Pesquisa mostra o óbvio: não é porque você é vegetariano que isso lhe garante boa saúde

Claro, você ouviu que a alimentação vegetariana é muito melhor, certo? Que alimentação vegetariana não tem problema nenhum. Ok, te enganaram. Satisfeito? Péra, você acreditou? Eu também acreditava que espelhos atraíam raios, coisa que eu parei de acreditar depois das aulas de Ciência no colégio na sexta série.

Uma recente pesquisa demonstrou que alimentação vegetariana não significa alimentação saudável.

Continuar lendo “Pesquisa mostra o óbvio: não é porque você é vegetariano que isso lhe garante boa saúde”

Agricultura orgânica não resolve problema da fome e ainda prejudica meio-ambiente

Você está aí comendo sua saladinha feita com produtos orgânicos que comprou no Carrefour. Já começa que muitas vezes eles não são orgânicos, só são vendidos assim para cobrarem mais caro. Mas, claro, você não sabe disso. Você só quer uma alimentação mais saudável, pensando no meio ambiente, pois a produção orgânica é mais ecológica, certo?

Errou, otário! Uma recente pesquisa mostrou que cultivo de alimentação orgânica libera muito mais gases de efeito estufa do que as práticas inicialmente reduzidas

Continuar lendo “Agricultura orgânica não resolve problema da fome e ainda prejudica meio-ambiente”

Vai andar de bicicleta? Coma batata

Eu me lembro de ter chegado no trabalho uma vez e a mulherada comentando animada sobre algo incrível que ajudava no controle de peso blábláblá… vocês sabem. Eu perguntei o que era, e me responderam que eram incríveis pílulas de gelatina. Não eram lá baratas (cerca de 30 reais), mas eram eficientes, pois as proteínas contidas nas pílulas saciavam a vontade de comer (o que é verdade, proteínas fazem isso). Eu perguntei por que compravam algo custando 30 reais quando uma caixa de gelatina custava um real e fazia o mesmo efeito, tendo até sabor, e quem não quisesse, tinha gelatina sem sabor.

Me xingaram, óbvio.

Uma pesquisa descobriu coisa semelhante: ao invés de vagabundo se encher com esses “géis (plural de gel, antes que perguntem) de carboidrato”, deveria comer uma colher de purê de batatas (não no cachorro quente, pois isso é coisa de paulistenses, que confundem biscoito com tapa na cara), que faz o mesmo efeito em manter os níveis de glicose e melhora o desempenho em atletas profissionais.

Continuar lendo “Vai andar de bicicleta? Coma batata”

Precisando de ajudinha pra comer? Chame o MaNuEL

Envelhecer não é legal. Esse negócio que se sente melhor, a vida começa aos 50 blábláblá é ótimo, mas quando seu plano de saúde é ótimo e você tem gente cuidando de você. No mais, é uma droga. E se você é daqueles que é solteiro, divorciado, separado, viúvo e mora sozinho, a tendência de sofrer de desnutrição é altíssima. Mais e mais pessoas idosas sofrem de desnutrição.

Mas espere! Uma pesquisa mostra que pessoas (tanto homens quanto mulheres) são casados tendem a cuidar melhor de si mesmos, assim como aqueles que têm dificuldade em andar e/ou subir escadas, ou que acabaram de voltar do hospital, também são mais propensos a sofrer de desnutrição do que outros da mesma idade.

Continuar lendo “Precisando de ajudinha pra comer? Chame o MaNuEL”

Grandes Nomes da Ciência: Kathleen Drew-Baker

O casal está em casa. É sábado e a noite está convidativa para ficar em casa. Obviamente, não tem nada na TV que preste, mas com serviços de streaming e a Locadora do Paulo Coelho, basta escolher um filme qualquer para passar. Seria legal pedir alguma coisa, né? Claro! Comida japonesa? Pode ser. A encomenda é feita e algum tempo depois chegam os sushis, os temakis e outras iguarias. Algo trivial e comum, mas pratos como sushis e temakis só são possíveis de fazer graças a um tipo particular de alga. E essa alga só é possível graças a uma mãe zelosa.

Continuar lendo “Grandes Nomes da Ciência: Kathleen Drew-Baker”

Japonês, abra o olho: Molho shoyu no Brasil tem mais milho que soja!

Você deve ser daqueles que curte uma comida japa, né? E, claro, os dois melhores acompanhamentos são o molho agridoce e o molho shoyu. Na verdade, não existe um molho shoyu. Temos o koikuchi shoyu, ou molho shoyu comum; o Usukuchi shoyu, que leva 10% a mais de sal do que o shoyu comum; temos o tamari shoyu, um molho com sabor mais intenso; há o saishikomi shoyu, fermentado no próprio molho, sem levar sal; e temos o shiro shoyu, mais claro e mais leve que o usukuchi shoyu, acabando por ter um sabor mais doce. Sabe qual deles que vem no seu pedido, naquelas porcarias de sachês? Pois é. Nenhum.

