Yasuke, o samurai negão responsa

O homem sereno está sentado sobre os calcanhares. Seu rosto está tranquilo e ele medita. Ao seu lado, uma katana. Este homem é um guerreiro, um comandante militar, um homem de honra e hábil no manuseio da espada. Este homem é um samurai. Ao olharem para ele, seus inimigos sentem curiosidade e terror. Terror por ser um guerreiro vigoroso e hábil. Curiosidade por ele não ser japonês, mas um negro africano.

Não se sabe o nome verdadeiro dele. Chamavam-no Yasuke, mas não porque tenha algum significado especial, ao que se sabe. Alguns alegam que é a transliteração fonética de algum nome africano, mas se tal era assim, ninguém sabe com certeza. Seu local e data de nascimento também são desconhecidos. As pouquíssimas informações que se tem a respeito de Yasuke é devido a um certo padre jesuíta chamado François Solier, que em 1672 escreveu um relato descrevendo Yasuke como tendo vindo de Moçambique e, na época do relato, ele devia ter entre 18 e 24 anos, mas isso é incerto porque Pe. Solier não dissera qual era fonte dessa informação.

Outras fontes que alegam ser fontes primárias se contradizem em praticamente tudo. Yasuke é mais como uma lenda, apesar de terem tido certeza que ele existiu, mas toda lenda começa com algum acontecimento real… ou quase.

Mas o que se sabe realmente sobre Yasuke? Bem, os relatos apontam que sua chegada à Terra do Sol Nascente em 1579, trabalhando como assistente de outro padre jesuíta, o italiano Alessandro Valignano. Ninguém sabe como Yasuke começou a trabalhar como assistente de Vagignano, e muito menos o que ou mesmo onde ele estava antes disso. Mesmo o local de nascimento é palco para muita controvérsia. Outro debate leva em conta se ele era um negro escravo ou não. Ele poderia muito bem ter sido escravizado por brancos, líderes tribais ou mesmo ter sido vendido no maior mercado de escravos da época: o mercado conduzido pelo Império Árabe.

Pois é, não eram bem os brancos que comandavam o comércio de escravos, e os próprios reis africanos estavam muito satisfeitos com a quantidade de dinheiro que ganhavam com a venda de pessoas de tribos vizinhas e inimigas, que eram pegas, escravizadas e vendidas como um pedaço de carne. Brancos, negros, árabes e mesmo japoneses não eram bonzinhos. Ninguém era bonzinho nessa época no tocante a ver outros seres humanos como seres humanos. Só quando interessava.

Indo pelo lado do que se realmente tem certeza graças às fontes, é que Yasuke era um habilíssimo guerreiro, com uma estatura monumental, do alto dos seus 1,88m de altura. Para ter ideia das proporções, um japonês médio na época mal passava dos 1,5 m. Mas, claro, entre o cara ser um grande guerreiro e ser um samurai, tem muita diferença. Os samurais eram uma casta à parte, ou seja, você normalmente não se tornava um samurai. você já nascia nesta casta e era trinado desde jovem. Pouquíssimos eram aceitos de fora. Yasuke foi um desses casos raros.

Se você não sabe muito sobre samurais, então é preciso dar certas informações básicas: samurai não era um cara fodão, que fazia o que queria. Ele era um serviçal sob as ordens de um Daimyo, um senhor feudal rico e poderoso, dono de muitas terras. O Japão sempre foi um país agrário, e isso se manteve até o século XX, quando se modernizou rapidamente, muito rapidamente.

Algum tempo depois que Yasuke chegou – que alguns apontam como tendo sido em 23 de março de 1581 – um Daimyo chamado Oda Nobunaga ficou muito impressionado com seu porte físico e presença altiva. Nobunaga ficou sabendo de um certo estrangeiro que chegara que era completamente diferente dos estrangeiros que ele estava acostumado a lidar. Os moradores locais nunca tinham visto alguém como Yasuke, seja em tamanho, porte físico e mesmo cor de pele.


Oda Nobunaga

Quando Nobunaga viu que Yasuke era negro, ele assumiu que estava pintado. Ele ordenou que ele tirasse a camisa e que seus servos esfregassem a tinta de sua pele. Assim que ele percebeu que Yasuke não tinha a pele pintada, ele se alegrou e deu um banquete em sua homenagem, e muito provavelmente Yasuke não estava entendendo nada. Nobunaga talvez tenha acreditado que Yasuke era um demônio guardião ou um deus da prosperidade, já que os Sete Deuses da Prosperidade do Japão eram retratados por estátuas negras.


