema, entretanto, é a gente ir pra casa, sem poder levar nada daquilo de lembrança. No máximo, se comprar na lojinha (o que não é a mesma coisa, já que um meteorito não é a mesma coisa que uma camiseta com desenho custando quase 100 merréis).

Não seria legal ter uma pequena amostra do que tinha lá no museusão? Que tal ter algo em cima da sua mesa, para tentar impressionar seus parentes, que não darão a mínima, mas mesmo assim você achará o máximo?

SEUS PROBLEMAS ACABARAM!

Continuar lendo “Tenha o seu Mini Museu em casa. Sim, vais ter que meter a mão no bolso”

Química em Casa: Faça da sua cozinha o seu laboratório

Quando eu era professor de estadualzão, eu tive a estúpida ideia que seria legal ensinar um pouco a mais. O que pode ser melhor, numa aula de Química, do que experimentos? Bem, estadualzão que se preze não tem laboratório, não tem instalações minimamente decentes e nem direito competente. E não, não existe coordenador em colégios estaduais do RJ. Eu implorei para poder usar o refeitório para aulas experimentais, com coisas que tinha na própria cozinha. Seria legal, né? Mas se isso fosse fácil, não seria inerente ao setor público. O diretor disse que que não, porque eu estava tendo ideias demais (como ensinar, por exemplo).

Mas você — VOCÊ! — não precisa passar por estes dissabores. A Universidade East Anglia tem um projeto em forma de curso online, onde você poderá aprender como usar sua cozinha para ensinar Química.

Continuar lendo “Química em Casa: Faça da sua cozinha o seu laboratório”

Textos digitais são mais fáceis de serem lidos por dislexos do que em outras mídias

Em 5000 anos de escrita, ainda não inventaram nada melhor que papel. Há muito, muito, MUITO tempo eu escuto que os computadores tornariam o papel obsoleto. Bem, nunca se gastou tanto papel depois do invento dos computadores pessoais, cérebros eletrônicos, PC, microcomputadores e, hoje, computadores (tudo a mesma bagaça!). A única coisa que a moderna informática particular (eu também quero inventar termos. Não enche!) foi uma profusão de garranchos e português pessimamente escrito, já que papel não tem corretor ortográfico (que na maioria das vezes não serve para nada, de qualquer forma). Analisem, o papel é TÃO importante ainda, que leitores de livros digitais imitam papel, o inverso não é verdadeiro.

Entretanto, eu não sou um ludita (cujo termo é várias vezes empregado de forma errônea, assim como "maquiavélico". Deixemos isso para outro dia). Simplesmente, o papel é a suprema perfeição, mas até mesmo a perfeição precisa de uma mãozinha. Pesquisadores descobriram que a leitura em de livros eletrônicos mostrou-se mais fácil para dislexos. Mas eu achei alguns errinhos básicos, como sempre.

Continuar lendo “Textos digitais são mais fáceis de serem lidos por dislexos do que em outras mídias”