De acordo com pesquisadores do Centro de Energia Nuclear na Agricultura, das 70 marcas analisadas, a maioria delas contém menos de 20% de soja. O que vocês colocam no seu sushi é molho de milho, mesmo!

Continuar lendo “Japonês, abra o olho: Molho shoyu no Brasil tem mais milho que soja!”

Baixo consumo de calorias está relacionado a diminuição de doenças do envelhecimento

Se você é homem casado, sabe que se tem mulher em casa fazendo dieta para emagrecer, fatalmente você também estará fazendo dieta. Minha digníssima, por exemplo, está fazendo dieta low-carb. Uma maravilha, mas isso só dura quando você se vê almoçando lasanha de berinjela, com aquele maravilhoso sabor da derrota.

É um fato que a diminuição de carboidratos ajuda a perder peso, além de evitar doenças futuras, mas agora, num estudo mais completo, ficou evidenciado que a restrição calórica, de uma maneira geral, diminuiu o envelhecimento e o metabolismo e protegeu contra doenças relacionadas à idade.

Continuar lendo “Baixo consumo de calorias está relacionado a diminuição de doenças do envelhecimento”

Pesquisa brasileira mostra como melhorar eficiência no cultivo de soja

Por muito tempo, o Brasil liderou a produção e exportação mundial de soja, mas nossa incompetência endêmica nos fez perder o posto de maior exportador de soja do mundo para os Estados Unidos. Da produção mundial de pouco mais de 351 milhões de toneladas de soja, com uma área cultivada e aproximadamente 121 milhões de hectares, os EUA produzem 117,2 milhões de toneladas do referido grão em uma área de 33,48 milhões de hectares. Já o Brasil produz 113,92 milhões de toneladas de soja em uma área de 33,89 milhões de hectares, tendo uma eficiência de plantio inferior ao dos EUA, que não parece muito, mas quando jogamos na tabela em termos de milhares de hectares (1 hectare é um hectômetro quadrado ou 10 mil m2). Fonte

A soja é importantíssima e estratégica, já que é um alimento rico em proteínas, podendo ser usada para consumo humano e de animais. O problema é proteínas são moléculas que precisam de boas quantidades de nitrogênio para que sejam estabelecidas ligações peptídicas; isso acarreta que seu cultivo demanda alta concentração de nitrogênio no solo. Como podemos melhorar a eficiência no cultivo? Ora, tendo mais nitrogênio no solo, é claro. Fácil, não? Como fixaremos mais nitrogênio?

Continuar lendo “Pesquisa brasileira mostra como melhorar eficiência no cultivo de soja”

Se encher de carboidrato ferra com sua adropina, mas que diabo é isso?

Sabe aquelas nojeiras que você está acostumado a comer? Pois é, aquilo não some por encanto e a droga do seu sistema digestório tem que dar conta daquilo tudo. Desde o suco gástrico, passando pela bile, pepsina., sucos pancreáticos etc. recentemente foi descoberta a ação da adropina (com “D”. Atropina com “T” é outra coisa). Ela regula a homeostasia energética e o metabolismo lipídico. (What?) Homeostasia é a propriedade dos seres vivos de conseguir regular o seu “ambiente interno” (ele lá dentro, ou no caso, nós aqui dentro), de forma a manter o equilíbrio dinâmico e tudo se manter funcionando tranquilamente. Além de regular a transferência e manutenção energética dentro do organismo, a adropina ainda regula como nosso corpo manda e desmanda no metabolismo de lipídios (gordura, seu seboso!). A adropina desempenha papel na resposta à insulina e previne o acúmulo de gordura no fígado. A adropina é sua amiga!

Aprendeu um bocado sobre adropina, né? Alguém copia lá na Wikipédia, então, pois os espertões de lá não têm artigo sobre isso. Podem até incluir a informação que uma recente pesquisa mostra que os níveis do adropina variam de acordo com o consumo de carboidratos.

Continuar lendo “Se encher de carboidrato ferra com sua adropina, mas que diabo é isso?”

Jardins urbanos podem ser nocivos à saude humana

Nossas raízes evolutivas nos faz gostar de prados, savanas e uma ou outra arvorezinha. Gostamos de terrenos amplos, aconchegantes e do verde. Verde acalma, verde nos deixa em paz, verde é usado em semáforos e lousas por causa disso (até que algum idiota resolveu implantar quadro branco, e assim começou o declínio da Humanidade).

Inventamos a agricultura e isso facilitou a nossa vida. Criamos vilas,  cidades-estado, reinos e até impérios. Hoje, voltamos a essas raízes cultivando uma hortinha em casa e, em escala muito maior, agriculturas urbanas, isto é, bem no meio da cidade. Mas parece que isso tem o seu preço, também. Sempre tem um preço a se pagar.

Continuar lendo “Jardins urbanos podem ser nocivos à saude humana”