Sete Deuses da Prosperidade

Nobunaga ficou tão impressionado que fez de Yasuke seu vassalo, retentor e guarda-costas. Tomou-o para si como um samurai e Yasuke foi imediatamente para treinamento, se mostrando um perito no uso das armas. Assim, não demorou muito para que Yasuke ganhasse uma residência e uma katana, o tipo de honraria que os samurais tinham direito e a honra de possuir (e estou falando das duas coisas).

Há algo a ser dito sobre Oda Nobunaga e sua importância para a História do Japão: ele foi um dos Daimyos mais importantes e poderosas de sua época: o Período Sengoku, ou “Período dos Estados Beligerantes”. Caso você não tenha percebido pelo nome, naquela época (a saber, entre 1467 e 1573) o bicho estava pegando e seu término foi a ascensão do Período Edo, quando começa os xogunatos, para depois termos o Japão Imperial.

No período Sengoku, o Japão não se esfacelou em cidades-estado e sopradas depois como folhas ao vento graças aos esforços de Oda Nobunaga, que foi uma poderosa força unificadora do Japão. Sem ele, não teríamos o Japão como conhecemos hoje. Sem ele, o caos reinaria com as regiões se pulverizando em guerras e extermínios, já que japoneses adoravam um genocídiozinho de vez em quando.

Nobunaga é considerado um dos grandes unificadores do Japão e é a principal razão pela qual o Japão é um país e não muitos. Na época de sua morte, ele havia unificado metade do país e proporcionado estabilidade política para muitas regiões anteriormente caóticas. Pouco depois de sua morte, o Japão se unificou totalmente.

Voltando a Yasuke, ele, como falei, era uma sensação, uma curiosidade e os inimigos aprenderiam a temê-lo. Ninguém tinha visto alguém como ele, e as pessoas estavam curiosas. Aonde quer que fosse, Yasuke atraía multidões. Como as estátuas budistas geralmente eram pretas, muitas pessoas acreditavam que ele era um visitante divino.

Alguns relatos históricos chegam a dizer que prédios desabaram sob o peso de uma multidão que tinham ido ver Yasuke, mas devemos lembrar que as construções não eram de concreto reforçado com malha de aço, era madeira mesmo, e sem usar pregos. Ou pode ser pura hipérbole dos acontecimentos. A verdade é que não se sabe ao certo.

Em outro relato, Yasuke teve que cavalgar no meio de uma multidão para escapar depois que uma cidade inteira explodiu em um tumulto tentando chegar perto dele. Várias pessoas foram esmagadas até a morte, e ele se escondeu em uma igreja jesuíta.

Obviamente, você deve estar se perguntando como Yasuke se virava num lugar distante e uma cultura bem diversa da sua. Como Valignano viajava muito para vários lugares, ele precisava que seus assistentes fossem bem versados, com um mínimo de conhecimento sobre o local de forma a garantir uma fácil adaptação à população local.

Assim que Yasuke chegou no Japão, ele já tinha muito conhecimento sobre o local e a cultura japonesa, ao ponto de falar um pouco de japonês. Como ele tinha a facilidade de aprender rápido, logo ele se tornou fluente no idioma japonês.

Nobunaga o tratou bem e instruiu seu sobrinho a dar dinheiro a Yasuke. Yasuke acabou recebendo uma honra de prestígio quando Nobunaga o convidou para jantar. Embora simples para nós, o jantar com seu Daimyo raramente era possível para qualquer pessoa, exceto para o samurai mais privilegiado.

Enquanto servia Oda Nobunaga, Yasuke conheceu alguns dos homens mais influentes do período Sengoku. Ele conhecia Tokugawa Ieyasu, que se tornou o fundador do xogunato Tokugawa. Ele pode ter conhecido Toyotomi Hideyoshi, que também foi outro grande unificador do Japão. Mas como nem tudo são flores, e conhecendo bem a psique japonesa, nem todas as reuniões foram mil maravilhas. Há um registro de Yasuke conhecendo Akechi Mitsuhide, o homem que assassinou Oda Nobunaga e governou como xogum por 13 dias antes de Hideyoshi esmagá-lo com seu exército.

O sucesso político e militar de Oda Nobunaga deveu-se muito à sua mente aberta. Ele adorava ideias e culturas estrangeiras e trabalhava e integrava o que podia, o que é realmente digno de nota para um japonês, pois, normalmente, eles não são muito adeptos de estrangeiros. Nobunaga, entretanto, adorava roupas ocidentais e ocasionalmente as usava. Além disso, os registros atribuem a Nobunaga ser o primeiro homem no Japão a beber vinho de uma taça.

Seu interesse pelo Ocidente revolucionou a forma como o Japão travava guerras. Em 1549, Nobunaga encomendou 500 mosquetes, ou tanegashima, como ficaram conhecidos no Japão. Na época, as armas eram ineficazes em comparação com os arcos. Os exércitos de Nobunaga trabalharam rapidamente para melhorar sua eficácia. Eles desenvolveram técnicas para disparar continuamente e inventaram caixas revestidas para disparar na chuva. Eles até criaram um sistema para permitir que eles disparassem à noite com precisão. Em 1575, os arcabuzeiros de Nobunaga venceram a Batalha de Nagashino disparando continuamente através de um rio contra as forças inimigas.

Em 1582, Tokugawa Ieyasu e Oda Nobunaga se uniram para enfrentar Takeda Katsuyori e o clã Takeda, que resistiu amargamente aos esforços de Nobunaga para unificar o Japão. Yasuke lutou nesta batalha. No final, Takeda teve seu castelo queimado, acabando por fugir e tirar sua própria vida em outra fortaleza.

Aparentemente perto de ver seu sonho de um Japão unificado se realizar, a vida de Nobunaga chegou ao fim no final daquele ano. Akechi Mitsuhide e um exército de 13.000 homens cercaram Nobunaga no templo Honno-Ji em Kyoto, o tremplo em que Oda Nobunaga conhecera Yasuke. Na batalha que se seguiu, Yasuke lutou com seu Daimyo uma última vez.

Nobunaga recebeu uma flechada mortal, e como percebera que seu fim estava próximo, não deu o gostinho ao seu algoz como tendo matado-o. Com as poucas forças que ainda lhe restavam, o honorável Oda Nobunaga cometeu seppuku, de forma com que morresse honrosamente. Normalmente, o samurai comete seppuku quando seu Daimyo morre ou perde a honra e vive o que resta da sua vida em desgraça como um Ronin, um samurai sem mestre.

Embora Yasuke tenha se adaptado à cultura, isso provavelmente foi demais para ele. Ele se juntou ao filho de Nobunaga, Oda Nobutada, e escapou, com a intenção de servi-lo. Esse arranjo não durou muito, pois os homens de Mitsuhide o alcançaram e Oda Nobutada cometeu seppuku assim como seu pai antes dele.

Quanto ao motivo pelo qual Mitsuhide traiu Nobunaga, isso ainda é um mistério. Seja por ambição pessoal ou por rancor, ele assumiu como shogun do Japão pelos 13 dias seguintes, até que Toyotomi Hideyoshi se aliou ao clã Mori e abater o exército de Mitsuhide, que como um bom covarde sem honra fugiu, para depois um líder de bandidos chamado Nakamura Chobei dar cabo dele.

Quanto a Yasuke, ele entregou sua espada para Mitsuhide depois que Nobutada cometeu seppuku. Mitsuhide poderia tê-lo forçado a cometer seppuku também, mas decidiu não fazê-lo. Como Yasuke era um samurai negro, Mitsuhide acreditava que ele era um estranho, alguém que não era japonês e, por causa disso, inferior, não tendo a honra de praticar o seppuku. Mitsuhide humilhou Yasuke, obrigando seus homens a abandonar o Samurai Negro no templo dos “bárbaros do sul”.

Os jesuítas ficaram felizes em ver Yasuke chegando, e o receberam de braços abertos. Não se sabe muito sobre sua vida posterior, pois Yasuke abandona a história escrita deste ponto em diante.

Mas eu quero escrever um fim para ela.

Yasuke, sem sua katana, olha para o sagrado Monte Fuji. Seu trabalho ali terminara. O Samurai Negro agora era uma pessoa comum, mas ele viveu dias de glória e se vai reconhecido em importância e agradecimento venerando de um povo que o acolheu como um dos seus, ainda que a título de curiosidade, para depois reconhece-lo como grande guerreiro. Yasuke sai da história do Japão, mas escreveu seu nome com o aço da katana que empunhou a serviço do seu Daimyo.


Samurai fodão

6 comentários em “Yasuke, o samurai negão responsa

  1. Tem tanta coisa legal na história oriental e a gente só fica sabendo que o Japão “se abriu” aos estrangeiros quando os Estados Unidos gentilmente convidaram-no a aceitar as ofertas sob pena de tiro de canhão no lombo…
    Curti a história desse moço valente e honrado. :D

  2. Quem gostou do (excelente) relato e tiver a oportunidade de ler Xógum (James Clavell) não vai se arrepender.
    História é contada nessa época e fala justamente sobre a adaptação de um inglês à cultura japonesa e aos Samurais.

Deixe um comentário, mas lembre-se que ele precisa ser aprovado para aparecer.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s